Chefe da ONU nomeia diplomata russo para liderar combate ao terrorismo

21/06/17

Por Michelle Nichols e Shadia Nasralla

NAÇÕES UNIDAS/VIENA (Reuters) – O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, António Guterres, nomeou nesta quarta-feira um diplomata russo para liderar o recém-criado escritório de combate ao terrorismo da ONU, dando a um representante de Moscou importante cargo na sede da organização em Nova York.

O embaixador russo para organizações internacionais em Viena, Vladimir Voronkov, disse à Reuters que encontrou com Guterres na terça-feira. A Reuters informou de maneira exclusiva sobre a nomeação mais cedo nesta quarta-feira.

Continuar lendo

Chanceleres dos Brics pedem por diplomacia para resolver tensões na Península Coreana

china-economy-brics_458cf018-550a-11e7-b50f-ad66c5ec5579

19/06/17

PEQUIM (Reuters) – Os ministros das Relações Exteriores dos países do bloco Brics pediram o uso de uma “diplomacia preventiva” para se lidar com a situação na Península Coreana, de acordo com um comunicado emitido nesta segunda-feira.

Os chanceleres de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul se reuniram em Pequim para uma conferência de dois dias que terminou nesta segunda-feira. Os líderes dos Brics irão se encontrar em Xiamen, cidade do sul da China, em setembro.

Continuar lendo

Donald Trump cancela acordo de aproximação com Cuba

Donald Trump Addresses GOP Lincoln Day Event In Michigan

16/06/17

O presidente americano também anunciou que irá reforçar o embargo econômico contra Cuba, além de restringir viagens individuais de americanos para a ilha.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta sexta-feira (16) o cancelamento do acordo de reaproximação com Cuba assinado pelo governo de Barack Obama em 2015.

Continuar lendo

Concorrência entre China e EUA: quem ganhará luta pelo Canal do Panamá?

5246762

13/06/17

O Panamá está disposto a compensar a forte influência dos EUA desenvolvendo suas relações com a China. Os projetos para a construção do Canal da Nicarágua e da ferrovia transcontinental Brasil-Bolívia-Peru com capital chinês podem ter empurrado o Panamá para rever as relações com a China.

O especialista do Instituto da América Latina da Academia de Ciências da Rússia, Aleksandr Kharlamenko, comentou à Sputnik China a decisão do Panamá de romper as relações oficiais com Taiwan e estabelecer relações diplomáticas com a China.

Continuar lendo

Artigo: Países da União Africana denunciam o Tribunal Penal Internacional

29209-opening_session_of_the_22nd_ordinary_session_of_the_assembly_of_the_african_union_30_january_2014_addis_ababa_ethiopia._0_0_0

13/06/17

Por Julienny Corrêa – Acadêmica do 5° semestre de Relações Internacionais da UNAMA

  A União Africana (UA) é uma organização criada em 2002 que atua na promoção do desenvolvimento e integração das nações africanas, que estabeleceu o Conselho de Paz e Segurança da União Africana para tratar de conflitos internos.

O Tribunal Penal Internacional (TPI) é uma Corte internacional permanente composta por nações que ratificaram o Estatuto de Roma, que é responsável por investigar e julgar indivíduos – e não nações como a Corte Internacional de Justiça – por crimes de grave violação dos Direitos Humanos.

Continuar lendo

Reuters: Panamá estabelece laços diplomáticos com China e rompe com Taiwan

dc31b55e9ff5b9e451af6b817ab1b45bc8e92186

13/06/17

Por Elida Moreno e Philip Wen

CIDADE DO PANAMÁ/PEQUIM (Reuters) – O Panamá estabeleceu laços diplomáticos com a China e rompeu com Taiwan, em uma grande vitória para Pequim, que continua a atrair para si os poucos países que ainda têm relações formais com a ilha autogovernada.

Na segunda-feira, o presidente panamenho, Juan Carlos Varela, disse em um discurso televisionado que seu país está intensificando suas relações comerciais com a China e estabelecendo vínculos diplomáticos plenos com o segundo cliente mais importante de seu crucial canal de navegação.

Continuar lendo

Os argumentos de 6 países árabes para romper com o Catar, acusado de apoiar extremistas

8574592

Fonte da imagem: Sputnik

05/06/2017

Seis países árabes, incluindo a Arábia Saudita e o Egito, cortaram relações diplomáticas com o Catar nesta segunda-feira, acusado de desestabilizar a região.

Eles dizem que o Catar tem apoiado grupos extremistas como Estado Islâmico (EI) e Al-Qaeda.

Com isso, as fronteiras da Arábia Saudita com a pequena península do Catar, rica em petróleo, foram totalmente fechadas, segundo a agência estatal saudita de notícias SPA. O governo do Catar respondeu que a medida é “injustificada” e “sem base em fatos”.

A iniciativa sem precedentes mostra uma profunda divisão entre países poderosos do Golfo Pérsico, que também são aliados dos EUA, e vem num momento de aumento de tensões entre os países do Golfo e o vizinho Irã.

O governo saudita acusa Catar de colaborar com “grupos terroristas apoiados pelo Irã” na sua turbulenta região de Qatif e no Bahrein.

Continuar lendo