México foca seus poderes de vigilância na sociedade civil


tim

29/06/17

De acordo com o The New York Times, desde meados de 2011, agências federais mexicanas vêm expandindo seu arsenal de vigilância, gastando aproximadamente 80 milhões de dólares em softwares de monitoramento da empresa israelense NSO Group. O principal programa, Pegasus, permite o controle e monitoramento de todas as funções do celular de um alvo, desde o controle da câmera e microfones ao acesso à aplicativos, como e-mail, calendários, fotos, entre outros.

Esse software já havia sido usado para espionar membros da sociedade civil no México, mais especificamente contra o Jornalista Rafael Cabrera, que reportou a corrupção na alta cúpula do Governo mexicano, e o ativista Jesús Robles Maloof, representante do grupo de direitos humanos Contingente MXque alegou ter sido ameaçado e que as suas comunicações e de sua família vinham sendo monitoradas. A relação das agências do governo mexicano com o mercado de monitoramento em massa já foi previamente reportada aqui.

Porém, revelações recentes apontam que a proporção do monitoramento de membros da população civil, que poderiam representar qualquer tipo de oposição ao Governo é muito maior do que se pensava. Segundo Juan E. Paradinas, diretor do Instituto Mexicano de Competitividade, o qual teve seu celular e o de sua esposa acessados pelo software, “nós somos os novos inimigos do Estado”.

Junto com Paradinas, advogados, acadêmicos, jornalistas e ativistas anticorrupção, em conjunto com seus familiares, foram alvo do software, o qual contamina os dispositivos alvo, enviando mensagens de texto com links que, após acessados, comprometem o dispositivo. As mensagens são altamente personalizadas, no caso da esposa de Paradinas, a mensagem afirmava conter provas de que seu marido estava tendo um caso extraconjugal.

Segundo propostas analisadas pelo The New York Times, a NSO Group cobra US$650.000 somado a uma taxa de instalação de US$500.000 para espionar 10 usuários de iPhone. E conforme a empresa, apesar de verificarem as práticas de direitos humanos de seus clientes, eles não podem controlar o uso do programa após a sua instalação e licenciamento nas agências clientes.

Em declaração, o Governo mexicano argumenta que “Como em qualquer governo democrático, para combater o crime e ameaças contra a segurança nacional, o governo mexicano realiza operações de inteligência”, mas “nega categoricamente que qualquer um dos seus membros se envolve em operações de vigilância ou comunicação contra defensores de direitos humanos, jornalistas, ativistas anticorrupção ou qualquer outra pessoa sem autorização judicial prévia”.

O crescimento do mercado internacional de softwares de espionagem e monitoramento, fornecendo serviços à governos, representa uma resposta às práticas e aos movimentos a favor da privacidade de usuários. Conforme empresas como Facebook e Apple criptografam os seus serviços, para o desgosto de alguns governos, empresas como o NSO Group e outros respondem a nova demanda criada, atuando no CatarMéxico,Síria, dentre outros.

Fonte: CEIRI Newspaper

Anúncios

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s