VÍDEO: O que é desenvolvimento sustentável?

Publicado originariamente em: 16/09/2016

Em setembro de 2015, 193 países se reuniram na ONU para adotar novos Objetivos Globais. Estes 17 objetivos forneceram um guia que ajudará o mundo alcançar o desenvolvimento sustentável em suas três esferas – ambiental, econômica e social. Mas o que é exatamente o desenvolvimento sustentável, e como isso nos afeta? Saiba neste vídeo.

 

Fonte: ONU Br

Made in the World

Noam Chomsky- What’s the WTO?

Roberto Azevêdo: O que é ser um bom negociador internacional

Quase 300 mil migrantes chegaram à Europa pelo mar nos últimos 8 meses, diz OIM

Publicado Originalmente: 14/09/2016

Quase 300 mil migrantes e refugiados chegaram à Europa pelo mar entre o início deste ano e meados de setembro – a maioria entrando pela Grécia e através da Itália –, advertiu a Organização Internacional para as Migrações (OIM) na terça-feira (13).

Do total de 294.450 migrantes e refugiados que desembarcaram no continente europeu, 126.931 chegaram via Itália e 165.015 através da Grécia. De acordo com os dados da organização, a Itália experimentou um ligeiro aumento de chegadas, em comparação ao período de janeiro até o final de setembro de 2015.

O número de pessoas que chegaram à Grécia, por sua vez, sofreu uma queda de quase 50% em relação à mesma época no ano passado, passando de 381.996 para 165.015 chegadas.

“Enquanto as chegadas à Itália, em 2016, em grande parte seguiram os padrões dos desembarques mensais de 2015, com a Grécia foi diferente. Houve muito menos migrantes e refugiados provenientes da Turquia este ano, em comparação com o ano passado”, apontou a OIM.

A agência parceira da ONU acrescentou que, embora o número total de chegadas seja baixo, o número de mortes entre os migrantes e refugiados do Mediterrâneo chegou agora, passando o último fim de semana, a 3.207 – superando o total de 456 registrado no mesmo período em 2015.

A agência internacional de migração observou ainda que, segundo o Projeto Migrantes Desparecidos – que documenta as mortes e os desaparecimentos ao longo das rotas migratórias em todo o mundo –, as fatalidades ocorridas no Mediterrâneo no ano passado ficaram em 2.751 até 12 de setembro de 2015.

Nos últimos anos, a Grécia e a Itália se tornaram a principal porta de entrada para muitos refugiados e migrantes que tentam chegar à Europa por mar.

Em relação à região sul da Europa e ao Mediterrâneo como um todo, de janeiro até o final de agosto, a OIM relatou um total de 354.618 chegadas através do Mediterrâneo.

No próximo dia 19 de setembro (segunda-feira) acontece a Reunião de Alto Nível sobre Grandes Movimentos de Refugiados e Migrantes, cujo objetivo é aproximar os países de uma abordagem mais humana e coordenada para o tema.

FONTE: ONU

Colombian Coca Eradication Puts the Oil Sector at Risk

Published on August 26, 2016

STRATFOR

Surto de zika expõe injustiças sistemáticas na saúde global, dizem pesquisadores

Publicado originariamente em: 13/09/2016

recem-nascido_maternidade-1024x682.jpg

O surgimento e a retomada de doenças infecciosas no mundo frequentemente são provocados por pobreza, desigualdade e discriminação, sendo que o atual surto de zika expõe “injustiças sistemáticas” presentes nos sistemas de saúde globais, disseram especialistas no site do programa Impacto Acadêmico das Nações Unidas (UNAI, na sigla em inglês).

Para os pesquisadores da Universidade de Georgetown (Estados Unidos) Alexandra Phelan e Lawrence Gostin, doenças transmitidas por mosquitos afetam desproporcionalmente os mais pobres e vulneráveis. “Falhas estruturais de governos em garantir saneamento forçam pessoas a armazenar água, o que acaba criando focos de mosquitos”, disseram.

Governos não priorizam programas de controle de vetores em seus orçamentos — especialmente em momentos de recessão e instabilidade política como no caso do Brasil — o que cria uma ‘tempestade perfeita’ para o vírus nas comunidades mais pobres”, salientaram.

Segundo os pesquisadores, outro ponto é a questão de gênero, já que o surto de zika afeta mais as mulheres, que sofrem risco de aborto e malformação fetal. “Na maior parte dos países das Américas, barreiras legais, socioeconômicas e políticas impedem o acesso das mulheres a serviços de saúde reprodutiva, incluindo contracepção, aborto e saúde maternal e infantil”.

Além disso, em países sem uma cobertura de saúde universal e integrada aos sistemas de seguridade, pessoas com deficiência ficam especialmente vulneráveis. “Os sistemas de saúde e seguridade não estão bem equipados para fornecer o apoio necessário para que indivíduos vivam de forma saudável após potenciais deficiências provocadas por síndromes neurológicas e microcefalia”, declararam.

“Infelizmente, surtos de doenças infecciosas normalmente só ganham atenção durante a fase de transmissão. É necessário garantir o direito à saúde e os direitos de crianças, mulheres e pessoas com deficiência para além do período de declaração de emergência de saúde.”

O professor Daniel Lucey, do Centro Médico da Universidade de Georgetown, lembrou por sua vez que o surto de zika e de microcefalia no Brasil em 2015 e 2016 foi precedido de eventos similares, porém de menor escala, na Polinésia Francesa. Segundo ele, a importância desses eventos prévios precisa ser reconhecida para que ações apropriadas sejam tomadas.

O reconhecimento da importância da ligação entre zika e microcefalia tanto na Polinésia Francesa como no Brasil requeria uma tomada de ação apropriada (…) em antecipação a uma pandemia de microcefalia em muitos outros países e territórios”, disse.

Sob o risco de estar errado, às vezes é necessário tomar ações antes que todas as informações desejadas estejam disponíveis. Essa ação prematura pode ser essencial quando as consequências da inação precoce podem ser catastróficas”, completou o pesquisador.

Fonte: ONU BR