Time for Temer – The new president takes over a country in crisis


Temer

Published on Sept 3, 2016

The street vendors who set up around Brazil’s congress must have been disappointed. Police had expected thousands to gather for the closing stages of the impeachment trial of Dilma Rousseff, Brazil’s president. But when the senate voted by 61 to 20 to remove her from office on August 31st, the esplanade, bisected by a fence to prevent clashes between her foes and her supporters, was eerily empty. Her former vice-president, Michel Temer, who has been interim president since May, was sworn in hours later to serve out the remaining 28 months of her term.

It was a muted end to a remarkable era. For the past 13 years Ms Rousseff’s left-wing Workers’ Party (PT) has dominated politics. The party broke barriers. Luiz Inácio Lula da Silva, Ms Rousseff’s predecessor and patron, became the first working-class president in 2003; she was the first woman to hold the job. The global commodity boom paid for programmes that helped 40m people lift themselves out of poverty. Many Brazilians remain grateful.

But Ms Rousseff’s impassioned self-defence before the senate on August 29th moved few of them. The charge against her—that she tampered with government accounts to conceal the size of the budget deficit—was not an impeachable offence, she insisted. She compared her ordeal to the injustice and torture she had suffered as a left-wing guerrilla during Brazil’s military dictatorship of 1964-85. Conservative political and business elites were persecuting her again, this time to sabotage her pro-poor policies, she contended.

In fact, her downfall was brought about by Brazil’s worst-ever recession, which is partly her doing, by the multibillion-dollar scandal centred on Petrobras, the state-controlled oil company, and by her own political ineptitude. The people hit hardest by her policies were those she sought most to protect. Nearly 12m Brazilians, about one worker in nine, are jobless, a third more than a year ago. The economy shrank 3.8% year-on-year in the second quarter of 2016, the government reported on August 31st. But with inflation close to 10%, the central bank had little choice but to keep its target interest rate unchanged at 14.25%. That, too, is largely Ms Rousseff’s fault. During her first term in 2011-14 she pressed the bank to ease monetary policy prematurely.

Mr Temer now promises to revive the economy, largely by reversing her policies. His talk of privatisation, deregulation and fiscal discipline has cheered investors. “Our motto is to spend only what we collect,” he said in his first television address as president. His economic team, led by the finance minister, Henrique Meirelles, inspires confidence. The São Paulo stockmarket and the real, Brazil’s currency, have strengthened since Mr Temer took charge. The cost of insuring government bonds against default has fallen by a quarter.

Among ordinary voters, though, the new president has little more support than the outgoing one. His approval rating is below 20%, according to recent polls. His Party of the Brazilian Democratic Movement (PMDB) is as embroiled in the Petrobras scandal as the PT, its ally for more than a decade. Half of Brazilians want a chance to choose a new president in a fresh election. This would heal wounds opened by the flawed impeachment process, says João Castro Neves of Eurasia Group, a consultancy, but it would also delay urgent economic reforms. Mr Temer has no intention of triggering an election by resigning.

Now it’s Michel’s mess
Instead, he will begin the Herculean task of cleaning up Brazil’s chaotic public finances. Ms Rousseff began her presidency with a primary surplus (before interest payments) of 3.1% of GDP and ended it with a deficit of 2.7%. That deterioration raised borrowing costs, which made the fiscal situation still worse. The overall deficit is an alarming 10% of GDP.

If nothing is done, warns Vilma Pinto of FGV-IBRE, a think-tank, public debt will exceed 110% of GDP in 2022, double what it was when Ms Rousseff took office, and will keep on rising. That could lead to a default, or to a return of the hyperinflation that blighted the decade after 1985. That was tamed by Itamar Franco, the last vice-president who was thrust into the top job (by the impeachment on corruption charges of Fernando Collor).

Mr Temer hopes to work similar wonders. He is counting on two measures to achieve that: a 20-year freeze on public spending in real terms and a reform of the pension system, which generously rewards retired workers at the expense of everyone else. Both require amending the constitution. The proposals stalled during the impeachment process. Now, the government promises, both will move ahead.

Many analysts say they are not ambitious enough. The budget presented on August 31st did nothing to dispel those worries. It would reduce the primary deficit only modestly, to 2% of GDP. Under the proposed spending freeze, the government would not run a primary surplus before 2021, says Ms Pinto. Public debt would peak at 90% of GDP in the early 2020s. That would probably avert catastrophe, but it would still crimp Brazil’s capacity to respond to economic shocks, such as a sudden domestic slowdown or a flight by nervous foreign investors.

Faster deficit reduction will be politically painful. Brazilians want more from public services, not less. A survey in July found that a third of Brazilians had dropped their private health insurance over the past year because of economic hardship; they now rely on public clinics. Some 14% of parents say they have withdrawn children from fee-charging schools. Plenty of wasteful spending remains that could be cut without hurting ordinary Brazilians, reckons Alberto Ramos of Goldman Sachs, an investment bank. Non-interest expenditure grew twice as fast as the economy under the PT. “It is hard to believe that all that was wise and efficient,” says Mr Ramos.

Opposition from the PT will be ineffectual. Demoralised by recession and scandal, it is fielding half as many mayoral candidates in October’s local elections as it did four years ago. Its distinctive red star has disappeared from some candidates’ campaign literature. Lula, still its most popular leader, has been charged with obstructing the investigation of the Petrobras affair. He denies wrongdoing. Several other party leaders are serving prison sentences.

As so often in Brazilian politics, the president’s friends may prove more troublesome. The spending freeze and the proposal to raise the retirement age need three-fifths majorities in both houses of congress to pass. Mr Temer’s PMDB wants them watered down, for example by ring-fencing parts of health and education spending (together a third of the federal budget). The odds of other structural reforms, to Brazil’s Mussolini-era labour laws or its Byzantine taxes, are slim.

Mr Temer will thus have plenty to ponder on his long flight to the G20 meeting on September 4th-5th in China, his first official trip as president. In striving to be the next Itamar Franco he could suffer the fate of José Sarney, a vice-president who was unexpectedly promoted in 1985 after the end of military rule. Mr Sarney proposed a series of half-baked inflation-fighting plans that only made things worse. The resulting turmoil helped usher in a telegenic populist in 1989: Fernando Collor.

The Economist

12 respostas em “Time for Temer – The new president takes over a country in crisis

  1. No dia 31 de Agosto de 2016 o Senado Federal aprovou por ampla maioria o impeachment da agora ex Presidente da República Dilma Rousseff . O julgamento final, teve 61 votos a favor da saída da petista do Poder e apenas 20 contra.
    A decisão levou o vice presidente , Michel Temer, a assumir por definitivo o comando do Palácio do Planalto até o fim do mandato para o qual sua chapa foi eleita dois anos atrás, em 2018.
    Michel Temer assume o poder em um momento delicado, visto que a condição econômica do país não é nada boa, o que leva todos a enfrentar uma tremenda crise. Por esse motivo, suas ações tem como foco a redução do endividamento publico e a retomada do crescimento econômico do Brasil.
    Portanto, Temer traz um discurso em que pretende reanimar a economia, principalmente, invertendo suas politicas. Assume com novos projetos, inclusive privatização, desregulamentação e disciplina fiscal.
    Em suma, sua missão não é nada fácil, e a verdade é que seu novo governo por enquanto só trouxe manifestações e descontentamentos de parte da população. Esperamos porem, que esse cenário possa melhorar e que nosso país volte a crescer.

  2. Com o impeachment de Dima Roussef, cabe a Michel Temer trabalhar com seriedade e competência na promoção dos interesses nacionais, resgatando o Brasil do nefasto domínio do populismo irresponsável que provocou a maior crise política, econômica, social e moral da história do nosso país. Como dito pelo próprio presidente: “Eu sou uma consequência da Constituição. Não eu pessoalmente, mas o vice-presidente da República é uma consequência do texto constitucional. Quero refutar aqueles que a todo instante pretendem dizer que houve uma ruptura da constituição. Isso na verdade, data venia, é coisa de quem não lê a Constituição.” Sendo assim, rezemos para que ele exerca bem a sua função, e entregue o seu mandato em 2018 com um país melhor.

  3. A economia brasileira aguarda ansiosamente uma retomada do crescimento econômico, muitas pessoas depositam grande parte das suas esperanças no novo governo de Michel Temer, agora presidente da republica. A queda da ex-presidente, Dilma Roussef, foi provocada na grande verdade pela falta de habilidade política da mesma, acrescida pela pior das recessões do Brasil, que é em parte dela provocada, pelo escândalo de bilhões de dólares centrado na Petrobras e outra parte pela falta de experiencia politica e de capacidade de dialogo . Cerca de 12 milhões de brasileiros estão desempregados, um terço a mais do que um ano atrás. A economia encolheu 3,8% no segundo trimestre de 2016, informou o governo em 31 de agosto.
    Michel Temer assume assim a presidência em um momento muito instável, sem saber ainda o que o espera pela frente dos 28 meses restantes de exercício. E com ele reacende a esperança da população brasileira, pela retomada para um plano de crescimento, apesar das dificuldades e rejeições enfrentadas pelo seu partido.

  4. No dia 31 de Agosto de 2016 o Senado Federal aprovou por ampla maioria o impeachment da agora ex Presidente da República Dilma Rousseff . O julgamento final, teve 61 votos a favor da saída da petista do Poder e apenas 20 contra.
    A decisão levou o vice presidente , Michel Temer, a assumir por definitivo o comando do Palácio do Planalto até o fim do mandato para o qual sua chapa foi eleita dois anos atrás, em 2018.
    Michel Temer assume o poder em um momento delicado, visto que a condição política do país não é nada boa.
    Portanto, Temer traz um discurso em que pretende reanimar a população, principalmente, invertendo suas politicas. Assume com novos projetos, inclusive privatização, desregulamentação e disciplina fiscal.
    Em suma, sua missão não é nada fácil, e a verdade é que seu novo governo por enquanto trouxe manifestações e descontentamentos de parte da população. Esperamos, porém, que esse cenário possa melhorar e que o Brasil dê a volta por cima.

  5. O impeachment de Dilma Rouseff foi concluído no dia 31 de agosto de 2016 e Michel Temer assume a presidência em definitivo do Brasil.
    Michel Temer trouxe consigo promessas, planos, reformas e alterações que pretende fazer até 2018. O seu programa de governo contempla em suas plataformas neoliberais, o teto de contenção dos gastos públicos, a reforma trabalhista e da previdência. Dentro das mudanças, no âmbito da previdência pode-se citar a alteração da idade mínima da aposentadoria para as mulheres, igualando-as aos homens, ou seja, aos 65 anos de idade, a extinção da aposentadoria especial para o trabalhador rural, bem como a desindexação do salário mínimo às aposentadorias e pensões. Tais medidas, são polêmicas e vem gerando apoio por parte do mercado, mas também crítica e até sinais de resistência, por parte dos movimentos sociais, sindicatos, entre outros.
    Seja como for, o que não pode deixar de ser considerado é que a reforma apresentada atinge principalmente a população pobre brasileira dependente desse sistema público.

  6. O impeachment foi um passo muito importante para a reascenção do Brasil na comunidade internacional. O país, que perdeu muita visibilidade com os diversos escândalos políticos envolvendo a antiga presidente, agora pode dar um suspiro com a posse de seu vice, Michel Temer. Por mais que a situação do político não seja das mais privilegiadas, ele, com absoluta certeza, possui mais preparo e conhecimento jurídico da situação brasileira, visto que foi um dos formuladores do código civil de 2002. Resta ao cidadão brasileiro ser otimista, para que a crise seja enfim superada e para que Michel Temer, apesar das desavenças, tenha sucesso em seu reduzido mandato. Isso trará a confiança necessária para o fim da crise.

  7. Após instaurado e votado o processo de impeachment de Dilma Rouseff, Michel Temer assume definitivamente a presidência do Brasil e se vê diante de uma difícil tarefa.
    Tendo em vista a maior recessão econômica da historia brasileira, o aumento do desemprego e a diminuição do PIB brasileiro.
    Embora a missão de Temer não seja fácil, já estão sendo implantadas reformas que possivelmente impulsionarão a economia brasileira.
    Um exemplo no qual tem se falado muito é a reforma na previdência que prevê a alteração da idade mínima para se aposentar, equiparando a das mulheres com a dos homens e fixando-a na base de sessenta e cinco anos.
    Diante do tempo escasso e da grande recessão econômica, entende-se a postura do presidente em mandar com certa urgência essa medida para o Congresso Nacional a fim de amenizar os severos efeitos da atual recessão.

  8. Mediante a mais uma grande mancha em nossa democracia – um segundo impeachment de um presidente da republica – eis que surge Michel Temer. Inicialmente, foi ironizado como meramente decorativo, no entanto, devido as mudanças abruptas no cenário político brasileiro, Michel Temer agora não é mais coadjuvante, mas sim protagonista principal de todo Brasil.

    O presidente enfrentará uma grande crise no país, não só economica, mas também politica e social. O povo não acredita mais em seu governo, não acredite mais em sua segurança. A imprensa nos bombardeia com notícias que mostram cenários cada vez piores e sem esperança para população.

    Cabe a Michel, na sua função de articulador e representante máximo do povo brasileiro, saber se esgueirar perante essas dificuldades. O caminho economico todos nos sabemos: Austeridade, enxugar a maquina pública, diminuir despesas e regalias, reforma na previdencia social, flexibilização da legislação trabalhista, enfim, muitas vezes um caminho anti-popular, mas o caminho certo para retomada do Brasil, que precisa se tornar um país com mentalidade de 1º mundo.

  9. Depois das eleições de 2014 já era previsto que quem assumisse o cargo de presidente da republica teria um problema grande em suas mãos.Uma vez que o Governo não teria estabilidade econômica e nem política.
    Mas no caso especifico de Dilma Rousseff escândalos de corrupção só aumentaram sua reprovação por parte da população e agravou sua situação o que promoveu sua queda.
    Agora Michel Temer terá o desafio de reestruturar a sua base política , políticas de governo e economia do pais.Afinal , mergulhamos em uma crise de desemprego e inflação , onde o próprio governo não tem condições de arcar com suas dividas e terão de recorrer a aumento de impostos e outras medidas impopulares.

  10. O atual presidente Temer assumiu o poder em um momento crítico para fazer mudanças necessárias no país, situação econômica e social crítica. O povo clama pela sua saída sem saber as consequências que isso traria, tirar o presidente nos dois últimos anos de seu mandato leva a eleições indiretas segundo a CR/88 e o Temer tem uma proposta boa para melhorar a economia, tudo não passa de desespero do público por mais intriga política.

    Outro ponto a ser levantado é o fato da violência policial, salários baixíssimos e concurso simples para uma posição de poder leva a abuso de autoridade, os protestantes estão meramente exercendo seus direitos e enfrentam represálias por parte das instituições públicas, acaba levando a uma opinião pior do governo e as pessoas ainda frustradas com a situação. Mudanças são necessárias tanto por parte da população quando alguns protestos se tornam guerra pública quanto da parte do governo e controle de seus oficiais. É ótimo que o povo esteja mais interessado na política mas a falta de conhecimento e informação leva a opiniões quebradas sendo espalhadas. A questão é tanto da mentalidade das pessoas quanto da gestão governamental como um todo

  11. Michel Temer assume o poder em um momento delicado, visto que a condição econômica do país é crítica. Além disso,o governo não tem estabilidade econômica nem política. Isso se deu principalmente devido aos inúmeros escândalos de corrupção ,que corroeram as verbas dos cofres públicos além de causar divergências e conflitos entre os envolvidos quando foram iniciadas as apurações principalmente tendo em vista o instituto da delação premiada. Agora Michel Temer terá o desafio de reestruturar a sua base política , políticas de governo e economia do pais.Afinal , mergulhamos em uma crise de desemprego e inflação , onde o próprio governo não tem condições de arcar com suas dividas e terão de recorrer a aumento de impostos e outras medidas impopulares o que será grande desafio do novo governante.
    Suas ações tem como finalidade a redução do endividamento publico e a retomada do crescimento econômico do Brasil.Sem dúvidas é um dos momentos mais sensíveis do país que clama por profunda reforma política e legislativa ( por exemplo.: aposentadoria, previdência privada). Esse será o momento chave para a reviravolta e retomada do país , cabe a Temer sabedoria , calma e proatividade visando as medidas certas de maneira precisa.

  12. Até o momento a presidência de Michel Temer tem criado muita polêmica e resistência devido não somente à sua origem mas também por causa de várias medidas adotadas em desconformidade com o plano do ex-governo. Para o presidente o país está enfrentando um desafio econômico urgente de ordem fiscal e planeja diminuir os gastos públicos para reverter a situação. Para isso prometeu o controle da inflação, reforma do sistema previdenciário e a articulação de parcerias público-privadas. Lançou um projeto de concessões e privatizações chamado ”Crescer”, dentre outas medidas. Segundo Temer -”o poder público não pode fazer tudo, ele tem de ter a presença do setor privado como como agente indutor de desenvolvimento produtor de empregos ”-. Além disso também foram muito importantes os tratados de investimentos (no valor de bilhões de dólares) firmados bilateralmente com a China. O Secretário do Tesouro norte americano elogiou as medidas econômicas do governo Temer e disse que tais medidas são importantes para retomado de confiança do país.

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s