Our manifesto to save Europe from itself -Thomas Piketty

We need to reduce inequality within countries, not between them, and invest in the future of all Europeans
Anúncios

One Belt, One Road, One Big Mistake

China’s signature foreign-policy project is a failure that the U.S. shouldn’t copy.

the headlines coming out of this year’s APEC conference in Papua New Guinea focused on the conflict between America and China that kept the forum from issuing a joint communiqué. Less noticed were two short memorandums released on the sidelines of the conference by the island nations of Vanuatu and Tonga. In return for renegotiating existing debt, both agreed to become the newest participants—following other Pacific nations like Papua New Guinea and Fiji—in Chinese President Xi Jinping’s signature foreign-policy venture, the Belt and Road Initiative (BRI).

As Xi’s trillion-dollar development strategy has snaked away from the Eurasian heartland and into the South Pacific, western Africa, and Latin America, concern has grown. Many Americans fear that the Belt and Road Initiative is an extension of efforts by the Chinese Communist Party (CCP) to undermine the security and economic architecture of the international order. China’s growing largesse, they worry, comes largely at the expense of international institutions and American influence.

This angst lies behind another announcement made at last month’s APEC gathering: Australia, Japan, and the United States declared that they had formed their own trilateral investment initiative to help meet infrastructure needs in the Indo-Pacific. For some this is not enough: In its most recent report to the United States Congress, the bipartisan U.S.-China Economic and Security Review Commission recommended that Congress create an additional fund “to provide additional bilateral assistance for countries that are a target of or vulnerable to Chinese economic or diplomatic pressure.”

This is the wrong response to the Belt and Road Initiative. Ignore the hype: For the Chinese, this initiative has been a strategic blunder.

Ignore the hype: For the Chinese, this initiative has been a strategic blunder.

By buying into the flawed idea that barrels of money are all that is needed to solve complex geopolitical problems, China has committed a colossal error. Xi’s dictatorship makes it almost impossible for the country to admit this mistake or abandon his pet project. The United States and its allies gain nothing from making China’s blunders their own. 

In Xi’s speeches, the phrase most closely associated with the Belt and Road Initiative is “community of common destiny.” Xi’s use of this term is meant to link the BRI to the deeper purpose party leaders have articulated for the CCP over the last three decades. China’s leaders believe that not only is it their “historic mission” to bring about China’s “national rejuvenation” as the world’s most prestigious power, but that China has a unique role to play in the development of “political civilization” writ large.

It is the Chinese, Xi maintains (as Hu and Jiang did before him), who have adapted socialism to modern conditions, and in so doing have created a unique Chinese answer to “the problems facing mankind.” Though this answer began in China, Xi is clear that the time has come for “Chinese wisdom and a Chinese approach” to benefit those outside of China. The Belt and Road Initiative is intended to do just that. By using the Chinese model of socialism to develop the world’s poorer regions, the initiative justifies Xi’s grandiose claims about the party’s historic mission on the international stage.

To match these lofty aims, Chinese academics and policy analysts at prestigious party think tanks have articulated more down-to-earth goals for the initiative. According to them, the BRI promises to integrate China’s internal markets with those of its neighbors. Doing so will bring its neighbors closer to China geopolitically and bring stability to the region. By increasing economic activity in China’s border regions, such as Xinjiang and Tibet, the Belt and Road Initiative will lessen the appeal that separatist ideology might have to the residents. Another projected benefit is the energy security that will come through the construction of BRI-funded transport routes. Finally, by articulating and then following through on an initiative that puts common development over power politics, China will gain an advantage over other major countries (read: Japan and the United States) who present the world as a black-and-white competition for hegemony. The community of common destiny, these analysts have claimed, is a community that will immensely benefit China.

As the Belt and Road Initiative is only five years old (and many of its main members have been involved for a far shorter time) its full results cannot yet be judged. However, a preliminary assessment can be offered for BRI projects in South and Southeast Asia, the region described by Chinese leaders as the “main axis” of the Belt and Road Initiative. It is here that BRI investment is strongest and has been around longest. The picture is not promising. The hundreds of billions spent in these countries has not produced returns for investors, nor political returns for the party. Whether Chinese leaders actually seek a financial return from the Belt and Road Initiative has always been questionable—the sovereign debt of 27 BRI countries is regarded as “junk” by the three main ratings agencies, while another 14 have no rating at all.

Investment decisions often seem to be driven by geopolitical needs instead of sound financial sense.

Investment decisions often seem to be driven by geopolitical needs instead of sound financial sense.

In South and Southeast Asia expensive port development is an excellent case study. A 2016 CSIS report judged that none of the Indian Ocean port projects funded through the BRI have much hope of financial success. They were likely prioritized for their geopolitical utility. Projects less clearly connected to China’s security needs have more difficulty getting off the ground: the research firm RWR Advisory Group notes that 270 BRI infrastructure projects in the region (or 32 percent of the total value of the whole) have been put on hold because of problems with practicality or financial viability. There is a vast gap between what the Chinese have declared they will spend and what they have actually spent.There is also a gap between how BRI projects are supposed to be chosen and how they actually have been selected. Xi and other party leaders have characterized BRI investment in Eurasia as following along defined “economic corridors” that would directly connect China to markets and peoples in other parts of the continent. By these means the party hopes to channel capital into areas where it will have the largest long-term benefit and will make cumulative infrastructure improvements possible.

This has not happened: one analysis of 173 BRI projects concluded that with the exception of the China-Pakistan Economic Corridor (CPEC) “there appears to be no significant relationship between corridor participation and project activity… [suggesting that] interest groups within and outside China are skewing President Xi’s signature foreign policy vision.” This skew is an inevitable result of China’s internal political system. BRI projects are not centrally directed. Instead, lower state bodies like provincial and regional governments have been tasked with developing their own BRI projects. The officials in charge of these projects have no incentive to approve financially sound investments: by the time any given project materializes, they will have been transferred elsewhere. BRI projects are shaped first and foremost by the political incentives their planners face in China: There is no better way to signal one’s loyalty to Xi than by laboring for his favored foreign-policy initiative. From this perspective, the most important criteria for a project is how easily the BRI label can be slapped on to it.

This is why many of the more promising BRI projects were already slated or under construction well before Xi announced his vision for the initiative. These projects have simply been rebranded with the BRI label to curry favor with the party leadership. (Sometimes this rebranding reaches comical proportions: Turkey’s Marmaray rail tunnel, for example, was recently lauded by the World Bank as an exemplary BRI investment, even though it is funded by a Turkey-EU-Japan consortium and appears to have no Chinese involvement.) It is easier to rebrand a successful project as part of the Belt and Road Initiative than it is to create successful projects from scratch.

This reality helps explain the coolness with which private investors have treated the initiative. Despite stringent capital controls on non-BRI investment, only 12 percent of Chinese foreign direct investment has been directed to the countries participating in the Belt and Road Initiative (and one third of that goes to the developed economies of South Korea, Israel, and Singapore). Government calls for participation from international partners and private investment have been ignored: large state-owned enterprises and government policy provide more than 95 percent of BRI funding. BRI is not a brand investors trust.

This might not matter if BRI projects were driving favorable political outcomes. They aren’t. Prolonged exposure to the BRI process has driven opposition to Chinese investment and geopolitical influence across the region. In the Maldives, the pro-Beijing Progressive Party of Maldives was unseated this year by the Maldivian Democratic Party, which ran on an explicitly anti-BRI platform. The Maldives’ new president calls the BRI “a big cheat” and a “debt trap” that must be abandoned or renegotiated.

He has a kindred spirit in Mahathir Mohamad, the new prime minister of Malaysia, who has described BRI projects as a form of “new colonialism” that must be rejected. Beijing’s quest to create a stable pro-China tilt in Sri Lanka has only spawned political instability, with President Maithripala Sirisena sliding up to and away from Sri Lankan politicians connected to China as the situation demands. In Bangladesh authorities recently blacklisted China Harbour Engineering Company, one of the region’s most active BRI construction firms, on accusations of corruption.

Burma was so alarmed by regional trends that it put a hold on its own BRI-funded port project in Kyaukpyu until the Chinese agreed to cut its scale by 80 percent. Nepal and Pakistan have also demanded that China cancel or completely retool ongoing projects in their countries. In western Pakistan opposition to the initiative has turned violent. Last week Baluchi separatists attacked the Chinese consulate in Karachi, treating Chinese infrastructure investment in their region as a threat to their dreams of independence. Chinese analysts who hoped that the BRI investment would help stabilize China’s borderlands and ease the threat it faces from ethnic separatists inside China now must come to terms with an initiative that is embroiling China in conflict with separatists outside of it.

 

The problems China has had with the BRI stem from contradictions inherent in the ends party leaders envision for the initiative and the means they have supplied to reach them. BRI projects are chosen through a decentralized project-management system and then funded through concessional loans offered primarily by PRC policy banks. This is a recipe for cost escalation and corruption. In countries like Cambodia, a one-party state ruled by autocrats, this state of affairs is viable, for there is little chance that leaders will be held accountable for lining their pockets (or, more rarely, the coffers of their local communities) at the entire nation’s expense. But most BRI countries are not Cambodia. In democracies this way of doing things is simply not sustainable, and in most BRI countries it is only so long before an angry opposition eager to pin their opponents with malfeasance comes to power, armed with the evidence of misplaced or exploitative projects.

If the party leadership was willing to pour extra resources into target countries each time power changed hands, they might be able to blunt this sort of opposition. Beijing has not proven willing to do this. The helter-skelter nature of BRI investment has caused other problems for party leadership: while local Chinese governments and state-owned enterprises are willing to lend so much that BRI investments threaten to drive some countries towards default, the central government is not willing to be the lender of last resort for the countries thus driven. Like Pakistan last month, most countries forced to this extremity will have only one option left: come crawling to the International Monetary Fund in hopes of a solution. For such countries, the end result of Chinese investment is an even stronger dependence on the Western-led financial system.

Far from being a strategic masterstroke, the BRI is a sign of strategic dysfunction. There is no evidence that it has reshaped Asia’s geopolitical realities. The countries that have benefited most from it are those that already had strong geopolitical reasons for aligning themselves with Chinese power, such as Cambodia and Pakistan. The expansion of the Belt and Road Initiative across the globe is deeply worrisome not because of the strategic threat it poses to the standing international order, but because of what it tells us about the internal workings of the world’s most powerful authoritarian state.

These problems are not new. For the last three years even China’s state-run banks have been trying to extricate themselves from spending more on the initiative. Yet despite these problems, the initiative expands to new countries and continents. Why this is happening is clear enough—no other foreign policy program is associated personally with Xi like this one is. Xi’s apotheosis to permanent leadership at the 19th Party Congress this spring meant that his signature foreign-policy initiative also had to be elevated—and so it was, written directly into the constitution of the Chinese Communist Party. Now to attack the Belt and Road Initiative is to attack the legitimacy of the party itself. The Belt and Road Initiative is evidence that the party’s once responsive policymaking system is breaking down. The rest of the world must recognize that BRI persists only because it is the favored brainchild of an authoritarian leader living in an echo chamber.

Quem criou o Estado Islâmico?

Operation Cyclone (1979-1989): US spent billions of dollars arming and training extremists from all over the Arab world to fight the Soviets in Afghanistan

1:

2:

Osama Bin Laden: Profile of a Terror Leader

Osama bin Laden, labeled “one of the most significant financial sponsors of Islamic extremist activities in the world,” has been linked to terrorist actions for years, and has been named the prime suspect in the Sept. 11, 2001, terrorist attacks on the United States.

The Saudi exile also is suspected of playing large roles in the 1998 bombings of two U.S. embassies in Africa and the attack on the USS Cole in the Yemeni port of Aden in October 2000.

He has been a man on the run since a U.S.-led attack in late 2001 drove out Afghanistan’s ruling Taliban party, which had refused an American demand to turn over bin Laden to U.S. custody.

Bin Laden had been living in Afghanistan, and the United States asserts that he ran his terrorist operations out of that country. Since late 2001, news organizations have received a series of pre-recorded statements purportedly from bin Laden, but the terrorist kingpin’s whereabouts have never been definitively determined.

The capture of one of his deputies, Khalid Shaikh Mohammed in Pakistan, which was announced March 1, had raised hopes that the world’s most-wanted man may finally be nabbed after an intense, high-profile manhunt.

It followed information allegedly supplied by Mohammed to his interrogators that weeks before his capture, Mohammed met bin Laden in Pakistan’s southwestern Baluchistan province or in the rugged mountain peaks that run along the border with Afghanistan.

Bin Laden’s al Qaeda organization is a loose umbrella association of radical groups and people believed to operate in dozens of countries around the world.

Long before the embassy bombings in Africa, al Qaeda members were suspected of playing a role in several attacks against U.S. interests, including the 1993 World Trade Center bombing, failed plots to kill President Clinton and the pope, and attacks on U.S. troops in Saudi Arabia and Somalia.

Bin Laden has also used his millions to bankroll terrorist training camps in Sudan, the Philippines and Afghanistan, sending holy warriors to foment revolution and fight with fundamentalist Muslim forces across North Africa, in Chechnya, Tajikistan and Bosnia.

Ordinary Young Man — Then He Joined Jihad

Born in 1957, bin Laden was the son of Saudi Arabia’s wealthiest construction magnate. Saudi sources remember him as an ordinary young man whose intense religious nature began to emerge as he grew fascinated with the ancient, holy mosques of Mecca and Medina, which his family’s company was involved in rebuilding.

In the 1980s, bin Laden left his comfortable Saudi home for Afghanistan to participate in the Afghan jihad, or holy war, against the invading forces of the Soviet Union — a cause that, ironically, the United States funded, pouring $3 billion into the Afghan resistance via the CIA.

Bin Laden became a leader of Arabs living in Afghanistan and a regional hero, but was careful throughout to distance himself from U.S. influence. The war radicalized bin Laden’s politics.

Afterwards, he declared the Saudi ruling family “insufficiently Islamic” and increasingly advocated the use of violence to force movement toward extremism.

Saudi Arabia stripped bin Laden of his citizenship in 1994 for his alleged activities against the royal family, after he had left the country for Sudan. He later was expelled from Sudan under U.S., Egyptian and Saudi pressure. In 1996, he took refuge in Afghanistan.

Former mujahideen commanders close to the Taliban say that in Afghanistan, bin Laden bankrolled the hard-line Islamic regime’s capture of Kabul under the leadership of the reclusive Mullah Mohammed Omar. Bin Laden became one of Omar’s most trusted advisers.

Bin Laden is said to personally control about $300 million of his family’s $5 billion fortune. His role as a financier of terrorism is pivotal, experts say, because he has revolutionized the financing of extremist movements by forming and funding his own private terror network.

Bin Laden has devoted not only his own fortune, but his business acumen to the cause, and through a nebulous network he calls the Foundation for Islamic Salvation — which sources say runs money through companies in the United States, Europe and the Middle East — the powerful recluse has funneled money into the promotion of terrorist causes around the world.

Pepe Escobar: Começam hoje 50 anos de guerra de tarifas? 

Trade-War
6/7/2018, Pepe Escobar, Asia Times

Traduzido pela Vila Vudu

Muito mais que primeiro tiro à meia-noite de hoje do que pode converter-se em terrível guerra comercial, a queda de braços de tarifas entre EUA e China deve ser vista no contexto de grande virada no Grande Quadro geopolítico e econômico.

O jogo de passar adiante as culpas, e todos os tipos de cenários de especulação de como pode evoluir a disputa de tarifas, são questões periféricas. O alvo crucialmente decisivo do que hoje se inicia não é algum “livre comércio” que seria disfuncional; o alvo é o projeto “Made in China 2025” – a China autoconfigurada como usina geradora de alta tecnologia equivalente, ou mesmo superando EUA e UE.

É sempre importante destacar que foi a Alemanha que, na verdade, forneceu o molde para “Made in China 2025”, mediante sua estratégia Indústria 4.0.

“Made in China 2025” tem por alvo 10 campos tecno-estratégicos: tecnologia de informação, incluindo redes 5G e cibersegurança; robótica, aeroespaço; engenharia oceânica; ferrovias para vagões de alta velocidade; veículos movidos a novas energias; equipamento elétrico; maquinaria para agricultura; novos materiais; e biomedicina. 

Para que o projeto “Made in China 2025” dê frutos, Pequim já investiu em cinco centros nacionais de produção de inovações e em 48 centros provinciais, parte de um projeto para chegar a 40 centros nacionais até 2025. E em 2030, via uma estratégia paralela, a China já deverá estar estabelecida também como líder no campo da inteligência artificial (IA).

“O Sonho Chinês”, mantra do presidente Xi Jinping, também conhecido como “o grande rejuvenescimento da nação chinesa”, é estritamente ligado não só a “Made in China 2025”, internamente, mas também, externamente, à Iniciativa Cinturão e Estrada (ICE), conceito que dá organicidade à política exterior da China para todo o futuro planeável. E os dois tópicos – “Made in China 2025” e ICE – são absolutamente inegociáveis. 

Em agudo contraste, não se vê nem sinal no horizonte de qualquer projeto “Made in USA 2025”. A Casa Branca parece modular todo o processo como uma batalha contra a “agressão econômica dos chineses”. A Estratégia de Segurança Nacional define a China como principal força que desafia o poder dos EUA. A Estratégia de Defesa Nacional do Pentágono vê a China como “concorrente estratégico que usa economia predatória”. E como chegamos a isso?

Inovação ou morte 

E indispensável conhecer um pouco do contexto-cenário.

David Harvey, em O Novo Imperialismo, recorre a The Global Gamble: Washington’s Bid for Global Dominance de P. Gowan, para chamar atenção para o quanto ambos veem “a radical reestruturação do capitalismo internacional depois de 1973 como uma série de jogadas, tentadas pelos EUA, interessados em manter a própria posição hegemônica nos assuntos econômicos mundiais contra Europa, Japão e, depois, contra o Leste e o Sudeste da Ásia”.

Antes de o milênio acabar, Harvey já enfatizava o modo como Wall Street e o Tesouro dos EUA eram operados pelo Estado como “instrumento formidável de governança econômica para impulsionar os processos de globalização e as transformações domésticas neoliberais associadas.”

A China por seu lado jogou magistralmente seu jogo de reorientação do capitalismo – investindo sem meias medidas no que se pode descrever como “neoliberalismo com características chinesas”, e lucrando o máximo possível da projeção de poder econômico dos EUA via mercados abertos e os membros da Organização Mundial de Comércio.

Agora a China, em velocidade alucinante, está finalmente pronta a investir na projeção de seu próprio poder econômico. Como Harvey já observou há mais de uma década, o próximo passo para o capitalismo da Ásia Oriental seria “afastar-se do muito que depende do mercado norte-americano”, rumo ao “cultivo de um mercado interno”.

Harvey descreveu o programa de modernização massiva da China como “uma versão interna de reorientação espaço-temporal equivalente ao que os EUA fizeram internamente nos anos 1950s e 1960s mediante a suburbanização e o desenvolvimento do chamado Cinturão do Sol”. Na sequência, a China estaria “gradualmente drenando o capital excedente do Japão, de Taiwan e da Coreia do Sul e, assim, reduzindo os fluxos para os EUA”. Já está acontecendo.

O presidente Trump não é exatamente o que se diria um estrategista geopolítico. A razão para as novas tarifas pode ser forçar as cadeias de suprimento das empresas norte-americanas a reduzir o muito que dependem, hoje, da China. Mas o modo como a economia global foi montada não aguenta o desmanche dessas cadeias de suprimento – com a produção sendo des-deslocalizada de volta aos EUA, como diz Trump. O local, local, local também rege a lógica do capitalismo turbinado: as empresas sempre privilegiarão a mão de obra mais barata e os menores custos de produção, não importa onde estejam.

Agora, comparem isso à China que investe em deslocalização da alta tecnologia integrada com centros de excelência norte-americanos. No que se trate da cabeça do combate na linha da inovação entre China e EUA, a estratégica do Zhongguancun Development Group (ZDG) é caso fascinante.

O grupo ZDG estabeleceu vários centros de inovação fora da China. O principal Centro ZGC de Inovação está instalado em Santa Clara, Califórnia, bem perto de Stanford e dos campus de Google e Apple. Há agora um novo centro em Boston à distância de um grito de Harvard e do MIT.

Esses centros fornecem o pacote completo – desde laboratórios que são o estado da arte até – fator crucialmente importante – o capital, mediante um fundo de investimento. A matrix vem do governo de Pequim, pelo tecnodistrito da cidade. E nem é preciso dizer que o grupo ZDG está integralmente alinhado com a ICE e a ênfase que jamais é esquecida na expansão, para “aprender a experiência de outros países, de um ecossistema de inovação”

Isso, num microcosmo, é do que trata o projeto “Made in China 2025”.

Meio século de guerra comercial?

Assim sendo, o que acontecerá?

Sob o atual tsunami de histeria, a análise sóbria que nos vem de Li Xiao, decano da Escola de Economia da Universidade Jilin, é mais que bem-vinda.

Li vai logo à jugular. Destaca o quanto “a ascensão da China é, essencialmente, um ganho de status dentro do sistema do dólar.” Do ponto de vista de Pequim, é imperativo mudar, mas a mudança será gradual. “O objetivo da internacionalização do yuan não é substituir o dólar. No curto prazo, o sistema do dólar é insubstituível. Nosso objetivo para o yuan é reduzir o risco e o custo, sob o sistema do dólar.”

Com muito realismo, Li também admite que “o conflito entre as duas maiores potências prosseguirá por, no mínimo, 50 anos, talvez mais. Tudo o que está acontecendo hoje é apenas um show preliminar, antes do espetáculo principal da história.”

Implícita na metáfora do show preliminar, antes do espetáculo principal, é a ideia de que a liderança chinesa parece interpretar o primeiro tiro do tarifaço, à meia-noite de hoje, como um modo de reaquecer o que se lê na Estratégia de Segurança Nacional dos EUA. A conclusão, para Pequim é uma só e inescapável: agora, os EUA começaram a ameaçar o Sonho Chinês.

Dado que o Sonho Chinês, o “rejuvenescimento da nação chinesa”, “Made in China 2025”, a ICE, o multipolarismo e a China como motor da integração da Eurásia são itens absolutamente não negociáveis, não surpreende que o cenário esteja montado para forte, inevitável turbulência.*******

Anatomia do golpe: as pegadas americanas 

000062498
3/7/2017, Tereza Cruvinel – Conversa Afiada

O golpe em curso no Brasil é sofisticada operação político-financeira-jurídico-midiática, tipo guerra híbrida. E será muito difícil deslindá-la”, diz o jornalista Pepe Escobar. E mais difícil fica na medida em que surgem contradições entre seus próprios artífices. A enxurrada de conversas que Sergio Machado, ex-presidente da Transpetro e um dos operadores do Petrolão, teve e gravou com cardeais do PMDB, induz à ilusória percepção de que o impeachment da presidente Dilma Rousseff foi apenas um golpe tupuniquim, armado pela elite política carcomida para deter a Lava Jato e lograr a impunidade. O procedimento “legal” que garantiu a troca de Dilma por Temer, para que ela faça o que está fazendo, foi peça de operação maior e mais poderosa desencadeada ainda em 2013 para atender a interesses internos e internacionais. E nela ficaram pegadas da ação norte-americana.

Interesses internos: remover Dilma, criminalizar o PT, inviabilizar Lula como candidato a 2018 e implantar uma política econômica ultra-liberal, encerrando o ciclo inclusivo e distributivista. Interesses externos: alterar a regra do pré-sal e inverter a política externa multilateralista que resultou nos BRICS, na integração sul-americana e em outros alinhamentos Sul-Sul.

As gravações de Machado desmoralizam o processo e seus agentes e complicam a evolução do governo Temer mas nem por isso o inteiro teor da trama pode ser reduzido à confissão de Romero Jucá, de que uma reunião de caciques do PMDB, PSDB, DEM e partidos conservadores menores, em reuniões noturnas, decidiram que era hora de afastar Dilma para se salvarem. E daí vieram a votação de 17 de abril na Câmara, a farsa da comissão especial e a votação do dia 11 de maio no Senado.

Um longo caminho, entretanto, foi percorrido até que estes atos “legais” fossem consumados. Para ele contribuíram a Lava Jato e suas estrelas, a Fiesp com seu suporte a grupos pró-impeachment e o aliciamento de deputados, o mercado com seus jogos especulativos na bolsa e no câmbio para acirrar a crise, Eduardo Cunha e seus asseclas com as pautas bombas na Câmara. E também as obscuras mas perceptíveis ações da NSA, Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos, e da CIA, na pavimentação do caminho e na fermentação do clima propício ao desfecho. Os grampos contra Dilma, autoridades do governo e da Petrobrás, os protestos contra o governo, o desmanche econômico e a dissolução da base parlamentar, tudo se entrecruzou entre 2013 e 2016.

Se os que aparecem agora nas conversas gravadas buscaram poder, impunidade e retrocesso ao país de poucos e para poucos, os agentes externos miraram o projeto de soberania nacional e o controle de recursos estratégicos, em particular o petróleo do Pré-Sal. Não por acaso, a aprovação do projeto Serra, que suprime a participação mínima obrigatória da Petrobrás, em 30%, na exploração de todos os campos licitados, entrou na agenda de prioridades legislativas do novo governo.

Muito já se falou da coincidente chegada ao Brasil, em agosto de 2013, de Liliana Ayalde como embaixadora dos Estados Unidos, depois de ter servido no Paraguai entre 2008 e 2011, saindo pouco antes do golpe parlamentar contra o ex-presidente Fernando Lugo. Num telegrama ao Departamento de Estado, em 2009, vazado por Wikileaks, ela disse:. “Temos sido cuidadosos em expressar nosso apoio público às instituições democráticas do Paraguai – não a Lugo pessoalmente”. E num outro, mais tarde : “nossa influência aqui é muito maior que as nossas pegadas”.

O que nunca se falou foi que a própria presidente Dilma, tomando conhecimento dos encontros que Ayalde vinha tendo com expoentes da oposição no Congresso, mandou um emissário avisá-la de que via com preocupação tais movimentos. Eles cessaram, pelo menos ostensivamente. Ayalde havia chegado pouco antes da Lava Jato esquentar e no curso da crise diplomática entre o Brasil e os Estados Unidos, detonada pela denúncia do Wikleaks de que a NSA havia grampeado Dilma, Petrobrás e outros tantos. Segundo Edward , o ex-agente da NSA que denunciou a bibilhotagem, “em 2013 o Brasil foi o país mais espionado do mundo”. Em Brasília funcionou uma das 16 bases americanas de coleta de informações, uma das maiores.

A regra de exploração do pré-sal e a participação do Brasil nos BRICS (grupo formado por Brasil, Rússia, India. Chia e Africa do Sul), especialmente depois da criação, pelo bloco, de um banco de desenvolvimento com capital inicial de US 100 bilhões, encabeçaram as contrariedades americanas com o governo Dilma.

Recuemos um pouco. Em dezembro de 2012, as jornalistas Cátia Seabra e Juliana Rocha publicaram na Folha de São Paulo telegrama diplomático vazado por Wikileaks, relatando a promessa do candidato José Serra a uma executiva da Chevron, de que uma vez eleito mudaria o modelo de partilha da exploração do pré-sal fixado pelo governo Lula: a Petrobrás como exploradora única, a participação obrigatória de 30% em cada campo de extração e o conteúdo nacional dos equipamentos. Estas regras, as petroleiras americanas nunca aceitaram. Elas querem um campo livre como o Iraque pós-Saddam. A Folha teve acesso a seis telegramas relatando o inconformismo delas com o modelo e até reclamando da “falta de senso de urgência do PSDB”. Serra perdeu para Dilma em 2010 mas como senador eleito em 2014, apresentou o projeto agora encampado pelo governo Temer.

No primeiro mandato, Dilma surfava em altos índices de popularidade até que, de repente, a pretexto de um aumento de R$ 0,20 nas tarifas de ônibus de São Paulo, estouraram as manifestações de junho de 2013. Iniciadas por um grupo com atuação legítima, o Movimento Passe Livre, elas ganham adesão espontânea da classe média (que o governo não compreendeu bem como anseio de participação) e passam a ser dominadas por grupos de direita que, pela primeira vez, davam as caras nas ruas. Alguns, usando máscaras. Outros, praticando o vandalismo. Muitos inocentes úteis entraram no jogo. Mais tarde é que se soube que pelo menos um dos grupos, o MBL, era financiado por uma organização de direita norte-americana da família Koch. E só recentemente um áudio revelou que o grupo (e certamente outros) receberam recursos também do PMDB, PSDB, DEM e SD.

Aparentemente a ferida em Dilma foi pequena. Mas o pequeno filete de sangue atiçou os tubarões. Começava a corrida para devorá-la. A popularidade despencou, a situação econômica desandou, veio a campanha de 2014 e tudo o que se seguiu.

Mas nesta altura, a espionagem da NSA já havia acontecido, tendo talvez como motivação inicial a guerra do pré-sal. Escutando e gravando, encontraram outra coisa, o esquema de corrupção. E aqui entram os sinais de que as informações recolhidas foram decisivas para a decolagem da Lava Jato. Foi logo depois do Junho de 2013 que as investigações avançaram. A partir da prisão do doleiro Alberto Yousseff, numa operação que não tinha conexão com a Petrobrás, o juiz federal Sergio Moro consegue levar para sua alçada em Curitiba as investigações sobre corrupção na empresa que tem sede no Rio, devendo ter ali o juiz natural do caso. Moro havia participado, em 2009, segundo informe diplomático também vazado por Wikileaks, de seminário de cooperação promovido pelo Departamento de Estado, o Projeto Pontes, destinado a treinar juízes, procuradores e policiais federais no combate à lavagem de dinheiro e contraterrorismo. Participaram também agentes do México, Costa Rica, Panamá, Argentina, Uruguai e Paraguai. Teria também muitas conexões com procuradores norte-americanos.

Com a prisão de Yousseff, a Lava Jato deslancha como um foguete. Os primeiros presos já se defrontam com uma força tarefa que detinha um mundo de informações sobre o esquema na Petrobrás. Executivos e sócios de empreiteiras rendiam-se às ofertas de delação premiada diante da evidência de que negar era inútil, só agravaria suas penas. O estilo espetaculoso das operações e uma bem sucedida tática de comunicação dos procuradores e delegados federais semeou a indignação popular. Vazamentos seletivos adubaram o ódio ao PT como “cérebro” do esquema.

As coisas foram caminhando juntas, na Lava Jato, na economia e na política. A partir do início do segundo mandato de Dilma, ganharam sincronia fina. Na Câmara, Eduardo Cunha massacrava o governo e a cada derrota o mercado reagia negativamente. A Lava Jato, com a ajuda da mídia, envenenava corações e mentes contra o governo. Os movimentos de direita e pró-impeachment ganharam recursos e músculos para organizar as manifestações que culminaram na de 15 de março. A Fiesp entrou de cabeça na conspiração e a Lava Jato perdeu todo o pudor em exibir sua face política com a perseguição a Lula, a coerção para depor no aeroporto de Congonhas e finalmente, quando ele vira ministro, a detonação da última chance que Dilma teria de rearticular a coalizão, com o vazamento da conversa entre os dois.

No percurso, Dilma e o PT cometeram muitos erros. Erros que não teriam sido fatais para outro governo, não para um que já estava jurado de morte. Mas este não é o assunto agora, nesta revisitação em busca da anatomia do golpe.

Em março, a ajuda externa já fizera sua parte mas as pegadas ficaram pelo caminho. O governo já não conseguia respirar. Mas, pela lei das contradições, a Lava Jato continuou assustando a classe política, sabedora de que poderia “não sobrar ninguém”. É quando os caciques se reúnem, como contou Jucá, e decidiram que era hora de tirar Dilma “para estancar a sangria”.

Desvendar a engrenagem que joga com o destino do Brasil desde 2013 é uma tentação frustrante. Faltam sempre algumas peças no xadrez. Mas é certo que, ainda que incompleta, a narrativa do golpe não é produto de mentes paranoicas. No futuro, os historiadores vão contar a história inteira de 2016, assim como já contaram tudo ou quase tudo sobre 1964.”

_______________

Em tempo: pequeno acréscimo a esse notável texto da notável Cruvinel: o ladrão presidente, quando era um parlamentar do baixo-clero, passou informações sigilosas ao cônsul americano em São Paulo, como demonstrou também o WikiLeaks que flagrou o traidor do Serra. O Temer era tão inexpressivo que a CIA mandava o Consul e não o Embaixador recolher o que ele expelia. – PHA

Única novidade nas guerras econômicas de Trump são os tuítos: EUA tentam manter a hegemonia do dólar 

currency wars
30/6/2018, F. William Engdahl,
 Global Research, Canadá

Traduzido pela Vila Vudu


A única novidade na guerra econômica promovida pelo governo Trump, assalto calculado contra amigos e inimigos, de Rússia à China, ao Irã, à Venezuela e à União Europeia , a chamada ‘guerra das tarifas’, é que, dessa vez, há um presidente que se serve de tuítos como arma de guerra, para desequilibrar o planeta. Desde pelo menos o final dos anos 1970s, Washington serve-se rotineiramente de táticas similares de chantagem econômica e desestabilização, para forçar o que já se converteu em dominação global, não de bens produzidos pelos EUA, mas do dólar como moeda mundial de reserva.

Já por quase cinco décadas, desde 15/8/1971, Washington e Wall Street servem-se de sua posição dominante para forçar dólares papel-moeda inflados pelo mundo, provocar bolhas financeiras e, subsequentemente, empurrar a dívida para níveis impossíveis, até o colapso.

O ponto mais essencial a compreender sobre as ditas “guerras comerciais” de Trump é que nada têm a ver com comércio ou com corrigir o comércio ou algum desequilíbrio nas moedas com os parceiros de exportações dos EUA. Esse mundo foi descartado em 1971 por Nixon e conselheiros.

A economia dos EUA desde 1971 foi convertida em fonte de ganho financeiro que, de fato, converteu os EUA, de nação produtora de bens industriais, em nação cujo objetivo de todos os investimentos é fazer dinheiro gerar mais dinheiro. Empresas como General Motors, que no final dos anos 1960s era a maior fabricante de carros e caminhões do planeta, coração da economia norte-americana, foram atraídas para a especulação, usando seu braço financeiro (GMAC autofinanciadora de veículos) para apostar no cassino financeiro mundial, apostas que deram péssimo resultado quando a bolha imobiliária explodiu nos EUA em março de 2007, e a GM foi estatizada, e os mega bancos de Wall Street foram ‘resgatados’ com dinheiro dos contribuintes e do Fed.

O processo, que descrevi em detalhe em meu livro Gods of Money, estendeu-se por décadas. À altura do ano 2000, os bancos e fundos de investimento de Wall Street dominavam completamente toda a economia dos EUA. Os empregos em fábricas haviam sido ‘exportados’, “deslocalizados”, não por chineses ou alemães ou outros “exploradores gananciosos” como se dizia, mas por pressão dos mesmos bancos de Wall Street que, desde os anos 1980, levaram as empresas a se focar exclusivamente no valor das ações, não na solidez dos próprios produtos. Cabeças corporativas rolavam, se os bancos de Wall Street não aprovassem os números do retorno financeiro. Isso resultou em EUA que são, primariamente, uma economia de serviços, uma economia de consumidores afogados em dívidas, não mais uma economia industrial líder no mundo. Os ditos 1% mais ricos, os oligarcas dos EUA, exigem hoje tributo equivalente do resto do mundo, para sustentar o insustentável. A guerra comercial e econômica de Trump nada é além de golpe desesperado para tentar reproduzir, meio século depois, o que funcionou nos anos 1970s.

A ‘Segunda Revolução Norte-americana’

A transformação que destruiu a antes grande economia industrial norte-americana teve raízes nas transformações dos anos 1970s. A dominância pós-1930s da economia keynesiana, que entendia quedeficit nas contas do estado poderia mitigar os efeitos negativos de recessões ou depressões, deu lugar ao que John D. Rockefeller III em livro intitulado The Second American Revolution, argumentou que seria um regime de desregulação, privatização de empresas estatais, como usinas de eletricidade, sistemas de água e rodovias.

Ao mesmo tempo, os ideólogos do livre mercado do Monte Pélèrin reunidos em torno do economista da Universidade de Chicago Milton Friedman, foram promovidos por Wall Street e pelo establishmentfinanceiro dos EUA que cercava Rockefeller. Friedman tornou-se o guru da economia de livre mercado, operando como conselheiro de Ronald Reagan e de Margaret Thatcher durante os anos 1980s. Seu dogma do livre mercado foi posto nas trincheiras do FMI e usado para pregar a favor da terapia de choque econômico e desregulação por toda a América Latina e nas economias comunistas do que fora a União Soviética e na Europa Oriental.

O evento chave, no que tenha a ver com a atual guerra econômica e de tarifas de Washington, está associado à decisão, tomada dia 15/8/1971, pelo presidente Nixon, de unilateralmente separar o EUA-dólar, de qualquer correspondente lastro em ouro.

O jogo de guerra comercial de Nixon

A decisão tomada pelo presidente Nixon em agosto de 1971, de separar o EUA-dólar e qualquer possibilidade de ser convertido em ouro dos EUA, foi apenas uma parte, embora crucialmente decisiva, do que se tornou transformação muito maior, que criou a gigantesca dívida global que hoje já está estimada em 233 trilhões de EUA-dólares. Grande parte dessa dívida é denominada em EUA-dólares e pertence a bancos centrais da China ou Japão ou de estados da União Europeia (UE).

Bem antes do verão de 1971, o governo dos EUA já dera luz verde ao Congresso para aprovar restrições comerciais punitivas de facto contra os maiores parceiros comerciais dos EUA, Japão e os aliados europeus da Comunidade Econômica Europeia (CEE), mais especialmente contra Alemanha e França. Ao final da década de 1960, as economias do Japão e da CCE haviam conseguido, de modo significativo, emergir da destruição da guerra, com economia reconstruída pelo molde do que era então o estado-da-arte da tecnologia industrial. As fábricas de aço e de carros, por sua vez, haviam sido produtos de investimentos do tempo de guerra e do imediato pós-guerra. Exportações alemãs e francesas tinham demanda em todo mundo, não só nos EUA.

Efeito disso foi que aquelas economias começaram a acumular quantidades relativamente enormes de dólares nos respectivos bancos centrais; em 1971, cerca de $61 bilhões em dívidas denominadas em dólares estavam no exterior. Nos termos do tratado de 1944, era obrigação dos EUA pagar em ouro, a qualquer momento que os bancos centrais exigissem do Federal Reserve, o correspondente àqueles dólares. O estoque oficial do Federal Reserve caíra, de $25 bilhões, para apenas $12 bilhões, no início de 1971, e a tendência já ganhava ritmo de bola de neve, com outros bancos centrais já preocupados com o valor dos próprios dólares inflacionados. Washington e Wall Street começavam a ver a cláusula do lastro ouro, de Bretton Woods, como uma pedra atada ao pescoço dos EUA, que poderia dar cabo do poder global dos EUA.

Ouro e dólares

O fim do lastro ouro foi precedido por muita chantagem, com Washington usando uma nova lei do Congresso para impor quotas, de início só para têxtis e calçados da Europa e de outras origens. Havia ameaça de estender as quotas também para carros e outros produtos europeus.

Em 1970, a política comercial dos EUA era de fato semelhante à do governo Trump, quase um século depois. Em maio de 1970, o Secretário do Tesouro dos EUA David Kennedy ameaçou que, se os parceiros comerciais dos EUA não tomassem medidas na direção de permitir que os EUA aumentassem suas exportações, o Congresso agiria para limitar as importações para os EUA. “Os países que têmsuperavit têm responsabilidade especial para agir na direção de eliminá-lo. Ou não?” – perguntava Kennedy, sabendo muito bem que uma das maiores razões para o desequilíbrio nas balanças comerciais era o fato de as empresas norte-americanas estarem comprando empresas europeias e asiáticas, forçando um superavit na balança de pagamentos naqueles países, e as exportações norte-americanas já não eram competitivas contra os produtos europeus e japoneses.

Washington usou uma política que os europeus chamaram de “descaso benigno” [orig. “benign neglect”], para deixar que o capital privado fluísse livremente para, principalmente, a Alemanha – e assim os EUA desmontaram as relações monetárias dentro da Comunidade Econômica Europeia. Os excedentes de dólares na Alemanha subiram muito. Em vez de desvalorizar o dólar enormemente inflado, movimento que poderia ter acelerado as exportações nos EUA e aliviado a crise, Washington exigiu que os países da Comunidade Econômica Europeia, principalmente a Alemanha, revalorizassem para cima as respectivas moedas, o que tornou não competitivas as respectivas exportações, num momento vulnerável. No caso do Japão, Washington exigiu que revalorizasse o yen em cerca de 20%, ou o país teria de encarar tarifas para limitar algumas categorias de exportações japonesas para os EUA.

O secretário de comércio de Nixon, Maurice Stansadotou linha muito agressiva contra a Europa. Declarou que “em vários sentidos, nos convertemos em Tio Sucker do resto do mundo”.

Nas palavras do economista Michael Hudson“Os EUA jogaram a luva: ou Europa e Ásia submetiam-se, ou sofreriam retaliações. A máxima tática aplicada aos ‘rebeldes’ nesse caso é ‘Não ataque o líder, se não estiver preparado para matá-lo’.”

Os europeus encolheram-se e obedeceram. A lei comercial dos EUA foi uma declaração de que os EUA, e só os EUA, estavam isentos, como potência global dominante, do GATT ou de qualquer acordo legal que tivessem com outros parceiros.

Nesse ponto, liderados pela França, os bancos centrais da Comunidade Econômica Europeia – exceto a Alemanha, onde Washington aplicou enorme pressão sobre o presidente do Bundesbank, Karl Blessing –começaram a exigir que seus superávits em dólares fossem convertidos em ouro. Quando funcionários alemães sugeriram, já em 1966, que estariam considerando converter em ouro também seus crescentes superavits em dólares, Washington ameaçou Blessing de retirar todas as tropas norte-americanas da Alemanha, país que teria deixado de “apoiar” o dólar.

Para pôr fim ao risco de mais países aliados cobrarem o ouro correspondente aos dólares superavitários, dia 15/8/1971 Richard Nixon, tendo ao lado o então secretário-assistente do Tesouro Paul Volcker, ex-executivo do Banco Chase de Rockefeller, anunciou o fechamento permanente da janela de câmbio de ouro do Fed. Ao mesmo tempo, Nixon impôs uma tarifa de importações de 10% sobre a maioria das importações norte-americanas, como meio de chantagem, para forçar a Comunidade Econômica Europeia e o Japão a aceitarem dólares sem limites e sem lastro ouro, dólares-papel cujo valor nominal foi inflado a um ritmo apavorante. Para comprar o mesmo o que um cidadão norte-americano comprava em 1970, por $385, em comida roupa e outras necessidades, são necessários hoje $2.529. É consequência direta de Nixon ter posto fim ao lastro ouro do dólar.

Num golpe de pena, Nixon e Wall Street removeram a ameaça de credores reivindicarem o ouro correspondente aos papéis norte-americanos em poder deles. As dívidas subiram, e Washington e Wall Street mantêm hoje um sistema comercial mundial dolarizado, no qual sanções do Tesouro dos EUA já são rotina como armas de guerra para forçar amigos e inimigos – sem qualquer diferença no modo como são tratados – a se alinhar de joelhos diante de qualquer coisa que Washington ordene.

Estará a China pronta a desafiar esse sistema do dólar, com tanto da produção chinesa ainda dependente de chips e processadores e de outras sofisticadas tecnologias norte-americanas? É precisamente essa dependência, que a estratégia econômica do projeto “Made in China 2025” de Xi Jinping visa a eliminar. Por sua vez também, empresas da União Europeia com grandes vendas nos EUA, temem as sanções secundárias contra quem continue a comprar petróleo e mantenha outros investimentos com o Irã.

Hoje, um presidente Trump dos EUA tuíta ameaças contra Alemanha ou China por estarem, segundo ele e sem qualquer base fatual, “manipulando a moeda”; e exige que aliados na OTAN aumentem seus gastos em Defesa, em troca do privilégio de serem mantidos sob dominação militar, pelo Pentágono. O estilo mudou, na chantagem econômica com que os EUA atacam o mundo desde os anos 1970s. Mas o conteúdo é sempre o mesmo.

Afiliados da al-Qaeda entre os terroristas ‘do bem’ dos EUA? Forçada a escolher, Israel prefere os terroristas, ao Irã

Cartoon. Terrifying terror. US. Israel. Daesh ISIS. UN. Syria. #1ab

25/7/2018, Sharmine Narwani, The American Conservative

Imagem: Cidade de Manbij

DARAA, Síria – À primeira vista, tudo parece calmo nessa cidade do sul da Síria, onde aconteceram os primeiros protestos há sete anos. Moradores circulam pelas lojas, nos preparativos para o jantar de Iftar, quando interrompem o jejum diário durante o mês santo de Ramadan.

Mas mesmo assim a tensão é palpável nessa cidade hoje sob controle do governo. Há poucas semanas, as conversações de paz organizadas pela Rússia no sul da Síria foram rompidas, quando militantes sustentados pelo ocidente rejeitaram qualquer paz negociada.

Venha a acontecer batalha total no sul, ou não, visitas semana passada aos três governorados do sul da Síria, Daraa, Quneitra e Suweida, revelam uma surpreendente possibilidade: a franquia síria da al-Qaeda – a Frente Nusra – parece estar entrincheirada profundamente entre os militantes sustentados pelos EUA, em cidades e vilarejos chaves estratégicos espalhados por todo o sul.

A imprensa e os think tanks norte-americanos encobrem esse fato, referindo-se sempre a todos os combatentes da oposição como “rebeldes” ou “moderados.” Os mapas deles e só mostram três cores: vermelho para o Exército Árabe Sírio (EAS) e aliados; verde para forças de oposição; e preto para o ISIS.

Mas… onde está a Frente Nusra, que especialistas ocidentais consideram há muito tempo uma das forças mais potentes que combate conte ao Exército Árabe Sírio? Terão sido simplesmente – e convenientemente – apagadas do mapa de batalhas na Síria?

Contatos com especialistas militares sírios, analistas e combatentes da oposição durante minha viagem revelaram que a Frente Nusra está bem viva e ativa nos campos de batalha do sul. O mapa abaixo identifica claramente áreas que Nusra controla no sul, mas há muitas outras áreas que não aparecem nesse mapa, nas quais a Frente Nusra está presente e divide o poder com outros grupos militantes.

Sul da Síria:
Mapa com localização dos militantes mantidos pelos EUA

Apesar de EUA e ONU designarem a Frente Nusra como organização terrorista, o grupo está combatente abertamente ao lado da “Frente Sul,” grupo que reúne 54 milícias de oposição ao governo sírio criado e comandado por uma ‘sala de guerra’ liderada pelos EUA sediada em Aman, Jordânia, chamada Centro de Operações Militares [ing. Military Operations Center (MOC)].

Não é fácil obter informação sobre esse MOC, mas fontes dentro da Síria – de combatentes de oposição e de militares sírios (atuais e aposentados) de alta patente – sugerem que o centro de comando reúna Grã-Bretanha, França, Jordânia, Israel e alguns Estados do Golfo.

Dizem que o MOC fornece dinheiro, armas, salários, inteligência e treinamento para as 54 milícias, muitas das quais não passam de cerca de apenas 200 milicianos, divididos por sua vez em grupos menores, alguns com não mais de poucas dúzias de milicianos.

O general Ahmad al-Issa do Exército Árabe Sírio, comandante da linha de frente em Daraa, diz que oMOC é uma operação liderada pelos EUA que controla os movimentos dos “terroristas” da Frente Sul e é fortemente influenciada pelos objetivos estratégicos de Israel no sul da Síria – um dos quais é tomar o controle sobre suas áreas de fronteira, para criar uma zona tampão (“buffer”) dentro de territórios sírios.

Como soube disso? Issa diz que sua informação é resultado de um cruzamento de várias fontes, incluindo militantes reconciliados/capturados e inteligência do próprio MOC. O general cita o próprio manual doMOC distribuído aos militantes como exemplo do centralismo dos israelenses: “Número 1, jamais ameaçar ou abordar qualquer fronteira israelense de modo algum. Número 2, proteger as fronteiras com o Golan [ocupado por Israel], para que ninguém consiga entrar em Israel.”

Para ilustrar o controle que o MOC exerce sobre os militantes no sul, Issa cita ainda outras regras do Manual: “Número 3, jamais empreender qualquer ação militar sem antes obter autorização do MOC. Número 4, se o MOC ordena que os grupos ataquem ou suspendam o ataque, a ordem deve ser cumprida imediatamente.”

O que acontece se as regras são desobedecidas? “Os salários são cortados,” diz Issa.

Os grupos de oposição armada apoiados pelo MOC são afiliados principalmente ao Exército Sírio Livre (ESL), ele próprio grupo sem definição precisa, que pode ser usado em diferentes formações para diferentes finalidades, formado de militantes que já trocaram de nome e filiação com frequência durante o conflito na Síria.

Ao longo da guerra, o ESL combateu ao lado da Frente Nusra e do ISIS – muitos até se alistaram nesses grupos. Hoje, apesar dos esforços para sanear o ESL e o Front Sul apresentando-os como facções “não sectárias” e não extremistas, como o Exército Yarmouk, a Brigada Mu’tazz Billah, a Divisão Salah al-Din, a Brigada Fajr al-Islam, a Brigada  Fallujah al-Houran, o grupamento Bunyan al-Marsous, a Brigada Saifollah al-Masloul e outras estão realmente ocupando áreas chaves em Daraa, associadas com a Frente Nusra.

Nada disso é novidade para os deputados e senadores norte-americanos. Mesmo antes de o MOC ser criado, em fevereiro de 2014, militantes da Frente Nusra participavam com destaque de manobras militares vitais para o ESL. Como explica um ativista da oposição em Daraa: “O ESL e a Frente Nusra unem-se para operações, mas há um acordo entre eles, para deixar o ESL liderar para efeito externo, porque não querem assustar a Jordânia ou o ocidente (…). O ESL apresenta como se fossem suas, operações que foram executadas de fato pela Frente Nusra.”

Há esforços em todos os níveis, até nos mais altos, para esconder a profundidade da cooperação que liga a Frente Nusra e o ESL. Um comandante do ESL em Daraa diz: “A Frente Nusra toma parte em muitos combates, mas nada informamos sobre isso à sala de operações (MOC).”

É altamente duvidoso que os militares norte-americanos não saibam desses movimentos. Os norte-americanos trabalham em ambiente de “não pergunte, não conte” no que tenha a ver com a cooperação entre ESL e Frente Nusra. Em 2015, em conversa comigo, o porta-voz do CENTCOM tenente comandante Kyle Raines fugiu a uma pergunta sobre por que armas que o Pentágono vetava para combatentes estavam aparecendo em mãos da Frente Nusra. Disse ele: Não temos ‘comando e controle’ sobre essas forças – só os ‘treinamos e capacitamos’. Com quem digam que se aliaram é problema deles.”

Na prática, os EUA não dá sinais de se incomodar com a aliança com a Frente Nusra – apesar de o grupo ser classificado como organização terrorista – contanto que o serviço seja feito.

Já há vários anos se veem armas norte-americanas em mãos da Frente Nusra, inclusive os caros mísseisTOW, armas poderosas que alteraram o rumo dos combates no teatro militar sírio. Quando se fala de armas norte-americanas encontradas em mãos da al-Qaeda no primeiro ou segundo ano de um conflito, assume-se que seja erro de informação. Mas quando o problema persiste depois de sete anos, já começa a parecer que esteja em ação uma política para induzir todos a olhar para outro lado.

Também não é difícil compreender por que mapas norte-americanos ignoram claramente as provas de que há elementos da Frente Nusra ativos nas milícias sustentadas pelos EUA. O grupo, aliás, é mantido fora de acordos de cessar-fogo, apresentado como alvo a ser buscado sempre por ataques militares.

Em dezembro de 2015, a Resolução n. 2.254 do Conselho de Segurança da ONU conclamava os “Estados Membros a impedir e suprimir atos terroristas cometidos especificamente pelo Estado Islâmico no Iraque e Levante (ISIL, também conhecido como Da’ech), a Frente Nusra [ing. Al-Nusra Front (ANF)], e todos os demais indivíduos, grupos, subunidades e entidades associadas com Al Qaeda ou ISIL, e outros grupos terroristas, como determinado pelo Conselho de Segurança” (itálicos meus). Além disso, a Resolução também esclarece que “não se aplicam acordos de cessar-fogo nas ações ofensivas ou defensivas contra esses indivíduos, grupos, subunidades e entidades.”

Essencialmente, significa que o Exército Árabe Sírio e aliados podem atacar quaisquer áreas no sul da Síria onde os milicianos da Frente Nusra – e “entidades associadas” a eles mantêm bases. Com efeito, a lei internacional permite assalto militar sírio contra milícias apoiadas pelos EUA que ocupem os mesmos espaços que a Frente Nusra, e reduz a capacidade para tomar medidas de retaliação, de patrocinadores estrangeiros dessas milícias.

Por isso, a Frente Nusra não aparece nos mapas norte-americanos.

Em entrevista semana passada, o presidente Bashar al-Assad da Síria culpou a “interferência de Israel e dos norte-americanos” pela interrupção dos esforços de reconciliação no sul. O presidente sírio disse queaquela interferência “pressiona os terroristas naquela área, para que trabalhem contra qualquer compromisso ou resolução pacífica.”

Hoje, na fronteira de Israel e Síria, há grande número de acampamentos da Frente Nusra e do ISIS, que Israel claramente prefere ao Exército Árabe Sírio e seus aliados iranianos e Hezbollah. O Wall Street Journal até noticiou ano passado que Israel, pela fronteira, estava secretamente pagando salário, alimento, combustível e munição a militantes.

No início de junho, dois islamistas, ex-membros do ESL (um dos quais também miliciano da Frente Nusra) em Beit Jinn – área estratégica na fronteira de Síria, Líbano e Israel – disse-me que Israel teria garantido salários àquelas milícias durante um ano antes de o acordo de reconciliação ser firmado com o governo sírio. “Todos os meses Israel nos manda $200 mil para continuarmos lutando,” disse um deles. “Nossos líderes seguem os países de fora. Éramos sustentados pelo MOC, continuaram a nos sustentar até o último momento,” disse ele.

Mais cedo naquele dia, na vila de Hadar no Golan sírio, membros da comunidade drusa descreveram umataque sangrento da Frente Nusra em novembro, que deixou 17 mortos: “Todos aqui viram como Israel ajudou os terroristas da Frente Nusra naquele dia. Deram cobertura de artilharia das colinas, para ajudar a Frente Nusra a tomar Hadar. No fim dos combates, Israel leva os terroristas feridos para atendimento médico,” diz Marwan Tawil, professor de inglês em Hadar.

“A linha de cessar-fogo (fronteira sírio-israelense) está a 65 km, entre onde estamos e a Jordânia, é só essa área é controlada pelo Exército Árabe Sírio,” explica o prefeito de Hadar. “60 quilômetros estão com Nusra e Israel, e os outros cinco estão com o Exército Árabe Sírio.”

Israel está tão pesadamente empenhada em manter a Síria e aliados longe de suas fronteiras, quepromoveu ativamente al-Qaeda e outros extremistas no teatro ao sul da Síria. Como explicou o ministro da Defesa de Israel Moshe Ya’alon, em frase que ganhou fama em 2016, “Na Síria, se a escolha é entre Irã e o Estado Islâmico, eu escolho o Estado Islâmico.” Para justificar as intervenções na batalha que está por vir, EUA e Israel dizem que as forças do Irã e do Hezbollah estão presentes no sul, embora não se veja sinal disso em campo, em Daraa e Quneitra.

Múltiplas fontes confirmam isso em Daraa, e insistem que só há uns poucos conselheiros – não soldados – do Hezbollah, em todo o governorado.

Assim sendo, porque o alarde? “É esforço de diplomacia pública para fazer crer que o ocidente teria expulsado do sul, o Irã e o Hezbollah,” explica o general Issa.

EUA, Israel e seus aliados não têm meios para vencer essa luta no sul. Podem apenas prolongar a insegurança por mais algum tempo, antes de o Exército Árabe Sírio decidir lançar uma ação militar contra as mais de 54 milícias da Frente Nusra que ocupam o sul da Síria. O resultado provavelmente será um acordo negociado temperado com umas poucas “batalhas leves” para expulsar os militantes mais linha-dura.

Como me diz um soldado do Exército Árabe Sírio em Daraa: “54 facções numa área pequena mostra fraqueza, não força.” E a cooperação com a Frente Nusra só torna ainda maiores os alvos pintados nelas.

%d blogueiros gostam disto: