Can’t fight the moonlight? Actually, you can: ICJ judges to stop acting as arbitrators in investor-state disputes

Can’t fight the moonlight? Actually, you can: ICJ judges to stop acting as arbitrators in investor-state disputes

 

JPEG - 124.2 kb

EJIL: Talk! | 5 November 2018

Can’t fight the moonlight? Actually, you can: ICJ judges to stop acting as arbitrators in investor-state disputes

by Marie Davoise

The earthquake started in earnest in November 2017. At its epicentre was a report, published in November 2017 by two researchers at the International Institute for Sustainable Development (“IISD“).

In the report, titled “Is ‘Moonlighting’ a Problem? The role of ICJ Judges in ISDS”, researchers Nathalie Bernasconi-Osterwalder and Martin Dietrich Brauch analysed the contents of several public databases of ISDS cases, and found that at least seven judges at the International Court of Justice (“ICJ” or the “Court“) at the time of publishing (and 13 former judges) had worked (or were working at the time of the report) as arbitrators in treaty-based investor state dispute settlement cases during their terms at the ICJ.

Crunching the numbers further, the two IISD researchers looked at the amount of treaty-based cases in which ICJ judges had served as arbitrators. They compared the number against the 817 treaty-based ISDS cases known as of July 2017. The results were surprising: ICJ judges had sat as arbitrators in roughly 10% of all known investment treaty cases during their tenure.

This raises three types of concerns.

First, it seems to contravene the prohibition for ICJ judges to “engage in any other occupation of a professional nature” contained in the Statute of the International Court of Justice (the “ICJ Statute“).

Second, arbitrators are usually paid according to the time (calculated in days or hours) spent working on a case. This means that any ICJ judge who is also appointed as an arbitrator would have an economic incentive to spend more time on the investment treaty case, to the potential detriment of the judge’s Court-related work.

Third, cumulating the roles of ICJ judge and arbitrator (or, as the report called it, “moonlighting”) could potentially impact, or be perceived to impact, the judge’s independence and impartiality.

The IISD report fuelled debate within the international legal community, and even piqued the mainstream media’s interest. It was the catalyst for renewed discussions and a debate on the independence of ICJ judges which culminated into the announcement of 25 October 2018 discussed below.

ICJ judges and extrajudicial activities: an established practice

Of course, there have been discussions around activities by ICJ judges outside of their judicial appointment for as long as the Court existed.

The Court, established in 1945 by the UN Charter, is regulated by the ICJ Statute, which provides in its Article 16 that “no member of the Court may exercise any political or administrative function, or engage in any other occupation of a professional nature”. The deceptively simple text belies a more complicated reality, in which ICJ judges must be mindful not to cross the line between common practice and prohibited extrajudicial activities.

As early as the 1990s, questions had been raised on what exactly the prohibition in Article 16 entailed, culminating into a ping pong-like exchange between the UN General Assembly and the Court in 1995 and 1996.

On 2 November 1995, the UN Secretary-General published report A/C.5/50/18 on the conditions of service and compensation for Members of the International Court of Justice. The report summarises the Court’s position with respect to Article 16 of the Statute, and clarifies that it contains a prohibition on ICJ judges “holding a position in a commercial concern, engaging in the practice of law, maintaining membership in a law firm or rendering legal or expert opinions; or holding a permanent teaching or administrative position in a university or faculty of law”.

According to the Court, however, Article 16 does not prevent “a limited participation of Judges in other judicial or quasi-judicial activities of an occasional nature, as well as scholarly pursuits in the sphere of international law as members of learned societies or as occasional lecturers”.

Interestingly, the Court also told the General Assembly that it considered “occasional appointments as arbitrators” to fall outside the scope of the Article 16 prohibition on the basis of “a long-standing tradition of the Permanent Court of International Justice founded in 1922, as well as the recorded intention of the United Nations Conference on International Organization that adopted the text of Article 16 of the Statute”.

In a report dated 12 December 1995, the Advisory Committee on Administrative and Budgetary Questions (“ACABQ“), a subsidiary of the General Assembly responsible for expert examination of the UN programme budget, voiced concerns about “the extent of outside remunerated activities engaged in by [ICJ] Judges; the time spent on those activities; the payment received for those activities; the extent of the use of the Court facilities, including staff for those activities; the issue of disclosure of remuneration received from those activities; and the need for guidelines on these issues”.

Unsatisfied by the explanations provided by the ICJ, the ACABQ politely sent the Court back to the drawing board by suggesting that “the General Assembly may wish to consider inviting the Court to look again at this issue in the light of the observations and concerns of the Advisory Committee”.

The Court responded to those concerns in its 1995-1996 Annual Report to the General Assembly, in which it reiterated that it was common practice for ICJ judges to engage in occasional activities outside the Court, e.g. “acting as arbitrators in inter-State and private international arbitrations, serving in administrative tribunals or quasi-judicial organs of specialized agencies, lecturing, writing”.

This practice, the Court’s 1995-1996 Annual Report noted, went back to the origins of the Permanent Court of International Justice, and was nothing to be concerned about: “Not only is it in conformity with the Statute of the Court; the repeated endorsement by the international organs and by the States that have appointed Members of the Court as arbitrators shows their awareness of the contribution that the Members of the Court may, by this function, make to the development of international law, and of the benefits deriving therefrom for all institutions concerned”. This seemed to temporarily close the debate.

“Double hatting”, a revolving door, and a legitimacy crisis

The “moonlighting” debate echoes another controversial practice: that of “double hatting”, in which individuals wear two “hats” by simultaneously acting as arbitrators and legal counsel in international investment arbitration.

The concept, which has gained notoriety in the last few years, is similar to moonlighting. It results in a what Langford, Behn and Lie have called the “revolving door” of international investment arbitration in which individuals act sequentially and even simultaneously as arbitrator, legal counsel, expert witness, or tribunal secretary (for further detail, see Langford, Behn and Lie’s excellent empirical analysis in the Journal of International Economic Law last year).

There have been concerns over the ethical and normative implications of the practice of double hatting. Double hatting has a number of high-profile critics, such as scholar and arbitrator Philippe Sands and former ICJ judge Thomas Buergenthal. Recent international agreements have started to reflect concerns that were once the sole province of academics. For example, the Canada-EU Comprehensive Economic and Trade Agreement (“CETA“) imposes a ban on double hatting by explicitly stipulating that members of the Tribunal “shall be independent” and that “upon appointment, they shall refrain from acting as counsel or as party-appointed expert or witness in any pending or new investment dispute under this or any other international agreement” (Article 8.30(1) CETA).

This increased scrutiny of the independence of international judges and arbitration is just another symptom of the wider malaise in public international law, and in particular in the field of international investment arbitration which is suffering from a particularly bad case of legitimacy crisis.

Professor Philippe Sands pointed to a legitimacy crisis in international law when he gave the 2015 ESIL Annual Conference Final Lecture on “The End(s) of Judicialization”. In his address, Prof. Sands pointed out that the Court, which is the principal judicial organ of the UN, “appears to have the lowest standard in the world for testing judicial independence, yet it should have the highest”. Professor Sands noted that “it [was] not about actual bias, but about perception and improving standards”.

Fast-forward to October 2018: no more moonlighting as arbitrators for ICJ judges

On 25 October 2018, the President of the ICJ, His Excellency Mr. Abdulqai A. Yusuf, addressed the UN General Assembly for the first time since taking up the prestigious leading role in February this year.

After completing his summary of the Court’s judicial activities, H.E. Yusuf took the opportunity to discuss, “in the spirit of transparency”, the question of “extrajudicial activities that Members of the Court occasionally undertake, in particular, in the field of international arbitration”:

  • The Court is cognizant of the fact that, while the judicial settlement of disputes offered by the Court is enshrined in the Charter, States may, for several reasons, be interested in settling their disputes by arbitration. In such instances, Members of the Court have sometimes been called upon by States to sit on the arbitral tribunals in question dealing in some cases with inter-State disputes while in others with investor-State disputes ¾ a testament, of course, to the high esteem in which the Court’s Judges are held by the international community.
  • Over the years, the Court has taken the view that, in certain circumstances, its Members may participate in arbitration proceedings. However, in light of its ever-increasing workload, the Court decided a few months ago to review this practice and to set out clearly defined rules regulating such activities. As a result, Members of the Court have come to the decision last month that they will not normally accept to participate in international arbitration. In particular, they will not participate in investor-State arbitration or in commercial arbitration.

ICJ judges will remain able to participate in inter-State arbitrations only in exceptional cases and subject to various restrictions. In particular, they will need to obtain prior authorisation before accepting any appointments and will only be permitted to participate in one arbitration procedure at a time. They will also have to decline appointments by any State that is a party in a case pending before the Court, even if there is no substantial interference between that case and the case submitted to arbitration. This, H.E. Yusuf emphasised, “is essential to place beyond reproach the impartiality and independence of Judges in the exercise of their judicial functions”.

H.E. Yusuf’s stern words are a far cry from the Court’s reassurances in its Annual Report 1995-1996, in which it states that the practice of its judges being appointed as arbitrators “involves a very limited number of judges for very limited periods” and “has no adverse effect on the pace of the work of the Court or the total precedence given to that work by its Members”.

The ‘boom’ in investment treaty disputes, the number of which exploded over the last two decades, probably makes the first part of that statement inaccurate. It’s the second part of the statement, however, that H.E. Yusuf sought to address in his speech on 25 October, in which he solemnly concluded: “I cannot stress enough that any participation of Members of the Court in such inter-State arbitrations is subject to the strict condition that their judicial activities take absolute precedence”.

Fonte: http://isds.bilaterals.org/?can-t-fight-the-moonlight-actually&lang=en

Anúncios

Keiser Report: China – Big Trade War Loser? (E1302)

O que significam as sanções contra Rússia e China

18/10/2018, Pepe Escobar, Asia Times 4:09 PM (UTC+8)

Um relatório crucial do Pentágono sobre a base industrial e a “resiliência da cadeia de suprimentos” da Defesa dos EUA acusa a China de “expansão militar” e de conduzir “uma estratégia de agressão econômica”, principalmente porque Pequim é a única fonte de “vários produtos químicos usados em munições” e mísseis.

A Rússia é mencionada apenas uma vez, mas em um parágrafo crucial: como o país que mais “ameaça”, ao lado da China, a indústria de defesa dos EUA.

O Pentágono, nesse relatório, pode não estar advogando guerra total contra ambas, Rússia e China – como se interpretou em algumas áreas. O que o Pentágono faz é configurar a guerra comercial contra a China como ainda mais incandescente, ao mesmo tempo em que expõe os reais motivos por trás das sanções contra a Rússia.

O Departamento de Comércio dos EUA impôs sanções” a 12 empresas russas, acusadas de “agir contra interesses da segurança nacional ou da política exterior dos EUA”. Na prática, significa que as empresas norte-americanas não podem exportar produtos “dual-use” [lit. “de uso duplo”, civil e militar][1] para qualquer das empresas russas sancionadas.

Há razões muito claras por trás dessas sanções – e nada têm a ver com segurança nacional. Trata-se, aí, de mera competição em“livre mercado”.

No olho dessa tempestade está o jato para passageiros Irkut MC-21 – o primeiro no mundo, com capacidade para mais de 130 passageiros, a ter asas construídas de materiais compósitos.

AeroComposit é responsável pelo desenvolvimento dessas asas de materiais compósitos. A parte estimada dos compósitos usados no projeto total chega a 40%.

O motor PD-14 do MS-21 – que não tem potência suficiente para ser empregado em jatos de combate – será fabricado pela Aviadvigatel. Até agora, os MC-21 usavam motores Pratt & Whitney. O PD-14 é o primeiro motor do novo tipo 100% fabricado na Rússia, desde que a URSS desfez-se.

Especialistas em aviação não têm dúvidas de que o MC-21 equipado com motor PD-14 superará facilmente os modelos que lhe fazem concorrência: o Airbus A320 e o Boeing-737.

Há também o motor PD-35 – que está sendo desenvolvido pela empresa Aviadvigatel, especificamente para um modelo de jato de grande porte, produção russo-chinesa, já anunciado, a ser construído em regime de joint venture pela empresa China-Rússia Commercial Aircraft International Corp Ltd (CRAIC), constituída em maio de 2017, em Xangai.

Especialistas em todo o mundo estão convencidos de que esse é o único projeto capaz de abalar o monopólio, que já dura décadas, das empresas Boeing e Airbus.

É possível que as sanções impeçam a Rússia de aperfeiçoar o MC-21 e de investir no novo avião de passageiros? Muito pouco provável. Para Andrei Martyanov, conhecido analista militar russo, essas sanções são, na melhor das hipóteses, “risíveis” – dado que “fabricantes de aviônica e peças” para os ultra sofisticados jatos de combate Su-35 e Su-57 podem facilmente suprir substitutos para os itens ocidentais nos jatos de passageiros

Oh China, como você é ‘maligna’!

Mesmo antes do relatório do Pentágono, já era claro que o objetivo número um do governo Trump em relação à China era, no limite, cortar as longas cadeias de itens produzidos por empresas norte-americanas que operam na Rússia, para suprir projetos russos, e reimplantá-las de volta nos EUA – com todas as suas dezenas de milhares de empregos.

Essa reorganização radical do capitalismo global pode não parecer muito sedutora para as multinacionais norte-americanas, porque perderiam todas as vantagens de custo-benefício que, de início, as levaram para a China. E as vantagens perdidas não serão compensadas com redução de impostos para as empresas.

Piora – do ponto de vista do comércio global: para os falcões da administração Trump, a reindustrialização dos EUA pressupõe a estagnação industrial chinesa. Isso explica, em grande medida, a demonização sem limites, em todos os seus aspectos, do movimento no campo da alta tecnologia chamado “Made in China 2025.

E tudo isso flui em paralelo para hiper demonizar também a Rússia. Assim temos o secretário do Interior dos EUA Ryan Zinke, que ameaçou nada menos do que implantar um bloqueio nos fluxos de energia russa: “Os EUA podem fazer isso, com nossa Marinha, para assegurar que as rotas marítimas permaneçam livres. Se necessário, bloquear (…) para assegurar que a energia deles não chegue ao mercado.”

A demonização comercial e industrial da China chegou a um paroxismo, com o vice-presidente Mike Pence acusando a China de “assédio imprudente”, tentando “difamar” e abalar a credibilidade de Trump e, até, de ser o principal culpado de se imiscuir nas eleições nos EUA, tirando do trono a Rússia. É coisa que não parece sintonizada com alguma estratégia que tenha, por objetivo principal, criar empregos nos EUA.

O Presidente Xi Jinping e seus assessores não são necessariamente avessos a fazer algumas concessões comerciais. Mas isso se torna impossível, do ponto de vista de Pequim, quando os EUA impõem sanções à China ‘porque’ compra sistemas de armas russos.

Pequim pode facilmente prever, escrita no muro das relações comerciais, uma consequência inevitável das acusações de Pence: sanções ao estilo da Lei Magnitsky, que sancionaram indivíduos e empresas russas, podem ser em breve estendidas também aos chineses.

Afinal, Pence disse que a alegada interferência da Rússia nos assuntos dos EUA sumia, em importância, se comparada às ações “malignas” da China.

O embaixador da China nos Estados Unidos, Cui Tiankai , em entrevista à Fox News, fez de tudo para se manter diplomático em alto estilo: “Seria difícil imaginar que um quinto da população mundial pudesse desenvolver-se e prosperar, confiando principalmente não nos próprios esforços, mas dependendo de tecnologia roubada, ou transferida de outros, à força (…) Não é possível. O povo chinês é tão trabalhador e diligente como qualquer outro na face da Terra”.

São posições a serem validadas mais uma vez em Bruxelas nesta semana, na cúpula bienal ASEM – Ásia Europa –, realizada pela primeira vez em 1996. Esse ano, o tema é “Europa e Ásia: parceiros globais e desafios globais”. No topo da agenda estão comércio, investimento e conectividade – pelo menos entre a Europa e a Ásia.

A ofensiva de Washington contra a China não deve ser interpretada sob a ótica de algum “comércio justo”, mas, sim, como estratégia para conter a China no campo tecnológico, o que toca no tema absolutamente crucial: impedir que a China desenvolva a conectividade que sustenta as cadeias de suprimentos estendidas, que estão no coração da iniciativa Cinturão e Estrada (ICE).

Não precisamos de concorrentes

Sinal muito claro de que essas sanções que coincidem sobre Rússia e China têm tudo a ver como o bom velho medo de Brzezinski, de que a Eurásia seja dominada por “concorrentes equivalentes” emergentes, apareceu recentemente, vindo de Wess Mitchell, secretária-assistente de Estado no Gabinete de Negócios Europeus e Asiáticos – cargo que já pertenceu a Victoria “Foda-se a União Europeia” Nuland.

Aqui se lê o depoimento original de Mitchell, à Comissão de Relações Exteriores do Senado. E aqui a versão já saneada pelo Departamento de Estado.

Um trecho crucial, no meio do segundo parágrafo, simplesmente desapareceu: “Permanece entre os principais interesses de segurança nacional dos Estados Unidos impedir que potências hostis dominem a massa de terra eurasiana”.

Não que já não soubessem, mas aí está toda a geopolítica de que Pequim e Moscou precisavam saber.*******


[1] Ver também, para mais detalhes: 29/9/2018, Arkady Savitsky, Strategic Culture Foundation (NTs).

Pepe Escobar explica o neofascismo e o populismo de direita

Crisis in the WTO: Restoring the Dispute Settlement Function

The impasse in the World Trade Organization (WTO) over the appointment of new members of the Appellate Body is just one symptom of crisis in cooperation on trade. Driven by skepticism about multilateralism and binding dispute settlement, and by a growing strategic and economic rivalry with China, the current US administration has elevated longstanding US concerns about WTO dispute settlement to new heights. The inability of WTO members to exercise their collective authority to interpret the meaning of their WTO commitments has meant that the Appellate Body is effectively not subject to any checks and balances. As other WTO members blocked US efforts to negotiate more member control, the United States increasingly turned to unpopular unilateral mechanisms, culminating in the current block on new appointments as part of its more disruptive trade policy.

Assuming the United States will eventually return to rules-based trade, restoring the WTO dispute settlement system to full capacity and enhancing its legitimacy will likely require some changes. This might include improving mechanisms for political oversight, diverting sensitive issues from adjudication, narrowing the scope of adjudication, improving institutional support and providing members more say over certain procedures. Preserving compulsory, impartial and enforceable dispute settlement in the WTO will require an accommodation of different perspectives on how the system should function. Achieving this, in whatever form, will contribute to maintaining and even strengthening multilateral cooperation on trade.

Download PDF

Agentes externos provocaram uma “guerra híbrida” no Brasil, diz escritor

Pesquisador Andre Korybko analisa que os EUA aproveitaram problemas identitários para mobilizar brasileiros contra o PT

Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena

"Guerras Híbridas – Das Revoluções Coloridas aos Golpes" foi lançado este mês no Brasil pela editora Expressão Popular - Créditos: Reprodução / Expressão Popular
“Guerras Híbridas – Das Revoluções Coloridas aos Golpes” foi lançado este mês no Brasil pela editora Expressão Popular / Reprodução / Expressão Popular

“Há uma Guerra Híbrida muito intensa sendo travada no Brasil neste momento e afeta todas os aspectos da vida de cada cidadão. Ao longo dos últimos dois anos, agentes externos vêm tentando muito sutilmente condicionar a população para voltá-la contra o Partido dos Trabalhadores, usando instrumentos como a Operação Lava Jato, apoiada pela NSA [agência norte-americana de inteligência]”, afirma o analista político norte-americano Andre Korybko, autor de “Guerras Híbridas – Das Revoluções Coloridas aos Golpes”, recém-lançado no Brasil pela Expressão Popular.

Na entrevista abaixo, Korybko, que vive em Moscou e se dedica ao estudo das estratégias do Estados Unidos na África e Eurásia, afirma que os EUA são os principais propulsores desses movimentos, que consistem em desestabilizar governos a partir de grandes manifestações de massa. São “a fagulha que incendeia uma situação de conflito interno”, como diz a apresentação do livro. Podem se transformar em golpe ou mesmo guerras não convencionais –daí a expressão guerra híbrida.

Conselheiro do Institute for Strategic Studies and Predictions e jornalista na “Sputinik News”, ele também comentou a ascensão da candidatura de Jair Bolsonaro. Diz que os mentores externos da guerra híbrida no Brasil vinham há muito tempo mo0ldando as condições sócio-políticas do país para facilitar o surgimento de um azarão que pudesse chegar ao poder e destruir tudo o que fora construído nos governos do Partido dos Trabalhadores.

A seguir, a íntegra da entrevista.

O que são guerras híbridas?

Desde o lançamento de meu livro, em 2015, ampliei minha definição para incluir o seguinte:

“As Guerras Híbridas são conflitos identitários provocados por agentes externos, que exploram diferenças históricas, étnicas, religiosas, socioeconômicas e geográficas em países de importância geopolítica por meio da transição gradual das revoluções coloridas para a guerra não convencional, a fim de desestabilizar, controlar ou influenciar projetos de infraestrutura multipolares por meio de enfraquecimento do regime, troca do regime ou reorganização do regime.”

Em suma, isso significa que países como os EUA se aproveitam de problemas identitários em um Estado-alvo a fim de mobilizar uma, algumas ou todas as questões identitárias mais comuns para provocar grandes movimentos de protesto, que podem então ser cooptados ou dirigidos por eles para atingir seus objetivos políticos. O eventual fracasso desses movimentos pode fazer com que alguns de seus participantes recorram ao terrorismo, à insurgência, à guerrilha e a outras formas de conflito não convencional contra o Estado. Na maioria das vezes, pelo menos no Hemisfério Oriental, esses fenômenos fabricados têm o efeito de dificultar a viabilização de projetos da China de implantação da nova Rota da Seda, coagindo o Estado-alvo a compromissos políticos ou mudanças de governo ou mesmo a uma secessão –que pode eventualmente levar a uma balcanização.

Seu livro descreve as Guerras Híbridas como “caos administrado”. Como isso é construído?

O estudo detalhado da sociedade de um estado-alvo e das tendências gerais da natureza humana (auxiliado por pesquisas antropológicas, sociológicas, psicológicas e outras) permite construir um quadro de como é o funcionamento “natural” daquela sociedade. Armados com esse conhecimento, os praticantes da Guerra Híbrida podem prever com precisão quais “botões apertar” por meio de provocações para obter respostas esperadas de seus alvos, tudo com a intenção de perturbar o status quo por processos locais de desestabilização manipulados por forças externas. Podem ser conflitos étnicos, movimentos de protesto (“Revoluções Coloridas”) ou a exacerbação de rivalidades regionais. O ponto principal é produzir o maior efeito com o mínimo de esforço e, então, explorar a evolução dos acontecimentos e a incerteza crescente a fim de realizar os planos políticos.

O livro descreve os EUA como propulsores desses movimentos. Por quê?

Por causa de sua hegemonia mundial –ainda que cadente–, os EUA têm interesses globais, e suas décadas de experiência operando em todos os continentes lhe deram uma compreensão profunda da situação doméstica de praticamente todos os países. Não só é, portanto, muito mais fácil para os EUA iniciar Guerras Híbridas como eu as descrevo, mas também –e mais importante—eles têm a motivação para fazê-lo. Que é o que falta a outras grandes potências em relação a ações em países fora de suas áreas de influência regionais.

O Brasil se tornou alvo da Guerra Híbrida após a descoberta do petróleo do pré-sal?

Na minha opinião, o Brasil se tornou um alvo desde a eleição de Lula e seu movimento em direção à multipolaridade, mas a subsequente descoberta das reservas de petróleo do pré-sal definitivamente acrescentou um novo ímpeto à Guerra Híbrida dos EUA no Brasil, embora apenas porque esses recursos seriam vendidos para a China. Se Lula tivesse fechado um acordo com os EUA para fornecer acesso irrestrito ao pré-sal e também permitisse que Washington aproveitasse essa vantagem para controlar o acesso da China ao mesmo, então os EUA poderiam não ter motivação para empreender uma Guerra Híbrida no Brasil, ou poderia ser atenuada ou adiada. Porém, por causa da posição independente de Lula sobre os depósitos do pré-sal e muitas outras questões, ele e sua sucessora foram vistos como alvos “legítimos” pelos EUA porque Washington temia que eles acelerassem seu declínio hegemônico no hemisfério se não fossem detidos o mais rapidamente possível.

O fato de o Brasil ter participado ativamente dos BRICS junto com a Rússia, a Índia, a China e a África do Sul também é uma das razões pelas quais ele foi alvo da Guerra Híbrida?

Sim, mas principalmente por causa do sentido simbólico dessa iniciativa, porque acredito que o movimento BRICS, apesar de ser uma plataforma muito promissora, não foi capaz de atingir seu pleno potencial por causa da rivalidade interna, manipulada pelos EUA, entre a China e a Índia. Isso prejudicou sua eficácia geral, mesmo antes da primeira fase da Guerra Híbrida no Brasil ter sido bem-sucedida em derrubar a presidenta Dilma. Sua destituição do cargo e o “golpe constitucional” contra o presidente sul-africano Zuma se combinaram para reduzir o BRICS ao tripartido original do RIC, que está profundamente dividido entre a China e a Índia (apesar das afirmações oficiais em contrário), com a Rússia assumindo papel de mediadora entre os dois. Para todos os efeitos, o BRICS não existe mais, exceto como um grupo que se reúne anualmente para conversar e, para muitos, uma lembrança de sonhos desfeitos.

O livro fala muito sobre os casos da Síria e da Ucrânia e diz que esses modelos podem ser reproduzidos em outros lugares. Este modelo poderia ser reproduzido no Brasil?

Teoricamente sim, mas não acredito que isso seja o mais provável. Isso porque a dimensão anti-Rota da Seda, que foi a principal motivação daqueles conflitos, é principalmente aplicável ​​ao ambiente operacional único do Hemisfério Oriental (Afro-Eurásia), que é muito mais suscetível a conflitos identitários manipulados externamente desse tipo. Dito isso, a engenharia social, o pré-condicionamento político e as campanhas de guerra psicológica que formam a base das Revoluções Coloridas (a primeira parte das Guerras Híbridas) são definitivamente reproduzíveis em qualquer lugar do mundo, especialmente na era interconectada da mídia social atual.

O livro também trata da “Primavera Árabe”. Analistas também apontaram que o Brasil estava sendo alvo da Guerra Híbrida War desde 2013, quando um estranho movimento começou a surgir no país através da internet. Isso faz sentido?

Sim, claro. A primeira fase organizacional ativa da guerra híbrida Wars hoje começa na internet. Os articuladores dos movimentos buscam na rede informações importantes sobre seus alvos antes de se conectarem com eles, direta ou indiretamente, através de campanhas informativas direcionadas que efetivamente atraiam seus interesses ou necessidades, que são cada vez mais descobertas por meio de análises de “Big Data”, como o que a Cambridge Analytica é acusada de fazer. Movimentos sócio-políticos estão começando a aparecer online muito mais do que nas ruas, como costumavam, porque as pessoas ficam mais confortáveis ​​interagindo usando o celular quando bem entendem, em vez de terem de participar de encontros e reuniões físicas. Hoje em dia, tudo o que precisam fazer é conferir as últimas notícias compartilhadas em um grupo do Facebook ou do WhatsApp.

Na campanha eleitoral no Brasil, houve uma avalanche de notícias falsas, especialmente difundidas por grupos do WhatsApp. Estamos sendo vítimas de uma guerra híbrida?

Sim, há uma Guerra Híbrida muito intensa sendo travada no Brasil neste momento e afeta todas os aspectos da vida de cada cidadão, desde o que cada um lê nas mídias sociais (seja informação real, falsa ou manipulada) até o que ouve nas ruas. Ao longo dos últimos dois anos, agentes externos vêm tentando muito sutilmente condicionar a população para voltá-la contra o Partido dos Trabalhadores, usando instrumentos como a Operação Lava Jato, apoiada pela NSA, que tomou vida própria.

Isso forçou o Partido dos Trabalhadores a reagir e defender sua integridade, o que, por sua vez, provocou reação mais feroz daqueles que estavam tentando derrubá-lo. O Brasil está no foco da Guerra Híbrida por tanto tempo que hoje é dado como certo que toda informação que circula está, de um jeito ou de outro, conectada a essa campanha incessante.

Qual é o objetivo desta Guerra Híbrida e quem está por trás disso? Jair Bolsonaro?

Não creio que Bolsonaro tenha sido o progenitor desta Guerra Híbrida, mas sim que seus mentores norte-americanos já tinham há muito tempo um plano para moldar as condições sócio-políticas do país para que o candidato considerado “zebra” pudesse chegar ao poder e, então,  desmantelar sistematicamente tudo o que o Partido dos Trabalhadores havia construídos em seu governo.

Olhando em retrospectiva e considerando tudo o que hoje se sabe sobre a operação Lava Jato, pode-se considerar que provavelmente a inteligência americana provavelmente concluiu há bastante tempo que Bolsonaro seria o melhor candidato para isso por causa de sua história de pronunciamentos políticos que se alinham com os Interesses globais dos EUA para o país. Também foi levado em conta que ele não esteve implicado em nenhum dos escândalos anticorrupção dos últimos anos, o que os EUA teriam sabido antecipadamente por causa da participação da NSA na busca “evidências” que então catalisaram a expurgação política do país.

Com o Partido dos Trabalhadores fora do poder e com a comprovação de que muitos dos usurpadores e seus aliados foram igualmente –se não mais—corruptos, o palco estava montado para o “azarão” dos EUA entrar em cena e conquistar o imaginário de muitos que foram pré-condicionados a odiar todos os políticos do establishment (e especialmente do Partido dos Trabalhadores) depois da operação Lava Jato.

Essa população estava também cada vez mais desesperados por medidas drásticas de segurança a serem implementadas para salvá-los da onda de criminalidade ou, pelo menos, dar-lhes uma chance de lutar para se defenderem –o que aconteceria com a prometida liberalização de armas de Bolsonaro.

É minha opinião que os EUA trabalharam duro para facilitar a ascensão de Bolsonaro e o estão ajudando em cada passo do caminho. Talvez ele nem tenha percebido isso no início, mas agora, considerando a possibilidade de sua vitória no segundo turno, quase certamente as próprias forças que o apoiaram trataram de lhe dar a informação diretamente.

Qual a diferença entre o uso do WhatsApp e do Facebook no contexto das Guerras Híbridas?

O WhatsApp é mais instantâneo e impulsivo, enquanto o Facebook é mais organizacional e metódico. O primeiro é geralmente usado para enviar informações curtas e rapidamente reunir grandes multidões, enquanto o segundo é mais bem aproveitado para um planejamento organizacional mais profundo e gerenciamento de controle de multidões a longo prazo. Eles são basicamente dois lados da mesma moeda, e andam de mãos dadas quando se trata do aspecto tático de Revoluções Coloridas.

Seu livro foi lançado em 2015. O que mudou desde a primeira edição?

Desde então, expandi e expliquei mais cientificamente a definição de Guerra Híbrida para incluir seis das categorias identitárias que são os alvos mais comuns, bem como os objetivos de ajustes de regime, mudança de regime ou reorientação de regime.

As táticas de engenharia social e pré-condicionamento político das Revoluções Coloridas (a primeira metade da Guerra Híbrida) se tornaram muito mais sofisticadas após a descoberta de como a Cambridge Analytica fazia coleta e análise de dados de usuários de mídia social a fim de obter um conhecimento sobre-humana do que as pessoas nos países-alvo estão interessadas, suas necessidades e a melhor forma de manipulá-las.

Isso significa que o planejamento da Guerra Híbrida entrou em uma era completamente nova, mas apenas em países onde a maioria da população (ou pelo menos aqueles dentro de qualquer uma das seis categorias identitárias que os EUA desejam atingir) usa a mídia social, o que não é o caso em grandes partes da África que estão gradualmente se tornando campos de batalha da Guerra Híbrida contra os projetos da China de implantação da nova Rota da Seda.

Como é possível responder às Guerras Híbridas?

O Estado pode restringir ou monitorar as mídias sociais, mas a primeira medida pode provocar indignação na população e confirmar as suspeitas das pessoas que o governo está suprimindo seu “direito à liberdade de expressão” porque tem “medo” do povo, o que pode ou pode não ser realmente o caso.

Já o cidadão comum precisa desenvolver seu pensamento crítico para poder diferenciar entre notícias reais, notícias falsas e notícias manipuladas, assim como entre artigos de opinião, análises e simples reportagens jornalísticas.

Quanto aos partidos da oposição, oficiais ou não, eles precisam travar suas próprias Guerras Híbridas, seja ofensivamente ou defensivamente, embora seja sempre melhor para eles ficar do lado da verdade em vez de recorrer a mentiras. A primeira é muito mais eficaz do que a segunda e ser pego mentindo poderia diminuir a confiança do público-alvo nesses grupos. Da mesma forma, todos os lados da interminável Guerra Híbrida (que está se tornando parte da vida cotidiana) precisam expor as mentiras dos demais.

Você escreveu sobre as ações dos EUA, mas não citou ações similares da Rússia. Eles não ocorrem? As acusações contra a Rússia nessa área (especialmente em relação às eleições nos EUA) são falsas?

Meu livro é sobre o uso de um modelo particular que faz com que Revoluções Coloridas (não violentas) manipuladas por agentes externos passem a movimentos violentos de guerra não convencional. Teve como objetivo provar a existência de um método nunca antes descoberto de desestabilização do Estado pelos EUA para fins geopolíticos.

O livro é sobre a transformação de Revoluções de Cores em Guerras Não Convencionais, sobre a origem de ambas, a fase de transição e o resultado desses ciclos ​​de agitação apoiados por agentes externos. As Guerras Híbridas não são simplesmente operações de gerenciamento de percepção ou infowars, em que todos os países do mundo participam e até mesmo muitas empresas (embora estas últimas não o façam por razões políticas, mas apenas para comercializar seus produtos ou serviços, às vezes no concorrente). despesa). Eles também nem sempre são travados por agentes estatais, ou mesmo agentes não governamentais que realizam determinada atividade contratados por um Estado.

É minha opinião pessoal que as acusações contra a Rússia não são relevantes para o modelo de Guerra Híbrida elaborado em meu livro, porque nunca houve intenção séria de organizar uma Revolução Colorida ou uma Guerra Não Convencional. Além disso, todas as acusações apontam para as atividades mais conhecidas sendo conduzidas por agentes não-estatais, que podem ou não terem agido a pedido de um Estado, mas nenhuma conexão clara com o Kremlin foi confirmada.

Outro ponto importante a ter em mente é que, mesmo se a essência geral dessas acusações for verdadeira, o que duvido, representaria apenas uma forma muito básica de guerra de informação, que é comparativamente mais tosca e tem muito menor em escopo do que a operação que a União Soviética conduziu durante a  Guerra Fria, o que mais uma vez sugere que isso poderia ter sido feito por um ator não-estatal independente do Estado russo e suas agências de inteligência.

De qualquer forma, a questão é artificialmente politizada porque já foi provado que ela não teve impacto no resultado da eleição norte-americana, mas está sendo usada pelos oponentes de Trump nas burocracias militares, de inteligência e diplomáticas permanentes (“estado profundo”) e por seus cúmplices públicos (sejam “inocentes úteis” ou colaboradores) na academia, na mídia e em outras comunidades (incluindo cidadãos comuns) para “deslegitimar” sua vitória e pressioná-lo a realizar  concessões políticas, mudanças de regime ( desistir ou sofrer impeachment), ou reorientação do regime, por reforma do sistema de colégio eleitoral e outras medidas semelhantes. Pode-se dizer, portanto, que as acusações exageradas da chamada “interferência russa” estão sendo feitas como uma importante arma de guerra híbrida contra Trump como parte das ações do “estado profundo” dos EUA, o que é um caso interessante digno de estudo futuro com o uso do modelo de análise que desenvolvi.

Edição: Tutameia

Encontro da Rede Brasileira de Estudos da China – RBCHINA

Caso não esteja visualizando este e-mail corretamente clique aqui

I Encontro da Rede Brasileira de
Estudos da China – RBCHINA

Brasil e China num contexto de incertezas mundiais

Data: 22 e 23 de outubro de 2018
Local: 22/10 – Auditório 03 prédio 43 – PUC Coração Eucarístico
Local: 23/10 – PUC Minas Praça da Liberdade | Auditório Liberdade | Av. Brasil, 2023 – Funcionários

22/10 – Segunda-feira
Campus Coração Eucarístico

  • China e a Economia Global
  • Ciências Sociais e Relações Internacionais na China Contemporânea
  • Desafios e Oportunidades para a Relação Brasil-China

23/10 – Terça-feira
Unidade Praça da Liberdade

  • Filosofia e Cultura da China.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA

Mais informações: ics.producao@pucminas.br