Coreia do Norte alerta contra reunião do Conselho de Segurança da ONU após testes de mísseis

A Coreia do Norte alertou nesta segunda-feira que não ficaria “inativa” se fosse feita alguma tentativa no Conselho de Segurança da ONU de levantar o assunto de suas “medidas de autodefesa“, uma aparente referência aos recentes testes de mísseis.

Três países europeus – Reino Unido, França e Alemanha – pediram uma reunião do Conselho de Segurança a portas fechadas nesta terça-feira para discutir o teste da Coreia do Norte na semana passada de um míssil lançado no mar, dizendo que era uma violação grave” das resoluções da ONU.

O embaixador da Coreia do Norte na ONU, Kim Song, declarou que levantar a questão “exigirá ainda mais nosso desejo de defender nossa soberania“.

O alerta veio dois dias depois que a Coreia do Norte interrompeu as negociações nucleares com os EUA na Suécia. Essas negociações se seguiram a um impasse de meses após uma reunião malsucedida de fevereiro em Hanói entre o líder do Norte, Kim Jong-un, e o presidente Donald Trump.

O diplomata norte-coreano instou os três países europeus a considerar o momento de sua mudança, acrescentando que eles devem “saber que nunca podemos ficar ociosos na tentativa de tomar medidas de nossas medidas de autodefesa“.

A Coreia do Norte está sujeita a três séries de sanções econômicas da ONU, a mais severa das quais foi imposta em 2017 após um teste nuclear e um teste de mísseis de longo alcance.

Pyongyang realizou seis testes nucleares desde 2006, o último em 3 de setembro de 2017.

Sputnik

Navios da Coreia do Norte contrabandearam carvão para o Japão mais de 100 vezes em 2 anos

Embarcações da Coreia do Norte desembarcaram em portos do Japão com carregamentos ilegais de carvão mais de 100 vezes nos últimos dois anos, contornando sanções impostas pela ONU.

A informação foi publicada neste domingo (20) pela agência de notícias Kyodo. As fontes para a investigação foram dados de empresas de rastreio de rotas marítimas e a Guarda Costeira do Japão.

Ainda de acordo com a publicação, os navios norte-coreanos, na maior parte das vezes disfarçados com bandeiras do Panamá, também entraram em portos na Rússia e na China e conseguiram despistar as autoridades locais.

Em 2017, o Conselho de Segurança da ONU adotou a Resolução 2371, que proibiu Pyongyang de fornecer, vender ou transferir carvão, ferro, minério de ferro, frutos do mar, chumbo e minério de chumbo para outros países.

A resolução foi adotada pelos cinco membros permanentes e quinze não permanentes do Conselho de Segurança em resposta aos testes nucleares da Coreia do Norte naquele ano.

Além desta medida, a ONU editou outras cinco resoluções anteriores para desencorajar Pyongyang de continuar desenvolvendo seu programa nuclear e realizando novos testes balísticos.

Resolução 2371

Kyodo

Sputnik

Conselho de Segurança da ONU debate aumento do risco de ataques terroristas

Autoridade política da ONU ressalta que o contínuo movimento de migração de combatentes terroristas pelo mundo e reveses militares do ISIL representam uma elevação da ameaça de ataques a alvos civis.

Publicado originalmente em:17/06/2016

06-09-16Feltman_SC.jpg

Autoridade política da ONU ressalta que o contínuo movimento de migração de combatentes terroristas pelo mundo e reveses militares do ISIL representam uma elevação da ameaça de ataques a alvos civis.

A principal autoridade política das Nações Unidas advertiu o Conselho de Segurança sobre o aumento do risco do aumento de ataques internacionais. Ele disse que a ameaça representada pelo ISIL (Da’esh) e seus associados continua a ser elevada e continua a se diversificar.

O subsecretário-geral da ONU para Assuntos Políticos, Jeffrey Feltman, afirmou ao Conselho de Segurança que os reveses militares no Iraque e na Síria podem estar fazendo com que o ISIL eleve o papel de suas afiliadas, aumentando o risco de ataques.

Ele também alertou para o influxo de armas e munição para territórios controlados pelo ISIL, além da contínua migração de combatentes terroristas pelo mundo, que entram nas áreas de conflito ou voltam a seus países de origem.

Estas observações são parte do segundo relatório do secretário-geral da ONU sobre a ameaça representada pelo ISIL (Da’esh) para a paz e segurança internacionais. O documento, lançado no final de maio, trata também dos esforços das Nações Unidas em apoio dos Estados-membros na luta contra a ameaça.

Gravidade da ameaça

O relatório destaca que, nos últimos meses, a expansão territorial do ISIL no Iraque e na Síria parou, ou até mesmo diminuiu. Pela primeira vez desde a autodeclaração do ‘Califado’, em junho de 2014, o núcleo do grupo está sofrendo pressão financeira.

Vários Estados-membros ressaltaram que o ISIL ainda não foi suficientemente enfraquecido. Eles relataram um aumento na taxa de pessoas retornando do Iraque e da Síria.

Os recentes ataques internacionais perpetrados por membros do ISIL demonstram que o grupo está agora se direcionando para uma nova fase, com a elevação do risco de que ataques a alvos civis se tornem mais frequentes.

Os ataques a Paris e a Bruxelas demonstram a habilidade do ISIL em coordenar ataques complexos e simultâneos. Enquanto as investigações continuam, já está claro que eles foram coordenados por terroristas que retornaram à Europa de territórios controlados na Síria.

O aumento da pressão sobre as finanças do ISIL na Síria e no Iraque também significa um risco maior de que o grupo vai tentar explorar outras atividades geradoras de receitas. A comunidade internacional deve permanecer alerta com diversificação dos fluxos de receita e com a expansão de meios relativamente menores.

Além disso o número de estrangeiros que se juntam à luta no Iraque e na Síria continua a aumentar. Um Estado-membro relatou que cerca de 38 mil pessoas podem ter tentado viajar para a região nos últimos anos.

Após 18 meses de presença na Líbia, estima-se que as forças de combate do ISIL já contam com cerca de 3 mil a 5 mil combatentes, na maioria estrangeiros.

No Afeganistão, apesar do recuo de seus combatentes para as áreas montanhosas, a estimativa é que o ISIL ainda conte com cerca de mil soldados, que já provaram sua habilidade de manter o território e conduzir ataques terroristas às cidades mais importantes.

Tecnologias de Informação e Comunicação

As tecnologias de informação e comunicação são um elemento essencial para ISIL, e desempenham um papel essencial no funcionamento e recrutamento do grupo e afiliados.

Embora atualmente careçam de capacidades técnicas para ataques cibernéticos contra infraestruturas críticas, o risco de que o ISIL compre ferramentas de ataque a partir da “darknet” é real e está em desenvolvimento.

Muitas empresas líderes de TIC já têm adotado medidas para prevenir o abuso de suas plataformas. O Google e o Facebook anunciaram recentemente o lançamento de campanhas anti-radicalização, a serem realizadas em conjunto com as organizações da sociedade civil.

Fonte: ONU Brasil

UN endorses Iran nuclear deal unanimously, paving way for sanctions relief

Security Council unanimously adopts resolution on foreign terrorist fighters

Evo Morales insta a disolver el “consejo de inseguridad” de la ONU

ONU – “Direito sem Fronteiras – O Papel da ONU na Segurança Mundial”

Publicado em 10/12/2013

Direito sem Fronteiras – O Papel da ONU na Segurança Mundial
http://tv-justica.blogspot.com.br/