A contribuição russa na Missão Europeia para Mercúrio


o-MERCURY-facebook

Mercúrio, em cores, NASA

20/07/17

No sistema solar, o planeta Mercúrio é o mais próximo da estrela e por causa de sua peculiaridade é um dos astros de maior complexidade para ser estudado, devido ao intenso calor que recebe do Sol. Somente duas missões espaciais da National Aeronautics and Space Administration (NASA) foram enviadas para investigar seus mistérios: a Mariner 10 e a Messenger. Ambas nos anos de 1970, as quais apenas deixaram os cientistas mais curiosos.

Dentre as descobertas feitas até o momento, os pesquisadores observaram que Mercúrio é o único planeta a manter um campo magnético ativo, com exceção da Terra, e perceberam que existe gelo no interior de algumas crateras, o que poderia ser um indicativo de água; e ainda que possui sódio, potássio e magnésio em abundância a revés dos demais planetas do sistema.

Com o propósito de expandir os conhecimentos, a European Space Agency (ESA) anunciou seu projeto para a exploração de Mercúrio: o BepiColombo, que será lançado em Kourou, na Guiana Francesa, a partir de outubro de 2018. A Missão da nave espacial é internacional e compreende uma parceria entre os países da Europa com a Rússia e o Japão. A BepiColombo é uma homenagem a Giuseppe Colombo, matemático italiano, que fez os cálculos para o ingresso na órbita mercuriana.

Os componentes básicos da sonda são o Mercury Planetary Orbiter (MPO), de tecnologia europeia, responsável pelos dados da superfície e subsolo; e o Mercbore Magnetospheric Orbiter (MMO), de tecnologia japonesa, responsável pelos dados do campo magnético. O MPO possui 11 instrumentos, sendo o espectrômetro de raios gama e de nêutrons (MGNS) de fabricação russa, e o espectrômetro ultravioleta (PHEBUS), desenvolvido pela França e pela Rússia.

A BepiColombo levará 7 anos até chegar a Mercúrio e exigiu muito tempo de preparação, conforme afirmação do cientista da Agência Espacial Europeia (ESA), Joe Zender: “Se você voa para Mercúrio o ambiente é muito hostil. Você está tão perto do Sol que durante o dia você tem temperaturas de 400° C e durante a noite você tem temperatura de -120° C. Por isso, foi muito difícil criar mecanismos que funcionem lá”. Já o Chefe do Programa Cientifico da Agência Espacial Europeia (ESA), Johannes Benkhoff, salientou: “Tivemos algumas vezes que refazer todo o projeto devido ao sobreaquecimento dos componentes da sonda. Mas agora podemos dizer com confiança que estamos prontos para o voo e ir a Mercúrio em outubro de 2018”.

Analiticamente, a participação russa na confecção de aparelhagens específicas representa duas importantes abordagens: a primeira reflete uma investida no âmbito do hard power, expressada na capacidade da cooperação internacional na pauta de pesquisa, desenvolvimento e transferência de tecnologias no avanço em projetos científicos complexos; e a segunda abrange uma abordagem no âmbito do soft power, manifestada no aumento de poder do Estado russo diante de sua colaboração numa missão interplanetária a partir de maior projeção de Moscou no sistema internacional.

Fonte: CEIRI Newspaper

Anúncios

Uma resposta em “A contribuição russa na Missão Europeia para Mercúrio

  1. A Rússia tem cooperado financeiramente para com a missão Europeia em Mercúrio, esta contribuição é bastante significativa, pois para fazer pesquisas nos demais planetas é necessário um capital bastante significativo. Todos os países deveriam contribuir, visto que trata- se de um dos astros de maior complexidade, e interessante de ser estudado devido as suas peculiaridades.

    Numa visão mais analítica da participação russa na confecção de aparelhagens duas abordagens podem ser feitas, uma delas é voltada para a cooperação internacional na pauta de pesquisas e avanços tecnológicos, e a outra seria voltada para o aumento do poder do Estado russo, visto que Moscou terá maior projeção no sistema internacional.

    Mas, de todo modo ainda temos que analisar este ato sob o prisma da coletividade, sendo que as intenções por trás deste ato, em tese são irrelevantes, pois devemos pensar que as descobertas são mais importantes. Então devemos focar nos elementos que foram encontrados tais como, gelo, sódio, potássio e magnésio, bem como a presença de um campo magnético ativo, e o melhor de tudo é o indicativo de que a existência do gelo possa significar que realmente tem água em Mercúrio.

    SILVANIA CRISTINA COTA CELSO

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s