Dani Rodrik: “Back to Fundamentals in Emerging Markets”


20130727_LDP001_0
CAMBRIDGE – Following 15 years of hype, a new conventional wisdom has taken hold: emerging markets are in deep trouble. Many analysts had extrapolated rapid growth in countries such as Brazil, Russia, Turkey, and India into the indefinite future, calling them the new engines of the world economy. Now growth is down in almost all of them, and investors are pulling their money out – prompted in part by the expectation that the US Federal Reserve will raise interest rates in September. Their currencies have tumbled, while corruption scandals and other political difficulties have overwhelmed the economic narrative in places like Brazil and Turkey.
With hindsight, it has become clear that there was in fact no coherent growth story for most emerging markets. Scratch the surface, and you found high growth rates driven not by productive transformation but by domestic demand, in turn fueled by temporary commodity booms and unsustainable levels of public or, more often, private borrowing.

Yes, there are plenty of world-class firms in emerging markets, and the expansion of the middle-class is unmistakable. But only a tiny share of these economies’ labor is employed in productive enterprises, while informal, unproductive firms absorb the rest.
Compare this with the experience of the few countries that did emerge successfully, “graduating” to advanced-country status, and you can see the missing ingredient. South Korea and Taiwan grew on the back of rapid industrialization. As South Korean and Taiwanese peasants became factory workers, the economies of both countries – and, with a lag, their politics – were transformed. South Korea and Taiwan eventually became rich democracies.
By contrast, most of today’s emerging markets are deindustrializing prematurely. Services are not tradable to the same extent as manufactured goods, and for the most part do not exhibit the same technological dynamism. As a result, services have proved to be a poor substitute to export-oriented industrialization so far.
But emerging markets do not deserve the doom-and-gloom treatment they are getting these days. The real lesson from the collapse of the emerging-market hype is the need to pay closer attention to growth fundamentals and to recognize the diversity of circumstances among a group of economies needlessly lumped together.
For developing economies, the three key growth fundamentals are acquisition of skills and education by the workforce; improvement of institutions and governance; and structural transformation from low-productivity to high-productivity activities (as typified by industrialization). East Asian-style rapid growth has typically required a heavy dose of structural transformation for a number of decades, with steady progress on education and institutions providing the longer-term underpinnings of convergence with advanced economies.
Unlike East Asian economies, today’s emerging markets cannot rely on export surpluses in manufactures as their engine of structural transformation and growth. So they are forced to rely more on the longer-term fundamentals of education and institutions. These do generate growth – and indeed are ultimately indispensable to it. But they generate 2-3% annual growth at best, not East Asia’s 7-8% rates.
Compare China and India. China grew by building factories and filling them with peasants who had little education, which generated an instant boost in productivity. India’s comparative advantage lies in relatively skill-intensive services – such as information technology – which can absorb no more than a tiny slice of the country’s largely unskilled labor force. It will take many decades for the average skill level in India to rise to the point that it can pull the economy’s overall productivity significantly higher.
So India’s medium-term growth potential lies well below that of China in recent decades. A significant boost in infrastructure spending and policy reforms can make a difference, but it cannot close the gap.
On the other hand, being the tortoise rather than the hare in the growth race can be an advantage. Countries that rely on steady, economy-wide accumulation of skills and improved governance may not grow as fast, but they may be more stable, less prone to crises, and more likely to converge with advanced countries eventually.
China’s economic achievements are undeniable. But it remains an authoritarian country where the Communist Party retains its political monopoly. So the challenges of political and institutional transformation are immeasurably greater than in India. The uncertainty that confronts a long-term investor in China is correspondingly higher.
Or compare Brazil with other emerging markets. Among these countries, Brazil has arguably taken the greatest hit recently. The corruption scandal surrounding the flagship state-owned oil company, Petrobras, has produced an economic crisis, with the currency tanking and growth grinding to a halt.
Yet Brazil’s political crisis demonstrates the country’s democratic maturity, and arguably is a sign of strength rather than weakness. The ability of prosecutors to investigate payment irregularities reaching into the highest ranks of Brazilian society and government without political interference – or the process turning into a witch hunt – would be exemplary in many advanced countries.
The contrast with Turkey could not be more striking. Corruption of a much greater magnitude there, implicating President Recep Tayyip Erdoğan and his family, has gone untouched. A probe by Turkish prosecutors against Erdoğan in 2013 was clearly politically motivated (and driven by Erdoğan’s foes in the movement headed by Fethullah Gülen, a self-exiled Islamic preacher), which gave the government the cover needed to quash the investigation. Turkey’s economy has not suffered nearly as much as Brazil’s, but its rot will cause greater long-term damage.
Cheap external finance, plentiful capital inflows, and commodity booms helped hide many such shortcomings and fueled 15 years of emerging-market growth. As the world economy generates stronger headwinds in the years ahead, it will become easier to distinguish countries that have truly strengthened their economic and political fundamentals from those that have coasted on false narratives and the tenuous strength of fickle investor sentiment.

Dani Rodrik

Dani Rodrik is Professor of International Political Economy at Harvard University’s John F. Kennedy School of Government. He is the author of One Economics, Many Recipes: Globalization, Institutions, and Economic Growth and, most recently, The Globalization Paradox: Democracy and the Future of the World Economy.

Fonte: Project Syndicate

Esse post foi publicado em Relações Internacionais e marcado , , , , , por Luiz Albuquerque. Guardar link permanente.

Sobre Luiz Albuquerque

O Núcleo de Estudos sobre Cooperação e Conflitos Internacionais (NECCINT) da Universidade Federal de Ouro Preto em parceria com as Faculdades Milton Campos, sob a coordenação do professor Luiz Albuquerque, criou o Observatório de Relações Internacionais para servir como banco de dados e plataforma de pesquisas sobre relações internacionais e direito internacional . O site alimenta nosso trabalho de análise de conjunturas, instrumentaliza nossas pesquisas acadêmicas e disponibiliza material para capacitação profissional. Mas, além de nos servir como ferramenta de trabalho, este site também contribui para a democratização da informação e a promoção do debate acadêmico via internet.

4 respostas em “Dani Rodrik: “Back to Fundamentals in Emerging Markets”

  1. Artigo interessantíssimo!É sempre muito proveitoso ler artigos que versem sobre as relações econômicas de fontes estrangeiras devido ao maior desinteresse e o nível técnico que a analise pode atingir.
    A análise do professor Rodrik confirmou uma crença já há muito nutrida por mim de que dentro do excelente momento econômico em que o brasil se encontrava desde meiados de 2002 ate a crise econômico e o esfriamento da economia chinesa,houve incompetência e que aqueles responsáveis pelos rumos da politica econômica brasileira não souberam aproveitar o momento para desenvolver o pais.
    O professor de Harvard conta como países emergentes conseguiram grandes taxas de crescimento baseadas no momentâneo aumento do preço de commodities(principal produto de exportação desses países)e insustentáveis taxas de empréstimos privados e públicos,e não baseados em uma transformação produtiva na demanda interna.A reserva adquirida não foi utilizada em investimentos nos´´fundamentos do crescimento´´que seriam: a aquisição de habilidades e educação pela mão de obra,fortalecimento das instituições e da governança e transformação estrutural de atividades de baixa produtividade para alta.Agora no momento de crise,com a retirada de capitais estrangeiros,a queda chinesa,a alta do dollar,os emergentes entram em processo de ´´desindustrializaçao´´com um mercado de serviços de baixa qualidade e sem condições de competição.

  2. A expressão BRIC, foi criado em 2001 por um economista para nomear quatro países Brasil, Rússia, Índia e China, países emergentes que possuíam características em comuns, tinham um bom crescimento econômico e que parecia que continuariam assim, que seriam os “novos motores da economia mundial”. O BRIC não compunha um bloco econômico, apenas compartilhavam de uma situação econômica com índices de desenvolvimento e situações econômicas parecidas. Depois de um tempo a África do Sul passou a também integrar, e o BRIC passou a ser BRICS.
    Mas diferente das expectativas o que tem acontecido atualmente é o contrário, o crescimento se tornou baixo em quase todos os países, a moeda vem se enfraquecendo, os investimentos estão diminuindo. No Brasil, tem um sério agravante, a corrupção. Muitos escândalos vêm ocorrendo no país. A corrupção, além de trazer vários problemas para os brasileiros, pois os investimentos públicos são todos diminuídos, os corruptos tiram da saúde, da educação, da segurança, da habitação, das estradas, da cultura etc. Agora a corrupção prejudica também os BRICS. É necessário que haja no Brasil medidas eficazes para combater a corrupção, para que o país volte a crescer.

  3. O artigo aborda sobre a notícia atual, fato claramente explícito e constatado por qualquer pessoa, de que os países considerados emergentes por 15 anos tem seu crescimento baixíssimo agora e os investidores estão retirando seu dinheiro dos mesmos. O texto mostra que esse crescimento econômico obtido por anos foi consequência de financiamentos baratos externos, entrada de capitais abundantes e de commodities e que também omitiu deficiências que agora reaparecem com força. O Brasil é um desses países emergentes, ou pelo menos era, e que agora se encontra em situação decadente, de crise política e econômica. Esse “boom” ocorreu e agora os fatores fundamentais que verdadeiramente dão base para o crescimento de um país que não tiveram investimentos, encontram-se muito mais problemáticos. O país que é realmente emergente investe em aquisição de habilidades e educação para quem é a força de trabalho, em melhorias nas instituições e no próprio governo e em transformações estruturais de baixa produtividade que geram atividades de alta produtividade. Tudo isso não foi feito no Brasil, pelo contrário, a educação da sociedade é algo que o governo não se preocupa, os investimentos são mínimos para a capacitação de trabalhadores, os escândalos de corrupção cada hora aparecem em uma instituição diferente, podendo se arriscar até em dizer que todo o país está contaminado, desde o executivo, passando pelo legislativo e chegando ao judiciário. Quando a política não é séria, a economia desanda, é natural, falta coerência nos impostos, nos investimentos. A desmotivação de empresas privadas nessa atual situação é clara e as que não desistem, mantêm-se com lucro praticamente mínimo. Países emergentes que investem nesses fatores fundamentais e de base, podem não crescer tão rápido, mas eles com certeza serão mais estáveis e menos propenso a crises e tendem a se igualar a países que já se encontram em um nível avançado hoje em dia. Dessa forma, percebe-se que é necessário que os países emergentes repensem as suas prioridades, e percebam que investimentos que geram lucro imediato nem sempre são positivos, já que não deixam legado para próximos investimentos. Além disso, eles devem atentar-se mais à política da nação, curando a corrupção que se dissemina facilmente.

  4. O surgimento dos países emergentes na primeira década do milênio se deu por ocasião da valorização das commodities no mercado internacional. Contundo, esse aumento no preço dos principais produtos de exportação dos páises então denominados BRICs não poderia durar para sempre e o crescimento economico derivado do capital estrangeiro iria, em algum momento, cessar, é o que está ocorrendo. Embora os últimos 15 anos tenham alavancado países como China, Índia e Brasil, somente agora será possível visualizar o real crescimento desses países. Uma boa administração dos recursos investidos intensa e abruptamente nesses países deveria focar em desenvolvimento a longo prazo; educação, melhoramento da estrutura governamental e industrialização. Porém, no Brasil houve um processo de desindustrialização e foco no terceiro setor, de prestação de serviços, que não tem a mesma valorização no mercado internacional.
    Os investimentos na educação foram reduzidos esse ano, e drasticamente. E por fim, apesar do autor, Dani Rodrik, defender que a crise política é um sinal de amadurecimento do sistema, em nada contribui para a economia do país; e, diga-se de passagem, o último (e único) julgamento de escândalo de corrupção, Mensalão, foi sim uma caça as bruxas totalmente influenciada pelas mídias. Resta ao nosso país pagar os diversos empréstimos tomados, mais seus juros, e aprender com os cometidos.

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s