Brasil, o país do lixo sem destino


Postado por Felipe Poli Rodrigues em 12/08/2017

Postado Originalmente em 12/08/2017

lixo-mental

A coleta seletiva domiciliar (CSD) de lixo na Região Metropolitana do Rio (RMRJ) atinge 2,5% do total: fração insignificante das 16 mil toneladas diárias coletadas pelas prefeituras. A economia circular (antes logística reversa) prevista na Lei Nacional de Resíduos Sólidos (LNRS), de 2010, caminha a passos de tartaruga: 25% do total dos resíduos recicláveis (vidros, plásticos, metais, papel) retornam à produção, quando o percentual deveria ser de 50% a 60%. Quais as razões deste péssimo resultado?

As prefeituras que têm melhores resultados da CSD, como Londrina (PR), chegam a 20% do total com políticas integradas. Definiram bairros-piloto, instalaram pontos de coleta, galpões para reciclagem, campanha porta a porta. Tratando-a como questão de saúde pública, contratam cooperativas de catadores, as equipam e as qualificam, oferecem vantagens aos moradores para separação domiciliar. Divulgam resultados, ajustam procedimentos.

Na RMRJ, isto não acontece. A coleta de lixo fica a cargo de empresas que geralmente apoiam as campanhas dos prefeitos. As cooperativas de catadores são preteridas, assim como a CSD – com o argumento de que as cooperativas são precárias, e a CSD é mais cara do que a coleta ordinária, em que o lixo é misturado e triturado. É visão mesquinha, pois a CSD reduz o lixo depositado nos aterros, aumenta a vida útil destes. As cooperativas são precárias porque não são contratadas, equipadas e qualificadas. Em 2008, aprovamos a Lei do ICMS Verde – que não aumenta um real de imposto e distribui mais recursos às prefeituras que ampliam parques, melhoram a qualidade das águas com saneamento, acabam com lixões e ampliam a CSD. A lei foi um sucesso com a duplicação das áreas municipais protegidas e com o fim de todos os grandes lixões da RMRJ. Não avançou na CSD.

A LNRS tramitou 16 anos no Congresso e remeteu para acordos setoriais definirem prazos e metas de reciclagem. A responsabilidade é das empresas que produzem, comercializam, das prefeituras e dos cidadãos, nesta ordem. O primeiro acordo setorial – de embalagens, foi assinado em 2015, com metas frouxas: as empresas evitam assumir custos; a adesão é facultativa; os investimentos, insignificantes. Em vários países da Europa, funciona o sistema Ponto Verde, cada setor arcando com custos das redes de coleta: é um sucesso, atingindo 80% de reciclagem. As empresas multinacionais que participam do Ponto Verde na Europa o criticam no Brasil, protelam investimentos, e não dão transparência aos resultados.

Com a crise da economia (e não só) do Rio, as prefeituras não pagam a destinação do lixo aos aterros sanitários, que correm risco de quebrar: seria a volta dos lixões, com graves problemas sanitários e ambientais, contaminação das águas, animais, catadores. Um retrocesso que deve ser evitado a todo custo. Muitas prefeituras não cobram taxa de lixo (que é impopular), inviabilizando que o serviço seja sustentável, como água, luz, gás.

Temos que avançar, deixar de ser o país dos lixões e do desperdício, e entrarmos com força na educação ambiental, reciclagem, inclusão de catadores e organização das redes de coleta.

Fonte: Envolverde

Anúncios

2 respostas em “Brasil, o país do lixo sem destino

  1. A PNRS tem como prioridades a redução do volume de resíduos gerados, a ampliação da reciclagem, aliada a mecanismos de coleta seletiva com inclusão social de catadores e a extinção dos lixões.Além disso, prevê a implantação de aterros sanitários que receberão apenas dejetos, aquilo que, em última instância, não pode ser aproveitado. Esses aterros, por sua vez, deverão ser forrados com manta impermeável para evitar a contaminação do solo.
    O chorume, líquido liberado pela decomposição do lixo, deverá ser tratado. O gás metano que resulta da decomposição do lixo, que pode explodir, terá que ser queimado.
    Os índices de reciclagem disponível para alumínio e papel diminuíram entre 2009 e 2012 último ano que teve os dados divulgados pela indústria e aumentaram ligeiramente em relação ao plástico.

  2. Diferente da nossa economia, que apresenta desaceleração, o que não para de crescer é a capacidade nacional de gerar cada dia mais lixo. Foi o que concluiu a nova pesquisa divulgada pela Abrelpe – Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais.
    Segundo os dados levantados pela entidade em cerca de 400 municípios nos quais residem quase 92 milhões de pessoas, a quantidade de resíduos produzidos pelos brasileiros foi cinco vezes superior ao aumento populacional do período que foi de apenas 6%. Hoje em média cada pessoa gera 1,062 quilos de lixo por dia!
    Os formuladores da pesquisa afirmam que essa é a primeira e mais abrangente feita sobre a situação dos resíduos no Brasil, após a entrada em vigor da PNRS – a Política Nacional de
    No ano passado apenas 58,4% de um total de 78,6 milhões de toneladas de resíduos coletados tiveram destinação adequada, ou seja, foram ao menos encaminhados para aterros sanitários, locais apropriados e preparados para receber esses materiais. Outros 41% foram parar em lixões ou aterros controlados, lugares inadequados e que oferecem riscos à saúde das pessoas, ao meio ambiente e podem trazer sérias e irreversíveis consequências como a contaminação do solo e do lençol freático, entre outros.
    Pois bem são poucas alternativas que nos restam, ou iremos colocar o problema na frente para que todos possam ver e agir, parar de protelar indefinidamente os pontos principais previstos em lei como o fim dos lixões e o aumento da capacidade de reciclagem em todo o país ou só assistir o problema crescer perigosamente. Nesse último caso, o que o futuro nos reserva, se continuarmos a empurrar com a barriga a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos? Será mesmo uma imensa e vergonhosa montanha de lixo que não mais poderá ser escondida.

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s