Veto da França ao Brasil na OCDE é ‘bastante grave para política externa’, diz especialista


O governo brasileiro acusou na última terça-feira (8) a França de bloquear sua entrada no comitê do clima (OCDE). A Sputnik Brasil conversou com o especialista Tanguy Baghdadi sobre os impactos desta tensão para a política brasileira.

O professor de Relações Internacionais da Universidade Veiga de Almeida, Tanguy Baghdadi, em entrevista à Sputnik Brasil, classificou o veto da França no comitê do clima na Organização Para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) como “bastante grave” para a estratégia da política externa brasileira.

É importante lembrar que quando a gente fala sobre uma decisão como essa do governo francês, a gente não está falando somente sobre a questão climática, a gente está falando sobre como a questão do clima pode impactar outros objetivos muito importantes da política externa brasileira. O primeiro deles é a aprovação do acordo entre o Mercosul e a União Europeia“, destacou o especialista.

De acordo com ele, o segundo ponto é o que foi considerado como uma vitória do governo Bolsonaro durante a sua visita em Washington, quando os EUA prometeram apoiar a entrada do Brasil na OCDE.

Se existe uma tendência do governo francês de bloquear e vetar a entrada do Brasil num dos órgãos da OCDE, eu fico imaginando qual não é a tentação francesa pra bloquear a entrada brasileira na própria OCDE. O Brasil comemorou muito o fato dos EUA terem apoiado, mas apenas o apoio norte-americano não garante a entrada brasileira na organização“, argumentou Baghdadi.

Troca de farpas com França ‘pode custar caro’

Ao comentar os impactos que a animosidade entre o Brasil e a França pode significar para a política externa brasileira, Tanguy Baghdadi disse que o antagonismo do governo Bolsonaro de se aproximar dos EUA pode prejudicar a inserção do país no cenário internacional. 

Faz parte do cenário externo do Brasil que comprar briga com a França não é exatamente uma boa ideia. A política externa brasileira acabou fazendo um antagonismo de ‘vou me aproximar dos EUA, e com isso me afastar da França, do Emmanuel Macrón’ […] só que a França segue sendo um país muito influente, a França segue sendo um dos dois maiores países da União Europeia em termos de importância política e econômica“, afirmou.

O professor de Relações Internacionais observou que os contatos com os países ricos não passam somente pelos EUA, portanto, a troca de farpas entre a França e o Brasil “pode sair bem caro” para a política externa brasileira.

A gente está falando está falando de temas que vão muito além da questão puramente ambiental, a questão ambiental acaba sendo muito mais um símbolo e acaba trazendo uma influência para toda estratégia brasileira de inserção internacional no governo atual“, completou o especialista.

Sputnik Brasil

Anúncios

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s