Conflito regional da Nigéria: Número de crianças usadas em ataques suicidas aumentou dez vezes


criancas_guerra_africa

Publicado originalmente em: 15/04/2016

O número de crianças envolvidas em ataques suicidas na Nigéria, nos Camarões, no Chade e no Níger aumentou drasticamente no ano passado – de quatro em 2014 para 44 em 2015 –, segundo informe do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) divulgado na terça-feira (12). Mais de 75% das crianças envolvidas nos ataques são meninas.

“Vamos ser claros: essas crianças são vítimas, não perpetradores”, afirmou Manuel Fontaine, diretor regional do UNICEF para a África Central e Ocidental. “Iludir crianças e forçá-las a praticar atos mortais tem sido um dos aspectos mais terríveis da violência na Nigéria e nos países vizinhos.”

Divulgado dois anos depois do sequestro de mais de 200 meninas em Chibok, o informe “Beyond Chibok” (‘Além de Chibok’, disponível em inglês aqui) revela tendências alarmantes em quatro países afetados pelo Boko Haram nos últimos dois anos.

Entre janeiro de 2014 e fevereiro de 2016, por exemplo, os Camarões registraram o número mais elevado de ataques suicidas envolvendo crianças (21), seguido pela Nigéria (17) e pelo Chade (2). Durante os últimos dois anos, aproximadamente uma a cada cinco pessoas que participaram de ataques suicidas com bombas era criança; e três quartos destas crianças eram meninas.

No ano passado, as crianças foram usadas em metade dos ataques nos Camarões; em um a cada oito no Chade; e em um a cada sete na Nigéria. E, também no ano passado, pela primeira vez, os ataques suicidas com bombas espalharam-se para além das fronteiras da Nigéria. A frequência desses ataques suicidas aumentou de 32, em 2014, para 151, em 2015. Também em 2015, 89 desses ataques aconteceram na Nigéria; 39, nos Camarões; 16, no Chade; e 7, no Níger.

O uso premeditado de crianças que podem ter sido coagidas a transportar bombas criou um ambiente de medo e suspeita com consequências devastadoras para as meninas que sobreviveram ao cativeiro e à violência sexual pelo Boko Haram no nordeste da Nigéria.

Luta contra o estigma é desafio

As crianças que fugiram dos grupos armados, ou que foram libertadas, são muitas vezes vistas como potenciais ameaças à segurança, como mostra um estudo recente do UNICEF e da ONG ‘International Alert’. As crianças nascidas como resultado de violência sexual são também vítimas de estigmatização e discriminação nas suas aldeias, comunidades de acolhimento e em campos para deslocados internos.

“À medida que os ataques suicidas envolvendo crianças se tornam frequentes, algumas comunidades começam a ver as crianças como uma ameaça à sua segurança”, afirmou Fontaine. “Essa desconfiança em relação às crianças pode ter consequências destrutivas. Como uma comunidade pode se reconstruir quando está banindo suas próprias irmãs, filhas e mães?”

O relatório do UNICEF avalia o impacto do conflito nas crianças nos quatro países afetados pelo Boko Haram, apontando que cerca de 1,3 milhão de crianças foram deslocadas. Além disso, aproximadamente 1,8 mil escolas estão fechadas – ou porque foram danificadas, saqueadas, incendiadas ou porque são usadas como abrigo por pessoas deslocadas. Mais de 5 mil crianças estão desacompanhadas ou separadas dos seus pais.

Ações do UNICEF

A agência da ONU está trabalhando com comunidades e famílias na Nigéria, no Chade, nos Camarões e no Níger para combater o estigma contra as crianças sobreviventes de violência sexual e para criar um ambiente protetor para as que foram libertadas do cativeiro.

Com os seus parceiros, o UNICEF fornece água potável e serviços essenciais de saúde; ajuda a restabelecer o acesso à educação, criando espaços temporários de aprendizagem; e oferece tratamento terapêutico para crianças desnutridas.

O Fundo também providencia apoio psicológico para as crianças a fim de ajudá-las a lidar com problemas emocionais.

A resposta a essa crise continua com um grave déficit financeiro. Neste ano, somente 11% dos 97 milhões de dólares necessários para a resposta humanitária do UNICEF foram arrecadados. A agência pediu por meio de um comunicado um maior compromisso dos doadores para apoiar crianças e mulheres afetadas pelo conflito na Nigéria, no Níger, nos Camarões e no Chade.

Fonte: ONU Brasil   Imagem: La Voz

3 respostas em “Conflito regional da Nigéria: Número de crianças usadas em ataques suicidas aumentou dez vezes

  1. Há muito se tem notícia do recrutamento de crianças e jovens para as fileiras dos grupos armados dos países devastados pela guerra civil. Contudo, o informe “Beyond Chibok” demonstra o recrudescimento do número de crianças envolvidas nos ataques suicidas e adverte que, por consequência, as crianças vítimas das milícias, que conseguiram escapar dos grupos armados, são estigmatizadas pelas comunidades, pois vistas como ameaça à segurança.
    Dentre os diversos aspectos das guerras civis que assolam os países do continente africano, a utilização das crianças como instrumento de guerra pelas milícias tem destacado-se.
    O aumento do número de crianças envolvidas em ataques suicidas revela mais uma faceta dos conflitos civis ocorridos em boa parte dos países situados na África Oriental e Central.
    Infelizmente, a situação posta exige a máxima atenção e requer a constante intervenção das ONG’s no atendimento e busca pela reinserção das vítimas dos conflitos armados no meio social.

    Michelle Cândida

  2. Como é sabido, o Boko Haram é considerado um dos grupos terroristas mais perigosos, atualmente. Surgida na Nigéria, tal organização prega e fomenta um radicalismo islâmico através de ações de caráter militar. Assim, com o intuito de derrotar a base governista, o Boko Haram recruta e treina pessoas, dentre as quais se destacam as crianças do sexo feminino. Elas são utilizadas, especialmente, em ataques com bombas, cujas vidas são sacrificadas em prol de um radicalismo desenfreado. Como decorrência, a sociedade civil tem, cada vez mais, visto tais meninas como ameaças. O que não se enxerga é que essas crianças são apenas vítimas do Boko Haram, já que são coagidas e, muitas vezes, exploradas sexualmente, a transportarem as bombas. É revoltante ler esta notícia nos tempos atuais, em que os direitos humanos estão presentes em todas as discussões envolvendo conflitos. A ONU, em parceria com a UNICEF, é essencial para que tal realidade finde, rapidamente.

  3. É assustador o número de crianças que são recrutadas/sequestradas por grupos armados para cometerem atos terroristas em vários países do mundo, e em especial na Nigéria. As crianças recrutadas têm a sua infância interrompida ao serem treinadas para atacar violentamente as pessoas, o que deve ser veementemente coibido pelos Estados por meio de políticas públicas que combatam tais grupos terroristas e que consequentemente, evitará o sequestro dessas crianças, que na maioria das vezes, são meninas que além de tudo, são utilizadas como escravas sexuais dos terroristas. Diante disso, fica claro que o direito fundamental à vida digna, à saúde e ao desenvolvimento saudável, inexiste quando se trata de conflitos internacionais, sendo ainda mais grave, quando envolvem crianças. Além disso, o fato dessas crianças serem utilizadas em ataques terroristas estigmatiza as poucas crianças que são libertas ou que conseguem fugir do domínio dos grupos armados, sendo que muitas vezes, ao retornarem às suas casas, elas são consideradas uma ameaça à segurança da população local, que as veem como inimigas, sendo duplamente vitimadas e cerceadas de seus direitos fundamentais como por exemplo, o do desenvolvimento saudável e seguro, estabelecidos em inúmeros tratados internacionais.

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s