Agro x conservação da natureza: quem perde com esse confronto?


Postado em 29/05/2017 por Felipe Poli Rodrigues

Postado originalmente em 28/05/2017

Escarpa

Novo marco cravado neste início de 2017 confirma a relevante contribuição da agropecuária para a economia nacional. Depois de dois anos de retração, o Índice de Atividade Econômica do primeiro trimestre anunciado esta semana pelo Banco Central apontou elevação de 1,12% em relação ao período anterior. A principal responsável por esse saldo é a nova safra de grãos, que deverá ser a maior da história, em torno de 230 milhões de toneladas segundo a última estimativa do IBGE.

A dinamização da economia não decorre apenas da negociação da safra –lembrando que a maior parte da produção é exportada para outros continentes. Isto é, para que chegue aos nossos portos, é necessário transporte, por centenas de quilômetros, consumindo combustível, lubrificantes, pneus e uma infinidade de produtos e serviços ao longo das rodovias, principal modal brasileiro. As atividades e insumos para os plantios, tratamentos culturais e colheita igualmente contribuem para o incremento da economia.

Entretanto, os dados econômicos não consideram os serviços ambientais que viabilizam a produção agropecuária. Sem contar com a ampliação de áreas no Cerrado e Amazônia, melhores tecnologias têm propiciado aumento de produtividade nas áreas historicamente cultivadas no Centro-Sul do País. Em decorrência disso, porém, as atividades agroeconômicas têm pressionado ano a ano os poucos remanescentes naturais, em especial na Mata Atlântica, visto que se tratavam de áreas marginais mas que hoje são passíveis de produção.

Foi esse processo que ocorreu na Área de Proteção Ambiental da Escarpa Devoniana, criada em 1992 pelo Estado do Paraná, para conservação dos últimos refúgios dos “Campos Gerais” que se intercalavam às florestas com araucárias e outras espécies arbóreas e rasteiras (de campos limpos e pedregosos), muitas ameaçadas de extinção, e molduravam o imenso degrau de relevo entre os planaltos de Curitiba e Ponta Grossa (escarpa). A declividade e os solos rasos impediam sua exploração, porém a tecnologia, especialmente do plantio direto, que possibilita o plantio em solos rasos, potencializou a quase extinção dos campos, incluindo as áreas úmidas drenadas.

A divulgação de dados por satélites indicando o Paraná como Estado que mais suprimiu a Mata Atlântica nos últimos 30 anos também está nesse contexto, tanto que neste ano o Ministério Público Estadual capitaneou ação contra desmatamentos da floresta com araucárias, tendo flagrado inédito enterro de árvores, visto que o objetivo era apenas abrir novas áreas para cultivos.

Portanto, a drástica perda de áreas naturais na Escarpa Devoniana, que suscitou Projeto de Lei Estadual para sua redução, é idêntica a de outras regiões do Paraná e Estados vizinhos, onde os remanescentes naturais gradualmente foram convertidos para agrossilvicultura. Com a não contabilização da perda de serviços ambientais, os lucros são centralizados a uma parte da sociedade, enquanto a menor vazão dos mananciais, redução de polinizadores, perda de espécies, contaminação de solos e aquíferos e desregulação climática ficam para todos, perdendo a imensa maioria da população. No médio prazo, ainda, os recursos naturais tendem a ser exauridos e novas supersafras serão inviabilizadas.

Fonte: Oeco

Anúncios

Uma resposta em “Agro x conservação da natureza: quem perde com esse confronto?

  1. Os temas de preservação ecológica e crescimento econômico promovido pela agropecuária tem sido tratados atualmente como dicotômicos e inconciliáveis, o que dificulta enormemente uma abordagem decente sobre esses problemas tão determinantes em relação ao futuro da Humanidade. De um lado, defende-se a expansão desmesurada da agroindústria, graças a todos seus inúmeros benefícios (inegáveis, pelo menos à primeira vista); de outro, a necessidade urgente de cuidarmos de “nossa casa”, em outras palavras, sermos mais responsáveis com o meio ambiente.
    Estudos recentes sobre a exploração agrícola na região dos Campos Gerais (Paraná), demonstram que o desmatamento na região, embora num primeiro momento possibilite a cultura de vegetais alimentícios, a médio prazo inviabilizará a continuidade das próprias plantações, graças ao empobrecimento do solo e o esgotamento dos recursos hídricos. Exemplos como este atestam para a urgência de começarmos a trabalhar com um “meio termo” entre os temas aparentemente inconciliáveis expostos acima, uma vez que a expansão irresponsável de um sobre outro pode representar uma ameaça sobre a sua própria continuidade e sobrevivência. O tema da sustentabilidade tem ganhado força nos últimos tempos, e propõe alternativas inteligentes à forma como geralmente se trata a questão ambiental. Soluções como o ecoturismo, extrativismo consciente por populações locais, entre outras, apesar de não levarem às últimas consequências as possibilidades da preservação ambiental e da agroindústria, permitem o desenvolvimento satisfatório de ambas e não colocam em risco nosso futuro.

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s