Mulheres inspiradoras: Aqeela Asifi, professora afegã refugiada


Publicado originalmente em: 09/03/2016

Conheça Aqeela Asifi, uma inspiradora professora afegã refugiada, premiada por sua valente e incansável dedicação à educação das meninas afegãs refugiadas de uma aldeia no Paquistão.

Fonte: ONU Brasil

10 respostas em “Mulheres inspiradoras: Aqeela Asifi, professora afegã refugiada

  1. Sei que como muitos posso testemunhar sobre o peso que a educação tem sobre a vida das crianças, e mais ainda sobre a vida de crianças sem recursos, o gesto dessa mulher, não só mudou a vida dela e suas perspectivas como a vida de muitas meninas em um país culturalmente machista e sexista, que não permite a inserção da mulher no meio politico ou econômico, as privando do conhecimento e mais ainda tirando delas a chance de no minimo serem educadas para que possam ter outras perspectivas na vida.
    Sabemos que são esses atos que revolucionam todo o mundo, e mais ainda, extingue preconceitos, cria novos horizontes, quebram os famosos “tabu’s” e instituindo novos direitos.

  2. Muito legal ver uma mulher conquistando um prêmio dessa importância. Em um período de transição mundial como a que vivemos, em que as mulheres tem cada vez mais conquistado o seu espaço, é importante valorizarmos conquistas como essas. Com relação ao juízo de valor a se fazer, baseado na fala de Aqeela Asifi, a geração de agora precisa de adquirir os valores da educação. Em um mundo rodeado de violência, e conflitos que afetam as civilizações, a Professora Aqeela deu um exemplo ao acolher meninas refugiadas, e conceder-lhas o valor mais importante que existe: a educação. Com certeza, atitudes como essa mudam o mundo, e não a toa, a Professora Aqeela recebeu um prêmio proveniente da ONU, que demonstra o tamanho de uma conquista como essa. Vale ressaltar que a ONU é uma instituição de peso, que há anos vem promovendo a cooperação e a paz mundial. Espero que conquistas e atitudes como essa continuem a ser valorizadas, e possam alcançar mais pessoas!

  3. A educação é um dos direitos fundamentais a todos os indivíduos garantido pela CF/88 do Brasil. É uma forma que altera e promove o crescimento de ideologias humanas. Todo ser humano, sem exceção, deve usufruir de uma educação de qualidade, para que assim aprimore os seus conhecimento e os exerça para as finalidades necessárias.
    A sociedade sofre grandes dificuldades em uma educação que atinja a todos, e não obstante, intermediando esse caminho, se encontra também a diferenciação de gênero entre homens e mulhere.. É esse, também um direito garantido pelas mulheres e homens, a igualdade de gênero e no tratamento.
    No entanto, as mulheres do Afeganistão, refugiadas em um campo de concentração devido a situação de calamidade que atinge seu país, de constantes guerras, são um bom exemplo para a desigualdade de gênero e a falta de educação. Em um país tão violentado, a educação seria de extrema importância, para que assim através da consciência de cada uma elas podem responder tais dificuldades com soluções, pois o ser humano possui esta capacidade teológica.
    Foi assim, percebido por Aqeela Asifi, que buscou ser educadora dessas crianças no campo de refugiados, pois a mesma já passou pela mesma situação e foi capaz de concluir, que talvez a solução seja simples, é a educação de qualidade que deveria ser garantia de todos, mas que na verdade se restringe nas mãos de uma minoria privilegiada, o que causa sempre a desigualdade.
    Ela recebeu então o prêmio da ONU, como reconhecimento de sua atitude única e humanitária, a fim de ajudar o seu país a solucionar os seus problemas que perduram por décadas.

  4. Após tantas informações e notícias sobre as guerras no oriente médio, visualizamos um contexto de sofrimento intenso por parte dos cidadãos nessas áreas de conflito. E notícias como estas são claramente uma resposta de pessoas corajosas e capazes que verdadeiramente se esforçam para fazer diferença na vida das pessoas e consequentemente do mundo. A defesa da educação um dos pilares de nossa constituição federal , que em tempos extremos não é comtemplada, vem por meio de ações como da professora ser incluída na vida das crianças e adolescentes. Mesmo que organizações como a ONU, e tantas outras estejam empenhadas na reconstrução dos países e ajuda humanitária, dependem também de ações que envolvam Estados.

  5. A educação é fundamental na vida de todo ser humano, e a oportunidade que essas crianças estão tendo é fantástica. Aqeela Asifi foi também uma mulher refugiada que nem essas crianças e agora se tornou professora delas, em um país aonde a cultura ainda restringe os direitos das mulheres , essa atitude da professora faz com que muitas meninas apresentem uma perspectiva melhor de futuro. E talvez a educação de mais e mais crianças , ajude-as a tomar decisões que atendam as necessidades do presente sem que prejudique o futuro , elas obterão mais conhecimento ,que é preciso para talvez mudar essa questão da guerra civil que o país vem enfrentando a anos.

  6. O vídeo nos inspira e nos faz reforçar esperança de que sempre em momentos difíceis há uma saída que pode modificar o paradigma em que nos encontramos. Aqeela Asifi, professora afegã refugiada, é um exemplo de que nem tudo está perdido. Em meio ao caos em causado pela guerra civil afegã de 1992 que durou ate 1996, eis que surge a figura desta mulher em meio de todos os dissidentes do país, que se encontravam refugiados numa outra nação. Ao observar a negligência educacional que todas as meninas sofriam no campo de refugiados, Aqeela, por iniciativa própria decidiu educar aquelas que serão o futuro do Afeganistão e imbuída de muita determinação formava todas as garotas até o terceiro ano, dando a elas noções básicas de civilidade por meio da educação, já que muitas ali se quer sabiam o que era um lápis ou um livro.
    Aqeela, assim como a constituição da república de 88 do Brasil defende que todo ser humano, sem exceção, deve usufruir de uma educação de qualidade, para que assim aprimore os seus conhecimento e os exerça para as finalidades necessárias, ou seja não basta apenas a assistência humanitária, garantia de alimentação e o abrigo, que são muito importantes vale ressaltar, mas é necessário que os organismos internacionais se mobilizem e garanta também a educação daqueles que são refugiados, já que todos os demais auxílios são temporários e o investimento feito na educação é o ingresso de volta, o que é levado para a vida toda, o que os mantém inclusos socialmente no mundo de hoje.

  7. Com certeza é um premio merecido oferecido a Aqeela Asifi pela incansável dedicação à educação das meninas afegãs refugiadas em uma aldeia no Paquistão.Asafi convenceu a comunidade e começou a ensinar para poucas alunas em uma tenda escolar improvisada. Ela sempre acreditou no poder da educação na formação do caráter no ser humano e na alternativa para um futuro melhor lutou contra rígidas tradições culturais que mantinham a maioria das meninas em casa.
    É sempre curioso quando comparamos situações diferentes, ao analisar o caso da professora e voltarmos os olhos aqui no Brasil podemos perceber de imediato é o quanto de oportunidades que uma criança brasileira tem em relação a uma afegã, as escolas no geral não são muito longe de casa, livros didáticos gratuitos, merenda escolar, professores com piso salarial, estabilidade para os concursados e mesmo assim insistimos muitas vezes que a culpa é sempre do governo por todos os problemas, a ironia no caso é, se eles tivessem a oportunizardes que temos, essas crianças e professores dariam mais valor do que nos damos.

  8. A professora Aqeela Asifi, por ser uma mulher afegã é uma guerreira, pelo fato de ter vivido em uma sociedade marchista uma vez que a mulher no Muçulmana de acordo com sua religião e crenças ela deva submissao ao seu marido e muita das vezes ela não pode fazer suas escolhas, tendo em vista que ela deixou tudo para traz e decidiu divulgar as atrocidades que sofreu e como viveu.
    este premio podemos analisar no brasil de uma outra forma nossa sociedade tem uma liberdade de expressao e de gênero muito bem difundida uma vez que nao a de fato uma intençâo de se investir em educação no brasil.

  9. Em um relato emocionante, Aqeela Asifi,a professora e refugiada alemã, ganhadora do Prêmio Nasen 2015 do ACNU, relata os desafios em sua busca corajosa e incansável pela educação das meninas afegãs refugiadas em Kot Chandna.
    Aqeela apesar de contar com recursos limitadíssimos e de enfrentar obstáculos culturais, ela acompanhou cerca de mil meninas refugiadas em seus estudos primários. Ela acredita que, incentivando a fé no poder da educação das meninas da atual geração, haverá mais oportunidades para as futuras gerações. “Quando se têm mães educadas, com toda certeza haverá gerações futuras também educadas. Então, se você educa as meninas, você educa gerações. Sonho com o dia em que as pessoas lembrarão o Afeganistão, não pela guerra, mas pelo seu nível de educação”, disse ela. De maneira lenta e gradual, Asafi convenceu a comunidade e começou a ensinar para poucas alunas em uma tenda escolar improvisada. Como material para os estudantes, ela copiou planilhas à mão em folhas de papel. Hoje, esta tenda é uma memória distante e mais de mil crianças estão frequentando escolas permanentes na aldeia graças ao exemplo pioneiro de Asafi. Devido ao seu trabalho digno, podemos ter certeza que gerará resultados positivos e as crianças educadas por ela vão lutar por um futuro melhor dos seus países, já que investindo na educação dos refugiados permitirá às crianças romper o ciclo de instabilidade e conflito.

  10. Realmente o grande exemplo de Aqeela Asifi é para deixar registrado em nossas memórias e gravar como ações inesquecíveis do maior senso humanitário que uma pessoa possa exercer que é ter o dom de ajudar as pessoas. Ações assim traduz na verdadeira caridade, pessoa humana, sábia que conseguiu extrair da dificuldade, do medo e das incertezas, da miséria a transformação da esperança, educação, criatividade e garantia de um futuro melhor para seu povo tão sofrido. Grandioso perceber que ainda existe no mundo pessoas como Asifi, que doa ao outro seu aprendizado. A educação é o maior tesouro que um ser humano possa ter, não se vende, se adquire. A educação é o pilar para que as crianças e qualquer pessoa possa fazer um mundo melhor. Como ela mesma disse a educação basilar nunca se perde e sim aprimora. Asifi pensou lá na frente, no futuro das crianças, teve uma inversão de valores que acabou transformando sonhos em realidade. Guerreira, corajosa que deu sua cara ao seu povo para dizer o que queria, sim, valorizar a mulher.

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s