Independência da Catalunha será imediata se não houver referendo

catalunha-independecia

22/05/2017

Governo regional manteve em segredo uma lei com a qual pretende romper com a Espanha

Será com ou sem referendo. A Generalitat (governo regional autônomo) já tem definido o mecanismo para colocar em prática uma separação imediata da Catalunha em relação ao restante da Espanha caso o Governo central impeça a realização de uma consulta popular sobre a independência prevista para o final de setembro ou começo de outubro deste ano. O EL PAÍS teve acesso ao esboço secreto da Lei de Transição Jurídica, conhecida como lei da ruptura. Trata-se de um documento que pretende funcionar como uma constituição provisória catalã pelo prazo de dois meses que, de acordo com o próprio texto, o parlamento regional teria para promover um processo constitucional que desembocaria na “república parlamentar” da Catalunha. “Se o Estado espanhol impedir a realização do referendo, esta lei entrará em vigor de forma integral e imediata assim que o Parlamento constatar esse impedimento”, afirma a última cláusula do texto.

Continuar lendo

Anúncios

Eight reasons Leave won the UK’s referendum on the EU

The UK has voted to quit the European Union following a referendum on its membership. So how did the Leave campaign win?

 

1. Brexit economic warnings backfire

Mark Carney with the UK's new £5 noteImage copyrightEPA

What started off as a trickle soon became a steady stream and ended up as a flood.

The public was bombarded with warnings about how they would be poorer if they voted to leave the EU but, in the end, weren’t convinced by what they were told and/or believed it was a price worth paying.

The CBI, the IMF, the OECD, the IFS – an alphabet soup of experts lined up to say economic growth would be hobbled, unemployment would go up, the pound would plummet and British business would be left in a no man’s land outside the EU.

The Bank of England raised the prospect of a recession while The Treasury said it would be forced to put income tax up and slash spending on the NHS, schools and defence.

If that wasn’t enough, President Obama suggested the UK would go to the “back of the queue” in terms of securing a trade deal with the US while top EU official Donald Tusk hinted at the end of Western political civilization.

Some on the Remain side accepted this was overkill and that so-called “Project Fear” had got a bit out of hand while the Leave campaign was quick to dismiss the naysayers as wealthy, unaccountable elites with their own vested interests talking down Britain.

But the fact the public discounted so readily the advice of experts points to something more than just a revolt against the establishment. It suggested far more people felt left behind and untouched by the economic benefits of five decades of EU involvement being trumpeted.

How will Brexit affect your finances?


2. £350m NHS claim gets traction

Vote Leave battle busImage copyrightGETTY IMAGES

The assertion that leaving the EU would free up £350m a week extra to spend on the NHS is the kind of political slogan that campaigns dream of: striking, easy to understand and attractive to voters of different ages and political persuasions.

No surprise then that Vote Leave chose to splash it across the side of their battle bus.

The fact that the claim does not stand up to much scrutiny – the figure is calculated using sums which were disputed by the Treasury Select Committee and described as potentially misleading by the UK Statistics Authority – did not reduce its potency.

Remain campaigner Angela Eagle may have told her opponents to “get that lie off your bus” but polling suggests it gained traction and was the single most remembered figure from the campaign, with many people believing that money handed over to the EU to be a member should be spent in the UK instead.

In that sense, it served as a powerful illustration of how the UK could be better off outside the EU.


3. Farage makes immigration the defining issue

Nigel Farage at the launch of a UKIP posterImage copyrightEPA

If they didn’t quite bet the farm on the issue of immigration, Leave played what they knew was their trump card often and they played it successfully.

The issue fed into wider questions of national and cultural identity, which suited Leave’s message – particularly to lower income voters.

The result suggested that concerns about levels of migration into the UK over the past 10 years, their impact on society, and what might happen in the next 20 years were more widely felt and ran even deeper than people had suspected.

Just as crucially, it suggested Leave’s central argument that the UK cannot control the number of people coming into the country while remaining in the EU really hit home.

Turkey was a key weapon in Leave’s armoury and, although claims that the UK would not be able to stop it entering the EU were firmly denied, there was enough uncertainty about this – a fact that the ongoing migrant crisis in Europe unquestionably fed into.

The language and imagery used by the Leave campaign came in for criticism and there were recurring tensions between the Conservative dominated official Leave movement, Nigel Farage’s UKIP roadshow and the separate Leave.EU group.

But their various messages resonated and segued with their central proposition that a vote to leave was a once in a generation chance to take control and assert national sovereignty.


4. Public stop listening to PM

David Cameron on the BBC's Question Time showImage copyrightPA

David Cameron may have won one leadership contest, one (or two if you include the 2010 coalition-forming one) general elections and two referendums in the past ten years but this was the moment his luck ran out.

By putting himself front and centre of the Remain campaign, and framing the decision as a question of trust, he staked his political future and personal reputation on the outcome.

Having put so much store on his ability to secure a fundamental change in the UK’s relationship with the EU, it was inevitable that the concessions he came back with following nine months of negotiations would be dismissed as a damp squib by Eurosceptics in his party.

But this summed up a deeper problem. Having constantly stated that he would “not rule anything out” if he didn’t get what he wanted, trying to enthuse the UK to stay in on the basis of reforms most believed were modest at best was always going to be a difficult sell.

Throughout the process, he found himself at odds with many Conservatives who have never quite reconciled themselves to his decision to go into coalition after the 2010 election and the compromises that brought.

Unsuited to winning over Labour supporters, the prime minister was not able to persuade enough floating voters to give him the benefit of the doubt.

It was his failure to get the outcome he wanted, coupled with his desire to try and unify the country after the bruising campaign, that prompted him to say he would stand down as PM by October.


5. Labour fail to connect with voters

Labour's shadow cabinetImage copyrightPA

The Remain campaign always needed Labour voters to win the referendum and the fact that they did not play ball will be the subject of a long and acrimonious post-mortem within the opposition.

Not only did Labour – 90% of whose MPs backed staying in the EU – badly misjudge the mood of its supporters, when it realised something was wrong during the campaign, it was unable to do much about it.

Despite sending in big beasts such as Gordon Brown and Sadiq Khan to talk up the benefits of the EU, and hinting that further controls on immigration would be needed, it was unable to shift the impression of a growing schism between those running the party and its base.

Although Alan Johnson, the head of Labour In, has been singled out for criticism, it is likely that Jeremy Corbyn – who declined to share a platform with pro-EU politicians of other parties – will take most of the blame.

Critics have said his lukewarm support for the EU – which he summed up as 7 out of ten in one appearance – filtered through to the entire campaign and his emphasis on the need for a “social Europe” simply did not resonate with enough people.


6. Big beasts – Boris Johnson and Michael Gove

Boris Johnson holding a lobster on a visit to SuffolkImage copyrightPA

We always knew a handful of cabinet ministers would support Brexit but it was Michael Gove and Boris Johnson’s declaration of support which really put rocket boosters under the campaign.

The justice secretary brought intellectual heft and strategic nous to the table while the former mayor of London, after a bout of soul-searching, brought star appeal and ability to appeal across the party divide.

The two men were deployed deftly, Boris Johnson cast in the role of foot soldier as he criss-crossed the country on the Vote Leave bus, pulling pints and brandishing cornish pasties in his wake.

Meanwhile, Mr Gove did much of the heavy lifting, helping to put together Leave’s post-Brexit manifesto as well as facing the public in TV referendum specials on Sky News and the BBC.

Then there was Nigel Farage, the face of Euroscepticism in the UK but also a potential loose cannon for the Conservative dominated official campaign? The UKIP leader, as is his forte, did his own thing and occasionally provoked controversy but also played a vital role on the ground in motivating his party’s supporters and numerous others to go to the polls.


7. Older voters flock to polls

A man and a woman on a stroll in SussexImage copyrightPA

While experts will pore over the finer details of turnout over the coming days and weeks, the cry will inevitably go up that it was older voters which won it for Leave – particularly in the south, south-west, Midlands and the north east.

It is a matter of fact that the older you are, the more likely you are to make the effort to vote – 78% of those 65 or over voted in the 2015 election, compared with 43% of 18-24 year olds and 54% of 25-34 year olds.

Despite the last minute rush to register – which saw 2.6 million people sign up, many of them younger voters, between 15 May and the extended deadline of 9 June – the breakdown may not be radically different this time.

Factor in research suggesting that support for Brexit was significantly higher among those aged 55 and over than among younger age groups – three out of every five voters aged 65 or over said they wanted to leave – then you have the foundation for Friday’s result.

Of course, it is not as simple as that, with many younger voters will also have supported Brexit across England and Wales. But a big inter-generational divide in voting patterns is just one of the many talking points going forward.


8. Europe always slightly alien

Couple wearing Union Jack suitsImage copyrightAFP

The UK’s relationship with Europe has never been simple nor static.

It took the country years to join what was then the European Community and, even then, when it was last put to the vote in 1975 many backed it grudgingly or for narrow economic reasons.

Many of those have since changed their minds, with their earlier ambivalence turning into outright hostility. There have been decades of scepticism towards the EU among politicians and in large parts of the UK media.

The younger generation were generally seen as pro-EU but it remains to be seen – once the details of the voting is looked into – how the result broke down by age.

What appears clear from the campaign is that the vote to Leave was as much a statement about the country’s national identity, and all that involves, as it was about its economic and political future.

Fonte: BBC News

Política de austeridade: espanhola é demitida por faltar ao trabalho no dia do próprio despejo

Amaya Muñoz representa o drama da população espanhola frente às políticas de austeridade: sem emprego e sem casa

Amaya Muñoz chora nos braços de amigos ao ser despejada de sua casa; operação foi conduzida por 100 policiais

“Você já tem idade suficiente para saber quais são as suas responsabilidades. Atente-se às consequências”. Foi assim que Amaya Muñoz, uma espanhola de 31 anos, soube de sua chefe que estava sendo demitida. A razão foi explicada pela seção de Recursos Humanos da empresa de marketing na qual trabalhava: havia faltado 20% das jornadas em dois meses consecutivos.

Ausências para acompanhar o próprio despejo do apartamento por não ter conseguido pagar a parcela mensal de 600 euros. Depois de acompanhar mais de 100 policiais espanhóis tirarem suas coisas à força, a jovem obteve licença médica do trabalho por questões psicológicas.

Amaya voltou ao emprego ainda em setembro e tudo seguiu normalmente até esta sexta-feira (25/10), quando obteve a inesperada notícia. Meia hora antes do final de seu turno, ela recebeu um telefonema do departamento de Recursos Humanos. “Pensei que iríamos falar sobre as horas extras que eu tinha me oferecido a fazer”, conta ela.

“Não tem sentido que me despeçam por faltas justificadas”, acrescenta. Mas a nova legislação trabalhista espanhola, aprovada no ano passado como parte do programa de austeridade contra a crise econômica, embasa a decisão da empresa. Foi a mesma reforma que amedrontou tanto a marroquina Latifa que com medo de perder seu emprego por faltas, deixou de ir ao médico e morreu, em março de 2012, de pneumonia.

Tanto Latifa quanto Amaya eram empregadas da Konecta, uma teleoperadora com cerca de 700 funcionários, em sua grande maioria mulheres, com salário médio de 900 euros mensais e extensos turnos. O grupo faturou 307 milhões de euros em 2012, segundo dados oficiais.

Drama de muitos

Vítima da crise, da precarização do trabalho, do despejo e das políticas do governo, sua história se tornou um símbolo do drama de milhares de espanhóis. A jovem sofreu os dois golpes mais duros que assolam a população: perder a casa e o emprego; não importa em que ordem. Amaya é apenas mais uma dos 6 milhões de desempregados no país e dos 420 mil que não conseguiram pagar as prestações de seus imóveis.

Em um ano de atraso da mensalidade de sua casa, Amaya acumulou uma divida de 8 mil euros.

Em sua solidariedade e para sua readmissão na empresa, foi convocado um protesto nesta terça e dezenas de internautas enviam mensagens rechaçando a Konecta nas redes sociais. O ato foi chamado também pelo Twitter da PAH (Plataforma dos Afetados pela Hipoteca, na sigla em espanhol), considerado o principal movimento social contra os despejos no país.

Na Espanha, o preço das casas aumentou de 326 euros o metro quadrado, em dezembro de 1985, para 2,9 mil em dezembro de 2007. Além do aumento vertiginoso, o desemprego no país cresceu, levando milhares de pessoas a se tornarem devedoras de bancos.

Calcula-se que cerca de 350 mil execuções hipotecárias foram concluídas desde o início da crise imobiliária no país. Atualmente, estarão em curso outras 200 mil ações que poderão levar ao despejo de famílias inteiras. Estima-se, em média, que as autoridades espanholas executam 500 despejos a cada dia.

Enquanto o número de pessoas sem moradia aumenta, cresce também o número de residências vazias pelo país. Segundo dados oficiais, existem 3,4 milhões de casas inabitadas, entre as quais cerca de 25% são edifícios construídos nos últimos dez anos em pleno boom da construção imobiliária da Espanha.

Resistências

Depois de ajudar a jovem, a PAH encaminhou seu caso para a CGT (Confederação Geral do Trabalho da Espanha). A partir do contato com o sindicato, Amaya disse que irá entrar na justiça contra sua demissão. “Quero denunciar para encorajar outras pessoas que trabalham na empresa ou em outras em situação semelhante a minha”, disse ela. “Não é justo ser despedida por este motivo, independentemente o que diga a reforma trabalhista”.

Fonte: OperaMundi

Espanha: um país rumo ao fundo de um poço sem fundo

Estudos indicam que daqui a cinco anos, a menos que ocorram mudanças radicalmente positivas, 18 milhões de espanhóis estarão vivendo em zona de exclusão social. Serão os novos pobres de um pobre país. Um país que acreditou na bolha imobiliária enquanto fabricava novos ricos, e que agora desmorona sem pena nem glória.

Por Eric Nepomuceno.

Para a Espanha, o fundo do poço é múltiplo: cada vez que sente que chegou lá, descobre que era apenas uma etapa desfiladeiro abaixo e labirinto adentro. O poço parece não ter fundo algum.


Agora mesmo o governo de Mariano Rajoy, que a esta altura está mais desnorteado que nunca, acaba de divulgar novos dados e espalhar mais desalento. Por exemplo: em março foi alcançada a marca de 20 trimestres consecutivos com um PIB inferior ao de 2008, quando começou a débâcle. São sessenta meses. Cinco anos. Hoje, o PIB espanhol retrocedeu 7% em relação ao de 2008. A renda per capita é igual à de 2002.

Enquanto isso, o desemprego continua crescendo de vento em popa: chegou-se a 26,7% da força de trabalho. Em 2007, essa taxa era de 8%. Hoje, a Espanha só perde para a Grécia, mas por muito pouco: o desemprego afeta 27% dos trabalhadores gregos.

Quando se fala de espanhóis com menos de 30 anos, a marca é outra: 48%. E quando se fala de espanhóis entre 16 e 24 anos, a tragédia é muito mais brutal: 82% deles não conseguem emprego ou não têm como começar a trabalhar. O governo espanhol reconhece que serão precisos pelo menos dez anos para recuperar o nível de emprego que havia em 2008.

Já não há mais o que falar de conquistas sociais que desde o retorno da democracia, em 1977, vinham se consolidando: a saúde pública se esfacela, o ensino público desanda cada vez mais. O cenário é espantoso: há aeroportos transformados em vastidões desertas, e o estouro da bolha imobiliária deixou uma paisagem salpicada de estruturas vazias.

Os despejos e a retomada forçada de imóveis cujos compradores não têm como pagar as prestações resultaram numa seqüência de suicídios. A Espanha mostra uma face desastrosa, carcomida, ruinosa.

E enquanto isso, a famosa troika – a Comissão Européia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional – continua dando as cartas. E numa coincidência malvada, o trio acaba de divulgar o resultado do novo exame sobre a banca espanhola. Os três dizem que a operação de saneamento dos bancos vai por bom caminho, embora o quadro ainda seja um tanto preocupante.

O governo de Rajoy responde, com um ar altaneiro que ninguém sabe de onde veio, que está fazendo tudo direitinho e que não vai precisar pedir mais dinheiro de resgate para os bancos, além dos quarenta bilhões de euros que já pegou emprestado.

A malfadada troika diz que, seja como for, é preciso continuar sua estreita supervisão sobre o que acontece na Espanha. Há preocupação, dizem os técnicos do Banco Central Europeu, com a questão dos despejos forçados, que começam a ser suspensos em algumas cidades espanholas. Porque, antes de mais nada, dizem eles que assegurar a estabilidade financeira da banca é ‘necessidade imperiosa’. Entre Bruxelas, sede da União Européia, e a Alemanha de Angela Merkel, há o reconhecimento de que despejar famílias que perderam empregos e não têm como pagar suas hipotecas é um problema social doloroso. Mas, acima de tudo, é essencial manter os bancos financeiramente saudáveis.

Mariano Rajoy, impávido colosso, insiste: a situação poderia estar pior. Bem, sempre é possível piorar, e os espanhóis, ao longo dos últimos cinco anos, aprenderam isso dolorosamente. O problema deles é outro: é saber se dias piores virão, e até quando, e em que profusão.

Só em 2012 foram destruídos um milhão e pouco de empregos. O crédito entrou em colapso, afetando consumidores de um lado e pequenos e médios produtores de outro. Depois da década de ouro, quando o país viveu pura bonança – 1998-2007 –, agora, que se cumprem cinco anos de ardoroso retrocesso, a expectativa é que se leve outro tanto para voltar a 2008. Ou seja, na melhor das hipóteses, a Espanha mal chegou ao meio da década perdida. Se nos anos dourados a oferta de crédito cresceu 20% por ano, agora vem caindo 6% ao ano, desde 2008, e a juros cada vez mais altos, o que acaba de sufocar os sufocados.

Ao mesmo tempo, a fuga de capitais ocorreu e continua ocorrendo em velocidade compatível com a retirada dos investidores.

Diante desse quadro, a receita aplicada pela troika não muda um milímetro: reformas estruturais, austeridade extrema, desvalorização dos salários. Tudo isso, que deveria elevar a competitividade do país, não tem feito outra coisa além de desmilingüir a Espanha.

Claro que nem tudo é culpa apenas da famigerada troika e da ávida ganância da banca. Os governos do socialista José Luis Rodríguez Zapatero soube, com raro talento, preparar o terreno para o desastre levado adiante agora por Mariano Rajoy. Foi Zapatero quem deu início aos cortes em programas sociais, quando a crise já ia longe. Não teve, é verdade, a sanha que Rajoy tem demonstrado. Mas parte da responsabilidade é dele.

Para acabar de sombrear um cenário extremamente sombrio, vale recordar que a arrecadação fiscal da Espanha está congelada, apesar de, nos últimos dois anos, o país ter experimentado o maior aumento de impostos desde a volta da democracia, há mais de três décadas. E isso acontece quando alguns gastos inevitáveis, como o crescente número dos que recorrem ao seguro-desemprego, aumentam. Além, claro, da ajuda aos bancos, que significou ao país os tais 40 bilhões de euros emprestados pela União Européia.

Estudos indicam que daqui a cinco anos, a menos que ocorram mudanças radicalmente positivas, 18 milhões de espanhóis estarão vivendo em zona de exclusão social.

Serão os novos pobres de um pobre país. Um país que acreditou na bolha imobiliária enquanto fabricava novos ricos, e que agora desmorona sem pena nem glória.

Fonte: CartaMaior

Europa: austeridade x crescimento

Em seu primeiro discurso como primeiro ministro ante o parlamento italiano, Enrico Letta foi contundente. “A Itália está morrendo com a aplicação da austeridade. Necessitamos de políticas de crescimento”. Não é uma voz isolada. O Banco Central europeu terá  que decidir nesta quinta-feira se baixa a taxa de juros, que está em um mínimo histórico, para estimular o crescimento. A Carta Maior conversou com Simon Tilford, do Centro para a Reforma Europeia, com sede em Londres, sobre o futuro da zona do euro.

Por Marcelo Justo, direto de Londres.

Londres – Quase ninguém mais aguenta a austeridade na Europa. Em seu primeiro discurso como primeiro ministro ante o parlamento italiano, Enrico Letta foi contundente. “A Itália está morrendo com a aplicação da austeridade. Necessitamos de políticas de crescimento”. Não é uma voz isolada. Na última semana, nada mais nada menos que o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, disse que era preciso “uma política correta que tenha ao mesmo tempo aceitação social e política”. A contundente derrota em fevereiro do candidato da austeridade, Mario Monti, foi o mais claro sinal do esgotamento político e social da austeridade. Com um desempregou que superou os 27% na Espanha e na Grécia, bateu recordes em Portugal e na França e chegou a 19 milhões nos 17 países da eurozona, o esgotamento desse modelo é a cada dia mais visível.

Com este pano de fundo, o Banco Central europeu terá que decidir nesta quinta-feira se baixa a taxa de juros, que está em um mínimo histórico, para estimular o crescimento.

Chega a surpreendê-lo que desde o ortodoxo José Manuel Barroso até Enrico Letta, ou os documentos do Partido Socialista francês, publicados pelo Le Monde, todos falem do fracasso da austeridade?

Simon Tilford: A ideia de que a austeridade iria preparar o caminho para o crescimento mediante o retorno da confiança dos mercados não funcionou. Hoje muitas economistas se encontram em uma recessão ou mesmo em uma depressão. Os dados são inquestionáveis. O problema é que admitir o fracasso da austeridade é muito difícil para os políticos porque teriam que admitir que há dificuldades institucionais na Europa que deve mudar.

Quais são esses problemas institucionais?

ST: É preciso uma autoridade bancária que atue realmente como uma fonte de crédito de última instância para toda a zona do euro. A única razão pela qual baixaram os custos de financiamento dos países periféricos é porque o presidente do Banco Central da Europa (BCE), Mário Draghi, disse em agosto passado que faria tudo o que fosse necessário para sustentar o euro. Não ocorreu o que diziam alguns políticos caso se seguisse uma política de austeridade. Um absurdo, se pensarmos que o custo da dívida caiu também para a França que resiste a aplicar a austeridade.

O que ocorreu é que os investidores pensam que o BCE vai atuar como emprestador de última instância se houver um problema. Mas isso deve se institucionalizar e é preciso uma federalização do sistema bancário da eurozona para romper o vínculo atual entre a dívida dos bancos e a dos estados. E, certamente, é fundamental que haja políticas de crescimento, que substituam as atuais políticas de austeridade.

Está claro que o Plano A, da austeridade, falhou. Como seria o Plano B? Estamos falando de um plano keynesiano clássico?

ST: A Europa precisa crescer. Não se trata simplesmente de gastar mais dinheiro ou de que a Espanha ou Itália se endividem mais para estimular o crescimento. O que é preciso é que a zona do euro em seu conjunto tenha uma política de expansão. Ou seja, que países com forte superávit comercial como a Alemanha relaxem sua política fiscal e gastem mais, fortalecendo seu consumo interno, e que haja um relaxamento radical da austeridade na periferia.

No momento, do que se fala é de uma redução das taxas de juros nesta quinta-feira. Isso serviria de estímulo para o consumo?

ST: Não creio que tenha um grande impacto. O tema é por que o chamado mecanismo de transmissão do dinheiro está quebrado. A razão pela qual o crédito é caro na Espanha ou Itália para o consumo individual ou empresarial é porque os bancos são muito débeis. Para solucionar esse problema, precisam quebrar o vínculo entre os bancos e o Estado. Os investidores são reticentes a emprestar aos governos pelo medo que tem da debilidade do setor bancário e da necessidade de que ele tenha que ser resgatado pelo Estado. Ao mesmo tempo, há desconfiança no setor bancário porque ele tem muita dívida do governo em seus balanços. Isso se consegue com um BCE que atue como emprestador de última instância e algum mecanismo de federalização do sistema bancário.

É possível ter um plano de investimento em nível da Comissão Europeia para estimular o crescimento na Espanha, Itália, Grécia e Portugal?

ST: As somas necessárias para isso são gigantescas. Um investimento assim poderia melhorar um pouco as coisas. Mas se pensamos na Espanha, ela não precisa de mais infraestrutura. A Itália ou, fora da zona do euro, o Reino Unido, sim precisam de investimentos em infraestrutura que, em ambos casos, necessitam de uma urgente modernização. O que um país como a Espanha precisa resolver é sua crise bancária, relaxar a política de austeridade e existir uma demanda mais forte de outros países europeus para sair de sua crise.

O grande obstáculo para a adoção de um plano B é a Alemanha, mas no momento, até as eleições de setembro, não há nenhuma possibilidade de mudança. Agora, mesmo que a oposição vença as eleições, ela que critica mais a austeridade, uma mudança de política levará tempo para se concretizar. A zona do euro tem tanta margem política, econômica e social para esperar uma mudança?

ST: Surpreendeu-me muito o grau de tolerância verificado em relação à austeridade. As pessoas aguentaram muito mais do que a maioria dos observadores pensavam. Mas não se pode apostar nisso indefinidamente. Se olharmos para a crescente impopularidade da União Europeia e a frustração das pessoas, veremos que essa é uma estratégia insustentável. Surpreende-me que França, Itália e Espanha não tenha adotado uma posição comum mais forte. É possível que tenham decidido não colocar a Alemanha contra a parede. Mas não descarto que venham a fazer isso. A própria Alemanha terá que aceitar que esta estratégia não está funcionando. O problema é que para além de quem ganhe a eleição em setembro, o eleitorado alemão colocará limites para uma mudança de estratégia. Na Alemanha não há muita aceitação da necessidade de federalização real da eurozona para que ela funcione. Somente se a crise chegar a um ponto limite e isso forçar um debate aberto na Alemanha, poderá ocorrer uma mudança de estratégia.

Tradução: Marco Aurélio Weissheimer

Fonte: CartaMaior

Correntistas temem crise de confiança na Europa com ‘confisco’ no Chipre

03630434.rA decisāo dos ministros da Zona do Euro de tributar o dinheiro depositado em contas bancárias no Chipre é considerada “inquietante” e “surpreendente” pelas principais associações de correntistas europeus, que temem uma grave crise de confiança entre investidores e denunciam a medida como ilegal.

“As consequências são muito negativas. O resultado é uma desconfiança geral que pode, inclusive, repercutir na economia. Imagine se as pessoas começarem a retirar o dinheiro dos bancos para investir em outros serviços, como ouro ou imóveis, por exemplo?”, disse à BBC Brasil Juan Manuel Viver, representante da Eurofinuse, a Federação Europeia de Usuários de Serviços Financeiros, entidade que representa cerca de 50 associações na Europa.

Viver não acredita que haverá corrida em massa dos clientes aos bancos europeus para retirar dinheiro, mas considera que a decisão abre um precedente. “As pessoas vão ter medo, pois vão pensar que se fizeram uma vez, podem fazer de novo”, acrescentou.

Segundo ele, a União Europeia violou um acordo implícito de que os correntistas devem ser protegidos em caso de falência do sistema. “Mais uma vez, é o cidadão comum que paga o resgate do sistema financeiro”.

A decisão de tributar os depósitos no Chipre foi tomada na madrugada do último sábado, em Bruxelas, após negociações entre ministros da zona do euro e o Fundo Monetário Internacional (FMI), para salvar o país da bancarrota.

O acordo prevê a cobrança de uma taxa de 6,75% em contas de 20 mil a até 100 mil euros, e de 9,9% nas contas acima desse valor. Contas com menos de 20 mil euros não serão taxadas. O Parlamento do Chipre votará a medida nesta terça-feira.

Garantia ‘relativa’

A Adicae, Associação dos Usuários de Bancos e Seguradoras, na Espanha, também se disse surpresa com a decisão. “Entendemos que tributar depósitos é contrário à normativa europeia que protege os correntistas em caso de falência do sistema bancário. O que até agora era uma garantia absoluta passa a ser uma garantia relativa”, explica o diretor de comunicação da Adicae, Fernando Herrero.

Herrero considera difícil prever a reação dos cidadãos europeus, mas não descarta a fuga de depósitos em alguns países. “Já vimos uma situação semelhante na Espanha. Com certeza, haverá clientes retirando dinheiro dos bancos, mas é difícil dizer se isso pode se tornar um movimento generalizado”, afirmou.

Já o secretário-geral da F2IC, Federação francesa dos Investidores Individuais e de Clubes de Investidores, Aldo Ficurani, não acredita em um efeito dominó.

Segundo ele, o Chipre tem uma situação particular, com um número elevado de contas em nome de estrangeiros, e a medida europeia teria como alvo principal as pessoas que usam os bancos do país para lavar dinheiro ou fugir do fisco. “É um paraíso fiscal e acredito que os europeus querem acabar com isso”. Ele considera, entretanto, que a medida é “preocupante”, uma vez que também atinge o pequeno investidor cipriota, além abalar a confiança nas instituições europeias.

 

Fonte: BBC Brasil

Crise da dívida no Chipre derruba bolsas e governo adia votação de pacote

Governo adiou por mais um dia votação de pacote de austeridade que prevê imposto sobre depósitos bancários

Com as atenções do mercado voltadas para o programa de renegociação da dívida soberana do Chipre, os mercados financeiros pelo mundo mostraram sinais de nervosismo na manhã desta segunda-feira (18/03), com bolsas asiáticas fechando em queda e europeias abrindo com a mesma tendência. Além do mau desempenho das bolsas,  na esteira do agravamento da crise das dívidas na zona euro, também é registrada a queda do euro face ao dólar e o aumento dos juros das dívidas dos países mais endividados.

O primeiro indicador negativo da crise ocorreu na Ásia, onde as bolsas registraram o pior desempenho em quase oito meses. O índice Nikkei, principal indicador da Bolsa de Tóquio, fechou em queda de 2,7%. O desempenho em baixa foi seguido pelo Hang Seng, de Hong Kong, em queda de 2%, o Strait Times, de Cingapura, com 0,9%, o Kospi de Seul, com 0,92%, o SET, de Bangcoc, com 0,41% e o KLCI, de Kuala Lumpur, com 0,39%. A exceção foi o SSE Composite, de Xangai, com alta de 1,68%.

O mau humor do mercado se espalha também pela Europa: em Londres, o FTSE abriu em baixa de 1,48%, seguido pelo DAX-30, de Frankfurt, com queda de 1,32%, o CAC-40, de Paris, com 2,08%, o PSI-20 de Lisboa, com 1,47%, o Ibex-35, com 2,85% e o FTSE-MIB, de Mião, com 2,84%.

A mesma instabilidade se encontra no mercado cambial, onde a moeda única recuou, no início da manhã, para 1,2905 dólares, o valor mais baixo registrado em 2013, frente aos 1,3055 da sessão anterior.

Nos mercados secundários de dívida (revenda de títulos), os juros implícitos às Obrigações do Tesouro a dez anos de Portugal, Espanha, Grécia e Itália estavam em alta. No caso dos títulos portugueses, as taxas voltaram a superar a barreira dos 6%, enquanto no caso espanhol subiram para 5%.

A reação negativa ao programa de resgate cipriota acontece no dia em que o Parlamento cipriota votaria, em pleno feriado no país, as medidas do acordo que o governo negociou com a União Europeia. No entanto, o Parlamento decidiu de última hora postergar o pagamento para terça-feira (19/03).

Japoneses passam sobre telão indicativo com os índices das bolsas mundias nesta segunda-feira

Em causa está um empréstimo de 10 bilhões de euros que tem como contrapartida o cumprimento, por parte de Nicósia, de um plano de medidas recessivas.

Entre elas está incluído um aumento de impostos sobre as empresas, que pode chegar a 12,5% e um imposto extraordinário sobre os depósitos.

Ele abrange todas as poupanças, e inicialmente previa a aplicação de uma taxa de 6,7% sobre os depósitos abaixo de 100 mil euros e de 9,9% sobre os acima deste valor. Após uma série de protestos nas ruas e críticas internacionais, o governo reviu a meta, diminuindo o primeiro valor para 3% e aumentando o segundo para 12,5% – o objetivo é suavizar o impacto das medidas para os pequenos poupadores.

A aprovação parlamentar não está garantida, já que o partido conservador de Anastasiadis, DISY, e seu parceiro, o centrista DIKO, só superam a maioria absoluta por um voto.

Revolta

O resgate da dívida aprovado na madrugada do sábado (16) desencadeou uma onda de revolta na população. Logo após a notícia, o povo saiu às ruas para retirar fundos de suas contas, mas os bancos cooperativos, os únicos que abrem durante o sábado, tinham recebido a proibição de permitir transferências bancárias.

Pouco depois, os bancos fecharam suas portas e as filas se mantiveram nos caixas automáticos, onde os cidadãos se preparavam para tirar o máximo permitido por dia, mil euros.

Em discurso televisado noite de domingo (17), o presidente afirmou que na reunião do Eurogrupo só havia duas opções: o plano de reestruturação da dívida ou a quebra do sistema bancário.

Anastasiadis prometeu aos cidadãos que mantiverem seus depósitos no banco por um período superior a dois anos que o Estado devolverá a metade do imposto extraordinário e oferecerá um bônus sobre as futuras receitas com a exploração de gás natural.

O Chipre conta com reservas de gás em suas águas territoriais e espera explorá-las nos próximos anos.
 

Fonte: OperaMundi