In Trump’s Economy, the Invisible Hand Belongs to the Government

The state’s role in the U.S. economy has expanded dramatically under President Trump, even as he pushes China to exert less control.
BY KEITH JOHNSON | APRIL 5, 2019, 3:03 PM

trumpando.jpg

U.S. President Donald Trump discusses trade policy with Chinese Vice Premier Liu He at the White House on April 4. (Jim Watson/AFP/Getty Images)
U.S. President Donald Trump discusses trade policy with Chinese Vice Premier Liu He at the White House on April 4. (Jim Watson/AFP/Getty Images)
President Donald Trump said Thursday that the United States could reach a trade agreement with China in the next month, a deal Washington hopes will curb the abuses of Beijing’s state capitalism and nudge China toward a more market-friendly economy.

But to do that, the Trump administration’s economic prescription is increasingly to turn its back on the free market and adopt an ever-growing role for the government in the day-to-day workings of the economy, a situation experts say is nearly without precedent in modern U.S. history.

Since taking office, Trump has unilaterally levied legally dubious tariffs on friends and rivals alike that have created distortions throughout the economy and forced many firms to beg the government for hard-to-get exclusions. When China retaliated against U.S. tariffs by boycotting U.S. farm goods, Trump used government money to bail out farmers.

He has sought, like mercantilists centuries ago, to manage trade at a government-to-government level; a big part of the looming China trade deal is expected to include Chinese commitments to purchase U.S. commodities. He is forcing companies to tear up their existing supply chains and make manufacturing more expensive. He has tried to interfere in the electricity sector by offering government support for politically favored sectors like coal.

Most recently, he has politicized the Federal Reserve, trying to influence its decisions on interest rates and the economy to serve partisan purposes. He is also trying to turn the famously independent monetary body into an appendix of the executive branch by nominating Trump supporters and Fed critics to the Federal Reserve’s board. He has also threatened to close the southern border entirely, sending shivers down the spine of thousands of American businesses that rely on seamless cross-border trade with Mexico.

The increased role of the government in the U.S. economy is jarring to see from a nominally Republican administration, especially one that rails against the supposed dangers of socialism as advocated by a growing number of Democratic lawmakers. It also goes beyond the flirtations with protectionism that marked the Ronald Reagan White House or the heavy-handed economic interventions of the Richard Nixon years.

“There actually is little U.S. precedent for this approach,” said Adam Posen, the president of the Peterson Institute for International Economics. “The current Trump combination of very arbitrary state intervention, with a lot of company and sector-specific discretion by the president regarding tariffs and which countries to hit, is out there on its own.”

Posen noted previous U.S. bouts of protectionism and state-directed investments in the 19th century. But he said the current administration’s economic nationalism, which mixes old-fashioned protectionism with “national security jingoism,” has uglier analogues than the Gilded Age.

“It is similar to other periods in Latin America, India, and the fascist European regimes of the early 20th century,” Posen said.“It is similar to other periods in Latin America, India, and the fascist European regimes of the early 20th century,” Posen said.
In the wake of the devastating financial crisis and recession a decade ago, many countries have sought to temper the market’s role in the economy, believing it to be a source of inequality and instability. But not even countries that were hammered by the crisis have turned to statist solutions to quite this degree, Posen said.

“Mexico, Ireland, Spain, and Portugal all had pretty bad crises, but are not seeing this take hold as much or engender as much discretionary state intervention,” he said.

REPORT | KEITH JOHNSON
Rather, the Trump administration’s willingness to interfere with the free market is in many ways a natural consequence of the president’s economic nationalism. When the nation’s supposed interests are paramount, the state becomes the tool, and the market an obstacle to be overcome.

Traditional small-government conservatives, who have dominated the Republican Party in recent years, seek to make markets the arbiters and leave individuals and companies freedom to operate, with the government merely enforcing the rules of the road. Trump’s approach turns Republican orthodoxy on its head.

That helps explain why he embraces tariffs, like the threatened levies on imported cars, even when the industry he is allegedly protecting begs and pleads to be left alone. Or why he has maintained harmful and expensive tariffs on steel and aluminum imports that raise costs for nearly all U.S. manufacturers to benefit a tiny handful of metals producers. Or why he has tried to artificially prop up coal’s place in the energy mix, despite its lack of economic appeal for power producers.

“A small-government conservative would, say, set up a process that avoids the government picking winners and losers. He [Trump] wants to pick the winners and losers. He wants to be the guy who says ‘I delivered those jobs’ or ‘I saved those jobs,’” said Phil Levy, a former George W. Bush economic advisor and now a senior fellow on the economy at the Chicago Council on Global Affairs. “It’s antithetical to the whole mindset of small-government conservatives.”

But the turn toward statism isn’t just an idiosyncrasy of Trump’s. It reflects the wider administration’s belief that in today’s world, economic competition is a national—not just a corporate—endeavor, one that requires government, not just private sector, involvement.

Take the U.S. Export-Import Bank, an agency meant to help promote U.S. exports overseas. For years, Republicans attacked the bank as government welfare for big business and tried to starve it. While running for president, Trump also opposed the bank.

Now, though, a more activist state export bank is part of the administration’s toolkit to take on economies such as China’s where the state plays a much bigger role. Larry Kudlow, the chief White House economic advisor, said late last month that he generally frowns on government subsidies for business but supports a bigger role for the Export-Import Bank to compete with China. Peter Navarro, a White House trade and economic advisor, also said that the government needs to put its thumb on the scales if the United States is to compete with other big economies.

“Here’s another brutal truth: The fight for exports in world markets is no longer just company versus company. It is also country versus country,” he wrote in a recent op-ed.

How has Trump’s statist approach to the economy managed to prevail with Republicans in charge of Congress for the first two years of his administration? On the one hand, Trump offered Republicans victories on many bread-and-butter issues they craved, including tax cuts and regulatory cutbacks across the board, in addition to a pair of conservative Supreme Court justices. Those Republican wins overshadowed the lurch away from market economics.

At the same time, Trump and others in the administration have often suggested that they are actually free traders and would prefer less of a state role in the economy. Trump himself sometimes talks of slashing tariffs to zero if other countries do, and surrogates continue to peddle the notion that Trump ultimately seeks free trade. But his own statements and policies suggest otherwise. Trump has insisted that he likes tariffs, has repeatedly abused national security provisions to levy trade restrictions, and has refused to lift tariffs on other countries—most notably Canada and Mexico—even after they’ve done his bidding.

Those rhetorical bones tossed toward orthodox Republican economic views, Levy said, managed to keep opposition from within the party at bay for most of the past two years.

“People actually believed it, and that papered over the differences,” he said. More recently, however, Congress has begun pushing back against some of Trump’s protectionist policies, with momentum growing in the Senate to rein in the president’s ability to unilaterally levy tariffs on specious national security grounds.

A bigger question is how the administration hopes to pressure Beijing into lessening the role of the state in the economy and embracing the market when Washington is moving in exactly the opposite direction. Far from beating them, the administration’s economic policy seems to be to joining them.

“The complaints about Chinese support of state-owned enterprises and other state intervention is blatantly hypocritical,” said Posen, but Trump administration officials say they have to borrow from the Chinese playbook to compete. “Advocates in the Trump administration and elsewhere say that an equal response is forced upon the U.S. to cope with this” challenge from China’s state-directed economy, Posen said.

With Trump’s Republican Party embracing a bigger government role in the economy at the expense of the market, what does that mean for future U.S. economic policies? Democrats, including lawmakers such as New York Rep. Alexandria Ocasio-Cortez and presidential candidates such as Massachusetts Sen. Elizabeth Warren, already unabashedly advocate a greater government role to address economic ills.

Posen sees Republicans, even after the era of Trump, returning to their roots—and no, not free trade or a hands-off approach to the economy.

“From the early 19th century until Reagan, the Republican Party was more protectionist than not,” he said. The current electoral shift toward more rural voters skeptical of globalization and free trade will likely reinforce that tendency for the state to displace the market.

“I think it is likely to last in the Republican Party for a while,” Posen said.

Anúncios

Geopolitics of Southeast Asia, Part 1: Indochina

Relatório internacional condena exportação pelo Brasil de bombas usadas contra civis no Iêmen

Publicado originalmente em 18/01/18

Em dezembro de 2016, uma ação militar da coalizão liderada pela Arábia Saudita nos arredores de duas escolas do Iêmen deixou ao menos dois mortos e dezenas de feridos. Em fevereiro de 2017, uma bomba disparada contra uma zona rural iemenita feriu ao menos duas crianças.

Em comum, esses dois episódios da guerra civil em curso desde 2015 no país asiático têm o fato de as munições empregadas serem bombas cluster de fabricação brasileira, segundo a ONG Human Rights Watch.

Os casos são mencionados no capítulo brasileiro do relatório anual de direitos humanos da organização não governamental, divulgado nesta quinta-feira.

As bombas cluster (ou bomba de fragmentação) são armas que, quando disparadas, se abrem e dispersam. Assim, criam centenas de munições menores, ampliando seu poder de alcance e atingindo uma área equivalente a diversos campos de futebol, segundo a Coalizão de Munições Cluster (CMC, na sigla em inglês).

“O uso dessa munição foi documentado 18 vezes no Iêmen e, em duas delas, analistas constataram que a procedência das armas era brasileira”, diz à BBC Brasil Maria Laura Canineu, diretora brasileira da Human Rights Watch.

As bombas cluster são proibidas por um tratado internacional de 2008, que tem a adesão de 102 países, mas não do Brasil.

Em resposta, o Itamaraty alega que os países que assinaram o tratado o fizeram sem buscar consenso e deixando abertas brechas para suas próprias armas, de tecnologia mais sofisticadas.

Continuar lendo

A cooperação Sul-Sul rumo aos 40 anos

2018 será um ano importante para o desenvolvimento de parcerias de cooperação Sul-Sul. Será celebrado os 40 anos da Conferência sobre Cooperação Técnica entre Países em Desenvolvimento de 1978 (BAPA+40), que contou com a participação de 138 Estados e resultou na adoção do Plano de Ação de Buenos Aires, que visava promover e implementar a cooperação para o desenvolvimento entre países do Sul global. Simbolicamente, trata-se do primeiro esforço coletivo de discussão e desenho de programas e projetos de cooperação técnica entre países em desenvolvimento.

Dois eventos já foram programados com a finalidade de congregar atores para pensarem o futuro das parcerias para o desenvolvimento: o Fórum de Alto Nível sobre Cooperação para o Desenvolvimento, em 2018; e a Segunda Conferência das Nações Unidas sobre Cooperação Sul-Sul, em 2019.

O último evento citado ocorrerá na Argentina, justamente no mesmo lugar onde foi assinado o Plano de Ação de Buenos Aires, em 1978. Ele será um marco para celebrar as conquistas alcançadas até o momento, dentre elas o papel do plano de ação para fortalecer a parceria entre as Nações Unidas e os países em desenvolvimento no contexto da Cooperação Sul-Sul.

Continuar lendo

Pepe Escobar: China e Índia velejam para águas agitadas 

chess india china

Novo Grande Jogo
China e Índia velejam para águas agitadas 
12/12/2017, Pepe EscobarAsia Times

O Corredor Bangladesh-China-Índia-Myanmar, que inclui um oleoduto da Baía de Bengala até a província de Yunnan, também está no coração do projeto das Rotas da Seda, bem como o Corredor Econômico China-Paquistão [ing. China-Pakistan Economic CorridorCPEC]. Estende-se de Xinjiang até Gwadar e inclui elos de fibra-ótica, zonas econômicas e investimentos em novas rodovias e portos.

Por fim, há a Rota Marítima da Seda, que parte do litoral do sudeste da China rumo ao Oceano Índico e o Chifre da África, antes de tomar o rumo de Veneza na Itália e Rotterdam na Holanda. No coração dessa teia há portos e logística de infraestrutura.

Mesmo assim, muito se falou do fato de Islamabad ter sido excluída do negócio de $14 bilhões do Corredor Econômico China-Paquistão, para construir a Barragem Diamer-Bhasha. Naquela ocasião a mídia sugeriu que os termos do financiamento chinês não teriam interessado ao Paquistão. A mídia também noticiou que a exigência por Pequim, de que se usasse o renminbi na Zona Franca de Gwadar, comprometeria a “soberania econômica” do Paquistão.

Mas fato é que a iniciativa CPEC de $57 bilhões é realmente uma hidra de muitas cabeças, com plano de longo prazo para construir no programa inicial de 2014 e até 2030 33 projetos de infraestrutura. Dos que há na lista original, 21 são relacionados à energia, 16 têm a ver com geração e transmissão de energia, e oito são relacionados ao desenvolvimento do porto de Gwadar. Outros quatro envolvem projetos de transporte.

Negociação dura

A construção já começou em 18 desses programas. Mas pode ainda haver problemas à frente. “Por melhores que sejam as relações China-Paquistão, é inegável que haverá discrepâncias num programa dessa envergadura”, disse Du Youkang, diretor de pesquisa sobre o Paquistão na Fudan University. “Estamos falando de dúzias de projetos de bilhão de dólares e de centenas de projetos menores.”

Outra vez, há uma impressão de que o Paquistão pode estar recebendo um tratamento muito duro de Pequim. Geopoliticamente, do ponto de vista da China, o CPEC, e especialmente o desenvolvimento de Gwadar, é essencial à estratégia marítima e comercial dos chineses. Num só passo, deixa para trás do Mar do Sul da China, o Estreito de Malaca e a Baía de Bengala.

“Em vez do risco de as rotas serem interrompidas pela Marinha dos EUA e de seus aliados indo-japoneses, a China poderia usar o porto do terminal do CPEC em Gwadar como sua base de operações para encurtar muito suas Rotas Marítimas de Comunicação [ing. Sea Lines of Communication, SLOC] com a África” – revelou relatório de Global Research.

É possível que aí haja um ponto de atrito entre o CPEC e o Corredor de Crescimento Ásia-África [ing.Asia-Africa Growth CorridorAAGC], acordo de cooperação econômica entre os governos de Índia e Japão. No fim, tudo se resume à robusta concorrência entre Índia e China, do Golfo de Omã até o Mar da Arábia, importante trecho da região do Indo-Pacífico. Claro, se trata sempre da rivalidade entre os portos de Gwadar no Baloquistão paquistanês e de Chabahar no Baloquistão iraniano, separados por apenas 80 km.

O acordo de Chabahar assinado entre o primeiro-ministro da Índia Narendra Modi e o presidente do Irã Hassan Rouhani em maio passado é, de fato, resposta da Índia ao CPEC. A Índia investirá $500 milhões para expandir e operar Chabahar além de outros projetos, incluída uma usina de liquefação de gás natural.

Corredor Estratégico

Índia já finalizou planos para construir uma ferrovia de 900km de Chabahar para Bamiyan no Afeganistão e já está construindo uma estrada de 220km em Nimruz, que será estendida até Chabahar. Assim, o porto de Chabahar fica integrado ao corredor econômico e estratégico que liga Índia ao Afeganistão e à Ásia Central. Como eu já comentei para o Asia Times nos idos de 2009, tudo isso tem a ver com o Baloquistão como entroncamento chave no Novo Grande Jogo na Eurásia.

O Baloquistão realmente conecta Oriente Médio, Ásia Central e Sul da Ásia; e tem 1.600km de litoral, do Estreito de Ormuz a Karachi. Simplesmente não poderia ser mais estratégico com suas fontes naturais de petróleo, gás natural, urânio, carvão, ouro e minério de ferro.

Diferente de Bandar Abbas, Chabahar é o único porto de águas profundas do Irã, assim como Gwadar, e oferece acesso crucialmente importante ao Oceano Índico. Implica um “ganha-ganha” para o Irã, com investimento indiano, que já ampliou a presença de Teerã na Ásia Central e Sul da Ásia, bem como no Mar da Arábia e no Oceano Índico.

Índia é a segundo maior importador de petróleo do Irã, atrás só da China. Assim, além de aumentar o comércio indiano, o porto de Chabahar dará maior segurança energética ao país, graças a importações de petróleo, não só do Irã, mas também do Oriente Médio e, potencialmente, também do Mar Cáspio.

Porta da percepção

A porta está aberta para uma parceria política, econômica, comercial e de investimentos entre Índia e Irã, que pode evoluir para uma aliança estratégica. Índia, como sabemos, é parte dos BRICS, e o Irã espera vir a se tornar membro pleno da Organização de Cooperação de Xangai [ing. Shanghai Cooperation Organization, SCO. Já é possível ver convergirem politicamente e economicamente os países (B)RICS[infelizmente sem o Brasil, que a CIA já arrancou do grupo – mediante golpe de estado para ‘mudança de regime’ em 2016 (NTs)] e a SCO, convergência política e econômica mediante o desenvolvimento do comércio.

A estratégia Chabahar recebeu forte impulso domingo passado, quando o presidente Rouhani do Irã inaugurou uma nova extensão do porto, a ser servida por um aeroporto internacional. Com isso Chabahar estará ligada não só ao Corredor de Transporte Norte-Sul dentro do Irã, mas também ao Corredor Internacional de Transporte [ing. North-South Transportation CorridorINSTC], que se estende de Bandar Abbas no Golfo Persa até a Rússia, a Ásia Central e a Eurásia, antes de se conectar à Europa.

Irã, Índia e Rússia são todos membros chaves do INSTC, mas isso não implica que haja alguma facilidade extra entre os elos Teerã e Islamabad da corrente. O presidente Rouhani foi muito claro sobre isso. “Todos devemos buscar concorrência positiva”, disse ele. “Consideramos também bem-vindos outros portos na região, o desenvolvimento de Gwadar é bem-vindo”.

Relatórios de um think tank regional tendem a exagerar o peso de uma ameaça, pelo Baloquistão, contra a integração econômica do Sul da Ásia. Mesmo assim, a questão chave ainda é como a Índia conseguirá usar Chabahar para confrontar diretamente o entroncamento chinês de Gwadar. O financiamento e o planejamento do CPEC, previsto para ser um grande porto de águas profundas, incluindo o aeroporto e instalações navais, conectado a Xinjiang por uma rede de estradas, ferrovias gasodutos e oleodutos, reduzem consideravelmente as dimensões da aposta em Chabahar. Estrategicamente, Gwadar representa a China presente no Oceano Índico próxima do Estreito de Ormuz, e faz dela potência sobre dois oceanos.

Com especialistas insistindo que a narrativa da ameaça chinesa não prosperará, não surpreende que Nova Delhi interprete Gwadar essencialmente como a segunda maior economia do mundo preparando uma base naval e um posto de escuta estratégicos. Isso, por sua vez, ameaçaria a Marinha Indiana no Mar da Arábia até o Golfo de Omã, ao mesmo tempo em que a cerca na Ásia Ocidental.

“No futuro, se navios da Marinha chinesa operarem a partir de Gwadar, haverá com o que nos preocupar. Teremos de pensar em meios para mitigar o desafio” – disse o almirante Sunil Lanba, chefe da Marinha da Índia, em sua conferência anual com a imprensa.

Naturalmente, a Marinha do Irã tem uma base em Chabahar. Mas para Nova Delhi, o que importa é Gwadar com a Marinha do Paquistão comprando oito submarinos novos da China. O almirante Lanba dedicou-se demoradamente a tranquilizar sua audiência. “Estamos presentes 24 horas por dia, sete dias por semana, em áreas chaves do Golfo de Áden ao Estreito de Malaca, bem como nos Estreitos de Sunda e Lombok” – insistiu.

Tudo isso se traduz em a Índia impor-se no Indo-Pacífico. E ainda não se cuida das questões mais difíceis do equilíbrio de poder que envolvem o país e o vizinho Paquistão. Dentre os problemas que há aí se inclui a Índia investir num sistema de mísseis de defesa que, em teoria, poderia neutralizar, como força de contenção, a capacidade do Paquistão para segundo ataque nuclear.

Tudo isso converte essa questão num redemoinho de projeções de poder, esferas de influência, segurança e comércio. No final, a única certeza é que esse teatro de sombras que envolve China, Índia, Irã e Paquistão, com os EUA como um terceiro ativo, está no coração do Novo Grande Jogo na Eurásia.

 

China conclui um Acordo de Livre Comércio com a União Econômica Eurasiática

One_Belt_One_Road

Mapa demonstrando as Novas Rotas da Seda (Belt and Road Initiative)

Publicado originalmente em 24/10/17

A China concluiu agora em outubro (2017) um Acordo de Livre Comércio com a União Econômica Eurasiática (UEE), após mais de um ano de negociações distribuídas em cinco rodadas, três reuniões de trabalho e dois encontros ministeriais. Os temas acordados incluem harmonização de procedimentos aduaneiros; redução de barreiras não tarifárias e facilitação do comércio; cooperação entre órgãos governamentais; e tópicos como comércio digital e de bens eletrônicos.

Continuar lendo

Os 50 anos da ASEAN e a visão do bloco para a integração asiática

Khmerasean

22/08/17

Fundada no ano de 1967, através da Declaração de Bangcoc, a Associação das Nações do Sudeste Asiático* (ASEAN) completa 50 anos, em meio a um histórico de êxito. O processo de integração do Sudeste Asiático, local de grande diversidade étnica e cultural, resultou em um cenário no qual 25% do comércio e dos investimentos estrangeiros na região são realizados através de fluxos intrabloco. A ASEAN é uma Área de Livre Comércio, contando com a eliminação ou redução de tarifas e impostos que incidem sobre as mercadorias provenientes dos países membros.

Continuar lendo