Países elegem 1º africano para chefiar Organização Mundial da Saúde


Texto 16.jpg

24/05/2017

Durante a 70ª Assembleia Mundial da Saúde, em Genebra, os Estados-membros da Organização Mundial da Saúde (OMS) elegeram nesta terça-feira (23) o etíope Tedros Adhanom Ghebreyesus para o cargo de diretor-geral do organismo internacional. Ghebreyesus será o primeiro africano a liderar a agência de saúde da ONU. Seu mandato terá início em 1º de julho de 2017. Na Etiópia, Ghebreyesus foi ministro das Relações Exteriores, de 2012 a 2016, e ministro da Saúde, de 2005 a 2012.

Na Etiópia, Ghebreyesus foi ministro das Relações Exteriores, de 2012 a 2016, e ministro da Saúde, de 2005 a 2012. Também trabalhou como diretor do Conselho do Fundo Global contra AIDS, Tuberculose e Malária, codiretor do Conselho da Parceria para a Saúde Materna, Neonatal e Infantil e diretor do Conselho da Parceria Roll Back Malaria(RBM).

Na chefia do Ministério da Saúde de seu país de origem, o dirigente liderou uma reforma abrangente no sistema de atendimento e ampliou a infraestrutura nacional, criando 3,5 mil centros de saúde e 16 mil postos de saúde. Ghebreyesus aumentou em 38 mil o número de profissionais de saúde, além de implementar mecanismos de financiamento para expandir a cobertura de seguros de saúde. Como chanceler, Ghebreyesus liderou esforços de negociação pela aprovação da Agenda de Ação de Adis Abeba

Ao coordenar o Fundo Global e a iniciativa RBM, o gestor conseguiu financiamento recorde para as duas organizações e criou o Plano de Ação Global da Malária, que expandiu o alcance da Roll Back Malaria, presente anteriormente apenas na África, para a Ásia e a América Latina. Ghebreyesus sucede Margaret Chan, que ocupa direção da OMS desde 1º de janeiro de 2007.

UNAIDS elogia escolha de novo dirigente

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) celebrou a escolha de Ghebreyesus. Em pronunciamento após a eleição, o diretor-executivo da agência, Michel Sidibé, descreveu o novo dirigente como “motor da mudança, com vasta experiência e especialização em saúde global”.

“Ele é um líder dinâmico, um excelente agregador e compartilha a nossa ambição de erradicar a AIDS como parte dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Estou ansioso para trabalhar estreitamente com ele para alcançar nossas metas”, disse Sidibé.

Fonte: ONU Brasil

Anúncios

4 respostas em “Países elegem 1º africano para chefiar Organização Mundial da Saúde

  1. As Relações Internacionais nascem, em primeira momento, dos relacionamentos entre os homens para buscar a resolução de conflitos e problemas que atingem povos e comunidades. Com a contemporaneidade, o olhar das Relações Internacionais para continente africano foi ficando mais humanizado e as potências econômicas são cobradas a ajudar a conter o genocídio negro histórico que ocorre no continente, seja através das guerras, de grupos terroristas, de epidemias de doenças ou dos inúmeros problemas que envolvem a saúde pública.
    Nesse contexto, a escolha do etíope e negro Ghebreyesus, para comandar a Agência Internacional de Saúde da ONU é um grande avanço, sobretudo quanto a representatividade dos africanos nos cargos de relevância mundial.
    A nomeação Ghebreyesus para a Agência, não garante que ele resolverá todos os problemas que envolvem a saúde na África, sendo essa uma tarefa ambiciosa demais. Mas certamente, que ele será um líder que conhece os problemas e se compadece vendo o sofrimento de seu povo. Além disso, que defenderá os interesses africanos, lutando para que decisões autoritárias ocidentais massacrem ainda mais a população.

    Curtir

  2. África, país explorado e menosprezado ao longo da história, que perdeu milhares de seus cidadãos por guerras, doenças e fome, era constantemente ignorado por vários países. Eleger o etíope Tedros Adhanom Ghebreyesus, para ocupar um cargo reconhecido mundialmente, pode ser visto como o início de uma mudança da postura de outros países em relação a África, no sentindo de incluir, um pouco mais, esse país nas relações internacionais. Uma das principais ambições de Ghebreyesus é contribuir com os estudos que visam acabar com a AIDS. É importante citar que a África é um país com altos índices de HIV. Sendo assim ter um cidadão, que sabe das necessidades do país, ocupando um cardo de chefia da Organização Mundial da Saúde é muito vantajoso para o sistema de saúde do país.

    Curtir

  3. Embora isso possa passar despercebido por grande parte da população, é extremamente significativo ter um diretor-geral africano à frente de um órgão como a Organização Mundial de Saúde. O contexto internacional de descaso com o continente africano é bastante evidente em muitos sentidos. Após um histórico de guerras e exploração, a África tornou-se um continente marcado pela pobreza e por mazelas sociais que tornam o ambiente extremamente propício para o desenvolvimento e a disseminação de certas doenças, principalmente as que estão relacionadas a más condições sanitárias. A maneira como o novo diretor-geral vai se posicionar diante dessa realidade, considerando seu histórico como ministro da saúde em seu país de origem, é bastante promissora, pois entende melhor as especificidades e as possibilidades de mudança de uma determinada realidade alguém que conviveu com a mesma, especialmente tendo Ghebreyesus tomado tantas medidas para a contenção e o tratamento de doenças em seu tempo de mandato. Além disso, é bastante simbólico contar com um africano no mais alto cargo de uma organização de tanta importância e visibilidade quanto a OMS. Espera-se que Ghebreyesus seja um marco na conquista dos africanos, não só em cargos de alta chefia internacional, mas também de melhores condições no combate às mazelas que os acometem.

    Curtir

  4. O longo histórico de guerras e explorações deixou profundas marcas no continente africano, ainda produzindo reflexos socioeconômico e referentes à saúde.
    A eleição de um africano para chefiar a Organização Mundial de Saúde representa um grande avanço na forma como as grandes potências mundiais podem vir tratando a África, como ainda mais significa a busca da resolução do problema de perto, pois o continente africano tem grandes incidência de doenças epidêmicas do mundo causando a necessidade de melhor ser observado às necessidades a serem sanadas desta população.
    Portanto, com Ghebreyesus no comando da OMS torna mais fácil conseguir resolver as questões referentes à saúde dos africanos de forma mais eficaz e direta, principalmente em relações a população que possui AIDS, que já é um dos seus pontos a ser resolvido.

    Curtir

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s