Sun Tzu: A Arte da Guerra HD História Documentário 2015


Esse post foi publicado em Relações Internacionais e marcado , , , por Luiz Albuquerque. Guardar link permanente.

Sobre Luiz Albuquerque

O Núcleo de Estudos sobre Cooperação e Conflitos Internacionais (NECCINT) da Universidade Federal de Ouro Preto em parceria com as Faculdades Milton Campos, sob a coordenação do professor Luiz Albuquerque, criou o Observatório de Relações Internacionais para servir como banco de dados e plataforma de pesquisas sobre relações internacionais e direito internacional . O site alimenta nosso trabalho de análise de conjunturas, instrumentaliza nossas pesquisas acadêmicas e disponibiliza material para capacitação profissional. Mas, além de nos servir como ferramenta de trabalho, este site também contribui para a democratização da informação e a promoção do debate acadêmico via internet.

6 respostas em “Sun Tzu: A Arte da Guerra HD História Documentário 2015

  1. O video “A arte da guerra” pode ser relacionada com a disciplina de Direito Internacional Publico no que diz respeito as sancoes aplicadas aos Estados por organizacoes como a ONU ou pelo proprio Estado vitima. O Direito Internacional reconhece situacoes em que um Estado vitima de uma violacao pode ser autorizado para aplicar sancoes a outro Estado de forma a assegurar seus direitos. Um exemplo e a retorsao, ato pelo qual o Estado ofendido aplica ao Estado ofensor as mesmas medidas que sofreu, sem violar o direito internacional, ou seja, resposta imediata e de mesma intensidade. Ha tambem a represalia que e uma tentativa anterior do Estado lesado obter uma satisfacao desejada do Estado violador. O embargo e uma especie de represalia, configurando como um sequestro, em tempo de paz, de navios e cargas e pais estrangeiro, ancorados em seus portos.

  2. Sun Tzu é um livro que surpreende pela qualidade e pelo poder transformador das palavras. Regido por inúmeros verbos no imperativo “A arte da guerra” trata de princípios e estratégias que podem ser aplicadas a qualquer área da vida, mesmo sendo um tratado militar escrito 500 anos antes de Cristo, sua aplicação prática atual é indiscutível.

    Nas faculdades de administração logo nos primeiros períodos a indicação de leitura de Sun Tzu é quase unânime. As estratégias de guerra são um paralelo claro do cotidiano da sociedade pois vivemos uma guerra diária. Um dos princípios fundamentais tratados no livro é o de “conheça seu inimigo e conheça a si mesmo e em 100 batalhas você nunca estará em perigo” traz uma ideia profunda da necessidade de se conhecer, de saber quais as suas competências, de entender suas limitações. Isso nada mais é do que o maior segredo para o sucesso na vida.
    O documentário ilustra de forma tão clara os fundamentos estratégicos e instiga a curiosidade de ler esse tratado militar que por milênios confirma sua habilidade em treinar verdadeiros vencedores.

  3. O livro que inspirou o documentário do post trata-se de um autêntico manual tanto para quem dirige um exército, em guerra quanto uma empresa no mundo competitivo contemporâneo. Nesse âmbito, surpreende a escrita objetiva, direta, muito clara, com todos os aspetos que rodeiam a arte da guerra, desde a preparação da batalha até ao seu desfecho.
    Atualmente há diversas empresas que aconselham os seus funcionários a ler este livro e a tentar associar aquele espírito guerreiro à sua atividade profissional. É que, mais do que um tratado de guerra, este livro é um tratado na arte do engano, do engodo, da capacidade para iludir os adversários. Por outro lado, ao longo de todo o livro é exaltado o valor da disciplina; esse é um aspeto fundamental, não só na guerra tradicional como nas muitas guerras que o mundo capitalista em que vivemos acaba por envolver. Na verdade, se há 2500 anos era fundamental enganar os inimigos no terreno de batalha, hoje parece ser fundamental enganar os inimigos no campo de batalha empresarial. E esses inimigos são muitos, desde o Estado que cobra impostos, a concorrência que nos quer esmagar e, acima de tudo, essa massa anônima que são os consumidores que se pretende subjugar.
    Não pense, n o entanto, que o conceito de guerra, neste livro, se transforma na exaltação da violência. Pelo contrário: uma das ideias mais interessantes do livro é esta: a maior vitória é aquela que se consegue sem batalha; sem confronto; é aquela que resulta da subjugação do inimigo antes mesmo do confronto. O planejamento estratégico apresenta-se como fator primordial no sucesso na guerra e na concorrência empresarial.

  4. Excelente documentário que demonstra como um livro quase ancião possui aplicabilidade que se estende até os dias atuais.
    Deve-se valorizar também o valor do mesmo fora do âmbito militar, e enxergar seu valor nos campos do empreendedorismo, da psicologia e até do direito.
    O conselho mais vital de Sun Tzu, no entanto, é “conheça o seu inimigo e conheça a si mesmo e em 100 batalhas você nunca estará em perigo”, pois enfatiza a importância de saber seus melhores atributos, e atacar as fraquezas do oponente, o que nada mais é do que a chave para o sucesso.

  5. Ótimo documentário, onde podemos ver o poder de um livro onde o seu princípio de ensinamento no mundo militar, se abranger ao ponto de grandes executivos aderirem suas ideias e conselhos sobre como conduzir e fazer de seu negócio um império. Também podemos analisar a fundo onde grandes potencias fracassaram sem o conhecimento básico de uma das partes mais importantes do livro. Um grande exemplo é Hitler quando decidiu atacar o Stalingrado, subestimando a força dos Russos, se tivesse seguido o ensinamento do livro que diz: “Antes de estar pronto para atacar, é preciso fazer uma comparação com as condições militares do inimigo: qual dos dois generais tem mais habilidade? De que lado a disciplina está rigorosamente aplicada? Qual exército é o mais forte? E de que lado estão os oficiais e soldados mais bem treinados? Se Hitler seguisse ao menos o último conselho, talvez não teria perdido a Segunda Guerra Mundial, para o nosso azar.

  6. O vídeo mostra uma postura até hoje adotada por vários países em que o Direito Internacional reconhece situações em que um Estado violado pode ser autorizado para aplicar sanções a outro Estado deforma a assegurar seus direitos. A pensamento Realista demonstra teoricamente esse argumento por meio de seu pensamento que há uma hierarquia internacional de poder entre países, sendo as grandes potências os Estados mais importantes. As relações internacionais constituem uma luta entre grades potencias pelo domínio e pela segurança, tal como fica evidente no livro e no pensamento de Sun Tzu.

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s