Quase 300 mil migrantes chegaram à Europa pelo mar nos últimos 8 meses, diz OIM


Publicado Originalmente: 14/09/2016

Quase 300 mil migrantes e refugiados chegaram à Europa pelo mar entre o início deste ano e meados de setembro – a maioria entrando pela Grécia e através da Itália –, advertiu a Organização Internacional para as Migrações (OIM) na terça-feira (13).

Do total de 294.450 migrantes e refugiados que desembarcaram no continente europeu, 126.931 chegaram via Itália e 165.015 através da Grécia. De acordo com os dados da organização, a Itália experimentou um ligeiro aumento de chegadas, em comparação ao período de janeiro até o final de setembro de 2015.

O número de pessoas que chegaram à Grécia, por sua vez, sofreu uma queda de quase 50% em relação à mesma época no ano passado, passando de 381.996 para 165.015 chegadas.

“Enquanto as chegadas à Itália, em 2016, em grande parte seguiram os padrões dos desembarques mensais de 2015, com a Grécia foi diferente. Houve muito menos migrantes e refugiados provenientes da Turquia este ano, em comparação com o ano passado”, apontou a OIM.

A agência parceira da ONU acrescentou que, embora o número total de chegadas seja baixo, o número de mortes entre os migrantes e refugiados do Mediterrâneo chegou agora, passando o último fim de semana, a 3.207 – superando o total de 456 registrado no mesmo período em 2015.

A agência internacional de migração observou ainda que, segundo o Projeto Migrantes Desparecidos – que documenta as mortes e os desaparecimentos ao longo das rotas migratórias em todo o mundo –, as fatalidades ocorridas no Mediterrâneo no ano passado ficaram em 2.751 até 12 de setembro de 2015.

Nos últimos anos, a Grécia e a Itália se tornaram a principal porta de entrada para muitos refugiados e migrantes que tentam chegar à Europa por mar.

Em relação à região sul da Europa e ao Mediterrâneo como um todo, de janeiro até o final de agosto, a OIM relatou um total de 354.618 chegadas através do Mediterrâneo.

No próximo dia 19 de setembro (segunda-feira) acontece a Reunião de Alto Nível sobre Grandes Movimentos de Refugiados e Migrantes, cujo objetivo é aproximar os países de uma abordagem mais humana e coordenada para o tema.

FONTE: ONU

37 respostas em “Quase 300 mil migrantes chegaram à Europa pelo mar nos últimos 8 meses, diz OIM

  1. O que está acontecendo no mediterrâneo é um retrato da falta de ação de uma ordem mundial da onu em de fato influênciar nos conflitos locais em nome de uma paz mundial. A maioria dos migrantes que chegam a Europa através do mediterrâneo vem de conflitos regionai onde se ve um retrato da guerra fria moderna. E.U.A e U.R.S.S estao cada uma de lum lado no conflito na síria,nao se importao com o número de baixas de civis inocentes que perdem a vida e a dignidade humana quando tentam migrar. Muitas vezes a fuga do país é feita atraves de pessoas inescrupulosas que levam as pessoas em ballsas infláveis sem segurança alguma,que provocam o elevado numero de mortes. E preciso que a comunidade internacional tome atitudes sérias para acabar com este tipo de situação.

  2. A ordem mundial da ONU em intervir nesse assunto tão delicado está ausente, um assunto que tem gerado muita comoção, devido ao grande número de mortes que acontecem durante a migração.
    A forma em que as pessoas que estão saindo dos seus países, sao precárias, sujeitas às condições degradantes.
    A comunidade internacional teria que tomar alguma atitude com relação a essa situação, devido a gravidade do fato, pois estamos lidando com pessoas que merecem respeito acima de tudo .

  3. A questão dos refugiados no mundo se faz cada vez mais presente no pragmático internacional. Segundo a ONU, refugiado é aquele que se declara perseguido pelo Estado de sua nacionalidade por razões de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas; que se ausentou de seu país em virtude desses termos ou que não consegue a proteção do poder público pelas mesmas razões.

A Europa, em especial, é o lugar mais procurado pelos refugiados, seja pela localização, que permite fácil acesso pelo mar, seja pela heterogeneidade cultural, seja pela expectativa de uma vida melhor, bem como das oportunidades.

    O texto reafirma tal questão, quando informa que cerca de 300 mil migrantes e refugiados chegaram ã Europa pelo mar desde o início do ano de 2016. A questão é relevante e faz-se necessária cooperação entre os Estados Internacionais e especialmente a atuação efetiva da ONU para com as condições dos imigrantes, a dignidade dessas pessoas, bem como os conflitos que são causa do refúgio.

  4. A questão de migrantes vem gerando diferentes opiniões pelo mundo, de um lado pessoas que entendem as dificuldades passadas pelos refugiados nos seus países de origem, que acham importante que os refugiados tenham um acolhimento digno para e que lutam por solidariedade e igualdade. Do outro lado aqueles que entendem que os refugiados devem ser tratados como problema para os países que os recebem, que são contra o acolhimento e não se importam com a dignidade desses migrantes.
    Deixando de lado as opiniões, essa é uma questão que precisa ser discutida amplamente pelo lideres mundiais, o texto mostra um dado delicado, mostra que até agora em 2016 cerca de 300 mil migrantes chegaram a Europa, desses 300 mil cerca de 3.200 morreram na tentativa de melhorar as condições de vida.
    A ONU precisa interferir nessa questão, um dado alarmante e que tende a aumentar é a quantidade de pessoas que morreram, as condições de vida no país de origem são tão precárias, os conflitos vividos são tão duros que esses refugiados arriscam suas vidas de forma quase insana, em condições sub-humanas em busca de melhorar as condições de vida que acabam morrendo durante as travessias marítimas.

  5. A questão dos refugiados é um tema que está cada vez mais no nosso cotidiano, e também é um tema bastante polêmico, pois divide opiniões. Temos as pessoas que entendem o lado dos refugiados e a necessidade pela qual eles passam e temos também o grupo de pessoas que não são capazes de ter uma empatia com os refugiados e os tratam como problema.
    Mas o ponto central dessa questão não é a divergência de opiniões, mas sim o que as autoridades competentes podem fazer para amenizar a vida destas pessoas. O texto afirma que 300 mil pessoas chegaram pelo mar desde o início de 2016, que é considerado um número baixo, porém a notícia confirma que o número de mortes entre os migrantes e refugiados do Mediterrâneo chegou agora, passando o último fim de semana, a 3.207 – superando o total de 456 registrado no mesmo período em 2015, dados esses preocupantes.
    No próximo dia 19 de setembro (segunda-feira) acontece a Reunião de Alto Nível sobre Grandes Movimentos de Refugiados e Migrantes, cujo objetivo é aproximar os países de uma abordagem mais humana e coordenada para o tema.

  6. A Europa vem recebendo um crescente numero de imigrantes, que em sua grande maioria,optam por fazer o uso do transporte marítimo. A opção de utilizar o mar e navegações para se atingir o destino pretendido, justifica-se pelo baixo custo e por aliviar nas questões burocráticas da imigração. Entretanto o aumento do numero de vitimas que se sujeitam a esse tipo de transporte rudimentar realizado através de embarcações super lotadas e com condições precárias esta se tornando cada vez maior e mais notório, chegando a 2500 mortes por afogamento somente no ano de 2016. Ao meu ver ja passou da hora de uma intervenção internacional para que se possa diminuir esse número e humanizar a imigração, que vem ocorrendo de uma maneira desumana. É preciso abrir os olhos para esse fenômeno global e torna-lo um processo que caminha lado a lado com o direito e com as condições necessárias para que se mantenha a dignidade da pessoa humana.

  7. Há, atualmente, um grande contingente de pessoas deixando seus países e lançando-se à própria sorte, juntamente com toda a sua família, buscando uma vida mais digna e sem tanta perseguição. Os chamados refugiados têm escolhido traçar percursos com pouca ou nenhuma segurança a continuar em suas terras. Isso contribui para a construção dos dados alarmantes que têm povoado manchetes em todos os meios de comunicação.

    Tratar esse problema não é tão simples, pois procurar os culpados também não é uma tarefa fácil. Sabe-se que essa situação não se caracteriza por ser puramente política, mas acima de tudo é também humanística. Assim sendo, nos perguntamos até que ponto a soberania dos países pode passar por cima do direito à vida de um ser humano, apenas por ter este nascido em um país marcado por conflitos.

    Alguns países da Europa que possuem uma localização propícia para a vinda de refugiados preferem tapar os olhos para essa realidade e não oferecer condições para que essas pessoas reestabilizem suas vidas em um novo país. Seria esse um contexto em que a intervenção da ONU vem a ser a medida mais proveitosa a ser tomada?

    Cobra-se da ONU, e com razão, uma posição mais enérgica no trato dessa questão. Mas há que se enxergar além. Ao tomarmos o exemplo da Alemanha, vemos um país que, analisando sua política interna, resolveu abrir suas portas aos refugiados. Assim tem-se um país sólido e rico, que viu na migração dos refugiados uma oportunidade real de atuar em uma causa humanitária tão importante e sanar a falta de mão de obra latente que enfrente, haja vista possuir uma das populações que mais envelhecem na Europa. No fim, todos saem ganhando.

  8. Nos dias atuais, impede destacar o forte número de imigrantes que o continente europeu vem recebendo e, conforme infere-se a notícia em tela, utilizam-se do transporte marítimo para tal. Podemos abarcar como razão da escolha pelo transporte supramencionado, uma redução de burocracia para o procedimento em questão, bem como o baixo custo para sua realização.

    Noutro giro, optando-se por esse meio, é notório o aumento de vítimas em razão de lotações e condições desumanas. Nesse espeque, vê-se que necessário se faz a interferência da ONU com o escopo de legalizar a imigração, de modo a colocar o pais de destino ciente do número de imigrantes que deverão chegar ao território e poder usar tal fenômeno em prol de ambas as partes, ou seja, fazendo com que o pais que recebeu os imigrantes obtenha ganhos na economia – por exemplo – e os imigrantes a realização do sonho de uma vida melhor.

    Por derradeiro, medidas devem ser tomadas pela ONU, como a citada anteriormente, porque o fato em síntese nos remete a assustadores números com possibilidades de cada vez se tornarem maiores.

  9. A ONU sendo uma organização intergovernamental criada para promover a cooperação internacional se “ausentou” ao se tratar de um assunto tão importante e tão recorrente. Comumente é noticiado a fuga dos imigrantes europeus que utilizam-se de transportes precários, em condições insalubres por serem de baixo custos e mais viável para muitos para atingirem o destino pretendido.
    Porem por não ser um trasporte que tenha toda segurança que esses imigrantes realmente necessitam o aumento do numero de vítimas que se sujeitam a esse tipo de transporte aumenta a cada vez mais, chegando a 2500 mortes por afogamento somente no ano de 2016. A vida humana passou a ser pouca diante das circunstancias em que esse imigrantes saem da sua cidade, países de origem em busca de uma vida melhor e mais digna.
    Assim, a ONU que detêm uma força mundialmente conhecida deveria intervir para que se possa diminuir esse número e humanizar a imigração, que vem ocorrendo de uma maneira desumana.
    Juntando forças para “combater” e amenizar uma dor terrivelmente conhecida

  10. Com as inúmeras guerras acontecendo no mundo milhares de pessoas ficam sem ter onde morar e vão procurar abrigo em outros países .
    Infelizmente,muitas pessoas optam pelo fuga através do mar …muitas chegam a morrer e quando chegam em terra firme ainda sofrem discriminação pela crença,pela forma de se vestir.

  11. Duas são as principais razões do surto migratório de mulçumanos para a Europa, primeira delas é a instabilidade política provocada pelo terrorismo e pelas guerras civis, sobretudo pela guerra civil na Síria e pela atuação da facção terrorista Estado Islâmico em boa parte do território sírio; a segunda é a recusa de outros países muçulmanos, sobretudo os países do Golfo Pérsico, como a Arábia Saudita, em receber os refugiados em seu território, bem como as dificuldades de instalação em países vizinhos, como a Jordânia, que tem acomodado os refugiados em acampamentos com condições precárias. A guerra civil na Síria acontece desde 2011, e desde essa época muitas pessoas saíram da Síria em direção aos países muçulmanos vizinhos, como a Turquia, que assimilou um enorme contingente de refugiados. Há pouco tempo, entretanto, esses países vêm restringindo a entrada desses refugiados, que agora partem em direção ao leste e ao sul da Europa. Famílias inteiras estão deslocando-se à procura de abrigo. Uma das preocupações recorrentes é que alguns dos países não estão mais aceitando os refugiados que entram de forma irregular em seu território, além dos maus tratos sofridos por eles nas fronteiras pelos guardas e pela guarda costeira.

  12. A questão dos refugiados é um tema de grande relevância em razão das consequências que traz com ela. De um lado pessoas correndo risco de vida, a mercê de conflitos violentos, onde vidas de pessoas inocentes estão em risco. De outro lado países, como a Itália que recebe um número cada vez mais crescente de imigrantes em busca de dignidade humana, paz e condições de sobrevivência. Em razão de suas localizações a Itália e a Grécia são os países com o maior número de refugiados, observando-se que na Grécia o número diminuiu, ao contrário da Itália.

    O que se cobra, de maneira muito pertinente, é que a ONU seja mais efetiva no trato com a questão. Países precisam ser mais pró ativos no sentido de se mobilizarem e acolher um determinado número de refugiados à exemplo da Alemanha, dando suporte, pois até quanto tempo mais, países como Itália e Grécia poderão suportar o problema sem que dele decorra mais outro problema?

    Temos ouvido muitos pedidos de acordos, de mobilização mútua, de cooperação, no acolhimento dessas pessoas, a exemplo do que vem dizendo o Papa Francisco, quando pede, em seus pronunciamentos, que o mundo olhe para a questão dos refugiados com mais humanidade, estamos tratando de pessoas muito fragilizadas, que chegam sem saúde, muitas vezes perdem ou se separam de suas famílias. A travessia é muito arriscada. E depois, como fazer para garantir que todos tenham o mínimo possível para sua sobrevivência. O mundo precisa abrir mais os seus olhos para essa questão. Chefes de Estado precisam se envolver e oferecer acolhimento, ajuda, e não dar as costas. São seres humanos que estão em busca de trabalho, comida, saúde, buscam o que todos os seres humanos buscam.

  13. O mundo está em choque com as tragedias que têm acontecido no mediterrâneo, vindo de países que sofrem com o terrorismo e guerra civil! O problema é que os centros de acolhimento estão tendo dificuldades para administrar a quantidade de pedidos de asilo, mas o governo não pode fugir das suas responsabilidades humanitárias e precisam acolher essas pessoas que são praticamente obrigados a deixar seus lares, abandonando suas famílias, criando centros de acolhimento para conseguir dar conta de todos os pedidos de asilo , e o mais importante tirar essas pessoas de seus países que sofrem com os ataques de forma digna , é aterrorizante o número de adultos e principalmente crianças que morrem fazendo essa travessia! É preciso ação dos governos , autoridades para mudar esse cenário atual desesperador !

  14. A entrada de imigrantes ilegais no continente europeu consiste em um entrave que está, paulatinamente, agravando-se. Isso ocorre, principalmente, em decorrência da crise econômica que se alastra por todo o mundo e, ainda, pelas guerras recorrentes no Oriente Médio.
    Impere ressaltar, em primeiro lugar, que a questão da imigração na Europa é antiga, uma vez que acompanha a dispersão do homem pelo mundo, sobretudo, na Idade Média, com o nascimento do mercantilismo. Nesse contexto, a ascensão burguesa no período, principalmente, nas cidades portuárias européias, incentivou a vinda de dos árabes e mulçumanos às terras do Velho Mundo, onde esses povos se destacaram pelo vasto conhecimento de anatomia, matemática e física. Desse modo, pode-se dizer que desde então floresceu entre os europeus sentimentos xenofóbicos.
    Essa discriminação e esse pensamento de superioridade de raças foram, ao longo dos séculos, corroborados, em especial na primeira metade do século XX, com a propagação dos regimes totalitários e extremamente nacionalistas, como o nazismo na Alemanha, o salazarismo em Portugal, o franquismo na Espanha e o facismo na Itália. Em decorrência disso, culminado com outros fatores, como o grande número de imigrantes ocupando vagas de emprego destinadas à população local, a xenofobia vem ascendendo.
    Esse cenário se agravou com a chegada da crise econômica mundial, responsável por paralisar a economia de diversas nações, deixando milhares de desempregados . Nesse ponto, é importante fazer menção de que muito embora os imigrantes aceitem pagamentos muito inferiores em contraste com os salários dos cidadãos locais, o continente europeu abriga uma parcela envelhecida da população mundial, acarretando em um colapso no sistema previdenciário de muitos países, que veem como solução o incentivo à vinda de imigrantes. Contudo, mesmo diante desses programas de imigração, os estrangeiros sofrem extremas discriminações e, muitas vezes, acabam ficando à margem da sociedade.
    Além disso, existe a questão das guerras em vários países do Oriente Médio, as quais acabam criando imigrantes refugiados, que fogem de suas nações procurando melhores perspectivas ou, até mesmo, apenas uma chance para sobreviver. É exatamente isso que ocorre na contemporaneidade: diversos imigrantes ilegais chegam ao continente europeu com o status de refugiados, procurando abrigo, alimentação e auxílio e, trazendo com eles, inúmeros problemas que afetam diretamente a economia e a política dos países que os abrigam.
    Ademais, em alguns casos, os próprios governos fomentam o sentimento de ódio e a xenofobia de sua população, fazendo com que os imigrantes sejam totalmente descriminalizados e excluídos da sociedade.

  15. Milhares de migrantes e refugiados tentam ingressar na Europa, alguns são movidos pela necessidade de escapar da miséria; outros estão fugindo da violência e perseguição. Suas jornadas são cheias de perigos.
    Como forma de defender suas fronteiras, a UE financiou sistemas sofisticados de vigilância, forneceu apoio financeiro aos Estados membros em suas fronteiras, como na Bulgária e na Grécia, para fortalecer suas fronteiras, e criou uma agência para coordenar a nível europeu uma equipe de guardas de fronteira. O que possivelmente deve ter gerado a queda de chegadas na Grécia.
    Chega a ser desumano esse não auxilio da União Europeia, visto que tantos desses individuos acabam morrendo nessas tentativas de travessia. Diversas são as noticias sobre morte de refugiados. Eles são maltratados por guardas de fronteira e guarda costeira. A última notícia que vi sobre assunto foi a jornalista hugara que estava cobrindo a travessia da fronteira e que acabou por agredir refugiados, impedindo que completassem a caminhada. É triste ver esse tipo de atitude.

  16. O caso dos imigrantes na Europa é preocupante. Na minha visão, é necessário um acordo de todos os paises, membro da união europeia, a fim de estabelecer critérios para receber os refugiados, pois é desumano deixá-los desamparados sem alimentação, emprego, moradia, viverem em situação análoga da qual estão fugindo, em contrapartida, há um desequilíbrio economico e social na região onde se alojam os refugiados, somente um acordo para estabelecer critérios de remanejamento para suprir essa dificuldade.

  17. A união europeia passa por dificuldades financeiras pela questão de dividas geradas por países pertencentes ao bloco que não administram bem suas finança e se encontram em uma crise financeira serie. A Grécia ( que não adotou as medidas de austeridade) e a Itália são dois países endividados desse bloco. Hoje os dois países estão com um novo problema que afeta todo o continente europeu que seria a chegada dos imigrante e dos refugiados estrangeiros que estão procurando abrigo . Esse caso dos imigrantes na Europa é preocupante e segundo a ONU, refugiado é aquele que se declara perseguido pelo Estado de sua nacionalidade pela questão da razões de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas. É necessário que algo seja feito em virtude dos imigrantes e refugiados que hoje estão rotulados de excluídos da sociedade e de seus estados.

  18. A migração de pessoas em larga escala através do mar mediterraneo ou qualquer outra rota, é um reflexo da situação em que está os seus países de origem, seja por guerra, escassez ou perseguição,porém, os paises do bloco europeu visto a crise econômica atual não se encontram em posição favorável para o recebimento de imigrantes e refugiados que, após a longa jornada enfrentada para ingressar no país (jornada esta que causa um grande numero de fatalidades), ainda tem de enfrentar a discriminação e o tratamento sem dignidade oferecido pelos naturais do pais em que ingressam.O posicionamento da ONU com relação a situação atual deve ser dado com a firmeza pois as violações ao tratado de direitos humanos seja pelo tratamento xenofobico ou pela perseguição e guerra estão demasiadamente grandes, visto que o crescimento migratorio se mantem ainda que a situação de risco pro imigrante se agrave.

  19. A migração dos refugiados, em sua maioria de povos muçulmanos, proveniente de países islâmicos como síria e líbia, é uma questão muito polêmica e controversa. Existem pessoas que defendem os “dois lados da moeda”. Há aqueles que achem dever dos países europeus acolher os imigrantes, uma vez que a estas pessoas são provenientes de áreas de conflito e de instabilidade política, provocados pelo terrorismo e pelas guerras civis. Muitos sofrem com a atuação do grupo terrorista Estado Islâmico, e acabam fugindo de seus países com medo de serem vitimizadas pelos atentados. A corrente contraria defende o interesses dos países europeus, destino dos imigrantes. A imigração vai contra interesses dos cidadãos de diversos países, principalmente no que tange ao viés econômico. A entrada de milhares de pessoas, grande parte delas profissionais qualificados (médicos, engenheiros etc…) representa uma ameaça de concorrência no mercado de trabalho local, o que não agrada os nativos. Independentemente de qualquer viés politico econômico ou social, é importante que a ONU, como instituição defensora dos direitos humanos, tome, de imediato, medidas eficientes para a resolução deste conflito,. O número de mortos nessas migrações é inaceitável, é preciso respeitar a soberania dos Estados, entretanto não podemos nos esquecer que estamos tratando de seres humanos, de vitimas. Assim, espero que a ONU assuma seu papel na defesa dos imigrantes, agindo como intermediadora, para que essas pessoas possam imigrar legalmente para outras nações, seja por meio de um visto provisório ou algo do tipo, porque a situação é calamitosa, e não pode permanecer como está.

  20. A ausência de medidas da ONU ajuda a contribuir para que a situação do imigrantes fique mais degradante.Devido a super lotação nos barcos clandestinos acontece muitas mortes e desaparecimento de imigrantes e a ONU está omissa em tomar atitudes para que o número de mortos reduza .
    A imigração é prejudicial tanto para o imigrante quanto para os países que rebecem os mesmos , muitos deles estão em situação irregulares nesse países e não tem como trabalhar , conseguir moradia e os países que os recebem ficam em situação complicada por receber um fluxo de imigrantes de um vez e esses não estão preparados para esse aumento repentino da população.
    A ONU é obrigado a intervir para tentar solucionar os conflitos regionais que obrigam os seus cidadãos a fugirem de seus países para sobreviverem.

  21. Atualmente, o Mediterrâneo vem sendo muito utilizado por refugiados como porta de saída de seus países. Apesar de se tratar de uma questão antiga, o número de imigrantes refugiados vem crescendo drasticamente. O Oriente Médio se encontra em uma fase muito difícil e delicada. Em meio a muitas guerras e problemas, grande parte da população de tais países se vê obrigada a ir em busca de um local melhor e mais seguro para seguir a vida. A Europa vem sendo muito procurada pelos refugiados devido a sua localização, que permite fácil acesso pelo mar, e também devido a grande diversidade cultural existente no continente.
    O artigo acima demonstra claramente a crescente procura do velho continente como refugio, diante disso fica cada vez mais claro que é necessário um grande apoio dos Estados Internacionais e da ONU em prol de tal questão, visando melhores condições e um maior suporte a todos esses migrantes e refugiados.

  22. A ausência de medidas da ONU ajuda a contribuir para que a situação do migrantes fique mais degradante.Devido a super lotação nos barcos clandestinos acontece muitas mortes e desaparecimento de imigrantes e a ONU está omissa em tomar atitudes para que o número de mortos reduza .
    A migração é prejudicial tanto para o migrante quanto para os países que rebecem os mesmos , muitos deles estão em situação irregulares nesse países e não tem como trabalhar , conseguir moradia e os países que os recebem ficam em situação complicada por receber um fluxo de imigrantes de um vez e esses não estão preparados para esse aumento repentino da população.
    A ONU é obrigado a intervir para tentar solucionar os conflitos regionais que obrigam os seus cidadãos a fugirem de seus países para sobreviverem.

  23. A maioria dos migrantes que chegam a Europa através do mediterrâneo vem de conflitos regionais onde se vê um retrato da guerra. A Europa, em especial, é o lugar mais procurado pelos refugiados, seja pela localização, que permite fácil acesso pelo mar, seja pela heterogeneidade cultural, seja pela expectativa de uma vida melhor, bem como das oportunidades, com o objetivo de alcançar a dignidade humana que tantos Estados dizem mas não á promove mundialmente
    A ONU deveria se posicionar e intervir de maneira incisiva. A comunidade internacional como um todo, teria que tomar alguma atitude com relação a essa situação, devido a gravidade do fato, pois estamos lidando com pessoas

  24. A crise da emigração na Europa tornou-se algo insustentável e impossível de controla-lo uma vez que todos esses estão fugindo de zonas de conflitos , afinal suas terras de origem mergulharam em conflito sangrento e complicado , onde ainda não se tem uma previsão de vim.
    Os países ocidentais pouco intervém para o fim da Guerra Civil e também muitos na facilitam a entrada de refugiados em seus países no que seria uma proteção a sua economia tem se mostrado uma política atrasada e xenofóbica .
    A intervenção da ONU é algo necessário afim de evitar que todas essas pessoas sofram um abandono da humanidade , uma vez que a única coisa que eles possuem é a roupa do corpo e desolação de uma guerra.

  25. Atualmente os jornais tem se ocupado de forma exorbitante sobre os refugiados, noticiando que no geral os países europeus tem se inclinados em fecharem as passagens de formas rígidas. Infelizmente a tendência migratória no mundo é de intensificar, visto que as guerras tem se mantido e se tornado mais cruel, isso se da inclusive pelos grupos extremistas Isis e Boko Haram, que perseguem variados grupos, tais como homoafetivos, cristãos, mas acabam levando a fome, dor e destruição a todos, assim como os próprios muçulmanos, extremistas ou não. Infelizmente os Estados militarmente ativos em conflitos no mundo, utilizam de meios militares que agravam a situação dos conflitos, ou seja, usam o meio de exterminar os grupos extremistas na medida de interesse próprio. Importante frisar, que além de guerras causadas por diferenças étnicas, há as guerras com intuito de manter ditaduras, ou possivelmente governos justos, intitulados desta forma inveridicamente.

  26. Atualmente,o numero de refugiados e migrantes vem aumentando de forma alarmante e os principais alvos desses são os países da Europa. Segundo a ONU, refugiado é aquele que se declara perseguido pelo Estado de sua nacionalidade por razões de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas,é triste pensar que nos dias de hoje ainda existam tantas barbáries contra o próprio ser-humano por questões tao fúteis a ponto das vitimas terem que abondar sua própria casa e país em procura de uma condição de vida melhor.
    O terrorismo que acontece principalmente no oriente, deve ser rapidamente combatido pois a cada dia que passa maior é o numero de refugiados,maior é o numero de mortos que tentam fugir ou que tentam sobreviver a esses atos e mais conflitos são gerados no mundo todo.Alem do combate, a ONU deve proporcionar uma maneira eficiente e segura para que eles possam sair de forma digna de seu país,pois deixa-los a merce do terrorismo é tao cruel quanto os que praticam tais violências.

  27. 300 mil pessoas é um número tão grande que chega a se torna impessoal. No entanto, é a quantidade de pessoas que migraram para a Europa nos últimos meses na condição de refugiados. Esse número soa mal, mas ainda é menos pior do que as 3 mil pessoas que tentaram se refugiar, mas morreram pelo caminho.
    É impossível que o restante do mundo assista a essa crise sem que tome uma atitude, até porque vários Estados estão sendo diretamente atingidos ao receber esses estrangeiros. Portanto, deve-se tentar acolhê-los, mas não é tão simples quanto pode parecer. Durante a Reunião de Alto Nível sobre Grandes Movimentos de Refugiados e Migrantes, espera-se que novas soluções sejam encontradas e que façam com que, ao chegarem aos países de acolhimento, os refugiados possam encontrar não só abrigo, mas também trabalho, oportunidades, dignidade e retribuam respeitando a cultura e as leis de quem abriu as portas para eles.

  28. É muito triste ver tamanho desespero dessas pessoas que precisam sair de sua terra para procurar abrigo e melhores condições de vida em outros lugares. A guerra na Síria e nos países do Oriente Médio vem trazendo enormes problemas, não só locais, mas também aos países que sofrem com a imigração desses refugiados, não suportando muitas vezes, esse grande contingente de pessoas que ficam submersas em um território onde não conseguem se regularizar, tanto pela falta de estrutura do país para comporta-las, quanto por parte dos refugiados, que alem de muitos, não possuem orientação local.
    Essa é uma situação extremamente difícil, ja que, logicamente, não se podem fechar as portas para esses refugiados, porem não se tem o controle dessas pessoas acarretando diversos problemas ao país que acaba ficando sem tem o que fazer direito.

  29. Um novo fenômeno mundial que vem preocupando muitos países é o aumento do fluxo migratório que cresceu exponencialmente devido a conflitos como o da Síria, que é a maior catástrofe humanitária dos tempos atuais e a situação dos refugiados é a mais crítica desde a segunda guerra mundial. O que mais impressiona é que em pleno século XXl, muitos países fecham suas fronteiras e os que oferecem mais ajuda geralmente são os que tem menos capacidade pra ajudar como Turquia , Grécia e Líbano. Fluxo migratório é apenas a ponta do iceberg e é discutido mais do que a própria origem do problema e o que fazer pra mudar isso. Não se discute a guerra na Síria e as atrocidades de seu governante, os conflitos no Sudão, Nigéria, não se discute a condições dos assentamentos existentes, falta de meios legais para conseguir asilos levam ao desespero pela imigração clandestina. A comunidade internacional não está preparada para tal catástrofe humanitária e os governos deveriam parar de conspirar, negligenciar e perceber a verdadeira crise.

  30. GUERRAS CIVIS,PRINCIPALMENTE NO ORIENTE MÉDIO E NA ÁFRICA,TÊM PROMOVIDO O ÊXODO DE MILHARES DE PESSOAS EM BUSCA DE ESPERANÇA DE VIVER UMA VIDA MELHOR EM OUTRA NAÇÃO.SÃO PESSOAS QUE PERDERAM SEUS BENS,MORADIA,FAMILIARES…PERDERAM A DIGNIDADE E AGORA LUTAM PELA SOBREVIVÊNCIA. NOS ÚLTIMOS TEMPOS,O DRAMA DOS REFUGIADOS GANHOU DESTAQUE NO NOTICIÁRIO INTERNACIONAL.A BUSCA DESSES IMIGRANTES POR UMA NOVA VIDA SE TORNOU UMA TRAGÉDIA HUMANITÁRIA.A REDUÇÃO DO NÚMERO DE MIGRANTES QUE CHEGAM À EUROPA É PREOCUPANTE POIS, SEGUNDO A (OIM)ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE MIGRAÇÃO, APESAR DESSA REDUÇÃO NA CHEGADA DOS REFUGIADOS NÃO HOUVE REDUÇÃO NA SAÍDA DOS SEUS PAÍSES DE ORIGEM.HOUVE CASO DE NAVIOS REFUGIADOS QUE AFUNDARAM NO CAMINHO.MUITOS FORAM RESGATADOS.OUTROS NÃO TIVERAM O MESMO LIVRAMENTO.SÓ NA TRAVESSIA D MAR MEDITERRRÂNEO, A (OIM)ESTIMA QUE CERCA DE DUAS MIL PESSOAS TENHAM MORRIDO NO TRAJETO ENTRE O NORTE DA ÁFRICA E EUROPA. TODOS OS DIAS, CERCA DE 400 PESSOAS TENTAM ATRAVESSAR AS ÚNICAS FRONTEIRAS SECAS ENTRE ÁFRICA E EUROPA.GRÉCIA E ITÁLIA TORNARAM A PRINCIPAL PORTA DE ENTRADA PARA MUTOS REFUGIADOS E MIGRANTES E TAMBÉM TEM A QUESTÃO DOS QUE TIRAM PROVEITO DA VULNERABILIDADE DE MIGRANTES E REFUGIADOS PARA PRATICAREM O TRÁFICO DE PESSOAS QUE SERRÃO EXPLORADAS DEVIDO A SUA MÍSERA CONDIÇÃO.

  31. O fato imigrativo atual com consequências sobre toda europa, tem natureza causa-efeito.
    Decorre da insustentabilidade de sobrevida nos países de origem em decorrência de guerras civis, perseguições e terrorismo, quando os refugiados, numa ação de socorro, arriscam suas vidas, na tentativa de sbrevivência em lugar menos turbulento.
    As nações destino, sob influência de uma economia em crise, têm grande dificuldade em acolher tais imigrantes, de modo a proporcionar aos mesmos trabalho e dignidade, com custas de sacrifício dos nacionais. Problema sério a quem busca abrigo de sobrevida, difícil para quem os recebe.
    O que fazer diante tais circunstâncias, acolher, resistir?
    É uma questão acima de tudo humanitária. Em interação com a ONU, demais organizações representativas do assunto, representantes dos países europeus, colaboradores voluntários do mundo inteiro, devem buscar solução de maneira a amenizar este sofrimento humano, afinal somos irmãos, temos todos o dever de prestar auxílio a nosso semelhante, somar para sua sobrevivência, desejar para eles o que achamos merecer, vida digna.
    Uma vez atacadas as consequências do desatino, pensar a melhor maneira de contribuir, de forma também associada, para solução dos conflitos causa desta dispersão.
    Existe o problema, urgente deve ser ação de todos implicados e envolvidos, para o bem da humanidade.

  32. A questão de migrantes vem gerando diferentes opiniões pelo mundo, de um lado pessoas que entendem que as dificuldades passadas pelos refugiados deveriam ser enfrentadas nos seus países de origem, de outro, pessoas que acham importante que os refugiados tenham um acolhimento digno para que eles consigam viver e lutar por solidariedade, igualdade e uma vida melhor.
    É muito triste ver tamanho desespero dessas pessoas que precisam sair de sua terra para procurar abrigo e melhores condições de vida em outros lugares. Segundo a ONU, refugiado é aquele que se declara perseguido pelo Estado de sua nacionalidade por razões de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas; que se ausentou de seu país em virtude desses termos ou que não consegue a proteção do poder público pelas mesmas razões.
    É uma situação muito delicada, pois não se podem simplesmente fechar as portas paras os refugiados, porem ele tem que ter um controle de quantas pessoas chegam, quantas saem para não poder encarretas em diversos problemas internos. Um grande problema que acerca este assunto é que os países que recebem imigrantes deveriam ter maneiras de recebe-los. Os países para recebê-los, deveriam possuir no mínimo uma estrutura aceitável, para que ele possa dar conta de mais pessoas em seu país, usufruindo dos meios que ele oferece.

  33. Após cinco anos da intervenção militar da OTAN na Líbia e quatro anos de guerra civil na síria, o drama dos refugiados continua. Sem qualquer resolução da Onu para o fim dos conflitos resta a esses povos vagar pelo mediterrâneo contra todas as adversidades, e ao chegar ao solo europeu sem a certeza de refugio ou qualquer condição mínima de abrigo. O que se viu nesses cinco anos foram as portas da Europa se fechando aos mais necessitados, muros sendo levantados e a bandeira da xenofobia mais forte do que nunca. Desde a segunda guerra mundial o mundo não via um fluxo tão grande de refugiados. A hipocrisia da OTAN continua, a medida que arma, treina e prepara terroristas “moderados” e ao mesmo tempo fecha as portas ao resultado inevitável dessa equação, de instabilidade e morte sem precedentes. O mundo mais uma vez vai se tornando frio com a tragédia repetida varias e varias vezes, de refugiados mortos no mar, com a esperança de uma vida melhor na Europa.

  34. A instabilidade política provocada pelo terrorismo e pelas guerras civis, sobretudo pela guerra civil na Síria e pela atuação da facção terrorista Estado Islâmico em boa parte do território sírio e a recusa de outros países muçulmanos, sobretudo os países do Golfo Pérsico, como a Arábia Saudita, em receber os refugiados em seu território são as principais causas do surto migratório para Europa desde o primeiro semestre de 2015.

  35. A situação atual dos imigrantes árabes é extremamente delicada e urgente. Fugindo das respectivas terras natais, os reféns da violencia e intolerancia religiosa morrem todos os dias tentando viver em paz. Terroristas infiltrados causam medo e grande desconfiança aos países que recebem estes imigrantes, obrigando, a ONU e outras organizações internacionais intervenirem com suas ferramentas nesta situaçao, mas a necessidade atual é de mais eficiência e desses métodos usados para salvar essas vidas.

  36. Muitas pessoas fogem de seus países e procuram alternativas na Europa por acharem que tem melhores condições que os outros países, a causa disso é a guerra que assistimos na Síria, essas pessoas vem se deslocando cada vez mais gerando muitas mortes, assunto esse que causa grande comoção no mundo todo. O nível de pobreza desses países e a situação econômica e a instabilidade é tão grande que levam as pessoas a arriscarem suas vidas na perigosa travessia no mar mediterrâneo em busca de algo melhor. Esses países acabam sobrecarregados mas não podem simplesmente fechar as portas pra essas pessoas.

  37. Entendo que essa discussão não tem como foco as pessoas – estas são tratadas como números/estatísticas. O cerne da desavença é econômico. Porque apenas os líderes dos países-destino sentam-se à mesa? A mídia vitimiza os países que recebem os imigrantes e estes são, mais uma vez, negligenciados. Infelizmente, a economia dos países “invadidos” é também sustentada por esses cidadãos que perdem sua dignidade e seu nome e apenas mudam de ditadura, transitando das guerras civis para a submissão a preconceitos, trabalhos subumanos e perda de identidade.
    Há que se rever a “Regulação de Dublin”(o asilo deve ser concedido pelo país de entrada na Europa, independente do destino do imigrante), que não acompanha as mudanças da contemporaneidade.
    A proposta de cotas também é aventada. O tema deve ser mais discutido, pois uma resolução unilateral que afete as soberanias dos Estados levaria a um conflito que mudaria o foco da discussão.

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s