CrossTalk: Unsourced Syria


Esse post foi publicado em Relações Internacionais e marcado , , , , , , , por Luiz Albuquerque. Guardar link permanente.

Sobre Luiz Albuquerque

O Núcleo de Estudos sobre Cooperação e Conflitos Internacionais (NECCINT) da Universidade Federal de Ouro Preto em parceria com as Faculdades Milton Campos, sob a coordenação do professor Luiz Albuquerque, criou o Observatório de Relações Internacionais para servir como banco de dados e plataforma de pesquisas sobre relações internacionais e direito internacional . O site alimenta nosso trabalho de análise de conjunturas, instrumentaliza nossas pesquisas acadêmicas e disponibiliza material para capacitação profissional. Mas, além de nos servir como ferramenta de trabalho, este site também contribui para a democratização da informação e a promoção do debate acadêmico via internet.

Uma resposta em “CrossTalk: Unsourced Syria

  1. O debate a cerca das questoes políticas que giram em torno da Síria foi bastante esclarecedor. Assim, se de um lado os Estados Unidos e seus aliados nao querem a resoluçao do conflito por vias legítimas, porque dessa forma, nao haveria o fim do regime de Assad, que é de acordo com o interesse americano, por outro, levanta-se o questionamento, se de fato os Estados Unidos está disposto a intervir na Síria e depor o atual governante.
    Ressalta-se também, o comentário feito pelo apresentador de que esse debate político a cerca da intervençao na Síria, nao passa de um ”Déja vu” de 2012, em que o Conselho de Segurança de reuniu para debater o tema e nenhuma conclusao foi feita, na medida em que o ocidente resolveu se afastar. Assim, se o líder Assad se recusa a negociar com ”terroristas que invadem o país”, ele apenas repete a postura antiga.
    Outro ponto super interessante levantado no debate, foi sobre as relaçoes entre Estados Unidos e Rússia, no que se refere a uma possível coalisao. Dessa forma, segundo os especialistas do debate, a potência americana nao se opoe a uma aliança com a Russia, desde que os objetivos sejam a eliminaçao do maior grupo terrorista da atualidade: ISIS. Assim, os Estados Unidos defendem uma intervensao sem a participaçao dos grupos sírios, equanto, por outro lado, a ex potência soviética apoia a intervensao com a ajuda do ”Syrian Army”.
    Mas, a grande pergunta seria: ”What needs to be done?” o que precisa ser feito para evitar a destruíçao total do território sírio e o assassinato de mais civis? teoricamente, essas indagaçoes poderiam ser simplesmente respondidas: uma coalizao dos países do ocidente para dar a populaçao síria o direito de escolher seu futuro. Entretanto, encontramos alguns problemas, uma vez que as coisas nao sao tao simples: a populaçao síria se encontra espalhada pelo mundo, grande parte concentrada na Turquia e na Europa, mas mesmo assim, existem inúmeros sírios que estao perdidos pelo mundo, sem a esperança e até mesmo sem condiçoes financeiras de retornar a sua terra natal. E além disso, uma intervencao nunca é facil, uma vez que as grandes potências mundiais estao fadadas a sempre agir em interesse próprio, tanto economico quanto político.

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s