Refugiadas enfrentam agressões físicas, exploração e assédio sexual em sua jornada através da Europa


1344473118_740215_0000000000_noticia_normal

Governos e agências de ajuda humanitária não estão conseguindo fornecer nem mesmo a mais básica proteção às mulheres refugiadas da Síria e do Iraque. Novas investigações feitas pela Anistia Internacional mostram que meninas e mulheres refugiadas enfrentam violência, ataques físicos, exploração e assédio sexual em todas as fases do seu percurso, incluindo em território da Europa.

A organização de direitos humanos entrevistou no mês passado 40 meninas e mulheres refugiadas, que se encontram já na Alemanha e na Noruega, e que iniciaram nas rotas da Turquia para a Grécia ou através dos Balcãs. Muitas reportaram terem sido alvo de abusos físicos e exploração financeira, sexualmente atacadas ou pressionadas a praticarem sexo por traficantes de pessoas, funcionários de segurança ou outros refugiados.

“Depois de viverem os horrores da guerra no Iraque e na Síria, estas mulheres arriscaram tudo para conseguirem a segurança, para si mesmas e para os filhos. Mas desde que iniciam esta viagem ficam de novo expostas à violência e à exploração, com muito pouco apoio ou proteção”, ressalta a diretora do gabinete de Resposta a Crises da Anistia Internacional, Tirana Hassan.

Mulheres e meninas que viajam sozinhas e as que estão acompanhadas apenas pelos filhos sentem-se sob particular ameaça nas áreas de trânsito e em campos de refugiados na Hungria, Croácia e Grécia, onde são obrigadas a dormir lado a lado com centenas de refugiados do sexo masculino. Em alguns casos, as mulheres preferiram sair das zonas dos campos designadas e dormir antes, ao relento nas praias, por aí se sentirem mais seguras.

Refugiadas entrevistadas pela Anistia Internacional (e aqui mencionadas com nomes fictícios para proteção das suas identidades), descreveram também que tinham de usar os mesmos sanitários e zonas de banho que os homens. Uma mulher contou aos investigadores da Anistia que num centro de recepção na Alemanha, alguns homens refugiados ficavam a observar as mulheres quando estas iam às casas-de-banho. Algumas mulheres chegavam mesmo ao extremo de não comerem nem beberem para evitar ter de ir aos sanitários onde se sentiam inseguras.

“Se esta crise estivesse a acontecer em qualquer outra parte do mundo, esperaríamos a tomada imediata de medidas práticas para proteger os grupos em maior risco de sofrerem abusos, como é o caso das mulheres que viajam sozinhas e das famílias que são tuteladas pelas mulheres. E, no mínimo, isso incluiria a instalação de sanitários para cada sexo e com iluminação adequada, e a criação de zonas de descanso seguras. Estas mulheres e os seus filhos fugiram de algumas das mais perigosas zonas do mundo e é vergonhoso que continuem em risco em solo europeu”, critica Tirana Hassan.

A perita da Anistia Internacional sustenta que “os governos e as entidades que providenciam serviços aos refugiados e que já começaram a adotar medidas para ajudá-las, têm de aumentar os seus esforços”. “Tem de ser dados mais passos para garantir que as mulheres refugiadas, e especialmente as que se encontram em maior risco, sejam adequadamente sinalizadas, e que sejam acionados processos e serviços para assegurar que os seus direitos mais fundamentais como segurança e proteção sejam defendidos”, prossegue.

Os investigadores da Anistia Internacional entrevistaram sete mulheres que estavam grávidas, as quais descreveram as condições que tem enfrentado: falta de comida e de cuidados básicos de saúde, e também que foram esmagadas nas multidões junto às fronteiras e nos postos de trânsito ao longo da viagem.

Uma mulher síria contou à organização, numa entrevista em Lillestrøm, na Noruega, que estava grávida e amamentando outra bebê, quando iniciou a viagem junto ao marido. Tinha medo de dormir nos campos de recepção da Grécia por estar rodeada de homens. Ficou muitos dias sem comer.

Mais de uma dezena das mulheres ouvidas pela organização de direitos humanos reportou terem sido apalpadas, tocadas ou observadas insistentemente por homens em campos de trânsito na Europa. Uma mulher iraquiana de 22 anos contou que um segurança uniformizado num campo na Alemanha lhe propôs dar-lhe algumas roupas em troca de “passar algum tempo sozinha” com ele.

“Ninguém devia ter sequer que fazer estas tão perigosas rotas. A melhor forma de evitar abusos e exploração por traficantes de pessoas passa por os governos da Europa permitirem a existência de rotas seguras e legais desde o princípio. É totalmente inaceitável que pessoas que não têm nenhuma outra escolha fiquem expostas a ainda mais humilhações, incertezas e insegurança ao longo da sua viagem através da Europa”, remata Tirana Hassan.

Exploração sexual por parte de traficantes de pessoas

Os traficantes tomam como alvo as mulheres que viajam sozinhas sabendo que são mais vulneráveis. Quando elas não têm recursos financeiros para pagar pela viagem, os traficantes tentam frequentemente coagi-las a terem relações sexuais.

Pelo menos três mulheres contaram que traficantes e outros envolvidos nas redes de tráfico as assediaram ou a outras mulheres e meninas. Também que lhes ofereceram um desconto no custo da viagem ou uma espera mais curta para entrarem nos barcos que fazem a travessia do mar Mediterrâneo, em troca de sexo.

Hala, de 23 anos e oriunda de Alepo, contou à Anistia Internacional: “No hotel, na Turquia, um dos homens que trabalhava para o traficante, um homem sírio, disse-me que se dormisse com ele não teria de pagar ou que pagaria menos [pela viagem]. Claro que me recusei, era nojento. O mesmo aconteceu na Jordânia a todas nós”. Hala recorda que uma amiga, que viajara com ela desde a Síria, “ficou sem dinheiro na Turquia, e o assistente do traficante propôs-lhe que tivesse sexo com ele [em troca de um lugar no barco]; ela disse que não, claro, e, por isso, não pode partir da Turquia e ainda está lá”.

Uma outra mulher síria, Nahla, de 20 anos, denunciou também ter sido assediada por um traficante: “Tentou tocar-me algumas vezes. Só quando o meu primo estava por perto que ele não se aproximava de mim. Eu tive muito medo, especialmente porque ouvimos histórias pelo caminho de mulheres que não conseguiram pagar aos traficantes e às quais é dada a opção de dormirem com eles para terem um desconto [para o barco]”.

Viver com o assédio e o medo constantes

Todas as mulheres entrevistadas pela Anistia Internacional contaram ter estado aterrorizadas durante todo o tempo da viagem através da Europa. As mulheres que viajaram sozinhas foram alvo não só dos traficantes, mas também se sentiram fisicamente ameaçadas quando se viram forçadas a dormir em instalações com centenas de homens solteiros. Muitas mulheres descreveram ainda terem sido espancadas ou alvo de abusos verbais por parte de agentes de segurança na Grécia, na Hungria e na Eslovênia.

Reem, de 20 anos e vinda da Síria, fez a viagem com uma prima menor, de 15 anos. “Nunca dormimos nas instalações. Eu tinha muito medo de que alguém me tocasse. As tendas eram todas misturadas e eu vi atos violentos… Sentia-me mais segura em movimento, especialmente nos autocarros, o único lugar em que conseguia fechar os olhos e dormir. Nos campos, estamos tão expostas a sermos tocadas e apalpadas, e as mulheres não podem tão pouco se queixar, não querem causar problemas que possam pôr em risco a sua viagem”, explicou.

Violência pela polícia e as condições nos campos de trânsito

Mulheres e raparigas descreveram condições imundas em vários campos de passagem, onde a comida era limitada e as mulheres grávidas, em particular, pouco ou nenhum apoio encontravam. As mulheres contaram ainda que as instalações sanitárias estavam frequentemente sujas e que se sentiam sem segurança uma vez que em alguns casos não havia separação por sexos.

Foram reportadas pelo menos duas ocasiões em que as mulheres foram observadas por homens nos campos quando foram aos banheiros. Algumas mulheres sofreram atos de violência às mãos de outros refugiados, assim como da polícia, especialmente quando a tensão aumentava em condições de superpopulação nos locais e as forças de segurança intervinham.

Rania, de 19 anos, grávida e também vinda da Síria, relatou à Anistia Internacional sobre a experiência que passou na Hungria: “A polícia decidiu a certa altura nos levar para outro local, que era ainda pior do que aquele em que estávamos. Estava cheio de gaiolas e não havia quase nenhuma ventilação de ar. Estávamos ali fechadas e ali ficamos durante dois dias. Recebemos duas refeições por dia. Os sanitários eram ainda piores do que nos outros campos e acho que eles queriam mantê-los assim para nos fazerem sofrer mais”. “No segundo dia, a polícia bateu numa mulher síria, que tinha vindo desde Alepo, porque ela implorou para que a deixassem ir embora… A irmã dela, que falava inglês, tentou defendê-la, mas disseram-lhe que se não se calasse também lhe bateriam. Uma situação semelhante aconteceu a uma mulher iraniana no dia seguinte apenas por ter pedido um pouco mais de comida para os filhos”.

Com 16 anos, a síria Maryam contou a sua visão aos investigadores da Anistia Internacional: “[Na Grécia] as pessoas começaram a gritar e a polícia investiu contra nós e desataram a bater em toda a gente com os bastões. Bateram-me no braço, bateram até nas crianças; bateram em todos, até na cabeça. Fiquei tonta, cai no chão e as pessoas passavam por cima de mim. Eu chorei, sem saber onde estava a minha mãe. Mostrei-lhes o meu braço e um dos policiais olhou para mim e riu. Eu pedi para ser consultada por um médico, mas eles me mandaram sair dali.”

Fonte: Anistia Internacional

2 respostas em “Refugiadas enfrentam agressões físicas, exploração e assédio sexual em sua jornada através da Europa

  1. Os governos da Europa , não permitindo que os refugiados tivessem acesso à rotas legais, submeteram esses indivíduos a passarem por situações de constrangimento, violência e evidente violação aos direitos humanos. É revoltante descobrir que mulheres e crianças foram violentadas não só(como se não bastasse) pelos traficantes de pessoas, mas também pelos próprios seguranças, pessoas que deveriam oferecer o mínimo de salvaguarda às mesmas.
    Pessoas que passaram por situações constantes de insegurança extrema como essas descritas, não são lesadas apenas pela violência muitas vezes física as quais sofreram, mas também, pelas sequelas psicológicas que ficarão mesmo depois que conseguirem sair do status em que se encontram.
    É dever dos países por onde essas pessoas passam, ou procuram abrigo, honrar os direitos fundamentais de qualquer pessoa em território sob sua jurisdição, qualquer que seja sua origem. Os países devem assegurar que essas pessoas recebam o auxílio devido ao chegarem, permitindo acesso ao procedimento de asilo de forma efetiva e equânime. Os fatos ocorridos em desfavor dos refugiados vão de encontro aos próprios princípios contidos na Carta dos Direitos Fundamentais da União Européia, a qual traz entre as suas propostas a promoção dos direitos humanos em todo o mundo.

  2. As mulheres constituem a maioria dos trabalhadores em tempo parcial e de baixa remuneração. O Fórum Econômico Mundial estima que serão necessários 118 anos para as mulheres alcançarem a igualdade de renda em todo o mundo. Quando forçadas a fugir dos horrores da guerra na Síria, Afeganistão, Iraque e muitos países africanos, as mulheres enfrentam agressões físicas, exploração e assédio sexual em sua jornada como refugiadas através da Europa. Muitas geralmente não sabem onde seus maridos estão os desaparecimentos continuam sendo parte da vida diária na Síria, onde milhares de pessoas desapareceram nas mãos do governo nos últimos cinco anos, cerca de 90 por cento eram homens. Governos de todo o mundo prometeram ajuda econômica, mas não é suficiente. Os empregadores que sabem que não é possível que as pessoas refugiadas sem permissão de residência os denunciem, pagam deliberadamente salários muito baixos ou, às vezes, não pagam nada as mulheres. Além disso, vivem com o temor que os locatários subam o aluguel ou despejem a famílias inteiras sem aviso prévio.

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s