BRICS Under Attack: The Empire Strikes Back In Brazil

Published originally in: 22/03/2016

20140720-dinheirama-brasil-crise

Despite all the fancy anti-corruption rhetoric, the assault on President Rousseff’s leftist government is the result of a coordinated campaign by business interests tied to Washington and Wall Street.

NEW YORK — (Analysis)

The last decade has seen a remarkable coalescing of non-Western nations in both economic and political partnerships. These multilateral institutions have been championed as alternatives to Western organs of political and economic power such as NATO, the International Monetary Fund, and the World Bank.

From the growth of the Shanghai Cooperation Organization to the establishment of the Eurasian Economic Union, China’s “One Belt, One Road” strategy to link much of the Eurasian landmass via trade and investment, and most recently the establishment of the Asian Infrastructure Investment Bank, many have viewed these developments as essential for the decentralization of global power away from the imperial centers of Washington, Wall Street, London and Brussels.  

But perhaps none of the emerging Global South international groupings has been more promising in terms of both public relations and real economic partnership than that of the BRICS countries (Brazil, Russia, India, China and South Africa).

BRICS countries account for 46 percent of the world’s population – over 3 billion people, as of 2015 – making it the single largest bloc in terms of human capacity among global alliances. The scope of BRICS, combined with its increasing assertiveness as an economic power unto itself, has undoubtedly ruffled a few feathers in Washington and elsewhere in the West.

It should come as no surprise that major moves have been taken in the last 12 to 24 months to undermine each BRICS member nation and destabilize them through political and economic means. And it is no coincidence that those leaders shown smiling and shaking hands at recent BRICS summits are now either the targets of destabilization efforts and subversion – as in the cases of Brazil, Russia, China and South Africa – or are a target of a military and political charm offensive, as in the case of India. In each case, the United States and its allies benefit significantly from the latest developments.

Brazil in the crosshairs

One of the U.S. empire’s tried and true methods of destabilizing a targeted country is through manufacturing and promoting political scandals and/or political movements that appear oppositional but whose interests, whether consciously or not, align with the ruling establishment in the West. Both of these elements are at play in Brazil, which has been moving toward increased economic, and consequently political, independence in recent years.

In Brazil, the government of Dilma Rousseff is facing a major destabilization campaign orchestrated by powerful right-wing elements in the country and their U.S. backers. Under the always convenient banner of “anti-corruption,” millions have turned out in the streets to demand the ouster of the twice-elected Rousseff government on the heels of a series of revelations about alleged corruption pertaining to the quasi-state, quasi-private Petrobras oil company.

According to the allegations, a number of leading political figures, some of whom are connected to President Rousseff and the Workers’ Party, have skimmed at least 3 percent of the billions in oil revenue from Petrobras, illustrating the still active tradition of corruption in Brazil.  

The latest target is former President Lula da Silva, who was forcibly removed from his home in an ostentatious show of force by law enforcement authorities meant to humiliate the 70-year-old founder of the Workers’ Party. Because of his working class background, the former president was seen as the hope and pride of the left in Brazil, and the public removal from his home earlier this month sparked the latest round of protests.

But what — or who — is really behind the soft coup in Brazil?

The right wing is the driving force of the protests, despite any progressive-minded, anti-corruption sentiment being expressed by various segments of the protest movement. Two of the principal groups responsible for organizing and mobilizing the demonstrations are the Free Brazil Movement (MBL) and Students for Liberty (EPL), both of which have direct ties to Charles and David Koch, the right-wing, neocon, U.S. billionaires, as well as other leading figures of the far right, pro-business neoliberal establishment.

MBL is fronted by Fabio Ostermann and Juliano Torres, both of whom were educated in the Atlas Leadership Academy, a satellite of the Atlas Economic Research Foundation, which is directly funded by the Koch brothers. EPL is a direct affiliate of the U.S.-based Students for Liberty, a well-known Koch brothers outfit with deep ties to the right-wing political establishment in the U.S.

One of the leading faces of the movement is Kim Kataguiri, a 20-year-old “activist,” who is both a founder of MBL and a leader in EPL. Unabashedly pro-big business, he’s an adherent of the so-called Austrian School of Economics, the economic ideology that advocates total deregulation of the economy in the interests of private business, and a great admirer of Milton Friedman, the father of what is known today as neoliberal capitalism.

Kataguiri and his fellow right-wing activists have been quick to distance themselves from the blood-soaked legacy of right-wing coups in Brazil and Latin America for obvious reasons. Yet they espouse precisely the same economic policies as those enacted throughout the region, perhaps most famously in Chile under the brutal dictatorship of Augusto Pinochet, whose economic policies were directly guided by none other than Friedman.  

As Kataguiri explained to The Guardian in 2015:

“We defend free markets, lower taxes and the privatisation of all public companies. … In Brazil, the left is still seen as cool by young people. … We want to destroy this idea that if you defend free markets then you’re an old man who is asking for a dictatorship. …  Unfortunately, we don’t have any big sponsors. The government and some sectors of the press say that we are financed by rich people. We would have no problem in being financed by rich people.”

Unfortunately for Kataguiri, Ostermann, Torres and their colleagues, the truth about their connections to powerful finance capital and business in the U.S. and throughout Latin America is well known. Still, the corporate media whitewashes these connections, presenting the protests as some sort of pure expression of people’s discontent, rather than a manufactured form of political manipulation and destabilization which has seized upon difficult economic times to cynically exploit public opinion. Brazil’s economic downturn over the past two years has made this much easier.

Other influential groups such as VemPraRua (“Come to the Streets”) are directly funded by powerful right-wing business interests inside the country, including Brazil’s richest man, Jorge Paulo Lemann. As Bloomberg noted in a 2013 profile of Lemann:

“In the U.S., Lemann is virtually unknown, even though he and his two longtime partners, Marcel Herrmann Telles and Carlos Alberto Sicupira, now control three icons of U.S. consumer culture: Heinz ketchup, Burger King, and, after the $52 billion takeover of Anheuser-Busch in 2008, Budweiser beer. The combined market value of the companies they run is $187 billion—larger than that of Citigroup.

In Brazil, Lemann is a business-class hero. … Worth some $20 billion, Lemann is No. 32 on the Bloomberg Billionaires Index, seven slots behind George Soros and three ahead of Carl Icahn.”

Meanwhile, the reactionary, pro-U.S. elements inside (and outside) Brazil are particularly angered at the Workers’ Party and, more broadly, the left. This is not because of corruption – though corruption undoubtedly remains a problem – but because of the ascendance to power of political forces representing working class and poor Brazilians.

As the North American Congress on Latin America correctly assessed in April 2015: “Don’t believe the right-wing media’s emphasis on corruption—the recent demonstrations are motivated by entrenched elite discontent over expanding economic and political inclusion for the nation’s majority.”

Bringing BRICS to heel

In short, despite all the fancy anti-corruption rhetoric, the assault on Rousseff’s leftist government is the result of a coordinated campaign by business interests tied to the U.S. Washington and Wall Street that see in Brazil a dangerous precedent in which a left-wing government sympathetic to and allied with Bolivarian movements in Venezuela, Bolivia, Ecuador, and until recently, Argentina, was able to gain power and preside over an economic boom.  

A graph demonstrating the correlation between expansion of anti-government sentiment and the stagnation of GDP growth:

grafico

Indeed, this point should not be understated — namely, the economic downturn in commodities such as oil which has put the brakes on Brazil’s rapid economic progress.

In fact, recent data shows that the expansion of anti-government sentiment directly correlates to the stagnation of GDP growth, which itself directly correlates to the decline in commodities prices. As many have convincingly argued, the collapse of oil has no doubt been fomented and encouraged, if not directly orchestrated, by the U.S. and its allies in the Gulf in order to target non-Western countries whose economies are tied to oil and gas revenue — Venezuela, Bolivia, Brazil, and especially Russia.
Essentially, what’s unfolding in Brazil is a multi-pronged effort to destabilize the country via a variety of political and economic means, with the ultimate goal of bringing to heel a key member of BRICS. But it is not the only one.

Brazil is certainly not the only BRICS member facing an offensive by the U.S.-NATO system. The next article in this series will examine the destabilizing forces reaching into South Africa. Future pieces will examine the growing military relationship between the U.S. and India, as well as the multi-faceted strategies to contain, isolate, and destabilize Russia and China.

Source: Mint Press News

Brasil: Império do Caos ataca novamente

Publicado originalmente em: 26/04/2016

or-37243.jpg

Pouco depois de a moção pró-impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff ser aprovada no Congresso do Brasil, por deputados que resolvi chamar de hienas da Guerra Híbrida, o presidente-coroado Michel “Até tu, Brutus?!” Temer, um dos articuladores do golpe, mandou um de seus senadores a Washington como garoto-de-recados especial, para dar notícias sobre o golpe em andamento. O senador em questão não cumpria missão oficial da Comissão de Relações Exteriores do Senado do Brasil.

Michel “Até tu, Brutus?!” Temer assustou-se com a reação da mídia global, a qual está vendo cada dia mais vê claramente que o golpe que ele está fazendo é o que é (golpe) – aliado de Brutus-2, presidente notoriamente corrupto da Câmara de Deputados do Brasil, Eduardo Cunha.

A missão do tal senador era lançar uma ofensiva de Propaganda/Relações Públicas para desconstruir a narrativa que insiste que golpe é golpe, e a qual, segundo Brutus-1 estaria “desmoralizando instituições brasileiras”.

Nonsense. O senador office-boy foi mandado dizer ao Departamento de Estado dos EUA que tudo por aqui está andando conforme a encomenda.

Em Washington, o senador office-boy resmungou que “explicaremos que o Brasil não é uma república de bananas”. Ora… Não era. Mas graças às hienas da Guerra Híbrida, é.

Quando se tem um homem que administra 11 contas bancárias ilegais na Suíça; cujo nome aparece listado nos Panama Papers, que já está sendo investigado pela Suprema Corte… e que, mesmo assim, continua a comandar o destino político de toda a nação, sim, sim, aí está uma república de bananas.

Quando você tem um juiz de paróquia, provinciano, que ameaça pôr na prisão o ex-presidente Lula, por ser proprietário de um apartamento modesto onde vive e por visitar um sítio modesto de amigos, mas, ao mesmo tempo, não cuida de investigar o Brutus-2, e juiz provinciano que opera irmanado àqueles pomposos juízes da pomposa Corte Suprema paroquial provinciana… sim, aí está uma república de bananas.

Comparem agora a reação-zero de Washington, e a reação de Moscou. O Ministério de Relações Exteriores da Rússia, mediante a irrepreensível porta-voz Maria Zakharova, chamou a atenção do mundo para a parceira crucial que liga todos os países BRICS, e as posições comuns que Brasil e Rússia têm defendido juntos dentro do G20. E Moscou deixou claro que os problemas do Brasil têm de ser resolvidos “no quadro constitucional legal e sem qualquer interferência externa”.

Todo mundo sabe o que significa “interferência externa”.

Dominação de Pleno Espectro Rearmada

Estou acompanhando o golpe em andamento no Brasil, com especial atenção à Guerra Híbrida movida/apoiada pelos EUA para destruir “o projeto neodesenvolvimentista para a América Latina – que unia pelo menos parte das elites locais, investia no desenvolvimento de mercados internos, em associação com as classes trabalhadoras”. O objetivo chave da Guerra Híbrida no caso do golpe no Brasil é instalar uma restauração neoliberal.

Obviamente, o alvo chave tinha de ser o Brasil, estado membro dos BRICS e sétima maior economia do mundo.

Falcões imperiais [ver também “Preocupações com a ‘Bala de Prata’ nem tão eficaz”, in Rússia e China, 2016: Como planejam  enfrentar a guerra econômica dos EUA], já estão indo diretamente ao ponto, quando listam as armas e objetivos da Guerra Híbrida, que o Pentágono definiu em 2002 como “Doutrina da Dominação de Pleno Espectro”: “O poder dos EUA vem de nossa superior força militar, sim. Qualquer coisa que expanda o alcance dos mercados dos EUA – como a Parceria Trans-Pacífico no comércio, por exemplo – acrescenta-se ao arsenal do poder dos EUA. Mas em sentido mais profundo, o poder dos EUA é produto da dominação da economia dos EUA sobre o mundo”.

Mas fato é que a economia norte-americana já está longe de dominar o mundo. O que hoje realmente preocupa são as forças que orientam “os negócios para longe dos EUA, ou permitem que outras nações construam arquitetura financeira rival e menos vulnerável a sanções, mesmo que a uma montanha delas”.

“Arquitetura financeira rival” é perfeita tradução de “BRICS”. E nem “uma montanha de sanções” bastaram para fazer o Irã curvar-se e pedir penico ao Tio Sam; Teerã continuará a praticar uma “economia de resistência”. Não por acaso, dois dos países BRICS – Rússia e China – além do Irã, aparecem entre as cinco principais ameaças existenciais listadas pelo Pentágono, além das bombas atômicas da Coreia do Norte e, em último lugar na lista, “terrorismo“.

Guerra Fria 2.0 é essencialmente Rússia e China – mas o Brasil também é ator chave. Edward Snowden revelou como a espionagem contra o Brasil, pela Agência de Segurança Nacional centrava-se na Petrobrás, cuja tecnologia proprietária foi responsável pela maior descoberta de petróleo, ao nascer do século 21: os depósitos do pré-sal em águas do Brasil. O Big Oil norte-americano está excluído da exploração dessa riqueza.

E “Big EUA Oil excluído é anátema – e exige mobilização imediata das técnicas e táticas de Guerra Híbrida reunidas na [doutrina] de Dominação de Pleno Espectro.

As elites comprador brasileiras correram a se oferecer para jogar o jogo. Já há mais de dois anos analistas de JP Morgan oferecem seminários aos guerrilheiros da macroeconomia neoliberal, ensinando táticas e golpes para desestabilizar o governo Rousseff.

Lobbies da indústria, comércio, banking e agronegócio ostensivamente se puseram na defesa do impeachment, que representaria, na avaliação deles, o fim do experimento social-democrata dos governos Lula-Dilma.

Assim sendo, não surpreende que o presidente herdeiro coroado Michel “Até tu, Brutus?!” Temer tenha acordo tão amplo com o Big Capital – incluindo juros ilimitados sobre a dívida pública (muito acima da norma internacional); a relação entre dívida e PIB, que terá de subir; mais empréstimos caros; e o corolário, cortes na atenção pública à saúde e à educação dos brasileiros.

No que tenha a ver com Washington, não há dúvidas e é questão fechada para os Democratas e Republicanos: absolutamente não se admite que haja poder regional autônomo no Atlântico Sul abençoado por riqueza ecológica única do mundo (pensem na Floresta Amazônica, toda aquela água, que se soma ao aquífero Guarani) e, como se isso fosse pouca coisa, ainda muito intimamente conectado aos BRICS-chave, Rússia e China, que já têm sua própria parceria estratégica.

O fator pré-sal é a cereja nesse bolo tropical. Absolutamente de modo algum, não e não, o Big Oil dos EUA não permitirá que a Petrobrás tenha o monopólio para explorar aquele petróleo todo. E, sendo necessário, afinal de contas, a 4ª Frota dos EUA já está posicionada no Atlântico Sul.

Um BRICS derrubado, ainda faltam dois

A “guerra ao terô [“terror”, no sotaque de Bush] declarada pelo regime Cheney distraiu a atenção do Empire of Chaos por tempo demais. Agora, finalmente, está em andamento uma ofensiva do caos global contra os BRICs – coordenada em todo o planeta.

Do Sudoeste da Ásia ao Sul da Ásia, o sonho da Guerra Híbrida será criar alguma espécie de caos iraquiano para substituir os governos de Arábia Saudita, Irã, Paquistão e Egito – e o Império “Liderar pela Retaguarda” do Caos está fazendo o possível na Síria, onde ainda nada conseguiu, por mais que a “dinastia Assad”, ao longo de décadas, tenha sido aliada “secreta” dos EUA.

Os Masters of the Universe que controlam o cordame que move Obama, eterno office-boy deles, resolveu que seria chegada a hora de apunhalar a Casa de Saud pelas costas – o que não chega a ser, afinal, má ideia – por causa do Irã. O pensamento desejante dominante ‘ensinava’ que seria fácil pôr o gás natural iraniano na Europa, em lugar do gás natural russo, o que derrubaria a economia russa. Absolutamente não funcionou.

Mas ainda há outra possibilidade: o gás natural do Qatar, pelo gasoduto que atravessa Arábia Saudita e Síria, também poderia substituir o gás natural russo vendido à Europa. Esse é hoje o principal objetivo da CIA na Síria – o instrumento não importa: Daech, falso Califato, vale tudo, porque nada disso é coisa alguma além de propaganda.

A CIA também está gostando de ver a Arábia Saudita destruir a economia russa com aquela guerra dos preços do petróleo – e não querem que os sauditas parem; por isso mantêm secretas as tais famosas 28 páginas sobre os sauditas nos eventos de 11/9.

A CIA também andou tentando feito doida atrair Moscou para dentro de uma armadilha síria como no Afeganistão dos anos 1980s; e, como fizeram com o golpe em Kiev, a ponto de ordenar que militares turcos, sempre agentes dos EUA, derrubassem um jato Su-24 russo. “Problema” é que o Kremlin não mordeu a maçã envenenada.

Nos idos anos 1980s, o mix de Casa de Saud inundando mercados com seu petróleo, agindo com toda a gangue do petrodólar do CCG para derrubar o preço até $7 por barril em 1985, plus a operação “O Afeganistão É O Vietnã”, terminou por levar a URSS à bancarrota. Pode-se dizer que toda a ação foi brilhante – na concepção e na execução: uma Guerra Híbrida plus Vietnã. Agora, com a coisa de “liderar pela retaguarda” do Dr. Zbig “Grande Tabuleiro de Xadrez” – mentor de sua política exterior – Obama está tentando repetir o mesmo truque.

Mas epa! Temos um problema. A liderança em Pequim, já preocupada com ajustes no modelo chinês de desenvolvimento, viu claramente os esforços do Império do Caos para Dividir e Governar (e Ocupar) o mundo inteiro. Se a Rússia caísse, a China seria o alvo seguinte.

Ainda praticamente ontem, em 2010, a inteligência dos EUA via a China como sua principal ameaça militar, e pôs-se a andar na direção do Império do Meio, com o tal “pivô para a Ásia”. Mas de repente a CIA deu-se conta de que Moscou gastara um trilhão de dólares para saltar por cima de duas gerações de atraso em matéria de mísseis de defesa e de ataque – para nem falar dos submarinos – as armas de eleição para a 3ª Guerra Mundial.

E foi aí que a Rússia pulou para o trono de principal ameaça. Analisando atentamente o tabuleiro de xadrez, a liderança em Pequim imediatamente acelerou a aliança com Rússia e BRICS como força alternativa – o que gerou terremoto de proporções absolutamente devastadoras em Washington.

Agora, Pequim já fez a reengenharia dos BRICS para operarem como estrutura alternativa séria de poder – com FMI próprio, com sistema SWIFT de compensações internacionais próprio e com seu próprio Banco Mundial.

Nunca subestime a fúria de um Império do Caos enganado. Isso é o que se vê em ação contra os BRICS; Brasil sitiado, desastre na África do Sul, fragilidade na Índia, China e Rússia progressivamente cercadas. Variações de Guerra Híbrida da Ucrânia ao Brasil, pressão crescente na Ásia Central, o barril de pólvora em que foi convertido o “Siriaque”, tudo aponta para uma ofensiva coordenada do Espectro da Plena Dominação para quebrar os BRICS, a parceria estratégica Rússia-China, até quebrar as Novas Rotas da Seda que unem toda a Eurásia.

Guerras do preço do petróleo, colapso do rublo, fluxo gigante de refugiados para a União Europeia (causado pelo Sultão Erdogan “errático”), a Operação Gládio do século 21 remistura tudo, distrai as massas com inimigos imaginários, enquanto simulacros de terroristas do tipo Daesh são manipulados como sofisticadas táticas diversionistas.

Parece tão brilhante, coisa mesmo ‘de mestre’, na concepção e na execução, tão impressionantemente bem narrada, em sentido de ficção televisiva/cinematográfica. Mas que ninguém se engane: vai ter volta.*****

Fonte: Strategic Culture

The New Development Bank (NDB): The BRICS grouping promises to go green

Publicado originalmente em: 27/02/2016

BRICS1.jpg

Last year’s launch of the New Development Bank (NDB) in Shanghai marked a remarkable step in the history of the BRICS grouping. After being a mere investment category between 2001 and 2007 and an informal platform between 2008 and 2014, the launch of the NDB is the beginning of a new era for an unlikely grouping that has been confronted with broad skepticism and rejection in the Western media since the very beginning. Born as a political outfit at the heightf of the Western financial crisis of 2008, it is no exaggeration to say that the BRICS grouping is, along with the G20, the most important innovation in global governance since the turn of the century. While the Asian Infrastructure Investment Bank has received far more media attention, the NDB began operating this year with initial capital of $50bn, a significant sum when considering that all members are also part of several other development banks. The five BRICS countries all have equal voting shares.

The NBD (often called BRICS bank) has faced strong pressure from international civil society from the start regarding its transparency and environmental standards. Though some of these concerns were egged on by subtle sinophobia, they were right to signal early on that the new institution would be subject to intense global scrutiny.

Irrespective of whether NGOs had any impact on the new bank’s decision makers, it is remarkable how explicitly the the latter seem to have embraced environmental issues — at least in their announcements prior to the first series of loans. NDB President K V Kamath recently promised that the projects to be approved — one in each BRICS member country — would be “mainly infrastructure and green energy ventures”. On the sidelines of the G20 in Shanghai, Russian Finance Minister Anton Siluanov said the NDB would have a “priority on green energy developments.”

The grouping’s focus on environmental issues is not entirely novel. The topic featured prominently during debates at the 5th BRICS Summit in Durban in 2013.  In April 2015, the ministers of the environment from Brazil, Russia, India, China and South Africa, along with the executive director of the United Nations Environment Programme (UNEP), met to discuss a road map for transitioning to green economies to ensure sustainable development, without compromising on their competitiveness.

A lot suggests that this won’t be mere empty talk, for leaders in Beijing in particular now regard climate change and pollution to key threats to their legitimacy. Partly as a result of rapid and largely coal-fueled industrialization over the past three decades, China faces a public health crisis due to large-scale environmental damage. Responsible for a third of the world’s carbon-dioxide emissions, China’s domestic environmental conditions are appalling: a third of the country’s surface and more than half of its underground water are unfit for human contact, and air pollution is thought to kill 1.6 million Chinese per year.

In addition to the economic cost, China’s toxic environment negatively affects Chinese citizens’ perceptions of their government, and the issue frequently leads to public protests. In response, the government has begun to adapt and there has been a considerable increase, in both relative and absolute terms, of energy generated from non-fossil fuels. China today produces more solar power than nuclear power. Wind, water and solar power put together already account for roughly one third of China’s total electricity-generation capacity. Furthermore, China’s Central Bank and the United Nations Environment Programme (UNEP) have launched a “green finance task force” to promote the issue, still incipient in China.

In 2014, as part of a landmark climate agreement with the United States, China promised that emissions would peak in 2030, and it is now spending far more on renewable energy than any other country, including the United States. In 2015, it announced the creation of the biggest national market for greenhouse gas quotas in the world. Beijing is also a world leader in wind power and second in solar power only to Germany, a remarkable achievement considering that the country began to invest in green energy at a much later stage.

Still, until the first funding decisions have been taken (to be expected in April) it is too early to celebrate the NDB as a transparent and environmentally-minded institution. Recent announcements, however, are a good start, and provide material for civil society to pressure NDB’s decision-makers to live up to their noble promises.

Fonte: Post-Western World

Pepe Escobar: Brasil e Rússia sob ataque de “Guerra Híbrida”[1]

28/3/2016, Pepe Escobar, RT

“Se o veneno, a paixão, o estupro, a punhalada

Não bordaram ainda com desenhos finos

A trama vã de nossos míseros destinos,

É que nossa alma arriscou pouco ou quase nada.”

As flores do mal [1857], Charles Baudelaire, sem indicação do tradutor

56f90c43c3618850608b4601.jpg

Revoluções Coloridas nunca bastariam. O Excepcionalistão vive à procura de grandes atualizações de estratégia capazes de garantir a hegemonia perpétua do Império do Caos.

A matriz ideológica e o modus operandi das revoluções coloridas já são, hoje, assunto de domínio público. Mas não, ainda, o conceito de Guerra Não Convencional (GNC) [orig. Unconventional War (UW).

Essa guerra não convencional apareceu explicada no manual das Forças Especiais para Guerra Não Convencional dos EUA, em 2010. O parágrafo chave é:

“1-1. A intenção dos esforços de GNC dos EUA é explorar vulnerabilidades políticas, militares, econômicos e psicológicos de um poder hostil, mediante o desenvolvimento e sustentação de forças de resistência, para alcançar os objetivos estratégicos dos EUA. (…) para o futuro previsível, as forças dos EUA se engajarão predominantemente em operações de guerra irregular”

“Hostil” não se aplica apenas a potências militares; qualquer estado que se atreva a desafiar alguma trama importante para a “ordem” mundial Washington-cêntrica – do Sudão à Argentina –, pode ser declarado “hostil”.

Hoje, as ligações perigosas entre Revoluções Coloridas e Guerra Não Convencional já desabrocharam, como Guerra Híbrida: caso pervertido de Flores do Mal. Uma ‘revolução colorida’ é apenas o primeiro estágio do que, adiante, será convertido em Guerra Híbrida. E Guerra Híbrida pode ser interpretada, na essência, como a teoria-do-caos armada – paixão conceitual dos militares dos EUA (“política é a continuação da guerra por meios linguísticos”). No fundo, meu livro de 2014, Empire of Chaos rastreia as miríades de manifestações desse conceito.

Os detalhados e bem construídos argumentos [de Andrew Koribko, um dos capítulos já traduzidos, e outros em tradução (NTs)] dessa tese em três partes esclarece perfeitamente o objetivo central por trás de uma grande Guerra Híbrida:

O grande objetivo por trás de toda e qualquer Guerra Híbrida é esfacelar projetos multipolares transnacionais conectivos, mediante conflitos de identidade provocados de fora para dentro (étnicos, religiosos, regionais, políticos, etc.), dentro de um estado de trânsito tomado como alvo.”

Os BRICS – palavra/conceito de péssima reputação em Washington e no Eixo de Wall Street – teriam de ser os alvos preferenciais de Guerra Híbrida. Por incontáveis razões, dentre as quais: o movimento na direção de comerciar e negociar em suas próprias respectivas moedas, deixando de lado o dólar norte-americano; a criação do Banco de Desenvolvimento dos BRICS; o confessado interesse na direção da integração da Eurásia, simbolizada pelos projetos: Novas Rotas da Seda – ou, na terminologia oficial, Um Cinturão, uma Estrada [ing. One Belt, One Road (OBOR)] liderados pela China; e União Econômica Eurasiana (UEE) liderada pela Rússia.

Implica que a Guerra Híbrida mais cedo ou mais tarde atingirá a Ásia Central: o Quirguistão é candidato ideal a laboratório primário para experimentos tipo revolução colorida, do Excepcionalistão.

No estado em que estamos hoje, a Guerra Híbrida está muito ativa nas fronteiras ocidentais da Rússia (Ucrânia) mas ainda é embrionária em Xinjiang, no extremo oeste da China, que Pequim micro administra como falcão. A Guerra Híbrida também já está sendo aplicada para impedir um gambito crucial do Oleogasodutostão: a construção do Ramo Turco. E também será acionada de pleno para interromper a Rota da Seda dos Bálcãs – essencial para os negócios/comércio da China com a Europa Ocidental.

Dado que os BRICS são o único real contra poder ante o Excepcionalistão, foi preciso desenvolver uma estratégia para cada um dos principais atores. Jogaram tudo contra a Rússia – de sanções à mais total demonização; de ataque contra a moeda russa até uma guerra dos preços do petróleo, que incluiu até algumas (patéticas) tentativas de iniciar uma revolução colorida nas ruas de Moscou.

Para nódulo mais fraco no grupo BRICS, teria de ser desenvolvida estratégia mais sutil. O que afinal nos leva até a complexíssima Guerra Híbrida que se vê hoje lançada com o objetivo de conseguir a mais massiva e real desestabilização política/econômica do Brasil.

No Manual dos EUA para Guerra Não Convencional lê-se que fazer balançar as percepções de uma vasta “população média não engajada” é essencial na rota do sucesso, até que esses “não engajados” acabem por voltar-se contra os líderes políticos.

O processo inclui de tudo, de “apoiar grupos insurgentes” (como foi feito na Síria) até implantar “o mais amplo descontentamento, mediante propaganda e esforços políticos e psicológicos para desacreditar o governo” (como no Brasil). E, à medida que uma insurreição vá crescendo, deve-se “intensificar a propaganda e a preparação psicológica da população para a rebelião”. Assim, num parágrafo, está pintado o caso do Brasil.

Precisamos de um Saddam para chamar de nosso

O principal objetivo do Excepcionalistão é quase sempre conseguir um mix de revolução colorida e guerra não convencional. Mas a sociedade brasileira e sua vibrante democracia sempre seriam sofisticadas demais para uma abordagem de Guerra Não Convencional hardcore, como sanções ou o conto da “Responsabilidade de Proteger” (R2P).

Não surpreende que São Paulo tenha sido convertido em epicentro da Guerra Híbrida contra o Brasil. São Paulo, o estado mais rico do Brasil, onde está também a capital econômica e financeira da América Latina, é o nodo chave numa estrutura de poder interconectada nacional/internacional.

O sistema da finança global centrado em Wall Street – e que governa virtualmente todo o Ocidente – simplesmente não poderia de modo algum permitir qualquer ação de plena soberania nacional, num ator regional com a importância do Brasil.

A ‘Primavera Brasileira”, de início, foi virtualmente invisível, fenômeno exclusivamente das mídias sociais – como na Síria, no início de 2011.

Então, em junho de 2013, Edward Snowden vazou aquelas sempre as mesmas práticas de espionagem da Agência de Segurança Nacional dos EUA. No Brasil, a ASN-EUA espionava a Petrobrás por todos os lados. E então, de repente, sem mais nem menos, um juiz regional, Sergio Moro, baseado numa única fonte – depoimento de um corretor clandestino de câmbio no mercado negro (“doleiro”) – teve acesso a uma grande lixeira de documentos da Petrobrás. Até agora, a investigação de corrupção que já dura dois anos, “Operação Car Wash”, ainda não revelou como conseguiram saber tanto sobre o que os próprios investigadores chamam de “célula criminosa” que agiria dentro da Petrobrás.

O que realmente interessa é que o modus operandi da revolução colorida – a “luta contra a corrupção” e “em defesa da democracia” – já estava posta em andamento. Foi o primeiro passo da Guerra Híbrida.

Assim como o Excepcionalistão inventou terroristas “bons” e terroristas “maus” cujos confrontos criaram a mais terrível confusão e agitações por todo o “Siriaque”, no Brasil surgiu a figura do corrupto “bom” e do corrupto “mau”.

Wikileaks também revelou como o Excepcionalistão classificava o Brasil como “ameaça à segurança nacional dos EUA”, porque poderia projetar um submarino nuclear [esse Wicki-telegrama é de 2009, o mesmo ano do ‘curso’ que o juiz Moro fez no Rio de Janeiro. Só pode ter sido por acaso (NTs)]; como a empresa construtora Odebrecht estava-se tornando global; como a Petrobrás desenvolvera, a própria empresa, a tecnologia para explorar os depósitos de petróleo do pré-sal (a maior descoberta de petróleo confirmada desse início do século 21, da qual o Big Oil foi excluído por, ninguém mais, ninguém menos, que o presidente Lula.[2]

Adiante, por efeito das revelações de Snowden, o governo Rousseff passou a exigir que todas as agências governamentais usassem empresas de tecnologia estatais, para atender todas as necessidades do governo. Significaria que as empresas norte-americanas do setor perderiam, em dois anos, ganhos já previstos de $35 bilhões, se fossem alijadas dos negócios de tecnologia da 7ª maior economia do mundo – como o grupo Information Technology & Innovation Foundation rapidamente descobriu.

O futuro acontece agora

A marcha na direção de Guerra Híbrida no Brasil pouco tem a ver com direita ou esquerda política. Consiste, basicamente, de mobilizar algumas famílias ricas que realmente governam o país; subornar fatias imensas do Congresso; pôr sob estrito controle as principais empresas de mídia; pôr-se a agir como senhores de engenho de escravos do século 19 (as relações sociais da escravidão ainda permeiam todas as relações na sociedade brasileira); e legitimar a coisa toda com discursos de uma tradição intelectual robusta, mas oca.

Todos esses dariam o sinal para mobilizar as classes médias altas.

O sociólogo Jesse de Souza identificou um fenômeno freudiano de “gratificação de substituição”, pelo qual as classes médias altas brasileiras – que, em grandes números vivem agora a exigir mudança de regime – imitam os poucos muito ricos, ao mesmo tempo em que são cruelmente exploradas por eles, mediante montanhas de impostos e taxas de juros estratosféricas.

Os 0,0001% mais ricos e as classes médias altas precisavam de um Outro para demonizar – à moda do Excepcionalistão. E ninguém seria mais perfeito para o complexo judicial-policial-midiático-velhas-elites-comprador, que a figura que tratariam de converter num Saddam Hussein tropical: o ex-presidente Lula.

“Movimentos” de ultradireita financiados pelos nefandos Koch Brothers repentinamente começaram a surgir nas redes sociais e em movimentos de rua. O advogado-geral do Brasil visitou o Império do Caos chefiando uma equipe da “Operação Car Wash para entregar informações da Petrobrás que talvez levassem a uma acusação formal pelo Departamento de Estado.

A “Operação Car Wash” e o – imensamente corrupto – Congresso brasileiro, o mesmo que, agora, vai decidir sobre um possível impeachment da presidenta Rousseff, já se mostram absolutamente indistinguíveis, uma e outro.

Àquela altura, os autores do roteiro estavam certos de que já havia uma infraestrutura implantada para mudança de regime no Brasil na numa massa-crítica anti-governo, o que pode levar ao pleno desabrochar da revolução colorida. E assim se pavimentou a trilha para um golpe soft no Brasil – sem nem ser preciso recorrer ao letal terrorismo urbano (como na Ucrânia).

Problema hoje é que, se o tal golpe sofrer falhar – como agora já parece pelo menos possível que falhe –, será muito difícil desencadear golpe hard, de estilo Pinochet, com recursos de Guerra Não Convencional, contra o governo sitiado de Rousseff; vale dizer, completar o ciclo de uma Guerra Híbrida Total.

Num plano socioeconômico, a “Operação Car Wash” só seria plenamente “bem-sucedida” se levasse a um afrouxamento das leis brasileiras sobre exploração de petróleo, abertura do país ao Big Oil dos EUA. Paralelamente, todos os gastos em programas sociais teriam de ser esmagados.

Mas, diferente disso, o que se vê agora é a mobilização progressiva da sociedade civil no Brasil contra esse cenário de golpe branco/soft em cenário de golpe/mudança de regime.

Atores crucialmente importantes na sociedade brasileira estão agora firmemente posicionados contra o impeachment da presidenta Rousseff, da Igreja Católica a grandes igrejas evangélicas; professores universitários respeitados; pelo menos 15 governadores de estados; artistas, massas de trabalhadores da ‘economia informal’, sindicalistas; intelectuais públicos; a grande maioria dos principais advogados do país; e afinal, mas não menos importante, o “Brasil profundo” que votou e elegeu Rousseff legalmente, com 54,5 milhões de votos.

Ainda não acabou e só acabará quando algum homem gordo na Suprema Corte do Brasil cantar. O que é certo é que já há pensadores brasileiros independentes que começam a construir as bases teóricas para estudar a “OperaçãoCar Wash” não como mera ‘investigação’ ou ‘movimento’ massivo “contra a corrupção”; mas, isso sim, como legítimo caso exemplar, a ser estudado, de estratégia geopolítica do Excepcionalistão aplicada a um ambiente globalizado sofisticado, com ativas redes sociais e dominado pelas TIs.

Todo o mundo em desenvolvimento muito tem a ganhar, se se mantiver com os olhos bem abertos – e aprender as lições que dali brotem, porque é bem possível que o Brasil venha a entrar para a história como caso exemplar de Guerra Híbrida ( Soft )*****

Fonte: Blog do Alok

Os BRICS e cooperação em saúde: um panorama dos avanços e potencialidades

Postado originalmente em: 09/03/2016

Por Daniel Martins

Devido aos problemas comuns que enfrentam no campo da saúde pública e a emergência dos países BRICS como novos atores para o financiamento da saúde global, a cooperação nesta área, entre estes países, tem mostrado avanços significativos.

Apesar do grande potencial da cooperação intra-BRICS, ela é ainda desconhecida e pouco debatida. A cooperação entre os membros do bloco não tem se reduzido ao alinhamento de posições comuns em negociações internacionais multilaterais ou à construção de mecanismos institucionais voltados para financiamento de projetos e estabilidade financeira (como o Novo Banco de Desenvolvimento e o Arranjo Contingente de Reservas). Temas voltados à proteção social também ganham visibilidade, mesmo que de forma ainda lenta. A saúde, por exemplo, é um dos campos de destaque nos últimos anos.

BRICS

De acordo com o relatório do Global Health Initiative de 2012, nos últimos anos, o montante de cooperação internacional para saúde de cada um dos países BRICS cresceu, ao passo que nos principais países do Norte (EUA e União Europeia) o financiamento para saúde global abrandou devido as restrições da crise financeira. Esse fato impactou no avanço de programas e instituições – tais como o cancelamento da 11ª rodada do Fundo Global de Luta contra a AIDS, tuberculose e malária (parceria público-privada majoritariamente constituída por governos e empresas dos países desenvolvidos). Internamente o aumento nos gastos em cada país também foi verificado (JAKOVLJEVIK, 2015).

Neste contexto, os BRICS foram vistos como doadores essenciais para suportar financeiramente as iniciativas internacionais de acesso à saúde. E de fato, os esforços em discutir a questão refletem o engajamento da coalizão em oferecer novas soluções para o Sul global. A bandeira pela disponibilização de medicamentos aos países em desenvolvimento tem sido uma das pautas nessa agenda. O tema, no entanto, esbarra no paradigma da proteção à propriedade intelectual (PI), crescentemente regulamentada a nível internacional. Acerca disso, os BRICS parecem não se oporem ao princípio da PI, mas desejam balancear o uso destas regras com a necessidade e o interesse coletivo dos cidadãos.

Problemas comuns também exercem impacto nas possibilidade de cooperação entre membros do bloco: com exceção da Rússia, os países BRICS enfrentam a persistência de doenças contagiosas, incluindo as moléstias tropicais negligenciadas como, por exemplo o caso da filariose linfática, endêmica no Brasil e na Índia, o tracoma, comum na Índia, na China e no Brasil, e a esquistossomose nos dois últimos países (CASHWELL et al, 2014). Nesta pauta, um dos desafios da OMS foi mobilizar o Banco Mundial, as grandes empresas da indústria farmacêutica, agências de cooperação bilateral, governos e demais entidades do setor privado na busca de soluções. Na declaração de Londres (2012), estes agentes comprometeram-se com o aumento de doações de remédios e com o desenvolvimento de mais pesquisa científica para o tratamento e cura. Apesar dos esforços, muito do que tem sido feito não chega atingir 40% da população em risco, e apenas cerca de 5% deste financiamento destina-se especificamente às doenças tropicais extremamente negligenciadas (CASHWELL et al, 2014; VALVERDE, 2015).

Nesse contexto, a atuação do bloco BRICS poderia contribuir de maneira importante e não foi por acaso que o primeiro encontro ministerial dos BRICS ocorreu entre os representantes da saúde. A “Declaração de Pequim”, resultado da primeira Reunião dos Ministros de Saúde dos países BRICS, realizada em Beijing, no ano de 2011 sublinhava: (i) a importância da transferência de tecnologia entre os países com o intuito de aumentar suas capacidades de produção farmacêutica; (ii) o fortalecimento dos sistemas de saúde para superar as barreiras de acesso à tecnologia de combate a doenças contagiosas; e (iii) a cooperação com organizações internacionais para aumentar o acesso à medicamentos e vacinas.

Desde então, cabe ressaltar o estabelecimento do BRICS Framework for Collaboration on Strategic Projects in Health de 2013, em que se deliberou três áreas de colaboração: saúde pública, sistemas de saúde e ciências biomédicas (SILVA et al, 2014). Durante a III Reunião Ministerial (África do Sul) foram estabelecidos, também, cinco grupos de trabalhos: (i) tecnologias estratégicas para doenças contagiosas, liderado pelo governo brasileiro; (ii) tecnologias médicas, liderado pelo governo russo; (iii) fortalecimento de sistema de monitoramento em saúde, liderado pelo governo indiano; (iv) pesquisa e desenvolvimento de medicamentos, liderado pelo governo chinês; e (v) redução de fatores de riscos de doenças não transmissíveis, prevenção e promoção da saúde e cobertura universal, liderado pelo governo sul-africano.

Em dezembro de 2014, em Brasília, durante a IV Reunião de Ministros de Saúde, o combate à tuberculose foi um dos focos de discussão. Vale lembrar que os cinco países do BRICS, juntos, representam quase metade dos casos de incidência de tuberculose no mundo, sendo 40% destes ligados à incidência de mortalidade (CRESWELL, et al, 2014). Foi prevista a construção de uma proposta conjunta nesta pauta, universalizando o acesso aos medicamentos de primeira linha para pacientes de baixa renda. A IV Reunião Ministerial colocou na agenda uma futura ação política concreta em relação à tuberculose. A Declaração da V Reunião Ministerial (Rússia) indica a adoção de um plano a ser ratificado durante a VI Reunião, que deverá acontecer este ano (2016) na Índia.

Em um evento à margem da Assembleia da Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2014, organizado pelos governos dos BRICS, foram compartilhadas algumas das estratégias e preocupações dos países na área de acesso à medicamentos. A Rússia tem implementado um sistema de monitoramento dos custos de remédios e de recomendações para o preço do varejo. O representante da Índia destacou a necessidade de flexibilizar as legislações nacionais no que se refere à PI, por meio de salvaguardas, licenças obrigatórias, importações paralelas e permissão mais ágil para a entrada de genéricos, sem deixar de adotar critérios rigorosos para patentes (FRASER, 2014). Tais mecanismos não estão alinhados com o que hoje tem se consolidado nos acordos comerciais bilaterais e regionais que incluem cláusulas de TRIPS-plus (Acordos Adicionais sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual).

Para além da agenda governamental, o tema gerou mobilização entre interessados da sociedade civil dos países BRICS. A criação de uma rede de pesquisadores, o BRICS Medicine Alliance, é prova disso. Entre seus objetivos almeja-se o aprofundamento, o alcance e a qualidade do trabalho em acesso e uso de medicamentos no Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. O bloco responde a 50% da população pobre do mundo e o acesso e promoção da saúde dessa população pode configurar-se como um grande entrave para o desenvolvimento dos países.

A cooperação entre os membros pode contribuir para a saúde das populações dos países. Entretanto, a coerência entre as políticas voltadas ao desenvolvimento desses países, assim como a concretização das iniciativas anunciadas anunciam-se como desafios aos avanços nessa área.

Acesse aqui as declarações e comunicados oficiais das reuniões ministeriais em saúde do bloco.

Fonte: Brasil no Mundo

Is the New BRICS Bank a Challenge to US Global Financial Power?

Publicado em 18 de jul de 2014

Michael Hudson and Leo Panitch discuss and debate the significance of the new international development bank created by Brazil, Russia, India, China and South Africa

Fonte

Presidente do Brasil do BRICS é o próximo alvo de Washington

Publicado em 18 de mar de 2015
Fonte e Tradução abaixo

BRICS’ Brazil President Next Washington Target

Fonte: Neo Eastern Outlook