OMS anuncia novas recomendações para tratamento da mutilação genital feminina


Atualmente, mais de 200 milhões de meninas e mulheres em todo o mundo vivem com a mutilação genital feminina (MGF). Prática viola direitos humanos e pode até mesmo levar à morte.

Publicado originalmente em: 26/05/2016

14705440221_25a1920a6a_z

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou neste mês novas recomendações destinadas a orientar profissionais de saúde a realizar melhor atendimento às mais de 200 milhões de meninas e mulheres em todo o mundo que vivem com a mutilação genital feminina (MGF).

“Os profissionais de saúde têm o papel crucial de ajudar a resolver este problema de saúde global. Eles devem saber como reconhecer e lidar com as complicações de saúde ocasionadas pela MGF”, disse Flavia Bustreo, diretora-geral assistente da OMS, em comunicado.

“O acesso à informação adequada e à boa formação podem ajudar a prevenir novos casos e garantir que as milhões de mulheres que sofrem com a MGF tenham a ajuda que necessitam”, acrescentou.

As recomendações da OMS alertam para a necessidade de esforços internacionais para a interrupção e prevenção da prática, assim como focam no tratamento das complicações obstétricas do procedimento, no tratamento da depressão e da ansiedade, na atenção à saúde sexual feminina e no fornecimento de informação e educação.

A agência de saúde da ONU também alerta contra a chamada “medicalização” do procedimento, recomendando a criação de protocolos e manuais que orientem profissionais de saúde a responder a pedidos de pais ou membros da família sobre o procedimento ou a pedidos de mulheres sobre a re-infibulação após o parto.

De acordo com a OMS, os profissionais de saúde muitas vezes desconhecem as muitas consequências negativas para a saúde que a circuncisão feminina causa.

Além disso, muitos profissionais permanecem inadequadamente treinados para reconhecer a MGF e tratá-la adequadamente. Isso faz com que muitas mulheres sofram, desnecessariamente, as consequências para a saúde física e mental do procedimento.

Fonte: ONU Brasil

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s