Pepe Escobar: “Xi Jinping: ‘O chefe’ no G20 “


chinas-moment

6/9/2016, Pepe Escobar,TeleSur (Imagem)
O G20 na China foi muito, muito impressionante – de um modo que bem poucos no ocidente conseguem compreender. Vivo na Ásia, entre idas e vindas, há 22 anos –, e outros que têm considerável experiência da região tiveram a mesma impressão.

Dediquei-me a tentar capturar algumas pinceladas de uma tarefa muito complexa: a longa preparação, os rituais, o sério trabalho ético envolvido em encontrar soluções práticas, especialmente para pequenas e médias empresas (PME) que querem tornar-se globais.

O G20 afinal é a primeira organização verdadeiramente global a incluir nações industrializadas e as nações topdo sul global, com mandado para criar as bases de um desenvolvimento equilibrado e sustentável. O G7, como o conhecemos, é passado. Cabe ao G20 criar o futuro.

A China – e o presidente Xi Jinping, in particular – colheram essa oportunidade no palco global com imenso deleite. Todos no G20 – inclusive o pato manco e/ou políticos europeus desentendidos – aceitaram as propostas de Xi sobre o que fazer para reviver a economia global. Afinal de contas, é o que todos querem – e de que tanto carecem.

ASSISTA: China: Economic Turbulence
Tariq Ali entrevista Prof. Dic Lo, da Universidade de Londres (vídeo, 30’38, ing.)

As propostas incluem mais coordenação política na reforma fiscal, monetária e estrutural; melhorar o sistema multilateral de comércio (quer dizer, a OMC, não arapucas tipo ‘OTAN comercial’, como as ‘parcerias’ Trans-Atlântico e Trans-Pacífico); fortes gastos em infraestrutura transfronteiras (aí entram as Novas Rotas da Seda chinesas); e reformar a governança financeira global (com maior poder de decisão para economias emergentes) [Aqui não se inclui o Brasil dos Golpistas Usurpadores Temer &Co., porque o Brasil depois do golpe – e não por acaso – passou a ser considerada economia submergente (NTs)].

Tudo isso mais uma vez encaixa-se com as Novas Rotas da Seda – ou Um Cinturão, Uma Estrada; o projeto vastamente ambicioso de integração/conectividade Eurasiana que é, de fato, em ação, a proposta de Xi para uma “economia mundial inovadora, revigorada, interconectada e inclusiva”.

Não faz mal algum que as propostas também se conectem com o impulso de Pequim para que o yuan torne-se elemento chave do sistema monetário global, e que em breve será incluído na cesta de moedasSpecial Drawing Rights (SDR), do FMI.

Laurence Brahm, analista bastante razoável, com sede em Pequim, muitíssimo mais competente que qualquer dos ‘especialistas’ da Think-Tankelândia ocidental, disse que Xi, no G20, “assumiu o palco principal como líder mundial, dentre outras razões por ter atraído outros líderes globais para o multilateralismo e pragmatismo, mais interessado em reuni-los em torno de infraestrutura e economia sólidas, nas em torno de algum discurso ou alguma ideologia.”

O presidente Barack Obama, por falar dele, não foi visto nem em palco secundário nem em show de ‘esquenta’.

E, além de tudo isso, lá se viu, ativa, a Suprema Justiça Poética – no que tenha a ver com Hangzhou. Quando Marco Polo visitou Hangzhou no final do século 13, descreveu a cidade como “sem dúvida a mais bela, a mais esplêndida cidade de todo o mundo.”

Esse G20 foi como prévia ilustrada da China como a maior economia do mundo no futuro próximo (em paridade do poder de compra [ing. purchasing power parity, PPP], já é). Não surpreende que uma mídia-empresa ocidental ressentida tenha dado à reunião do G20 ‘cobertura’ – ou pseudocobertura – que mais pareceu chilique de adolescentes emburrados.

O que interessa é que G20 foi realizado em Hangzhou. É a história, completando o círculo. São apenas uns poucos séculos, quando Marco Polo deslumbrava-se ante economia maior, mais dinâmica e muitíssimo mais sofisticada q a economia da Europa.

Está acontecendo outra vez. E “o chefe” vai garantir que tudo saia exatamente conforme o plano.

Esse post foi publicado em Relações Internacionais e marcado , , , por Luiz Albuquerque. Guardar link permanente.

Sobre Luiz Albuquerque

O Núcleo de Estudos sobre Cooperação e Conflitos Internacionais (NECCINT) da Universidade Federal de Ouro Preto em parceria com as Faculdades Milton Campos, sob a coordenação do professor Luiz Albuquerque, criou o Observatório de Relações Internacionais para servir como banco de dados e plataforma de pesquisas sobre relações internacionais e direito internacional . O site alimenta nosso trabalho de análise de conjunturas, instrumentaliza nossas pesquisas acadêmicas e disponibiliza material para capacitação profissional. Mas, além de nos servir como ferramenta de trabalho, este site também contribui para a democratização da informação e a promoção do debate acadêmico via internet.

2 respostas em “Pepe Escobar: “Xi Jinping: ‘O chefe’ no G20 “

  1. Nesse importante marco histórico em que estamos, cercados pelos países ditos emergentes, é importantíssimo que se consolide um grupo menos elitista que o g7. Eis que surge o G20, colaborando imensamente pela economia e a arquitetura financeira internacional dos Estados em crescimento. Parece-nos que o G20 busca dar maior vazão à OMC, que tem desempenhado com excelência o seu papel no sistema internacional do comércio. Isso é importantíssimo dado que o bloco BRICS (apesar de andar enfraquecido), necessita, veementemente, de uma estrutura comercial internacional sólida que os ajude a retomar os passos. Porém, Fica aqui a dúvida quanto a APEC. Teria o G20 na China aumentado os ânimos para o seu funcionamento? É certo que se somadas as produções de todos os países, teríamos metade da produção mundial e o maior bloco econômico do mundo. Seu funcionamento está previsto para 2020, mas interessante seria, se aproveitassem o espírito do evento para discutirem assuntos relacionados a APEC. Além disso, com o G20 realizado no país das ilhas artificiais, fica clara a tentativa de acalmar a turbulência econômica na China, promovendo de maneira justa e interessante uma alavancagem na sua bolsa de valores.

  2. Esse encontro do G-20 veio para consolidar de vez a liderança chinesa na economia. Para a grande maioria dos especialistas a China vai ultrapassar os EUA como a maior potencia econômica no seculo 21. Para tal fato a China sabe que precisa não só do crescente poder militar, mas também de incluir o yuan ( sua moeda ) dentro do sistema monetário internacional. pois alem de ser a maior credora dos EUA, a china precisa de maior espaço em outros mercados sem precisar de usar o dólar. O que foi visto no G-20 foi uma demonstração gigantesca da China em se afirmar no cenário mundial e isso inclui, esvaziar uma metrópole de 9 milhões de habitantes, apenas para o encontro do G-20. tudo isso para evitar qualquer tipo de mal estar ou protesto. Com a antiga paciência milenar asiática a china vai atropelando seus “inimigos”, tudo caminha para o “seculo chines”.

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s