Eight reasons Leave won the UK’s referendum on the EU

The UK has voted to quit the European Union following a referendum on its membership. So how did the Leave campaign win?

 

1. Brexit economic warnings backfire

Mark Carney with the UK's new £5 noteImage copyrightEPA

What started off as a trickle soon became a steady stream and ended up as a flood.

The public was bombarded with warnings about how they would be poorer if they voted to leave the EU but, in the end, weren’t convinced by what they were told and/or believed it was a price worth paying.

The CBI, the IMF, the OECD, the IFS – an alphabet soup of experts lined up to say economic growth would be hobbled, unemployment would go up, the pound would plummet and British business would be left in a no man’s land outside the EU.

The Bank of England raised the prospect of a recession while The Treasury said it would be forced to put income tax up and slash spending on the NHS, schools and defence.

If that wasn’t enough, President Obama suggested the UK would go to the “back of the queue” in terms of securing a trade deal with the US while top EU official Donald Tusk hinted at the end of Western political civilization.

Some on the Remain side accepted this was overkill and that so-called “Project Fear” had got a bit out of hand while the Leave campaign was quick to dismiss the naysayers as wealthy, unaccountable elites with their own vested interests talking down Britain.

But the fact the public discounted so readily the advice of experts points to something more than just a revolt against the establishment. It suggested far more people felt left behind and untouched by the economic benefits of five decades of EU involvement being trumpeted.

How will Brexit affect your finances?


2. £350m NHS claim gets traction

Vote Leave battle busImage copyrightGETTY IMAGES

The assertion that leaving the EU would free up £350m a week extra to spend on the NHS is the kind of political slogan that campaigns dream of: striking, easy to understand and attractive to voters of different ages and political persuasions.

No surprise then that Vote Leave chose to splash it across the side of their battle bus.

The fact that the claim does not stand up to much scrutiny – the figure is calculated using sums which were disputed by the Treasury Select Committee and described as potentially misleading by the UK Statistics Authority – did not reduce its potency.

Remain campaigner Angela Eagle may have told her opponents to “get that lie off your bus” but polling suggests it gained traction and was the single most remembered figure from the campaign, with many people believing that money handed over to the EU to be a member should be spent in the UK instead.

In that sense, it served as a powerful illustration of how the UK could be better off outside the EU.


3. Farage makes immigration the defining issue

Nigel Farage at the launch of a UKIP posterImage copyrightEPA

If they didn’t quite bet the farm on the issue of immigration, Leave played what they knew was their trump card often and they played it successfully.

The issue fed into wider questions of national and cultural identity, which suited Leave’s message – particularly to lower income voters.

The result suggested that concerns about levels of migration into the UK over the past 10 years, their impact on society, and what might happen in the next 20 years were more widely felt and ran even deeper than people had suspected.

Just as crucially, it suggested Leave’s central argument that the UK cannot control the number of people coming into the country while remaining in the EU really hit home.

Turkey was a key weapon in Leave’s armoury and, although claims that the UK would not be able to stop it entering the EU were firmly denied, there was enough uncertainty about this – a fact that the ongoing migrant crisis in Europe unquestionably fed into.

The language and imagery used by the Leave campaign came in for criticism and there were recurring tensions between the Conservative dominated official Leave movement, Nigel Farage’s UKIP roadshow and the separate Leave.EU group.

But their various messages resonated and segued with their central proposition that a vote to leave was a once in a generation chance to take control and assert national sovereignty.


4. Public stop listening to PM

David Cameron on the BBC's Question Time showImage copyrightPA

David Cameron may have won one leadership contest, one (or two if you include the 2010 coalition-forming one) general elections and two referendums in the past ten years but this was the moment his luck ran out.

By putting himself front and centre of the Remain campaign, and framing the decision as a question of trust, he staked his political future and personal reputation on the outcome.

Having put so much store on his ability to secure a fundamental change in the UK’s relationship with the EU, it was inevitable that the concessions he came back with following nine months of negotiations would be dismissed as a damp squib by Eurosceptics in his party.

But this summed up a deeper problem. Having constantly stated that he would “not rule anything out” if he didn’t get what he wanted, trying to enthuse the UK to stay in on the basis of reforms most believed were modest at best was always going to be a difficult sell.

Throughout the process, he found himself at odds with many Conservatives who have never quite reconciled themselves to his decision to go into coalition after the 2010 election and the compromises that brought.

Unsuited to winning over Labour supporters, the prime minister was not able to persuade enough floating voters to give him the benefit of the doubt.

It was his failure to get the outcome he wanted, coupled with his desire to try and unify the country after the bruising campaign, that prompted him to say he would stand down as PM by October.


5. Labour fail to connect with voters

Labour's shadow cabinetImage copyrightPA

The Remain campaign always needed Labour voters to win the referendum and the fact that they did not play ball will be the subject of a long and acrimonious post-mortem within the opposition.

Not only did Labour – 90% of whose MPs backed staying in the EU – badly misjudge the mood of its supporters, when it realised something was wrong during the campaign, it was unable to do much about it.

Despite sending in big beasts such as Gordon Brown and Sadiq Khan to talk up the benefits of the EU, and hinting that further controls on immigration would be needed, it was unable to shift the impression of a growing schism between those running the party and its base.

Although Alan Johnson, the head of Labour In, has been singled out for criticism, it is likely that Jeremy Corbyn – who declined to share a platform with pro-EU politicians of other parties – will take most of the blame.

Critics have said his lukewarm support for the EU – which he summed up as 7 out of ten in one appearance – filtered through to the entire campaign and his emphasis on the need for a “social Europe” simply did not resonate with enough people.


6. Big beasts – Boris Johnson and Michael Gove

Boris Johnson holding a lobster on a visit to SuffolkImage copyrightPA

We always knew a handful of cabinet ministers would support Brexit but it was Michael Gove and Boris Johnson’s declaration of support which really put rocket boosters under the campaign.

The justice secretary brought intellectual heft and strategic nous to the table while the former mayor of London, after a bout of soul-searching, brought star appeal and ability to appeal across the party divide.

The two men were deployed deftly, Boris Johnson cast in the role of foot soldier as he criss-crossed the country on the Vote Leave bus, pulling pints and brandishing cornish pasties in his wake.

Meanwhile, Mr Gove did much of the heavy lifting, helping to put together Leave’s post-Brexit manifesto as well as facing the public in TV referendum specials on Sky News and the BBC.

Then there was Nigel Farage, the face of Euroscepticism in the UK but also a potential loose cannon for the Conservative dominated official campaign? The UKIP leader, as is his forte, did his own thing and occasionally provoked controversy but also played a vital role on the ground in motivating his party’s supporters and numerous others to go to the polls.


7. Older voters flock to polls

A man and a woman on a stroll in SussexImage copyrightPA

While experts will pore over the finer details of turnout over the coming days and weeks, the cry will inevitably go up that it was older voters which won it for Leave – particularly in the south, south-west, Midlands and the north east.

It is a matter of fact that the older you are, the more likely you are to make the effort to vote – 78% of those 65 or over voted in the 2015 election, compared with 43% of 18-24 year olds and 54% of 25-34 year olds.

Despite the last minute rush to register – which saw 2.6 million people sign up, many of them younger voters, between 15 May and the extended deadline of 9 June – the breakdown may not be radically different this time.

Factor in research suggesting that support for Brexit was significantly higher among those aged 55 and over than among younger age groups – three out of every five voters aged 65 or over said they wanted to leave – then you have the foundation for Friday’s result.

Of course, it is not as simple as that, with many younger voters will also have supported Brexit across England and Wales. But a big inter-generational divide in voting patterns is just one of the many talking points going forward.


8. Europe always slightly alien

Couple wearing Union Jack suitsImage copyrightAFP

The UK’s relationship with Europe has never been simple nor static.

It took the country years to join what was then the European Community and, even then, when it was last put to the vote in 1975 many backed it grudgingly or for narrow economic reasons.

Many of those have since changed their minds, with their earlier ambivalence turning into outright hostility. There have been decades of scepticism towards the EU among politicians and in large parts of the UK media.

The younger generation were generally seen as pro-EU but it remains to be seen – once the details of the voting is looked into – how the result broke down by age.

What appears clear from the campaign is that the vote to Leave was as much a statement about the country’s national identity, and all that involves, as it was about its economic and political future.

Fonte: BBC News

Assembleia Geral da ONU concede status de Estado Observador não membro à Palestina

536306

A Assembleia Geral decidiu conceder nesta quinta-feira (29) à Palestina o status de Estado Observador não membro nas Nações Unidas, ao expressar a necessidade urgente para a retomada das negociações entre Israel e os palestinos para uma solução de dois Estados permanentes.

A resolução sobre o status da Palestina na ONU foi aprovada por 138 votos a favor e nove contra, com 41 abstenções entre os 193 membros do organismo.

478118_10152295416785346_2126577531_o

“Nós não viemos aqui buscando deslegitimar um Estado estabelecido anos atrás, que é Israel; mas sim para afirmar a legitimidade do Estado que deve agora alcançar a sua independência, e que é a Palestina”, disse o Presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, à Assembleia Geral antes da votação.

Abbas observou que estava sendo demandado do mundo hoje a realização de um passo significativo no processo para corrigir a “injustiça histórica sem precedentes” contra o povo palestino desde 1948.

“Seu apoio para o nosso esforço de hoje”, disse ele, “irá enviar uma mensagem promissora – a milhões de palestinos na terra da Palestina, nos campos de refugiados, tanto na pátria quanto na diáspora, e para os prisioneiros que lutam pela liberdade em prisões de Israel – de que a justiça é possível e que há uma razão para ter esperança, e que os povos do mundo não aceitam a continuação da ocupação”.

536331

O Embaixador de Israel na ONU, Ron Prosor, disse que sua delegação não poderia aceitar a resolução de hoje. “porque esta resolução é tão unilateral, não faz avançar a paz, é um retrocesso”, afirmou, acrescentando que a paz só pode ser alcançada através de negociações.

“Não há apenas uma rota para um Estado palestino e essa rota não é executada através desta câmara, em Nova York. Essa rota é executada através de negociações diretas entre Jerusalém e Ramallah que conduzam a uma paz segura e duradoura entre israelenses e palestinos”, acrescentou. “Não há atalhos. Não há soluções rápidas. Não há soluções imediatas”.

Os israelenses e palestinos ainda têm de retomar as negociações diretas, interrompidas em setembro de 2010 depois que Israel se recusou a estender o congelamento da atividade de assentamento no território palestino ocupado.

“A votação de hoje destaca a urgência de uma retomada de negociações significativas”, disse o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, após o fim da votação. “Temos de dar um novo impulso aos nossos esforços coletivos para garantir que um Estado palestino independente, soberano, democrático, contíguo e viável viva lado a lado com um Estado de Israel seguro. Exorto as partes a renovar seu compromisso com uma paz negociada”, completou.

536120

O Presidente da Assembleia Geral, Vuk Jeremic, apelou aos “meus queridos amigos da Palestina e de Israel” para trabalhar pela paz, negociar com boa fé e, finalmente, ter sucesso em alcançar o acordo histórico.

“Eu não tenho dúvida de que a história vai julgar esse dia repleto de significado – mas se ele virá a ser visto como um passo na direção certa no caminho para a paz, isso vai depender de nós mesmos após este momento”, disse. “Vamos, portanto, ter a sabedoria para atuar em prol do objetivo que eu tenho certeza que todos nós compartilhamos.”

Na resolução, a Assembleia também expressou a esperança de que o Conselho de Segurança “considere favoravelmente” o pedido apresentado em setembro de 2011 pela Palestina por uma por uma associação plena como Estado-Membro.

A proposta palestina de ser membro pleno da ONU foi paralisada no ano passado, quando o órgão composto por 15 nações, responsável por decidir se deve ou não recomendar a admissão da Palestina pela Assembleia, disse que tinha sido “incapaz de fazer uma recomendação unânime”.

A ação de hoje vem no mesmo dia em que a ONU observou o Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino. Estabelecido em 1977, o dia marca a data, em 1947, na qual a Assembleia Geral aprovou uma resolução que propôs a partilha da Palestina, prevendo dois Estados independentes – um árabe e um judeu – e um regime internacional especial para Jerusalém. O Estado de Israel acabou sendo criado em 1948. Um Estado árabe independente ainda está para ser estabelecido.

Saiba detalhes da questão da Palestina nas Nações Unidas na exposição online preparada pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) especialmente para a data: www.onu.org.br/palestina

Fonte: ONU-Brasil

IOF é ZERADO para operações de exportação

Esta foi a postura do Governo Federal diante da progressiva crise do dólar e da hostilidade do cenário internacional, imerso em uma ferrenha guerra cambial. Salve-se quem puder…

Veja o Decreto Presidencial que alteoru a alíquota do IOF:

DECRETO N° 7.699, DE 15 DE MARÇO DE 2012 – DOU de 16/3/2012

Altera o Decreto n° 6.306, de 14 de dezembro de 2007, que regulamenta o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários – IOF.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem os arts. 84, inciso IV, e 153, § 1°, da Constituição, e tendo em vista o disposto na Lei n° 5.143, de 20 de outubro de 1966, no Decreto-Lei n° 1.783, de 18 de abril de 1980, e na Lei n° 8.894, de 21 de junho de 1994, D E C R E T A :

Art. 1° O art. 32-C do Decreto n° 6.306, de 14 de dezembro de 2007, passa a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 32-C. …………………………………………………………………….

…………………………………………………………………………………………….

§ 5° A alíquota fica reduzida a zero:

I – nas operações com contratos de derivativos para cobertura de riscos, inerentes à oscilação de preço da moeda estrangeira, decorrentes de contratos de exportação firmados por pessoa física ou jurídica residente ou domiciliada no País; e II – nas demais operações com contratos de derivativos financeiros não incluídos no caput.

……………………………………………………………………………………………..

§ 11. Para fazer jus à alíquota reduzida de que trata o inciso I do § 5o, o valor total da exposição cambial vendida diária referente às operações com contratos de derivativos não poderá ser superior a 1,2 (um inteiro e dois décimos) vezes o valor total das operações com exportação realizadas no ano anterior pela pessoa física ou jurídica titular dos contratos de derivativos.

§ 12. Observado o limite de que trata o § 11, o disposto no inciso I do § 5o estará sujeito à comprovação de operações de exportação cujos valores justifiquem a respectiva exposição cambial vendida, realizadas no período de até doze meses subsequentes à data de ocorrência do fato gerador do IOF.

§ 13. Quando houver falta de comprovação ou descumprimento de condição de que tratam os §§ 11 e 12, o IOF será devido a partir da data de ocorrência do fato gerador e calculado à alíquota correspondente à operação, conforme previsto no caput, acrescido de juros e multa de mora.” (NR)

Art. 2° Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 15 de março de 2012; 191° da Independência e 124° da República.

Fonte: Imprensa Nacional – D.O.U

IMF Executive Board Selects Christine Lagarde as Managing Director

Press Release No. 11/259
June 28, 2011

The Executive Board of the International Monetary Fund (IMF) today selected Christine Lagarde to serve as IMF Managing Director and Madame Chairman of the Executive Board for a five-year term starting on July 5, 2011. Ms. Lagarde, who succeeds Mr. Dominique Strauss-Kahn, is the first woman named to the top IMF post since the institution’s inception in 1944.

The selection of Ms. Lagarde by the 24-member Executive Board representing the IMF’s 187 member countries brings to conclusion the selection process initiated by the Executive Board on May 20, 2011 (see Press Release No. 11/191). According to the agreed procedures, the Board had agreed to meet with Mr. Agustín Carstens and Ms. Lagarde for the post. The candidates met bilaterally with Executive Directors, as well as the Executive Board, during June 20-23, 2011. In these meetings, Mr. Carstens and Ms. Lagarde had the opportunity to present all relevant information concerning their specific candidacies.

The Executive Board agreed that both were well qualified candidates and the objective was to select one by consensus. Based on the candidate profile that had been established, the Executive Board, after considering all relevant information on the candidacies, proceeded to select Ms. Lagarde by consensus. The Executive Board looks forward to Ms. Lagarde effectively leading the International Monetary Fund as its next Managing Director.

The Managing Director is the chief of the IMF’s operating staff and Chairman of the Executive Board. The chief executive is assisted by three Deputy Managing Directors in the operation of the Fund, which serves 187 member countries through about 2,700 staff from more than 140 countries.

Ms. Lagarde, 55, a national of France, has been the Minister of Finance of France since June 2007. Prior to that, she served as France’s Minister for Foreign Trade for two years. Ms. Lagarde also has had an extensive and noteworthy career as an anti-trust and labor lawyer, serving as a partner with the international law firm of Baker & McKenzie, where the partnership elected her as chairman in October 1999. She held the top post at the firm until June 2005 when she was named to her initial ministerial post in France. Ms. Lagarde has degrees from Institute of Political Studies (IEP) and from the Law School of Paris X University, where she also lectured prior to joining Baker & McKenzie in 1981.

Fonte: FMI

Entrevista com Eduardo Duhalde

Em entrevista ao jornalista Paulo Pandjiarjian, o ex-presidente da Argentina, Eduardo Duhalde fala sobre o futuro do MERCOSUL e a integração entre empresários argentinos, brasileiros, lusófonos e ibéricos

30/05/2011 – Paulo Pandjiarjian*

Paulo Pandjiarjian – Presidente Eduardo Duhalde, o senhor ocupou diversos cargos na vida pública argentina. Foi Deputado Nacional, Governador da Província de Buenos Aires, Vice-Presidente e Presidente Interino no período 2002-2003. Sua última responsabilidade institucional foi no MERCOSUL, entre 2003 e 2005, como Presidente da Comissão de Representantes Permanentes do MERCOSUL (CRPM). Hoje, encabeça uma organização empresarial – MPA – Movimento Produtivo Argentino. Permito-me iniciar o nosso debate, fazendo-lhes duas perguntas:

1 – Como a Argentina, como nação, foi atingida pela crise mundial que se alastrou no final do ano de 2008?

Eduardo Duhalde – maioria dos países, mas na Argentina foi reforçada com o esbanjamento de recursos que aconteceu nos últimos anos. Naufragou assim a revolução produtiva que iniciei e deixei nas mãos do casal Kirchner. Eu digo que foi o desperdício de recursos obtidos com o crescimento, porque as políticas foram implementadas com impostos regressivos sufocando a produção e criando desconforto nos produtores agrícolas, deixando o país de volta à beira do abismo.

Em contraste com o governo argentino, note que o presidente Lula acaba de lançar o Plano Agrícola e Pecuário 2009-2010, que prevê investimentos de cerca de 53 milhões de dólares. Lula também está considerando um novo modelo de financiamento para o setor, o que irá impedir problemas, como aqueles que os fazendeiros tinham para financiar seus negócios com a China. Ele também anunciou a criação de um fundo para dar garantias aos produtores em relação a condições climáticas adversas etc. Mas Lula vai além, porque com este plano de produção prepara seu país para quando os Estados Unidos e a Europa “acordarem”, porque ele sabe que ao acordar, vão querer comprar e o Brasil deve estar pronto para produzir, vender, ganhar dinheiro e fortalecer sua indústria. O governo do meu país está anos luz desse pensamento de Lula.

2 – O que o levou a liderar o MPA – Movimento Produtivo Argentino e o que o senhor espera desse congraçamento empresarial na Argentina?

Eduardo Duhalde – Eu pretendo terminar de construir o projeto de revolução produtiva que iniciei em meu governo e concluir esta tarefa para deixar na Argentina um modelo produtivo exportador conduzida pelo “think tank” da MPA. Apelamos a todas as linhas de produção e suas respectivas câmaras para construir este enquadramento estratégico, independentemente do segmento ideológico a que pertencem. Nosso movimento não faz política, mas o seu objetivo é a promoção de políticas produtivas.

Enquanto o MPA apóia todas as forças de produção, a fim de interpretar suas necessidades, também sabemos que temos um intenso trabalho educativo na sociedade, reformulando a idiossincrasia produtiva perdida. Os argentinos têm uma cultura diferente em relação ao Brasil. Desde a época de nossa colonização, fomos ensinados a importar tudo. Atualmente, dizem que é preferível abastecer o consumo interno a exportar.

Esse pensamento é parte da nossa cultura. Os países mais desenvolvidos, incluindo o Brasil, pelo contrário, têm crescido em outro rumo; baseando sua economia no eixo de maior produção e das exportações. Aqui, nós nunca conseguimos equilibrar o mercado interno com a exportação. A partir do MPA, o conceito que queremos imprimir na comunidade é o trabalho, promovendo a produção de conhecimento altamente competitivo e de exportação com valor agregado. Nossa organização tem claramente definidos objetivos, que se realizam através de diferentes departamentos. Na parte Acadêmica, por exemplo, são organizados seminários de treinamento de liderança para que os líderes sejam devidamente treinados antes de participar de um eventual governo. 

Do departamento de produção, a intenção é interagir com o mundo empresarial e seus órgãos representativos, trabalhando em ferramentas específicas, tais como formação, desenvolvimento de oportunidades de negócio etc., promovendo e facilitando o comércio regional, e assim por diante. 

Paulo Pandjiarjian – Quais são as intenções do MPA em relação ao Brasil e aos parceiros do MERCOSUL?

Eduardo Duhalde – Em minhas visitas e discussões com representantes dos setores produtivos e organizações da sociedade civil nos nossos países, eu recebi as mesmas preocupações, refletindo uma disposição sobre a necessidade de avançar em um projeto de integração com maior sustentabilidade. Às vezes, durante o meu mandato no MERCOSUL, falou-se da necessidade de criar um programa de capacitação de gestores públicos para superar as assimetrias resultantes da implementação efetiva de políticas públicas por parte das instituições nacionais. Hoje, estou convencido de que isto não pode ser alcançado a menos que existam também gestores e controladores dentro da esfera privada, para trabalhar em sinergia. Em apoio a isso, o MPA lançará em breve uma ferramenta de comércio para os países do MERCOSUL. Este é o primeiro território aduaneiro do MERCOSUL, para facilitar o comércio.

Este objetivo é parte de uma contribuição estratégica, como eu disse, para apoiar as nossas posições. Entendemos que, com essas ferramentas, e outras de entidades público-privadas, poderemos contribuir para as forças produtivas do MERCOSUL se fortaleçam. Este portal na Internet, por exemplo, propõe-se a ser uma vitrine virtual para todos os cidadãos do MERCOSUL, para que façam o upload de seus produtos e serviços de forma facilitada, para que outros países tenham uma referência específica do que é produzido pelo MERCOSUL e, sobretudo, tenham prova de nossa unidade produtiva. Tudo isso é parte de um plano global que irá desenvolver-se gradualmente com a participação de empresários e de cooperação financeira de instituições especializadas, não só nacionais, mas regionais, porque é um mecanismo para melhorar a relação de benefícios palpáveis para todos os países no processo de integração.

Paulo Pandjiarjian – O que o senhor espera dos diversos movimentos empresariais brasileiros em relação ao MPA?

Eduardo Duhalde – Ao longo da minha gestão no Mercosul, envidei grandes esforços com o objetivo de abrir novos espaços para o diálogo político e comercial. Visitei todos os países da Comunidade Andina de Nações, e acompanhei o presidente Lula da Silva à Índia e Emirados Árabes Unidos, como parte de uma excursão de autoridades brasileiras e empresários.  

Desde o início, eu levantei a necessidade de dar prioridade especial à questão do desenvolvimento equilibrado dos países do MERCOSUL.

É evidente que existem assimetrias estruturais. Mas eu acho que isso não é um trabalho isolado dos estados, mas acredito que os cidadãos do Mercosul devem participar mais e ajudar os nossos governos para a integração através de movimentos como o MPA e organizações produtivas e empresariais. Espero então que as organizações similares no Brasil e em outros países do Mercosul, juntem-se a nós para esse diálogo conjunto e com uma missão comum e uma visão unificada para tomada de decisão no âmbito do Grupo de Integração Produtiva (GIP), como parte de Conselho do Mercado Comum E que, a partir da esfera privada, se atinjam os progressos no fortalecimento de programas de comércio e competitividade, de forma a obter o máximo de vínculos produtivos entre os países. Isto feito, é certo que as forças de produção vão certamente ajudar a acabar com as assimetrias que temos hoje e o que é melhor, irão guiar o GIP em estabelecer as normas legais que os produtores tanto precisam para crescer.

Paulo Pandjiarjian – Essa entrevista será publicada nos portais RCLP – Rede Colaborativa da Língua Portuguesa e RCLE – Rede Colaborativa da Língua Espanhola, atingindo empresários lusófonos e ibéricos. Como o empresariado argentino e brasileiro podem interagir, primeiramente entre si e, posteriormente, com os mercados lusófono e ibérico?

Eduardo Duhalde – Em minha posição no MERCOSUL, propus aos Chefes de Estado uma agenda de trabalho comum. Hoje, a partir do MPA, propomos também aos agentes de produção do MERCOSUL uma agenda comum, a fim de obter economias de escala que estimulem o crescimento. A partir do MPA, que pretende ligar as PME a parques industriais, como os parques do Brasil, pretendemos atender a demanda de outros blocos econômicos do mundo.

Estou convencido de que a produtividade planejada eliminará as assimetrias. Esta primeira etapa é substancial. O próximo passo é garantir que a oferta exportável estará em níveis competitivos exigidos pelas diretrizes da UE e outros mercados; por isso, trabalhamos também no desenvolvimento dos nossos produtos com os melhores  especialistas. Então, certamente os dois canais – ibérico e lusófono – podem fazer a sua parte, abrindo-nos melhor do que ninguém as portas dos acordos preferenciais da EU.  

Paulo Pandjiarjian – Se fosse convidado a se candidatar novamente, gostaria de retornar à vida pública?

Eduardo Duhalde – Estive à frente daArgentina, na pior crise da sua história. Quando deixei o governo, as chamas estavam apagadas, mas o fato de ter renunciado à minha futura ação pública para abrir caminho para uma nova liderança, não significa que deva renunciar à minha opinião e esforço para fazer chegar ao governo argentino os candidatos do meu partido mais qualificados e adequados para que terminem a revolução produtiva que iniciamos.  

Paulo Pandjiarjian – Que mensagem gostaria de deixar aos empresários brasileiros, lusófonos e ibéricos?

Eduardo Duhalde – Aos empresários, tranqüilizá-los que o MPA fará todo o possível para trazer a relação comercial com a Argentina a um nível de crescimento do comércio. Aos empresários ibéricos e lusófonos, especialmente, as minhas saudações e felicitações, porque sabemos que não pouparam esforços para contribuir para a integração da União Européia, que nasceu em uma época de crise profunda, primeiro com a decisão dos seus dirigentes e que continuou após o esforço produtivo da comunidade. Gostaria muito que ambas as comunidades, por estarem fortemente ligados com ambos os países – Argentina e Brasil -, possam se tornar a ponte para o MERCOSUL como bloco regional, a fim de desenvolver melhor o comércio com a UE.

Fonte: Incorporativa

Acordo: há esperanças?

O Comitê de Negociações Birregionais Mercosul e União Europeia esteve reunido em Assunção, Paraguai, no início deste mês. O objetivo foi apresentar as ofertas de cada grupo que permitam viabilizar a área de livre-comércio entre as duas regiões. De posse dessas ofertas, os negociadores voltaram a seus países para uma avaliação final e, em julho, o acordo será selado em Bruxelas. Os sinais, porém, é o de que estamos longe desse “final feliz”.

No ano de 1999 foram iniciadas as negociações para um acordo de livre-comércio entre o Mercosul e a União Europeia. Depois datroca de listas para abertura do comércio de mercadorias, além de demandas européias nos setores de serviços e compras governamentais, as negociações chegaram a um impasse em 2004. Ambas as partes consideraram que as concessões obtidas eram insuficientes para fecharem um acordo.

Em maio de 2010, a Comissão Europeia surpreendeu os governos dos países do Mercosul ao propor a re-abertura das negociações. Os efeitos da recessão de 2008 ainda se faziam sentir na maior parte dos países europeus e o cenário mundial era incerto. O fracasso de Doha pode ser invocado como uma das motivações para o interesse europeu. A crescente importância dos grandes países em desenvolvimento, como o Brasil, nas negociações sobre o sistema multilateral seria outra. No entanto, esses não seriam os únicos motivos.

O Brasil acumula superávits comerciais com a União Europeia desde 2000. No ano de 2010, o valor do saldo comercial foi de US$ 4 bilhões. Menor do que com a China que foi de US$ 5,2 bilhões ou a América Latina e Caribe, US$ 17,2 bilhões, mas superior ao déficit com os Estados Unidos no valor de US$ 7,8 bilhões. Em recente boletim divulgado pela Eurostat (Statistics in Focus 17/2010 em http://epp.eurostat.ec.europa.eu/), é expressa a preocupação com o déficit dos países europeus com o Brasil. A questão não é o valor, mas a sua evolução.

Entre os anos de 2000 e 2008, a participação do Brasil nas importações extrabloco da União Europeia de carne e suas preparações cresceram de 29% para 35%, a de celulose e papel de 13% para 30%, de sementes oleaginosas de 32% para 41% e a de minérios de 13% para 19%. No total, a participação do Brasil nas importações totais extrabloco aumentaram de 1,9% para 2,3% entre 2000 e 2008. Enquanto isso, a participação do Brasil nas exportações extrabloco se mantiveram constante em 2%. O crescimento, quando ocorreu foi pequeno, como no caso de automóveis de 2,2% para 2,4% ou manufaturas de metais de 2,1% para 2,5%. Por outro lado, caiu de 3,4% para 2,9%, a participação nas importações de máquinas.

As exportações europeias para o Brasil emitem sinais de pouco dinamismo. A crescente importância da China como fornecedora de máquinas e equipamentos na região contribui para esse resultado. Logo, num cenário de acirrada concorrência, o mercado das grandes economias sul-americanas, como o Brasil, merece atenção, mesmo que a participação no comércio total extrabloco seja pequena. Além disso, na região, os países do Mercosul Venezuela e Equador são os únicos que ainda não assinaram acordos, quer seja com os Estados Unidos ou a União Europeia. A possibilidade de um acordo entre o Mercosul e os Estados Unidos parece remota no momento. Não existe nenhuma declaração formal nesse sentido. No caso da União Europeia, existe o arcabouço institucional e as negociações foram retomadas. As perspectivas, entretanto, são pessimistas.

A visita de uma Delegação do Parlamento Europeu para as Relações com os países do Mercosul, na última semana de abril para mostrar o empenho europeu para o término da negociação não conseguiu ofuscar a resistência dos setores agrícolas. Não foi por acaso que a Copa-Cogeca (Comitê que reúne os produtores e as cooperativas agrárias) apresentou no dia 2 de maio no Parlamento Europeu, um estudo que prevê perdas de até 13 bilhões se o acordo for assinado. O setor de carnes europeu é um dos que mais sofreria. Além disso, o estudo ressalta que a produção de carne nos países do Mercosul não atenderia aos requisitos e padrões técnicos exigidos na Europa para assegurar o desenvolvimento sustentável e levariam a um aumento da emissão de gás carbônico. Soma-se à resistência já esperada dos setores agropecuários, a recuperação lenta e incerta na maioria dos países europeus. Não é um cenário propício.

Do lado de cá, a valorização cambial funciona como um choque de redução de tarifas de importações para os setores industriais brasileiros. Uma oferta generosa para os europeus – na negociação seriam prazos curtos para o livre acesso ao mercado brasileiro de bens industriais – não deverá estar presente na mesa de negociações. Logo, mesmo na presença extremamente improvável de uma concessão que atenda plenamente os interesses agropecuários do Brasil, os setores industriais deverão demandar cronogramas mais lentos de liberalização comercial. Não são, portanto, apenas as medidas protecionistas da Argentina, como mencionou o Comissário de Comércio da União Européia (citado em artigo do jornal argentino La Nación de 4 de maio deste ano) que são um dos principais obstáculos para o acordo Mercosul e a União Europeia, no momento.

Logo, a não ser que haja fatos novos surpreendentes, ou se fechará um acordo de alcance reduzido para alguns setores ou, o mais provável, quem sabe em 2012 a “bicicleta das negociações” chega à reta final.

Fonte: DCI

RT entrevista Julian Assange sobre oriente médio, facebook e outras