A repressão aos indígenas Mapuches na Argentina

800px-Flag_of_the_Mapuches

Bandeira Mapuche

14/08/17

No dia 1o de agosto, a Gendarmeria argentina, uma força de segurança com características federais, conteve um protesto em uma área ocupada por indígenas de etnia Mapuche, na província de Chubut, localizada na Patagônia. A manifestação era protagonizada por militantes que reclamavam direitos sobre a terra e pela libertação de seu líder, Facundo Jonas Huala, preso em junho e cuja extradição é demandada pelo Chile.

Em seguida à repressão policial, Santiago Maldonado, que estava presente no local como apoiador da causa, desapareceu. De acordo com os ativistas presentes, Maldonado foi levado pelos gendarmes e a ação policial foi marcada por violência excessiva. Entretanto, a Ministra de Segurança argentina, Patricia Bullrich, nega a responsabilidade da agência e declarou que não existem indícios de participação policial no desaparecimento.

Continuar lendo

Anúncios

Indígenas do Japão lutam para conservar sua cultura

Os Ainus são um povo indígena no Japão e, por causa de políticas de assimilação implementadas pelo governo japonês no século XIX, chegaram a ser considerados um grupo étnico ameaçado. Hoje, há uma preocupação em conservar a rica cultura e idioma dos Ainus, incluindo seus rituais tradicionais, danças e músicas.

NAFTA: How ‘ghost’ unions exploit workers in Mexico

Texto 64.jpg

01/09/2017, by John Holman

Mexico City, Mexico – US President Donald Trump is not known to be a defender of the underpaid, under-protected Mexican labour force, but his administration is making noises about the low salaries and lax regulations that workers in Mexico have to put up with.

There is a reason for that. The Trump administration believes low Mexican wages make for unfair competition for their own workforce and lure in companies that instead might have set up in the United States. With the North American Free Trade Agreement (NAFTA) on the negotiating table again after 23 years, the Trump administration, when they are not threatening to pull out of the trade deal, is looking to even up the playing field. The focus on salaries is likely to continue into the second round of renegotiations taking place in Mexico itself from September 1st to 5th.

But while the US administration’s concerns over Mexican workers’ rights might not be altruistic, they do contain a basic truth. Mexican workers are, on average, the worst paid of the 35 countries in the OECD. Wages have stagnated. According to Mexico’s National Autonomous University (UNAM), the real value of the country’s minimum salary has dropped 60 percent in the past 30 years.

Continuar lendo →

Brasil encerra atividade militar no Haiti nesta quinta-feira (31)

Texto 63

30/08/2017

Nesta semana, as tropas brasileiras se despedem oficialmente da missão da Organização das Nações Unidas no Haiti depois de 13 anos. Será realizada na próxima quinta (31), às 19h de Porto Príncipe (20h em Brasília), a cerimônia que marca o encerramento das atividades militares do Brasil na Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (MINUSTAH). Desde a decisão do Conselho de Segurança de extinguir a missão, o contingente tem se reduzido gradualmente até a retirada completa, prevista para 15 de outubro de 2017.

MINUSTAH e o comando brasileiro

MINUSTAH é a sigla em francês que se refere à Missão criada em 30 de abril de 2004 pela Resolução 1542 do Conselho de Segurança da ONU, e implementada efetivamente em 1º de junho do mesmo ano. A Missão foi criada para suceder de maneira mais estruturada a Força Multinacional Interina, estabelecida apenas dois meses antes (26/02/2004) pela Resolução 1529.

A Missão foi autorizada a mobilizar no Haiti até 6.700 militares, 1.622 policiais, 550 funcionários civis internacionais, 150 voluntários das Nações Unidas e cerca de 1 mil funcionários civis locais.
Desde sua implementação, a MINUSTAH tem seu braço militar sob o comando do Brasil no trabalho para colocar fim à violência e à instabilidade política no Haiti.

Continuar lendo →

Only 11% of architects and engineers are women. Let’s build a new pipeline for female talent

Texto 61.jpg

25/07/2017, by Naadiya Moosajee

I am a female engineer. When I introduce myself, I still get gasps or looks of surprise. This isn’t a surprise to me as women account for just 11% of employees in architecture and engineering.

There are a number of reasons for this, including what has been dubbed “the pipeline challenge”, that is points all along the engineering talent pipeline where we lose women and girls.

At the beginning of the pipeline girls are not aware of engineering careers. There is still a perception that it’s something for the boys. As a civil engineer, people are surprised by my small stature as they expect heavy lifting when it comes to building mega infrastructure. I prefer to frame it as heavy lifting with the mind.

Continuar lendo →

Cuba é o primeiro país do mundo a erradicar transmissão materna de HIV e sífilis

 

18/04/2017

Cuba se tornou recentemente o primeiro país do mundo a receber a validação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de eliminação da transmissão vertical – de mãe para filho – do HIV e da sífilis.

O sucesso da ilha caribenha é mais um passo em direção é um passo na direção certa para reduzir a ameaça global do HIV e da AIDS, uma das metas do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 3. Confira nessa matéria especial em vídeo.

Fonte: ONU Brasil

Argentina condena à prisão perpétua quatro juízes por crimes contra a humanidade

1501177434_819392_1501178439_noticia_normal_recorte1

Tribunal os considerou partícipes primários de sequestros, torturas e homicídios durante a ditadura militar

29/07/17

A justiça da Argentina deu outro passo sem precedentes na punição ao terrorismo de Estado. Quatro juízes federais da província de Mendoza (1.000 quilômetros a oeste de Buenos Aires) foram considerados culpados de garantir a impunidade em dezenas de sequestros, torturas e assassinatos cometidos durante a última ditadura militar (1976-1983) por não investigarem os crimes e se somam às centenas de militares julgados e condenados. A novidade da sentença, lida na quinta-feira à noite, é a condenação a uma conduta sistemática do Poder Judicial e não a casos pontuais, como em causas anteriores.

Continuar lendo