Who Is Left at Guantanamo?

Postado Originalmente: 12/05/2016

On January 20, 2016, Mohammed Ali Abdullah Bwazir stood with shackles on his ankles, wrists, and waist at the bottom of a ramp leading up to a U.S. Air Force cargo plane. The plane was going to take him, along with two other Guantanamo Bay prisoners, to an undisclosed southern European nation. Bwazir, who is either 35 or 36 and is from Yemen, had been cleared for release after spending 14 years in the U.S. prison in Cuba.

He refused to get on the plane.

“He wasn’t angry. He wasn’t acting out. He was very calm,” Army Colonel David Heath, the Guantanamo prison warden, later recalled to Carol Rosenberg, the Miami Herald reporter who has been covering the prison since it first opened. Bwazir’s lawyer, John Chandler, told The New York Times the man was depressed and feared living in a country where he had no family. Bwazir wanted to go to Saudi Arabia, the United Arab Emirates, or Indonesia, where he has a mother, brothers, uncles, and aunts. Faced instead with a new life in Europe, he chose to return to his cell.

Bwazir’s case highlights the complexities of emptying the prison opened after 9/11 to house dangerous terrorism suspects. The potential release of its captives carries a host of legal, political, and diplomatic implications. They illustrate why two presidents have been unsuccessful in closing the detention camp at Guantanamo Bay, despite criticism of the treatment, including waterboarding, that some of the inmates underwent.

About 780 inmates have been held at Guantanamo since it opened in 2002. Today, 80 remain.

Most have not been charged with any crimes, according to a comprehensive database maintained by The New York Times. All are men, mostly in their 30s and 40s. The youngest is about 30 or 31; the oldest is 68. Most have been there for more than 13 or 14 years. Some have gone on hunger strikes and were force-fed with liquid nutrients through nasal tubes.

The inmates come from 17 countries and the Palestinian territories. The majority of inmates—43—are from Yemen. Eight are from Afghanistan, and six each from Saudi Arabia and Pakistan. The rest are from Tajikistan, Tunisia, Iraq, Algeria, Indonesia, Kenya, Libya, Malaysia, Mauritania, Morocco, Russia, and Somalia. One inmate’s native country is unknown.

At least 26 inmates, including Bwazir, have been cleared for release; a review board system President Obama created by executive order in 2011 has determined they no longer pose a security threat to the United States. This week, the board cleared for release Salem Ahmed Hadi, a suspected jihadist who left Yemen for Afghanistan before 9/11 and arrived at Guantanamo in its second week of existence. It was his fifth time before the board, which had previously rejected releasing him.

At least 43 inmates are being held indefinitely and have not been recommended for release by the review boards. These indefinite detainees are known as the “forever prisoners,” the captives deemed too dangerous to release but who have not been charged with any crimes. Indefinite detention without trial is illegal under the Geneva Conventions, but the Bush administration argued that international laws did not apply to the “unlawful enemy combatants” who were taken to Guantanamo.

Seven inmates have been charged with war crimes in Guantanamo’s military commissions, the judicial system set up by the Bush administration and tweaked by the Obama administration. They include Khalid Sheik Mohammed, the alleged organizer of the 9/11 terrorist attacks, and his four alleged co-conspirators. The others are Abd al Rahim al-Nashiri, a Saudi detainee charged for allegedly organizing the bombing of a U.S. Navy destroyer in Yemen in 2000 that killed 17 sailors, and Abd al Hadi al Iraqi, an Iraqi detainee who allegedly led al-Qaeda’s military operations from 2002 to 2004.

Three inmates have been convicted of war crimes, but the conviction of one was overturned on appeal. Majid Khan, a Pakistani native who once lived in Baltimore, pleaded guilty to war crimes in 2012, acknowledging he returned to Pakistan after 9/11 to work for Khalid Sheik Mohammed. Ahmed Muhammed Haza al-Darbi, a Saudi citizen, pleaded guilty in 2014 over the 2002 al-Qaeda attack on a French oil tanker off the coast of Yemen. Ali Hamza Ahmad Suliman al-Bahlul, a Saudi citizen accused of being Osama bin Laden’s “media secretary,” was convicted in 2008 of conspiracy, terrorism-related charges, and other charges. The D.C. Circuit Court of Appeals overturned his conviction in 2013, saying the crimes of which he was convicted were not recognized as war crimes at the time he committed them.

The White House’s push to shutter Guantanamo for good began a decade ago. In May 2006, President George W. Bush said he wanted to close the detention center. Two years later, Obama made the closure of the prison one of his campaign promises. In his first days in office, Obama issued an executive order to close the prison within a year. He has since vowed to shut it down before he leaves office.

The Bush administration released about 540 detainees without charge. The Obama administration has released 158. Detainees have gone to countries willing to accept them, 58 nations in all, according to the Times database. Afghanistan and Saudi Arabia have accepted the most at 203 and 134, respectively. Pakistan has accepted 63. Five Taliban detainees were released in the swap that freed Army Sergeant Bowe Bergdahl from five years of captivity in Afghanistan and Pakistan. Nations on six continents have accepted Guantanamo’s prisoners. Nine have died in the camp, five of them by suicide, according to U.S. officials.

Detainees do not choose where they are released. “We’re not a travel agency,” Lee Wolosky, the State Department’s special envoy for the Guantanamo closure,told the Herald’s Rosenberg, after Bwazir asked to be taken back to his cell earlier this year. “We’re not here to fulfill every wish and desire of a resettlee.” The U.S. no longer transfers detainees to Yemen because of the worsening political and security climates and an active a-Qaeda affiliate in the country. U.S. law restricts transfers to countries whose security situations are considered unstable, including Libya, Syria, Yemen and Somalia. In February, Saudi Arabia agreed to accept non-citizens from Guantanamo for the first time.

Since 2009, Obama has sought to transfer detainees to detention facilities in the U.S. But congressional Republicans have repeatedly blocked those attempts, passing legislation that prohibits the use of government funds to transfer prisoners to American soil and the construction of facilities to house them. Only two detainees have been transferred to the United States: Yaser Esam Hamdi, in April 2002, and Ahmed Khalfan Ghailani in June 2009. Hamdi, who is a citizen of both the U.S. and Saudi Arabia and was born in Louisiana, was held at a naval brig in Charleston, South Carolina, until October 2004 when he was repatriatedto Saudi Arabia. Ghailani, a Tanzanian, was transferred to the U.S. in 2009 and remains at the federal super-maximum security prison in Fremont, Colorado.

In February, the administration, in a final proposal to Congress for Guantanamo’s closure, proposed sending detainees to 13 potential sites on U.S. soil but did not identify the facilities. Last year, Pentagon officials surveyed potential candidates, visiting federal prisons in Fort Leavenworth, Kansas, and Charleston, South Carolina, as well as state and federal facilities in Florence, Colorado.

Opponents of closing Guantanamo argue detainees return to terrorist activity when released. Top Republican lawmakers and foreign-policy hawks, including Senators John McCain and Lindsey Graham, say 30 percent of freed detainees become terrorists. Bu Congress-mandated reports from the administration’s intelligence officials show the rate of confirmed recidivism is about 17 percent. Obama has said Guantanamo serves as a “recruiting tool” for other extremist militant groups, like the Islamic State, but experts who study jihadist propaganda say the camp is not featured prominently in jihadist materials.

The first 20 prisoners of Guantanamo Bay arrived in Cuba on January 11, 2002. In the short months after Bush declared a war on terrorism, the U.S. military had captured 45 fighters from al-Qaeda and the Taliban in the Middle East, and it needed a place to put them. Officials ruled out Guam after its citizens raised concerns about the presence of terrorism suspects, and settled on the U.S. naval base on Cuba’s southeastern tip—“the least worst place we could have selected,” as former U.S. Secretary of Defense Donald Rumsfeld once described it. Back then, the base was capable of housing 100 detainees, and the first captives were held in the steel-and-wire cages as the detention center was expanded.

More than a decade later, the sprawling camp has enough facilities to house hundreds of prisoners. Military personnel vastly outnumber captives. The annual cost to taxpayers of maintaining the camp was $454 million in 2013.

The last known arrival to the prison was Muhammed Rahim al-Afghani in 2008, an Afghan described as a high-level al-Qaeda operative. The latest release was in April of this year, when nine Yemeni prisoners were transferred to Saudi Arabia.

In 2013, Rosenberg, the Herald reporter, told Poynter she was assigned to report the Guantanamo story “start to finish.” She doesn’t expect Obama to meet his self-imposed deadline. “I thought it would be closed when Obama was elected, but as it stands, it could be that we will just be waiting for the last guy to die before it closes,” she said.

FONTE: The Atlantic

La amenaza mayor de la que no hablamos

Publicado Originalmente: 22/04/2016

Los ataques de alto perfil en las principales ciudades de Bélgica, Francia y los Estados Unidos han puesto al mundo en vilo. Algunos comentaristas están hablando de un nuevo y prolongado tipo de guerra de guerrillas que se extiende desde América y Europa a través de África, Asia y el mundo árabe. Este tipo de guerra es irregular, híbrido y en red, lo que involucra una constelación de organizaciones terroristas como ISIS y Al Qaeda. En lugar de golpear a grupos específicos de personas o a lugares simbólicos, las ciudades como tal están llegando a un estado de sitio. Para complicar las cosas, los extremistas violentos están reclutando directamente desde los barrios pobres y marginales de todo el Occidente.

El alcance del reclutamiento local y los llamados “viajeros extremistas” desde los países occidentales es motivo de preocupación real. Un estudio estima que cerca de 31.000 personas de 86 países han viajado desde junio de 2014 a Irak o a Siria para unirse a ISIS o a otros grupos extremistas. Y no solamente Europa occidental o América del Norte proveen un terreno fértil para la llamada radicalización remota, sino también Rusia y Asia central. Mientras muchos combatientes extranjeros son asesinados mientras combaten en el extranjero, cerca del 30% de ellos eventualmente hacen el viaje de vuelta a casa. Los políticos están luchando para responder, mientras los crímenes de odio contra los grupos minoritarios están en aumento.

Es estadísticamente innegable que la violencia terrorista va en aumento. Pero ¿es la violencia terrorista de hoy realmente más intensa y extendida, que digamos, en la década de los 60s y 70s? ¿Son las ciudades europeas y norteamericanas occidentales realmente la nueva línea de combate de una yihad global? La respuesta depende en parte de cómo se define el terrorismo. En la actualidad no existe un acuerdo internacional o incluso académico sobre lo que constituye el terrorismo. Algunos expertos dicen que consiste en la violencia perpetrada por actores no estatales contra la población civil para lograr un cambio religioso, ideológico o político, pero esto se parece mucho a un conflicto armado. Para complicar las cosas, los gobiernos confunden rutinariamente el terrorismo y la insurgencia.

¿Dónde es más alto el riesgo de violencia letal?

Estos son los países donde su riesgo de morir por terrorismo, conflicto y homicidio fueron mas altos en 2014.

Una manera de analizar la magnitud de la amenaza terrorista es revisar los datos. A pesar de serios desafíos relacionados con la calidad y la cobertura de las estadísticas sobre el terrorismo, la guerra y el homicidio, es posible identificar tendencias y patrones al concentrarnos en la prevalencia de la violencia letal.

No es tanto una yihad global

Resulta que la violencia extremista es mucho menos generalizada de lo que se podría pensar. Como han dicho otros analistas, ésta es significativamente más prolífica fuera de los países occidentales que en ellos. Una reciente evaluación de los riesgos terroristas en 1.300 ciudades clasificó centros urbanos en Afganistán, Irak, Libia, Nigeria, Pakistán y Somalia como significativamente más vulnerables que los de Bélgica, Francia, el Reino Unido o Estados Unidos. Al menos 65 ciudades fueron descritas como enfrentando riesgos extremos, con Irak -especialmente Bagdad, Mosul, Al Ramadi, Baquba, Kirkuk y Al Hillah- participando con seis ciudades en el top 10. Se debe considerar que entre 2000 y 2014, había alrededor de 3.659 muertes relacionadas con el terrorismo en todos los países occidentales combinados. Solamente en Bagdad hubo 1.141 muertos y 3.654 heridos en 2014.

Es cierto que han habido docenas de ataques terroristas en los últimos años, pero ¿como se han distribuido por todo el mundo? La Base Global sobre Terrorismo (GTD, por sus siglas en inglés) hace seguimiento a las muertes relacionadas con el terrorismo entre 2005 y 2014 en 160 países. En un puñado de casos donde hay guerra en curso – incluyendo Afganistán, Irak, Siria y Yemen- GTD algunas veces equipara el terrorismo y las muertes relacionadas con el conflicto. Los autores de la base de datos hacen todo lo posible para evitar que esto suceda, pero es inevitable. Existen diferentes bases de datos que aplican criterios de inclusión mucho más restrictivos, pero no son tan amplios en su cobertura y también sufren defectos. En lugar de centrarse en el número absoluto de muertes violentas, puede ser más útil tener en cuenta las tasas de prevalencia.

Por un lado, la mayoría de los países en la parte superior del listado de los más propensos al terrorismo están concentrados en el norte de África, Oriente Medio y Asia del Sur. Esto incluye países en guerra como Irak, Afganistán, Somalia, Libia, los Territorios Palestinos Ocupados, el Líbano, Israel, Yemen, Pakistán y Siria. Otros países en los 15 primeros lugares son más inesperados, incluyendo la Antigua República Yugoslava de Macedonia, la República Centroafricana y Kenia. Bélgica está en el lugar 86º, mientras que Francia y Estados Unidos están en el en 98º y 105º, respectivamente. Estas últimas posiciones, obviamente se moverán hacia arriba dados los ataques recientes en 2015 y 2016, pero no tanto como se podría esperar.

¿Dónde están los niveles mas altos de muertes asociados al terrorismo?

Muertes por cada 100,000 personas (azul) y total de muertes (rojo), 2005-2014

Nota: Las muertes se clasifican como relacionados con el terrorismo si la acción se produce fuera del contexto de las actividades de guerra legítimas, en la medida en que tenga como objetivo no combatientes, según lo expresado por el derecho internacional humanitario.

Víctimas de la guerra

Los civiles inocentes tienen más probabilidades de morir en el transcurso de conflictos armados. La diferencia entre los dos es que el terrorismo está destinado específicamente a matar indiscriminadamente a civiles, mientras que en las guerras el asesinato de civiles inocentes y de prisioneros está expresamente prohibido, incluso si esto ocurre. Muertes asociadas a la guerra pueden ser etiquetadas como criminales o incluso como terrorismo, cuando se determina que son desproporcionadas. Entonces, ¿cómo la calificación de riesgo de muertes violentas que se producen en zonas de guerra se compara con las asociadas al terrorismo? La Base de Datos sobre el Conflicto de Upsala registra muertes de conflictos en más de 60 guerras entre 2005 y 2014. Después de ajustar el número absoluto de muertes violentas en relación con la población total por país, es posible determinar una tasa de mortalidad de conflictos aproximada por cada 100.000 personas.

Resulta que el riesgo de morir violentamente en guerra es considerablemente mayor que la probabilidad de morir en el transcurso de la violencia extremista. Aunque en algunos países este riesgo es de un orden de magnitud más alto, la tasa de mortalidad global de conflictos en zonas de conflicto es aún mucho más bajo de lo que muchos podrían haber predicho. Por ejemplo, la tasa media de muertes por conflicto está por las nubes en Siria -el lugar de una de las guerras más horribles en la última década. Pero es comparativamente más bajo en lugares como Afganistán, Irak, Libia, Sudán del Sur, Chad y Yemen, países que han sido expuestos a la violencia a escala industrial. La tasa de mortalidad de conflictos, por supuesto, varía de acuerdo con el flujo y reflujo de la guerra, pero la prevalencia media es sorprendentemente baja.

¿Dónde están los niveles mas altos de muertes asociados al conflicto?

Muertes por cada 100,000 personas (azul) y total de muertes (rojo), durante los años del conflicto entre 2005 y 2014

Nota: Las muertes de conflictos se definen como “muertos en combate” causados por las partes en conflicto que se pueden atribuir directamente al combate. Esto incluye combates en campo de batalla tradicional, actividad guerrillera, bombardeo de bases y otras acciones en las que el objetivo son las fuerzas militares o representantes de las partes. Se contabilizan los daños colaterales, incluyendo la muerte de civiles.

La mayor amenaza de todas: el homicidio

Y el hallazgo más sorprendente de todos. Una revisión de los datos revela que la población civil de todo el mundo está en mucho más en riesgo de morir como resultado de homicidio que por la violencia terrorista o la guerra. Con información del Monitor de Homicidio es posible realizar un seguimiento de las tasas de homicidios de más de 225 países y territorios entre 2005-2014. A pesar que la violencia homicida está disminuyendo de manera constante en la mayor parte del mundo, todavía es una de las mayores amenazas con respecto a lo que los expertos en salud pública llaman causas externas de mortalidad– en especial entre los jóvenes adultos y adolescentes varones.

Al igual que en el caso de la violencia terrorista y la relacionada con el conflicto, también hay puntos calientes donde el asesinato tiende a concentrarse. Las personas que viven en América Central y del Sur, en el Caribe y en África del Sur están en mayor riesgo de morir por homicidio que en la mayoría de los otros lugares. Los países más mortíferos en el mundo incluyen El Salvador, Honduras, Jamaica, Venezuela, las Islas Vírgenes de Estados Unidos, Guatemala, San Cristóbal y Nieves, Belice, Colombia, Trinidad y Tobago, y Brasil. Cerca de 46 de las 50 ciudades más violentas se concentran en Las Américas. Entre los 15 países más violentos por homicidio se incluyen también, por fuera de las Américas, Sudáfrica, Suazilandia y la República Democrática del Congo.

Y más allá de estos focos de violencia homicida extrema, el riesgo de asesinato también está más ampliamente distribuido que las muertes violentas asociadas con el terrorismo o la guerra. Hay aproximadamente 85 países que están constantemente por encima del promedio mundial, que está alrededor de siete homicidios por cada 100.000 personas. De hecho, nueve de cada 10 muertes violentas que ocurren en todo el mundo durante la última década se debieron al asesinato; sólo una fracción se puede atribuir a la guerra o el terrorismo. Esto no implica minimizar los peligros y la destrucción asociada a estos últimos fenómenos reales, sino más bien para asegurar que mantenemos nuestro ojo firmemente en la pelota.

¿Dónde están los niveles mas altos de homicidios?

Muertes por cada 100,000 personas (azul) y total de muertes (rojo), 2005-2014

Nota: Los homicidios se definen como el asesinato deliberado e ilegal de una persona por otra, que se encuentran registrados por la policía y los departamentos de salud.

Sacando lecciones sobre los datos

Entonces, ¿qué nos cuenta este retrato mórbido sobre los datos de la violencia? En primer lugar, es un recordatorio de que un número relativamente pequeño de países están dramáticamente más en riesgo de violencia terrorista y relacionada con los conflictos que otros -especialmente Afganistán, Irak, Libia, Nigeria, Pakistán, Somalia, Siria y Yemen. Mientras que deben proteger a sus países de eventos terroristas, los diplomáticos, expertos en desarrollo y especialistas en defensa deben esforzarse en redoblar la diplomacia preventiva y la prevención de conflictos en los países más gravemente afectados. Si lo hacen, se podría tener un efecto dramático en la reducción de la carga global de la violencia terrorista y el conflicto, así como en las consecuencias humanitarias relacionadas, tales como los flujos de refugiados y el desplazamiento interno de la población.

En segundo lugar, también hay un grupo de países -la mayoría de ellos en América Latina y el Caribe- donde la violencia homicida ha superado todos los límites. La mayoría de las muertes en estos países se concentran en ciudades con rápido crecimiento y de tamaño mediano. Para que los homicidios se reduzcan en estos lugares, es esencial que los planificadores federales y municipales se concentren en los factores de riesgo que están impulsando la violencia urbana -sin descartar la desigualdad social y económica, las altas tasas de desempleo de los jóvenes, la pobreza y la desigualdad, y la ausencia del imperio de la ley. Hay una creciente evidencia de estrategias basadas en datos que funcionan -incluyendo intervenciones de disuasión focalizadaterapias cognitivas y prevención específica, pero esto requiere un liderazgo sostenido para tener un efecto duradero.

Por último, tenemos que mejorar la capacidad de resiliencia -la disposición de abordar, adaptarse y recuperarse ante la adversidad- en comunidades de alto riesgo. Aunque obviamente con causas y consecuencias diferentes, todavía hay muchos puntos comunes de conexión entre la violencia terrorista, de conflicto y la homicida. Cuando las comunidades están desorganizadas y sufren de abandono, hay una mayor probabilidad de erupción de la violencia organizada con corte político, criminal e ideológico. Los gobiernos, las empresas y grupos de la sociedad civil tienen que asegurarse que los acuerdos políticos son inclusivos, que los grupos marginados y las familias disfuncionales son atendidas, y que la resiliencia está diseñado para las comunidades desde un principio.

FONTE: Instituto Igarapé 

União Jihadi Europeia

Publicado originalmente em 25/03/2016.

Passaram-se quatro meses, antes que Salah Abdeslam – um dos supostos membros do comando que atacou em Paris 13/11– fosse capturado em Bruxelas, depois de um tiroteio. Ele não fugira para a Síria; não arredara pé de sua toca de endereço conhecido em Molenbeek.

Passaram-se apenas quatro dias até desvendar o complô seguinte – um ataque coordenado de jihadistas no aeroporto de Bruxelas e numa estação de metro a 500 metros de distância da sede da União Europeia.

Sob cenário de revide, foi altamente previsível. O ministro de Relações Exteriores da Bélgica Didier Reynders até alertara durante o fim de semana que ataques eram iminentes. Mais preocupante é o vazamento de que os serviços secretos belgas – e as agências de inteligência ocidentais – tinham informação “precisa” sobre o risco de ataque contra o aeroporto e um provável ataque contra o metrô.

Ainda mais significativamente, e antes da prisão de Abdeslam, um passarinho contou a ninguém menos que o sultão neo-otomano Erdogan, governante de um “aliado chave da OTAN”, que “Não há motivo algum pelo qual a bomba que explodiu em Ancara não possa explodir em Bruxelas, em qualquer outra cidade europeia.” Erdogan tentava aí, é claro, traçar uma sórdida falsa conexão entre curdos e salafistas-jihadistas. Mesmo assim soou como se enunciasse um misto de profecia e ameaça.

Schengen: acordo morto-vivo

A Europa mais uma vez foi afogada na mesma velha litania pervertida. Dois irmãos jihadistas suicidas. Um especialista ISIS/ISIL/Daech na fabricação de bombas – que pode ter fabricado os coletes explosivos usados em Paris, carregados com Triperóxido de Triacetona [ing. Triacetone Triperoxide (TATP)]. Um bombardeador de aeroporto foragido, que deixa um testamento no próprio laptop. Um misterioso rifle encontrado próximo dos jihadistas detonados. Nenhum passaporte encontrado – pelo menos, até agora. Mas, sim, em vez de passaporte, encontrou-se uma incriminatória bandeira do ISIS/ISIL/Daech.

Um tsunami de policiais congestionaram as ruas das capitais europeias para “aliviar a ansiedade pública” e “atuar como fator de contenção” – como se esse show de força atuasse para reforçar alguma coisa, além do medo.

O Departamento de Estado dos EUA – para não falhar em seu espetacular recorde de sandices e estupidezes – imediatamente vomitou que o ISIS/ISIL/Daech está “sob pressão”. É possível até que diplomatas norte-americanos tenham dado um telefonema a seu “aliado na OTAN” Erdogan, para quem o falso “Califato” pode, no mínimo, ser aproveitado como agente pré-posicionado e acionável no tabuleiro de xadrez do Oriente Médio.

Vagalhões de políticos da União Europeia babaram as mais oportunas lágrimas de crocodilo sobre os ternos Zegna, lamentando “um ataque contra a Europa democrática” – ataque o qual, vale lembrar, foi perpetrado por cidadãos nascidos e criados na União Europeia, convertidos em transformers jihadistas na guerra feita à distância contra a Síria, e pesadamente apoiados por variados estados-membro da União Europeia.

Índices de audiência para o mais recente show da União Europeia – a selvagem promoção do tal “desafio à segurança” da Fortaleza Europa – saíram pelo telhado. Em mais de uma capital da União Europeia, torres do relógio badalaram em uníssono “celebrando” a demonização dos refugiados e a decapitação do multiculturalismo.

E o Acordo Schengen, que já andava em passo de morto vivo, foi atingido por golpes de serra elétrica e está agora, ora essa, muito mais morto.

O fim do acordo Schengen pode custar à União Europeia coisa como $100 bilhões. Mas a xenofobia e a islamofobia – garantidas a todos sem custo adicional – nunca estiveram tão prósperas.

Fontes da Europol juram que pelo menos 5 mil jihadistas teriam entrado na União Europeia disfarçados de refugiados. Ninguém até agora perguntou: mas se foram tão positivamente identificados, por que ainda não foram presos? Pelo menos 400 deles podem estar prontos para gerar terror por toda a Europa.

Maria Zakharova, porta-voz do ministério de Relações Exteriores da Rússia, escapando agilmente de um caldeirão de desinformação, pelo menos já fez lembrar a todos o triste resultado de uma política de padrões ambíguos (da UE), que faz diferença em terroristas “do bem” (seus “rebeldes moderados”) e “do mal”.

O aeroporto de Bruxelas está a poucos quilômetros de distância do quartel-general da OTAN – cuja suposta missão é manter a segurança da Europa enquanto, na prática, vai atuando como um Robocop, da África à Ásia Central. Os jihadistas, por sua vez, miraram contra um aeroporto suposto de segurança máxima e uma estação de Metrô da qual se vai a pé, facilmente, até Barlaymont, quartel-general da Comissão Europeia (CE). Poderiam igualmente ter planejado atacar duas usinas nucleares em Doel e Tihange.

O fato de o ISIS/ISIL/Daech estar explodindo cidadãos da União Europeia e de muitas outras nacionalidades bem debaixo dos narizes da OTAN tem, necessariamente, de erguer sobrancelhas de desconfiança. Sobretudo se se sabe que, para a OTAN e sua lamentável galeria de Drs. Fantásticos, Breedloves/Breed-ódios [aprox. “gera-amores/gera-ódios”], o “inimigo” não é o salafismo-jihadismo, mas a Rússia “do mal”.

Que tal uma Responsabilidade de Proteger (R2P) para a Europa?

É sempre iluminador examinar como a Think-Tank-elândia está lendo a cena. Depois de Paris, houve muitos elogios entusiásticos, quando a França declarou-se “em guerra”, ampliou a própria “atividade militar” no Oriente Médio e fez aprovar uma “Lei Patriota” à francesa, destinada a continuar vigente por muito tempo.

Agora, os pensadores do Excepcionalistão estão inconformados, porque a União Europeia não tem exército (na verdade, tem: o exército da OTAN) e, assim sendo, “não tem como reagir” ao que batizaram de “9/11 belga”. É claro que a OTAN pode “reagir”: pode marchar sobre o ISIS/ISIL/Daech em todo o “Siriaque” invocando a “Responsabilidade de Proteger”, nesse caso centenas de milhões de civis na União Europeia). Mas essa não é nem algum dia foi prioridade.

Pôr a culpa toda na Bélgica, que seria estado falhado, é fácil demais. É parte do quebra cabeça, mas não é o xis da questão.

Esperem agora que os “líderes” da União Europeia reúnam-se para fazer alguma coisa, qualquer coisa, sobre/para/contra o ISIS/ISIL/Daech. Talvez lhes oferecer – ou deixarem-se humilhar por – um acordo do tipo do acordo (ilegal, nos termos da lei internacional) que firmaram recentemente com Erdogan seu “aliado na OTAN”, e que ameaça imigrantes como se fossem peça de mercadoria barata e passa por cima de incontáveis barreiras logísticas e legais.

Imediatamente em sequência, com os mortos de Bruxelas ainda insepultos, o primeiro-ministro turco Ahmet Davutoglu mais uma vez ‘exige’ uma “zona segura” na Síria – e onde mais seria? –, insistindo em que a segurança da Europa começa pela Turquia.

A crise dos refugiados da Europa também começou pela Turquia: foi Ancara quem os expulsou em massa, para começar, dos campos turcos de contenção. Questão legítima é se Ancara teria colhões para inundar a Europa sob ondas de refugiados, se não tivesse luz verde de Washington. Nesse caso, a ‘justificativa’ seria meter a Turquia à força, dentro da União Europeia – é a cláusula de Erdogan, de que as negociações nessa direção sejam aceleradas – para reforçar o status anti-Rússia da própria UE.

A União Europeia sempre pode oferecer ao ISIS/ISIL/Daech um negócio do tipo “Vocês não nos bombardeiam aqui na Europa, e nós não bombardeamos vocês no Siriaque”. Mas, calma! Esse acordo (informal) já existe e está operante, via a coalizão CCG-OTAN liderada pelos EUA.

Que ninguém espere que os políticos da União Europeia liguem os pontos e vejam que a guerra clandestina da União Europeia contra a Síria – especialmente mediante o fornecimento de armas, por Grã-Bretanha e França, a legiões de “rebeldes moderados” – está gerando o correspondente revide. Esperem só o inferno de “segurança” reforçada nos aeroportos servido com garrafas de Perrier.

Já é hoje mais do que estabelecido que que houve em Washington uma “decisão desejante” [ing. willful decision], de deixar ISIS/ISIL/Daech – que nasceu em Camp Bacca, prisão norte-americana no Iraque – crescer e prosperar. O aeroporto de Bruxelas estava em nível absolutamente máximo de segurança. Uma célula salafista-jihadista conseguiu escapar de uma monumental caçada policial por toda a cidade de Bruxelas, por quatro meses.

Um gambito da Operação Gladio – conduzida por CIA/OTAN, exatamente como nos velhos tempos – ainda é hipótese de trabalho muito sólida. A Operação Gladio implantou na inteligência ocidental um princípio inamovível de inteligência, pelo qual se justificaria matar civis, em nome de causa superior.

Deter e fazer regredir a cooperação econômica/comercial entre Rússia e Europa ainda é objetivo chave do Excepcionalistão. O que nos leva a uma subtrama: a mídia-empresa comercial ocidental continuará a bater na tecla [ou no gatilho] segundo o qual todos aqueles horríveis “muçulmanos” sapateiam sobre “nossos valores” – enquanto na Rússia, claro, cada vez que o terror ataca, a culta é toda de Putin por causa de seu “autoritarismo e violência” no norte do Cáucaso.

Em ambiente de Gladio do século 21, ataques sob bandeira falsa que levam à subversão da democracia por uma estratégia de tensão crescente servem agora a mais um objetivo: controlar e manipular a opinião pública europeia – pelo medo, pelo terrorismo e por agentes provocadores (ISIS/ISIL/Daech encaixam-se perfeitamente nesse quadro) –, para o objetivo orwelliano final de manter a Europa pressionada e submissa aos imperativos geopolíticos do Excepcionalistão.

O objetivo orwelliano sempre é reinar sobre uma Sociedade do Medo. Pelo menos, todos já sabemos que os bandidos do falso “Califato” nunca se darão o trabalho de atacar a OTAN, autodescrita como defensora dos “valores” da Europa. É ou não é?

Fonte original: Sputnik news

Fonte Traduzida: O empastelador

Adolescência perdida dos garotos do ISIS

20150102_ISIS_combatentes_

Publicado originalmente em: 23/12/2015

Fala de jovem terrorista condenado à morte ajuda a compreender o que torna extremismo atraente: não os dogmas religiosos, mas o ódio à invasão estadunidense e a esperança de recuperar a dignidade

Tão logo eu me acomodo na sala de entrevistas na estação de polícia de Kirkuk, Iraque, o primeiro prisioneiro que fui ver é trazido, acompanhado por dois policiais, e em algemas. Eu me levanto desajeitadamente, incerta sobre a etiqueta envolvida em uma entrevista com um combatente condenado à pena de morte. Ele é pequeno, bem menor do que eu: à primeira vista, apenas um garoto com problemas com a polícia, seus olhos fixos no chão, seu rosto como uma máscara. Nós nos sentamos em poltronas alinhadas contra paredes opostas, em uma sala nevoenta com fumaça de cigarro e iluminada com lâmpadas fluorescentes — uma sala tão pequena que meus joelhos quase tocam os do prisioneiro, mas ele ainda não levanta o rosto. Já entrevistei vários soldados do outro lado desta luta, a maioria das forças curdas (também conhecidas como peshmerga), mas também soldados do exército iraquiano (conhecidos como Forças de Segurança Iraquianas ou ISF em inglês), tanto árabes quanto curdos. Combatentes do ISIS, é claro, são bem mais esquivos, a não ser que você esteja viajando para o Estado Islâmico propriamente dito, mas eu prefiro manter minha cabeça sobre os ombros.

Há vários boatos sobre execuções sumárias, sem o devido processo legal, de guerrilheiros do Estado Islâmico aprisionados, mas é claro que ninguém vai relatar oficialmente tais abusos de direitos humanos. Como uma anedota, nos contaram sobre um prisioneiro que foi interrogado por 30 dias mas que apenas disse “Allahu Akbar” (Deus é grande) durante todo o mês. “Você não atiraria nele?”, eles perguntaram. Um peshmerga relatou ter testemunhado a captura, interrogatório e execução de cinco prisioneiros. Nós conversamos com vários líderes que disseram que eles não querem pegar prisioneiros, já que corpos feridos frequentemente contém armadilhas e matam soldados que se aproximam; por essa razão o PKK tem como política não fazer nenhum prisioneiro. (o PKK, ou Partido Trabalhista Curdo, é o grupo separatista curdo sediado na Turquia e no norte do Iraque que está na lista de terrorismo internacional; ao se provarem como indispensáveis na luta contra o ISIS, eles criaram um dilema para os governos ocidentais. Mas eles aparentemente não são tão indispensáveis a ponto desses governos se sentirem compelidos a se oporem aos recentes bombardeios da Turquia sobre eles).

Outra fonte nos contou sobre a futilidade de manter prisioneiros por seu valor de barganha: “Com o ISIS, não há conciliação, não há negociação… eles não estão interessados em trocar prisioneiros porque acreditam ser melhor morrer”. Independente da verdade por trás do comportamento dos serviços militares e de segurança, o fato se mantém: prisioneiros do ISIS são difíceis de achar.

Em uma noite, assistimos a um documentário na BBC Árabe com o perfil do General Brigadeiro Sarhad Qadir, o chefe de polícia do governo iraquiano em Kirkuk. Ele é filmado policiando a cidade, patrulhando pessoalmente as ruas e casas, prendendo pessoas suspeitas de lutar para o ISIS. Kirkuk, então, parece ser um bom lugar para começar: pelo menos lá há prisioneiros, de acordo com a BBC.

E então meus colegas e eu dirigimos até Kirkuk a partir da capital do Curdistão Iraquiano, Erbil, para encontrar Qadir. Apesar da carga de trabalho na manutenção da segurança, nessa cidade inquieta de misturas étnicas (em maioria árabes, curdos e turcos), repleta de células adormecidas do ISIS, ele é hospitaleiro e envia guardas armados para nos escoltar da estrada até a cidade. Nós somos servidos com chá em seu escritório e ele senta conosco por meia hora, até que somos levados para a sala de interrogatórios com dois coronéis. (Na semana seguinte após eu sair do país, ele e outros oficiais foram atingidos por uma enorme explosão de carro bomba. Qadir foi ferido pela décima quarta vez servindo pelo Curdistão).

Assim que o primeiro prisioneiro chegou, e que não havia nenhuma possibilidade de conversa fiada, nós partimos direto para as perguntas de pesquisa que eu devo fazer, as mesmas questões feitas a lutadores e não-lutadores em todo o país, perguntas que eu também fiz no Líbano e que vêm sendo replicadas em outras partes do mundo por meus colegas da Artis International, um consórcio para o estudo científico a serviço da resolução de conflitos. A pesquisa é baseada em psicologia moral e cognitiva, explorando quando e por que seres humanos cometem os sacrifícios mais extremos – incluindo suas vidas e as vidas de suas famílias – por causas abstratas, pelos assim chamados “valores sagrados”. Nossa pesquisa tenta determinar por que as pessoas mudam de ideia acerca desses valores sagrados, se e como elas mudam seu comportamento em sua defesa. Nós esperamos descobrir como persuadir pessoas a abandonar vias violentas, apesar de que eu estou rapidamente perdendo a fé nessa possibilidade, nesta parte do mundo.

Nesta viagem, sou acompanhada por colegas experientes: Scott Atran, um acadêmico baseado na França e Doug Stone, um general norte-americano aposentado que passou mais de dois anos no Iraque durante a ocupação dos EUA, entrevistando prisioneiros diariamente. Isso, é claro, muda fundamentalmente a experiência da entrevista, lotando a sala e dando ao evento mais importância, mas formalidade, mas também trazendo à tona perguntas totalmente diferentes, ênfases e expertise e, assim, desenhando muitos ângulos diferentes sobre os entrevistados. De qualquer maneira, nunca haverá informalidade com prisioneiros que aguardam no corredor da morte.

As primeiras perguntas são sobre a percepção da força de vários grupos — com alguns dos quais o entrevistado pode ter simpatias (mesmo que ele possa não expressá-las). Outros grupos, ele pode claramente considerar como o Outro, o Inimigo. Eu apresento um cartão com fotos de homens semi-nus, variando desde o razoavelmente franzino até o maior halterofilista — cada cabeça foi substituída por uma bandeira do Estado Islâmico. Fosse lá o que este jovem estivesse esperando, fosse lá o que já perguntaram a ele — isto não era nem uma coisa nem outra. Ele levanta os olhos, surpreso, na direção do meu colega Hoshang Waziri — sua primeira reação humana — que começa a explicar.

“Este é o Estado Islâmico — veja, aqui está a bandeira”, Hoshang diz, apontando para o halterofilista e flexionando seus bíceps. “Esta figura mostra o Estado Islâmico tão forte quanto ele possa ser. Aqui eles são muito, muito fracos; e aqui estão todas as coisas que ficam no meio. Quão fortes você acha que eles são?” O menino timidamente aponta para o mais fraco — o que é esperado, já que ele não quer parecer um fã — e nós passamos para uma figura semelhante, mas com a bandeira curda ao invés do Estado Islâmico sobreposta aos corpos. “Agora os peshmerga: Quão fortes eles são?”

O prisioneiro entendeu as perguntas, e aponta para a segunda foto mais forte. Em outras imagens, ele decide que o exército iraquiano está no meio, o Irã é um pouco mais fraco do que isso, e os Estados Unidos são o mais forte (Ele não ouviu falar do PKK, apesar de suas repetidas vitórias sobre o ISIS). Nós pedimos para ele ranquear todas as forças, usando as cartas e então percebemos que ele ainda está algemando e eu peço para que as algemas sejam retiradas. No hiato subsequente, com os policiais procurando chaves e andando para lá e para cá, e procuro bater papo mais informalmente e finalmente ele olha para mim, respondendo questões com respostas de uma palavra sobre sua idade, passado, educação, família. Lentamente, com fragmentos surgindo ao longo do resto da entrevista, eu monto uma imagem que depois vai se repetir, com apenas pequenas diferenças, em outros prisioneiros com quem conversamos naquele dia. São histórias familiares ao general Stone da época da ocupação aliada e também a jornalistas e pesquisadores com quem tenho conversado desde então.

20150102_ISIS_combatentes

Este homem tem 26 anos, é o mais velho entre 17 crianças de duas mães (ou seja, seu pai teve duas esposas ao mesmo tempo) e é de Kirkuk. Completou a sexta série, ao menos é alfabetizado, diferentemente de outros que entrevistamos. É casado, tem dois filhos, um menino chamado “Rasuul”, que quer dizer Profeta, e uma menina chamada “Rusil”, que é o plural de Profeta – o que indica a centralidade do Islã em sua vida. Estava empregado como trabalhador braçal para sustentar sua família imensa, quando machucou suas costas e perdeu o emprego. Foi então, de acordo com ele, que um amigo, da mesma tribo mas apenas um parente distante, aproximou-se e ofereceu-lhe um trabalho com o ISIS. Sua história já foi aparada por inúmeros interrogatórios e pelo julgamento, por isso sai um tanto amenizada. A vida sob o Estado Islâmico era puro terror, ele diz; ele lutou apenas porque estava aterrorizado. Outros podem ter feito isso pela fé, mas não ele. Sua família precisava do dinheiro, e essa era a única oportunidade de consegui-lo.

Mais tarde, na entrevista, nós descobrimos o quanto ele está comprometido com sua família, primeiro com os cartões que usamos para testar o grau de fusão entre os indivíduos e diferentes grupos. Nós perguntamos sobre o Iraque, o Islã, família, amigos e o Estado Islâmico. As escolhas são feitas pictograficamente: nós usamos um conjunto de dois círculos crescentemente sobrepostos (em um extremo do espectro, os círculos nem se tocam, no outro eles estão totalmente sobrepostos, e há quatro círculos com graus variados de sobreposição entre os extremos), e, novamente, eles são inesperados e confusos para o prisioneiro – não há uma resposta “certa” óbvia para a maioria deles. O homem foi atraído para fora de sua concha e contra a sua vontade perdeu sua auto-consciência na sua concentração e nas suas perguntas para Hoshang. Ao fim, ele decide que está quase, mas não totalmente, fundido com o Iraque e com o Islã, completamente separado do Estado Islâmico (novamente, isso era esperado), levemente conectado com seus amigos (“Eu não tenho amigos”), e totalmente fundido com sua família. De fato, sua família é o único grupo com o qual ele estava totalmente fundido, uma decisão que foi tomada instantaneamente. Durante um questionamento mais informal sobre sua família e sua tribo saiu essa afirmação reveladora: “Nós precisamos que a guerra acabe, nós precisamos de segurança, estamos cansados de tanta guerra… tudo o que eu quero é estar com minha família, meus filhos”.

Quando ele foi retirado da sala, tivemos a oportunidade de descobrir por que ele foi condenado, como foi encontrado e quais as provas condenatórias. Ele era um mestre em carros-bombas, detonou pelo menos quatro deles em Kirkuk mesmo e também uma lambreta-bomba que explodiu em um mercado lotado de lojas de armas, matando muitas pessoas e também enfraquecendo a capacidade de residentes locais lutarem contra o ISIS. Ele foi descoberto a partir da captura de um dos financiadores da “célula adormecida” em Kirkuk, que o tinha registrado numa lista com pseudônimos, junto com números de telefone e quantidades de dinheiro. A polícia fez este homem ligar para cada pessoa na lista, uma célula de seis, e agendar encontros, em que foram capturados – todos em um dia. Quando o bombardeador do ISIS percebeu que eles estavam ali “ele entrou em colapso e fez uma confissão de cinco páginas”. Manteve sua confissão na corte, onde foi julgado segundo o Artigo 40 da lei iraquiana sobre terrorismo, que estabelece a pena de morte.

Por que ele fez todas essas coisas? Muitos assumem que estes lutadores são motivados pela crença no Estado Islâmico, um califado dominado por um califa que tem o título tradicional de Emir al-Muminiin, “Comandante dos fiéis”, um papel atualmente desempenhado por Abu Bakr al-Baghdadi; que lutadores de todas as partes do mundo estão acorrendo à região, atrás de uma chance de lutar pelos seus sonhos. Mas isso não corresponde aos prisioneiros que estamos entrevistando. Eles são tristemente ignorantes sobre o Islã e tem dificuldades em responder questões sobre a lei sharia, jihad militante e o califado. Ocorre que um conhecimento detalhado, ou ao menos superficial, sobre o Islã não é necessariamente relevante para o ideal de lutar pelo Estado Islâmico, como vimos pelo caso da compra, via Amazon, do livro Islã para principiantes, por um combatente britânico que se juntou ao ISIS.

De fato, Erin Saltman, pesquisador sênior em contra-extremismo do Instituto para Diálogo Estratégico (Institute for Strategic Dialogue), diz que agora há menos ênfase em conhecimentos sobre o Islã, na fase de recrutamento. “Nós estamos vendo um afastamento do treinamento religioso rigoroso como requisito para o recrutamento”, ele me disse. “Se entrevistássemos lutadores recrutas estrangeiros dirigindo-se ao Afeganistão, há dez ou vinte anos, veríamos que havia muito treinamento religioso e teológico ligado ao recrutamento. Hoje, vemos que a estratégia de recrutamento ramificou-se para uma audiência mais ampla com muitos fatores de atração”.

Não há dúvidas de que esses prisioneiros que estou entrevistando estão comprometidos com o Islã; é apenas seu próprio tipo de Islã, que está distantemente relacionado com aquele do Estado Islâmico. Da mesma forma, lutadores ocidentais que viajam para o Estado Islâmico também estão profundamente comprometidos, mas é com sua própria ideia de jihad ao invés de uma concepção solidamente fundamentada em argumentos teológicos ou mesmo em evidências do Corão. Como disse Saltman, “o recrutamento [do ISIS] joga com desejos de aventura, ativismo, romance, poder, pertencimento, junto com realização espiritual”. Ou seja, o Islã desempenha um papel, mas não necessariamente na forma rígida, salafista, preconizada pelos líderes do Estado Islâmico.

Além da teologia islâmica, há outras explicações, bem mais convincentes, sobre por que eles escolheram lutar pelo lado em que vêm lutando. Ao final da entrevista com o primeiro prisioneiro, nós perguntamos: “Você tem alguma pergunta para nós?” Pela primeira vez desde que chegou na sala, ele sorri – com surpresa – e finalmente nos diz o que realmente o motiva, sem nenhum roteiro. Ele sabe que há um norte-americano na sala, e talvez consiga adivinhar, pelo seu jeito e por suas perguntas, que é um ex-militar. Direcionada sua “pergunta”, na forma de uma afirmação raivosa, para ele. “Os americanos vieram”, ele diz, “Eles retiraram Saddam, mas eles também retiraram nossa segurança. Nós não gostávamos do Saddam, nós estávamos esfomeados com ele, mas ao menos nós não tínhamos guerra. Quando vocês vieram, a guerra civil começou”.

Toda essa experiência tem sido bastante familiar para Doug Stone, o general americano que recebe esta diatribe. “Ele absolutamente se encaixa no perfil típico”, Stone disse a seguir. “A idade média de todos os prisioneiros no Iraque, quando eu estive aqui era 27; eles eram casados; tinham dois filhos; haviam estudado entre a sexta e a oitava séries. Ele tem exatamente o mesmo perfil de 80% dos prisioneiros de então… e sua reclamação número um sobre segurança e contra todas as forças americanas foi exatamente a mesma reclamação de cada prisioneiro”.

Esses garotos atingiram a maioridade sob a desastrosa ocupação estadunidense após 2003, na parte caótica e violenta do Iraque, dominado pelo governo xiita cruelmente sectário de Nouri al-Maliki. Crescer como um árabe sunita não foi nada divertido. Outro entrevistado descreveu sua vida crescendo sob a ocupação norte-americana: não podia sair, não tinha vida e mencionou especificamente que não tinha namoradas. O maior ressentimento de um lutador do Estado Islâmico é a falta de uma adolescência. Outro dos entrevistados foi deslocado na idade crítica dos 13 anos, quando sua família fugiu para Kirkuk de Diyala, uma província no auge da guerra civil sectária iraquiana. Eles são crianças da ocupação, muitas sentiram falta de seus pais em períodos cruciais (devido a encarceramentos, mortes por execução ou lutas na insurgência) cheios de raiva contra os Estados Unidos e seu próprio governo. Eles não são movidos pela ideia de um califado islâmico sem fronteiras; ao invés disso, ISIS é o primeiro grupo desde a Al Qaeda a oferecer a esses jovens humilhados e enraivecidos uma maneira de defender sua dignidade, família e tribo. Essa não é uma radicalização no sentido de um estilo de vida do ISIS, mas uma promessa de um caminho para além das suas vidas inseguras e indignas; a promessa de viver como árabes sunitas orgulhosos, que não é apenas uma identidade religiosa, mas também cultural, tribal e ligada à terra.

Uma ilustração do compromisso menor-do-que-completo à causa do Estado Islâmico por iraquiano veio do peshmerga curdo General Aziz Waysi, comandante das forças de elite Zerevani (“Dourados”). Ele relatou uma conversa entreouvida entre um lutador do ISIS no campo de batalha e seu líder, via rádio portátil previamente confiscado de um cadáver do ISIS. “Meu irmão está comigo, mas ele está morto e nós estamos cercados. Precisamos de ajuda pelo menos para recolher o corpo do meu irmão”. Foi o que General Waysi ouviu, e depois a resposta: “O que mais você poderia querer? Seu irmão está no paraíso e você logo estará lá”. Essa resposta não era o que o pobre homem cercado estava esperando. “Por favor, venham e me resgatem”, ele disse, “Esse paraíso, eu não o quero”. Mas eles não vieram, o deixaram para qualquer paraíso que o estivesse esperando.

Fonte: Outras Palavras, Por Lydia Wilson | Tradução: Gilberto Schittini

Retrospectiva ‘Mundo’: terroristas, refugiados e América Latina

Os acontecimentos ao redor do mundo em 2015, em grande parte, passam pelo terrorismo, o agravamento da crise dos refugiados sírios em corrente migratória para a Europa e uma virada à direita na América Latina, mais recentemente com a eleição de Mauricio Macri na Argentina.

Fonte: TV Folha

US-trained Syria rebels gave weapons to al-Nusra Islamists, Pentagon confirms

Unesco: destruição de templo na Síria é “crime contra a civilização”

palmyra

Da Agência Lusa

Imagem de arquivo mostra imagem ampla da antiga cidade de Palmira no centro da SíriaImagem Youssef Badawi/EPA/Agência Lusa

A destruição pelos jihadistas do grupo Estado Islâmico do templo de Bel, em Palmira, no deserto da Síria, “constitui um crime intolerável contra a civilização”, declarou hoje (1º) a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), Irina Bokova.

Num comunicado em que exprime “profunda angústia”, a responsável da Unesco assegurou, no entanto, que o “crime não apagará nunca 4.500 anos de história”.

Palmira, situada na província de Homs, no centro da Síria, é patrimônio da Humanidade e foi conquistada em maio pelo Estado Islâmico. O grupo já destruiu vários locais arqueológicos no Iraque, país vizinho da Síria.

“É fundamental explicar a história e o significado dos templos de Palmira. Quem quer que tenha visto Palmira guarda para sempre a recordação de uma cidade que carrega a dignidade de todo o povo sírio e encarna as mais altas aspirações da humanidade”, indicou Bokova no comunicado, adiantando que cada um desses ataques exige que o patrimônio da humanidade seja cada vez mais divulgado.

“Face a este novo crime de guerra, a Unesco reafirma a determinação em prosseguir na proteção do que pode ser salvo, através de uma luta sem tréguas contra o tráfico de objetos culturais, da documentação e da criação de redes de milhares de especialistas, na Síria e no mundo, trabalhando para promover a transmissão deste património às gerações futuras”, destacou a diretora-geral.

A ONU informou ontem (31) que imagens obtidas por satélite confirmavam a destruição do templo de Bel, que o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) tinha anunciado antes.

Com sede em Londres, mas com uma vasta rede de militantes no terreno, o OSDH indicou que o grupo terrorista explodiu, no domingo, o interior do templo de Bel.

Ao comentar nesta terça-feira a difusão das imagens pela ONU, o diretor das Antiguidades da Síria, Maamoun Abdelkarim, afirmou que o templo de Bel é o “mais belo símbolo de toda a Síria”. “Perdemo-lo para sempre. Eles mataram Palmira”, adiantou.

Essa é a segunda ação de destruição do Estado Islâmico contra um templo de Palmira, depois de no dia 20 ter sido confirmado que os jihadistas detonaram explosivos colocados no templo de Baal Shamin, construído no ano 17 d.C.

Fonte: Agência Lusa