The new geo-politics in Asia…and farewell

Publicado originalmente em 25 de janeiro de 2016.

Author: Peter Drysdale, East Asia Forum

Many are trying to get their minds around what the huge change in the contours of regional power mean for the stability of the political order in Asia today. Are we doomed to inevitable conflict between the established powers, the United States in particular, and the emerging powers, notably China, as they jostle for political space?

On the surface it looks as though a tussle for hegemony over Asia might re-emerge around the flashpoints of territorial and other tensions in the East and South China Seas. To some, China and the United States appear to be muscling up to each other in the Asia Pacific security theatre, playing out traditional great-power politics in an increasingly dangerous game. John Mearsheimer reckons, for example, that rising powers must expand to survive, commonly leading them to seek regional hegemony and provoking conflict. Others suggest that international stability is a function of the number of great powers and the distribution of capabilities among them. A world in which there are more centres of power, in this view, is more prone to instability and conflict than one in which there is only one or two, so maybe China and the United States can do what Hugh White argues they need to — sort out mutually compatible regional roles.

The growth of Asia’s economic power and the potential that brings for the projection of political and military power (though not inevitably as the example of Japan thus far attests) has thrust the region onto centre stage of changing great-power global politics.

But does the economic and political transformation of Asia inevitably portend the rivalrous carve-up of Asia into the big-power fiefdoms that much of what passes for security thinking about the geo-politics of the region these days presumes?

Andrew Sheng says that the past year will be remembered as a year of shambolic shifts towards a more multipolar economic and political order in Asia and the Pacific. ‘The United States alone can no longer shape global destiny but will have to share power with allies and rivals, even as regional powers find themselves threatened by their own challenges’.

Sheng says there are four big interlocking forces that underscore the need for power-sharing, cooperation and adaptation: geopolitics, geo-finance, technology and climate change. At the geo-political level, the US pivot policy to the Asia Pacific in 2011 opened up the South China Sea as a new front of tension, even before the United States had managed to withdraw from the Middle East. Managing competing interests in the South China Sea even as China projects its peripheral power will be tricky into the future. The rise of regional powers, Sheng argues, means geo-political tussles with higher stakes, as in the South China Sea. ‘The potential for regional economic crisis, widespread technological shifts and climate change are three pressing issues that can no longer be solved by a declining hegemonic power alone, but require cooperation between affected states’.

In this week’s lead essay, Amitav Acharya underlines similar contradictions, agreeing with Sheng, in effect, that ‘the economic imperatives for cooperation have become as important as shifting political alliances’. ‘Take the United States and China’, says Acharya. ‘Washington insists that its rebalancing strategy enhances regional stability. Sure enough, it is possible to see the military dimension of rebalancing as crucial to maintaining the military balance of power in the region. But the economic aspect of rebalancing — the Trans-Pacific Partnership (TPP) — excludes China and challenges United States–China economic interdependence. Similarly, China professes a deep interest in enhancing regional economic interdependence. But its own initiatives, the Asian Infrastructure Investment Bank (AIIB) and One Belt One Road, challenge long-standing modalities of regional economic cooperation’.

Security pluralism, argues Acharya, characterises the new political order in Asia. Security pluralism is not a purely balance of power system; it relies on other mechanisms. Security pluralism drives ‘mutual accommodation among unequal and culturally diverse states that preserves the relative autonomy of each and prevents the hegemony of any or a few … (and) respects political and cultural diversity, but fosters accommodation among the great powers and their restraint towards the weaker actors, such as ASEAN members’.

This is a better description of the Asia we live in today, reckons Acharya, than one that is straitjacketed into the paradigm of great power politics. If it is, one must agree with him that it’s a region ripe for institutional restructuring and innovation.

…and farewell

The month of May this year will mark the eighth anniversary of my posting these pieces on East Asia Forum in the form of EAF’s weekly editorial. The first posts, I’m amazed to be reminded, flowed every day or two for a couple of months after EAF hosted a major international policy forum in Sydney to explore developments in the regional economy and political relations after the global financial crisis. That forum was the genesis for what became an expanded East Asia Summit — including the United States and Russia as well as ASEAN plus six — via the failure of former Australian prime minister Kevin Rudd’s hastily conceived and ill-fated Asia Pacific Community idea.

Eight is a good round number — even a propitious number. This will be the last individually authored editorial I shall publish on EAF. It’s time for succession and to call in the team.

The weekly editorial will continue as a collective effort.

An expanded editors’ group in the Crawford School of Public Policy in the College of Asia and the Pacific at The Australian National University will join Shiro Armstrong and me to continue the work that was begun eight years ago. We hope that you continue to find our Editorial Board’s collective effort valuable and relevant.

EAF has become the world’s leading centre of commentary on Asian affairs, with its twice daily contributions from top analysts and rising stars from around the region. This achievement is importantly a product of the ownership our contributors feel towards the product they produce each and every day of the year — and their partnership with EAF in stringent review and editing of their work. With over 30,000 subscribers of influence and their uptake in quality mainstream media, the EAF weekly editorials and posts will continue to take the responsibility to you, our readers, as seriously as your keen and loyal readership properly demands.

Fonte: East Asia Forum

Orville Schell on a Bright Spot in U.S.-China Relations

Publicado originalmente em 31 de dezembro de 2015.

Climate change offers a classic opportunity—a common foe that could bring a new and much needed stability to Sino-U.S. relations

The level of mistrust between Washington and Beijing is very high these days. Disagreements have multiplied in recent years, with the U.S. resisting China’s gambits in the South and East China seas, disapproving of President Xi Jinping’s courtship of Russian President Vladimir Putin and warily eyeing other efforts to project Chinese economic and military power. And there remains the enormous disparity between the two countries’ political systems and values, exemplified by Beijing’s recent arrests of lawyers, stifling of NGOs, harassment of artists and intellectuals, censorship of the media and hacking of U.S. databases.

Beijing, too, has questions about U.S. intentions: Is our “pivot to Asia” not aimed at containing China? Do we still believe in regime change? What do all the belligerent utterances issuing from the Republican primary portend?

There is one potentially bright spot in this fraught tableau, a place where both national interests are aligned: climate change. Indeed, Presidents Obama and Xi have already begun weaving together an effective fabric of common purpose that helped the recent U.N. climate conference succeed in Paris last month.

For this partnership to become a real game-changer, far more courageous leadership is needed, especially as the U.S. continues, as it should, to hedge its bets against the possibility of a more adversarial relationship. The task for the U.S. is to persuade Chinese leaders that, even as we actively counter their overreach, we far prefer a peaceable and collaborative path forward.

Climate change offers a classic opportunity—exactly the kind of common foe that, despite years of hostility, brought Richard Nixon and Henry Kissinger together with Mao Zedong and Zhou Enlai in 1972 to counter the Soviet Union. Climate change provides another such opening, and both sides should exploit it by appointing special ambassadors and initiating an active round of shuttle diplomacy. A success would not only help to confront global warming but could also bring a new and much needed stability to Sino-U.S. relations.

Mr. Schell is Arthur Ross Director of the Center on U.S.-China Relations at the Asia Society and co-author, with John Delury, of “Wealth and Power: China’s Long March to the 21st Century.”

Fonte: Wall Street Journal

EUA surpreendem FMI com reforma que favorece emergentes

Publicado originalmente em 29 de dezembro de 2015.

Logo do Fundo Monetário Internacional (FMI)

Washington – O Congresso dos Estados Unidos aprovou no fim do ano, inesperadamente, uma das principais reivindicações do Fundo Monetário Internacional (FMI): a reforma do sistema de cotas para conceder mais peso político às economias emergentes na instituição financeira internacional. 

Desde 2012, a diretoria-gerente do FMI, Christine Lagarde, não tinha perdido nenhuma oportunidade de primeiro pedir, e depois criticar, os EUA pela demora em avaliar a proposta de reforma interna do órgão, projetada para refletir a ascensão de potências emergentes como Brasil, China, Índia na economia global. 

Ao mesmo tempo, esses países, reunidos no grupo dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), elevaram o tom das queixas aos EUA por sua incapacidade de aprovar uma reforma que o próprio governo americano tinha inicialmente defendido.

Diante da paralisia dos últimos dois anos, os emergentes decidiram criar instituições alternativas ao FMI e ao Banco Mundial, como o Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas (BAAI), impulsionado pela China; o Novo Banco de Desenvolvimento e o Fundo de Reservas dos Brics.

Na reunião do G20 na Turquia em novembro, os líderes dos Brics expressaram mais uma vez sua “profunda decepção” pela falta de progressos na reforma dos órgãos financeiros internacionais, dominados pelas potências ocidentais.

Por isso foi uma surpresa quando, no mesmo dia do início do recesso parlamentar, os congressistas americanos aprovaram um pacote de US$ 1,5 trilhão (cerca de R$ 6 trilhões) para o ano fiscal de 2016. Entre as medidas que ganharam o sinal verde estava a reforma do FMI.

Lagarde, que fez várias visitas ao Congresso para tentar desbloquear a reestruturação da instituição criada junto com o Banco Mundial nos acordos de Bretton Woods, em 1944, comemorou a aprovação. A diretora-gerente afirmou que a mudança deixará o FMI “mais moderno e representativo”.

“Ela melhorará a governança do FMI ao oferecer um reflexo melhor do crescente papel dos dinâmicos países emergentes e em desenvolvimento na economia global”, afirmou Lagarde, que deve continuar no cargo para um segundo mandato após o fim de seu primeiro, de cinco anos, em 2016.

Há apenas alguns meses, as perspectivas sobre a reforma eram muito mais sombrias.

Na última Assembleia Anual do FMI, realizada em Lima em outubro, poucos dos presentes se mostraram otimistas de que a mudança do sistema de cotas, estrutura base do órgão e que decide o poder de voto de cada um dos 188 países-membros, seria aprovada.

E então eles se propuseram a buscar alternativas.

Muitos lamentaram o tempo perdido em consequência de um Congresso americano de maioria republicana, excessivamente contrário a qualquer medida proposta pelo presidente Barack Obama, que tentou incluir a reforma do FMI em uma dezena de projetos.

“O mundo estava esperando a aprovação dos EUA desde 2012. Esse atraso custo muito em credibilidade e liderança global aos americanos”, explicou Edwin Truman, pesquisador do Peterson Instituto e subsecretário de Assuntos Internacionais do Tesouro na administração do ex-presidente Bill Clinton.

“Washington já não é visto como um negociador confiável nas questões do FMI”, disse Truman sobre as consequências do atraso.

A reforma, além disso, ajudará a dobrar os recursos da instituição de empréstimo para países em crise. Agora estão disponíveis US$ 755 bilhões (cerca de R$ 3 trilhões).

No entanto, a concessão republicana no Congresso não foi completa, e estabeleceu algumas condições. O Legislativo deverá aprovar qualquer participação dos EUA em empréstimos extraordinários do FMI depois de 2022. Além disso, o representante americano no órgão deverá informar os congressistas quando for votar a favor de crédito de grande volume. 

Os principais beneficiados por essa reforma interna são China, que passará a ser o terceiro país em representação – atualmente é o sexto, ultrapassando França, Alemanha e Reino Unido; o Brasil, que ganhará quatro “posições”, passando a ser o décimo; e a Índia, atual 11º representante, que se tornará o oitavo. 

Por outro lado, a cota dos Estados Unidos no FMI continuará a ser majoritária, apesar de uma leve redução: 17,69% para 17,4%. E os americanos mantêm o direito a veto.

Os menos favorecidos nessa reforma foram as economias europeias avançadas, que terão o peso de sua participação no órgão reduzida.

Fonte: Exame.com

India’s waterman says U.S. won in Paris

cop21

Publicado Originalmente: 20/12/2015

Magsaysay Award winner and water conservationist Rajendra Singh says the landmark agreement on climate change reached in Paris earlier in December could harm India’s interests. “The Paris agreement is a defeat for India, and it is a sign that our country has let developed countries like America take the upper hand” Mr. Singh told The Hindu on Saturday.

Mr. Singh (56), who is known as the “Waterman of India,” has been awarded the prestigious Stockholm Water Prize for outstanding achievement in water conservation. “I was anguished to read the official statements of the government,” he said. “India’s knowledge system prioritises love and respect for nature. We are leaders in this field, but with the Paris agreement we have given a clear path for commercialisation of nature. This is completely against our tradition.”

The Paris agreement, Mr. Singh feels, absolves the United States of its liability for causing climate change in the first place, and goes against the spirit of the Rio de Janeiro, Copenhagen and Kyoto summits which imposed financial damages on it.

“This means America has won and it means that the world’s environment has been put in danger,” Mr Singh said. “Everyone was looking to the Paris summit to make the U.S. pay damages, but now it has succeeded in bringing itself on the same playing field as developing countries in terms of liability, even though everyone acknowledges that America is the major culprit.”

Mr. Singh was in Paris during the negotiations, and he alleges that much of the process was a discussion on business interests rather than environmental concerns. “COP 21 (Conference of Parties) became a playground for business and economic interests of developed countries, and they forced everyone to accept their terms. They are happy now,” he said. There were close to 40,000 attendees, but the real decision makers made up a “blue zone” of not more than 400. “They called the shots,” he said.

It was because of this, he said, he organised an alternative COP forum along with likeminded activists who decided to talk about “climate and not business,” Mr. Singh said, “We were campaigning for conservation of water and soil, and we demanded that the damages that countries like America have to pay should be invested in the conservation of both.”

He added: “If they were really discussing the environment, they would be discussing water and greenery. Instead they only ended up talking about the sale and purchase of technology and how different consultancies could be engaged to help one another.”

India, Mr. Singh says, was willing to accede to the terms of the agreement because it was looking only at its own narrow self-interest. “The government wants to promote the Make in India programme, and it thinks this is the way forward for our economy. So by signing this agreement India thinks it can tell America: “Look, we absolved you of the blame for the climate change you caused. In return, you should let us use coal to produce electricity.”

Globally, Mr. Singh explained, the production of electricity through coal is considered damaging, with countries pushing for greater clean energy use.

However, he said, India continues to pitch for its right to use coal, saying it needs more energy for its manufacturing sector. “In order to achieve this one thing, you have sold away your traditions and your beliefs.”

FONTE: The Hindu

Como a guinada nos juros dos EUA afeta o Brasil?

Publicada originalmente em 16/12/2015

150526153206_sp_dolares_624x351_reuters

A decisão do FED (Federal Reserve, o Banco Central americano) de elevar os juros do país em 0,25 ponto percentual – para uma taxa entre 0,25% e 0,5% – marca uma esperada guinada na política monetária dos Estados Unidos que deve reverberar em todo o globo, inclusive no Brasil.

A alta desta quarta-feira ficou dentro do que os analistas do mercado esperavam, mas ainda há dúvidas sobre o ritmo dos aumentos em 2016.

Nos últimos sete anos, os juros americanos foram mantidos em patamares extremamente baixos – entre 0 e 0,25% – como uma forma de estimular uma retomada da economia do país.

Os juros baixos fizeram parte de um pacote de resposta à crise financeira iniciada em 2008, com a falência do Banco Lehman Brothers, que também incluiu a injeção de novos recursos na economia por meio da compra de títulos do tesouro e papéis lastreados em hipotecas – prática conhecida como “afrouxamento monetário” (em inglês, quantitative easing) – para injetar dinheiro na economia.

O Fed vinha sinalizando há mais de um ano que pretendia voltar a aumentar os juros, ainda que de forma “lenta e gradual”. Com a alta, indica que já considera haver sinais convincentes de que a economia americana está em recuperação, como explica Bernardo Dutra, da MCM Consultores.

“Os dados relativos à retomada da atividade (produtiva nos EUA) estão bons e o desemprego está na casa dos 5%, nível muito próximo ao que eles consideram pleno emprego”, diz.

Mas, afinal, como essa alta dos juros americanos afeta o Brasil? Ou que tipo de repercussões podemos esperar na economia brasileira no curto e longo prazo? Especialistas consultados pela BBC Brasil explicam:

Fuga de capitais de países emergentes

A taxa de juros americana define a remuneração de investidores que compram títulos do país. No caso dos EUA, esses títulos são considerados bastante seguros, mas como essa taxa ficou bastante baixa nos últimos anos, muitos investidores se dispuseram a assumir um risco maior para investir em outros países – e principalmente emergentes, como o Brasil.

Márcio Salvato, economista do Ibmec de Minas Gerais, explica que, com os americanos voltando a oferecer uma remuneração mais alta, a tendência é que os investidores tirem recursos de outros países para levá-los de volta aos EUA. “Há uma mudança de ganhos relativos”, diz.

Ele faz a ressalva, porém, que, no caso do Brasil, o efeito deve ser relativamente pequeno no curto prazo diante da deterioração provocada pela crise política e econômica interna. “As questões domésticas estão tendo um efeito muito mais significativo sobre a percepção de risco do país”, explica.

Para o professor do Insper Otto Nogami, como pode haver um movimento de saída de capital especulativo do Brasil “a preocupação é se isso poderá representar problemas para o financiamento do déficit público, que já está com uma trajetória problemática”.

“Ainda mais em meio a esse aumento da percepção de risco em relação ao Brasil em função da crise política e econômica, a remuneração mais elevada dos papéis americanos pode fazer muitos preferirem um investimento seguro nos EUA aos títulos brasileiros”, explica.

Queda do real

Como para investir nos EUA os investidores precisam comprar dólar, é esperado que a moeda americana se valorize em relação às de outros países.

“O impacto mais direto (da subida de juros nos EUA) deve ser mesmo no câmbio: a tendência é que haja uma desvalorização do real”, diz Dutra, da MCM Consultores.

Ele faz a ressalva de que a elevação dos juros nos EUA já vem sendo “precificada” pelos mercados – ou seja, investidores já estão antecipando suas estratégias financeiras na expectativa de que essa alta ocorra.

“Mas o efeito deve existir, ainda que seja limitado. E nos próximos meses pode haver mais ou menos volatilidade no câmbio, dependendo do ritmo do aperto monetário nos EUA.”

Para Salvato, a tendência é que a taxa volte a se aproximar dos R$ 4 por dólar. “No longo prazo podemos ter uma acomodação nesse patamar”, opina.

Pressão inflacionária

Com o dólar mais caro, aumenta a pressão sobre a inflação no Brasil. Primeiro, em função do encarecimento dos produtos importados, como explica Nogami, do Insper.

“Grande parte do setor produtivo depende da importação de insumos, então os preços acabam afetados pela alta do dólar. Mesmo o setor agrícola depende da compra de adubos e corretivos do solo, além de componentes de tratores”, diz ele.

“O excedente de produção de energia de Itaipu, que cabe ao Paraguai, é vendido ao Brasil em dólar e também dependemos da importação de combustíveis, só para mencionar alguns exemplos de itens que podem impactar a inflação.”

Além disso, a desvalorização do real também tem um efeito sobre os os itens “exportáveis”, como os alimentos e outros produtos agrícolas.

Isso porque como os exportadores acabam recebendo mais pelos produtos que enviam ao exterior, tendem a cobrar mais para vendê-los no mercado interno.

Leia também: A cidade pernambucana que controlou o Aedes aegypti com peixinhos

Leia também: Análise: Como o Estado Islâmico consegue sobreviver a ataques

Pressão sobre juros

Outro efeito da alta de juros americana é dificultar uma queda dos juros no Brasil.

Mas os analistas se dividem sobre se o aperto monetário nos EUA pode levar, no médio prazo, a uma alta da taxa brasileira em função de esta já estar em um patamar relativamente elevado – 14,25%.

“Normalmente os juros brasileiros tendem a acompanhar os americanos, mas a taxa já está alta e subir ainda mais os juros em um momento de economia em recessão seria muito complicado”, diz Salvato.

Já na opinião de Nogami, “pode ser que, para atrair capitais e controlar a inflação o Banco Central seja obrigado a aumentar ainda mais a taxa de juros”.

“Não acho impensável a volta dos juros ao patamar dos 16% ou 17%, por exemplo”, diz ele. “E isso certamente teria um efeito negativo sobre a atividade econômica.”

Fonte: BBC Brasil

Congresso dos Estados Unidos dá o braço a torcer e aprova a reforma de cotas do FMI

Publicado originalmente em 21 de dezembro de 2015

O yuan – que já é a segunda moeda mais utilizada no financiamento comercial – vai suplantando a moeda norte-americana nos intercâmbios comerciais da China

Aparentemente, o ano de 2015 marca o início da revolução no interior do FMI. Primeiro, se aprovou a inclusão do yuan, a moeda chinesa, entre os DEG, a cesta de divisas criada em 1969 para servir de suplemento das reservas oficiais dos países-membros. Agora, graças à aprovação do Congresso dos Estados Unidos, o FMI poderá implementar finalmente a reforma do sistema de quotas de representação, com o qual a China e outras potências emergentes ganharão peso na tomada de decisões, enquanto os países do continente europeu perderão relevância. Não obstante, ainda é prematuro concluir que se trata de uma transformação radical na correlação de forças dentro do FMI: os Estados Unidos continuarão mantendo seu poder de veto.
Os Estados Unidos parecem ter compreendido que para conservar sua liderança global é impossível desconhecer o crescente protagonismo da China e outras potências emergentes, e que é preciso compartilhar responsabilidades na gestão das finanças internacionais. Por isso Washington não teve outra alternativa senão outorgar importantes concessões aos seus adversários através do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Na última semana de novembro, o FMI adotou a decisão de incorporar o yuan nos Direitos Especiais de Giro (DEG, sigla traduzida do nome em inglês ‘Special Drawing Rights’), a lista de divisas criada nos Anos 60 para complementar as reservas oficiais dos seus membros. Embora vários funcionários estadunidenses do Fundo tenham tentado se opor à medida desde um princípio, no final Pequim se comprometeu a seguir avançando na liberalização do seu setor financeiro.

Até agora, o Banco Popular da China já assinou cerca de quarenta acordos bilaterais de permuta de divisas (‘currency swaps’). Este ano, os bancos centrais do Suriname, África do Sul e Chile começaram a promover o abandono do dólar entre as empresas dos seus países. Aos poucos, o yuan vai suplantando a moeda norte-americana nos intercâmbios comerciais do gigante asiático.

Essa estratégia permite que o yuan seja hoje a segunda moeda mais utilizada no financiamento comercial, e a quarta nos pagamentos transfronteiriços, segundo os dados da Sociedade de Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais (SWIFT, por suas siglas em inglês). E, mais cedo que tarde, a moeda chinesa será plenamente conversível, ou seja, intercambiada livremente no mercado, sem nenhum tipo de restrição.

Assim, os dirigentes do Partido Comunista da China conseguiram acabar com as suspeitas da diretora executiva do FMI, Christine Lagarde: a partir do dia 1º de outubro de 2016, o yuan se tornará a terceira divisa mais relevante na composição dos DEG. A “moeda do povo” (‘renminbi’) terá um peso maior dentro da lista do FMI que o yen japonês e a libra esterlina, embora ainda deva se manter abaixo do dólar e do euro.

No dia 18 de dezembro, o Congresso dos Estados Unidos deu luz verde para que o FMI implemente a reforma do sistema de quotas de representação. Sem dúvidas, é a mudança mais importante dentro do FMI desde 1944, o ano em que se construíram os acordos de Bretton Woods. O novo sistema de quotas significa um grande respiro para o Fundo em termos de legitimidade.

Depois do colapso econômico de 2008, ficou evidenciado que o FMI não contava com os recursos suficientes para encarar às crises de liquidez. Nenhum país soberano tinha intenções de solicitar ajuda. O FMI se desprestigiou por completo após sua atuação nas crises de dívida na América Latina e no Sudeste asiático: havia demostrado que operava como o braço armado do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, e não como um fundo multilateral encarregado de estabilizar as balanças de pagamentos dos seus aderentes.

Por isso, Dominique Strauss-Kahn, diretor do FMI entre 2007 e 2011, convenceu os países emergentes a realizar novos depósitos em troca de incrementar suas quotas. O Diretório Executivo do FMI aceitou a proposta em 2010, durante a XIV Revisão Geral das quotas.

Logo depois, foi apresentada a iniciativa de reforma, diante da Junta de Governadores (integrada por todos os membros), para se submeter à aprovação dos parlamentos nacionais. Então, o governo dos Estados Unidos fez valer seu poder de veto – para uma decisão ser adotada pelo Fundo precisa de uma maioria de 85% da votação, e os Estados Unidos sozinho conta com 16,7% dos votos.

Porém, há alguns dias, após cinco anos de fervente oposição do Congresso norte-americano, a inércia finalmente se rompeu. A reforma do sistema de quotas será uma realidade. Os recursos à disposição do FMI se duplicarão, elevando-se a 659,67 bilhões de dólares. Vale destacar que a quota que se entrega a um país determina o nível máximo dos seus compromissos financeiros com o FMI, e o seu número de votos na instituição, sendo um fator determinante no acesso ao financiamento.

O avanço mais importante é o da China, cujo direito de voto passará de 3,8% a 6%, com o qual, será o terceiro país com mais poder, atrás somente dos Estados Unidos e do Japão. O Brasil subiu quatro posições, enquanto Índia e Rússia entraram na lista dos dez mais influentes. Por outra parte, a participação da Europa caiu. Com exceção à quota da Espanha, que passará de 1,68% a 2%, Alemanha, França, Itália e Reino Unido diminuirão sua participação.

“As reformas incrementam significativamente os principais recursos do FMI e nos permitem dar uma resposta mais eficaz às crises, e ao mesmo tempo melhoram la estrutura de governo institucional, ao refletir melhor o crescente papel que desempenham os países emergentes e em desenvolvimento, e a dinâmica da economia mundial”, disse Lagarde num comunicado à imprensa.

Contudo, lamentavelmente, os Estados Unidos conservará seu poder de veto: seu direito de voto diminuirá dois décimos, de 16,7% para 16,5%. Até agora, tudo parece indicar que os dirigentes de Pequim não desejam confrontar a dominação dos Estados Unidos no FMI, instituição que há mais de setenta anos se mantém como o “prestamista de última instância” mais importante na escala mundial, tendo em conta o volume de recursos que maneja.

A disputa entre China e Estados Unidos é somente tangencial. Pequim busca incrementar sua influência financeira através dos seus poderosos bancos estatais (Banco de Desenvolvimento da China, ICBC, Banco da China, etc.), e através dos bancos regionais de desenvolvimento nos que participa: o Banco Asiático de Investimentos em Infraestrutura (AIIB, por sua sigla em inglês), o Banco da Organização de Cooperação de Shanghai (SCO, por sua sigla em inglês) e o banco dos BRICS (que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

Tanto na Ásia-Pacífico quanto na África e na América Latina e no Caribe não há dúvida de que a China compete cara a cara com o Banco Mundial e os bancos regionais de desenvolvimento respaldados por Washington (Banco Asiático de Desenvolvimento, Banco Africano de Desenvolvimento, Banco Interamericano de Desenvolvimento, etc.) no financiamento de projetos de infraestrutura e extração de matérias-primas (‘commodities’).

Entretanto, os mecanismos de cooperação financeira impulsados por Pequim que oferecem liquidez aos países em conjunturas críticas, tais como a Iniciativa Chiang Mai (integrada por China, Japão, Coreia do Sul e dez economias da ASEAN) e o Acordo de Reservas de Contingência dos BRICS (também conhecido como o “mini-FMI”), possuem escassos recursos monetários, operam em dólares, e dependem do aval do FMI para outorgar empréstimos a partir de certo limite.

Portanto, se bem é uma excelente notícia para o mundo que China e outros países com elevadas taxas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) consigam ver incrementada sua participação no FMI, com dois postos a mais entre os vinte e quatro do Diretório Executivo, os Estados Unidos continuarão exercendo uma dominação esmagadora.

Se Washington não concordar com algum mínimo detalhe poderá rechaçar qualquer proposta dos países emergentes, graças ao poder de veto. É claro que em algum momento, a China deverá exercer pressão para evitar que um só país escreva as regras do jogo, mas até lá dará tempo ao tempo…

 
* Economista formado pela Universidade Nacional Autônoma do México.

 
Fonte Original: Russia Today

Fonte Copiada: Carta Maior

Tradução: Victor Farinelli

The Middle East Big Geopolitical Game: South Front’s Forecast of the Syrian conflict