WannaCry: China descobre nova mutação do vírus responsável por ciberataque mundial

1494835268_125044_1494837362_noticia_normal_recorte1

Tela da Agência de Segurança e Internet da Coreia mostra expansão do vírus. YONHAP (EFE)

15/05/2017

As autoridades chinesas anunciaram a descoberta de uma nova mutação do vírus WannaCry, responsável pelo ciberataque mundial que afetou mais de 150 países e 200.000 computadores desde sexta-feira, informa o jornal oficial Global Times.

Em nota emitida no domingo, a Agência do Ciberespaço, o Departamento de Segurança Pública e a Comissão Municipal de Economia e Tecnologia da Informação de Pequim afirmam que a nova versão do vírus, o WannaCry 2.0, driblou as medidas de segurança implantadas após o primeiro ataque.

Continuar lendo

Anúncios

Qual é a escala do ciberataque que ‘sequestrou’ computadores pelo mundo?

green_matrix_code_world_map-wallpaper-2560x1080

13/05/2017

Especialistas em segurança digital se reuniram neste sábado (13) para discutir o impacto global do ataque cibernético contra dezenas de países, governos e empresas ocorrido nesta semana.

A expectativa é de conseguir identificar os responsáveis pelo ataque do tipo ransomware — uma espécie de vírus que bloqueia o computador da vítima e pede um resgate. Os usuários atingidos recebiam um pedido de dinheiro que aumentava conforme o passar do tempo sob a ameaça de que os seus arquivos seriam destruídos se o pagamento não fosse feito. Os relatos são de que o valor começava em 300 dólares.

“O ataque recente está em um nível sem precedentes e exigirá uma investigação internacional complexa para identificar os culpados”, disse a Europol, agência policial da Europa.

Mikko Hypponen, chefe de pesquisa da F-Secure, disse à agência AFP que a investida hacker foi “o maior ataque do gênero na história”, afirmando que 130 mil sistemas em mais de 100 países foram afetados.
Ele disse que a Rússia e a Índia foram particularmente atingidas já que o Windows XP ainda é altamente utilizado nestes países. A Microsoft, fabricante do software, disse que a situação era “dolorosa” e que estava tomando “todas as ações possíveis para proteger nossos clientes”.

Já a empresa Symantec, uma das líderes do mercado de segurança digital, afirmou que a maioria das organizações afetadas está na Europa e que o ataque não teve alvos específicos

É possível que o ataque tenha usado uma ferramenta da própria Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (NSA, na sigla em inglês) que vazou.

Nos Estados Unidos, a companhia de logística FedEx reconheceu ter sido atingida pelo malware e disse que estava “implementando reparos o mais rápido possível”. A montadora francesa Renault foi forçada a parar a produção nas fábricas na França, Eslovênia e Romênia, afirmando que a medida visava impedir que o vírus se espalhasse.

O Ministério do Interior russo disse que alguns de seus computadores foram atingidos por um “ataque de vírus” e que os esforços estavam em andamento para destruí-lo.

Fonte: Sputnik