Maior parte das grandes empresas brasileiras não tem ações afirmativas para incentivar presença de mulheres e negros


Originalmente Postado: 13/05/2016

A maioria das principais empresas brasileiras não tem ações afirmativas para incentivar a presença de mulheres e negros em seus quadros e, quando tem, são ações pontuais em vez de políticas com metas e iniciativas planejadas, de acordo com estudo do Instituto Ethos, signatário da Rede Brasil do Pacto Global das Nações Unidas e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

O estudo, que teve o apoio da ONU Mulheres e da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e analisou as 117 maiores empresas do país, concluiu também que grande parte das organizações tampouco desenvolve alguma política visando à promoção da igualdade de oportunidades entre homens e mulheres ou entre negros e brancos.

A pesquisa faz parte de uma série de estudos sobre o tema, denominada “Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e suas Ações Afirmativas”.

Mulheres

Com maioria de 51,4% da população brasileira, as mulheres estão sub-representadas nas maiores empresas brasileiras.

“Além da desigualdade (de presença nos quadros) em relação aos homens, enfrentam afunilamento hierárquico que as exclui, em maior proporção, dos postos mais elevados da escala hierárquica, como já observado em pesquisas anteriores”, disse o estudo.

As mulheres têm vantagem em relação aos homens no contingente de aprendizes e estagiários, com participação de 55,9% e 58,9%, respectivamente. Mas elas perdem espaço já a partir dos trainees, com 42,6%. Nos níveis superiores seguintes, estão ainda menos presentes, com porcentagens de 35,5% no quadro funcional, 38,8% na supervisão, 31,3% na gerência, 13,6% no quadro executivo e 11% no conselho de administração.

Questionados sobre a causa da restrita participação feminina em ao menos um dos níveis hierárquicos, 36,9% dos gestores disseram faltar conhecimento ou experiência de sua empresa para lidar com o assunto. Outros 34,2% disseram “não haver interesse das mulheres”.

Negros

O cenário é semelhante para os negros, que representam 52,9% da população do país e estão, como as mulheres, em situação de desigualdade, sub-representação e afunilamento hierárquico.

Segundo o estudo, neste caso a exclusão é ainda mais acentuada. Os negros são maioria nos contingentes de aprendizes e trainees, com proporção de 57,5% e 58,2%, e têm sua participação resumida a 6,3% na gerência e 4,7% no quadro executivo.

O estudo mostrou ainda que os administradores das empresas têm consciência da situação. Entre os principais gestores, 55% consideram haver menos negros do que deveria na gerência da empresa e 64% acham o mesmo quanto ao quadro executivo. Outros 53,1% dos principais gestores empresariais pensam haver menos mulheres do que deveria no quadro executivo.

A maior parte das empresas disse ainda não possuir medidas para ampliar a presença de negros em nenhum nível de seu pessoal, enquanto parcela relevante dos gestores disseram ter a percepção de que, ao menos na gerência e no quadro executivo, a presença de negros está abaixo do que deveria.

Questionados quanto à causa da escassez de negros em um ou mais níveis, parte dos gestores disse haver “falta de conhecimento ou experiência da empresa para lidar com o assunto”.

A maior parte das empresas participantes da pesquisa é do setor industrial, com 52,1%, seguido pelos setores de serviços e comércio, ambos com 17,1%. As empresas concentram-se, em sua maior parte, nas regiões Sudeste e Sul, totalizando uma proporção de 78,7%.

Veja aqui a pesquisa completa. 

FONTE: ONU

Uma resposta em “Maior parte das grandes empresas brasileiras não tem ações afirmativas para incentivar presença de mulheres e negros

  1. Apesar de algumas empresas até afirmam estarem mantendo programas de promoção da diversidade e igualdade de oportunidades no ambiente de trabalho , qualquer crescimento à respeito tem se dado forma muito lenta, prova disto é o presente estudo.
    Conforme o estudo, no caso das mulheres, pior que a desigualdade perante os quadros de funcionários, ou melhor, de pertencer ao quadro, vem a ser a questão da hierarquia, que as exclui em maior proporção dos postos de trabalho mais elevados. Não há o que se justificar ao consideramos que os requisitos para tais cargos podem ser tranquilamente preenchido por homens e pelas mulheres (Escolaridade, experiência, perfil, etc). Por outro lado, para ingresso como aprendizes e estagiários, as mulheres superam os homens, segundo pesquisa.
    Em relação aos negros, a exclusão é pior, os mesmos também estão inseridos em grandes proporções apenas como aprendizes ou trainees, e de forma insignificativa em altos cargos, em média menos de 5%.
    Vivemos hoje um dos momentos mais frágeis no Brasil, tanto no meio politico, econômico e social. Mas não podemos perder de vista que há maneiras de investir no desenvolvimento do País, e uma delas é combatendo as desigualdades e a exclusão.
    Uma mudança neste cenário, e a criação de ambientes organizacionais mais diversificados, pode trazer novas perspectivas e auxiliar a encontrar outras soluções para os velhos problemas que enfrentamos: de ser um país campeão na questão das desigualdades; que enfrenta grandes dificuldades de superar a violência, de assegurar os direitos humanos dentre outros.

    Angélica Santos Costa
    16/05/2016

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s