Unasul pede que Obama revogue decreto que declara Venezuela ameaça à segurança dos EUA


ISAPE

Os 12 países que integram a Unasul pediram que Barack Obama revogue o decreto que declara a Venezuela ameça à segurança dos Estados Unidos. Os chanceleres da Unasul ressaltaram que os EUA devem adotar “alternativas de diálogo” com o governo venezuelano. Nicolás Maduro afirmou que a atitude da Unasul “mudará o mundo”, pois dá início à doutrina de paz na América do Sul.

Foto: Agência Efe Foto: Agência Efe

Ver o post original

Publicado em Relações Internacionais por Luiz Albuquerque. Marque Link Permanente.

Sobre Luiz Albuquerque

O Núcleo de Estudos sobre Cooperação e Conflitos Internacionais (NECCINT) da Universidade Federal de Ouro Preto em parceria com as Faculdades Milton Campos, sob a coordenação do professor Luiz Albuquerque, criou o Observatório de Relações Internacionais para servir como banco de dados e plataforma de pesquisas sobre relações internacionais e direito internacional . O site alimenta nosso trabalho de análise de conjunturas, instrumentaliza nossas pesquisas acadêmicas e disponibiliza material para capacitação profissional. Mas, além de nos servir como ferramenta de trabalho, este site também contribui para a democratização da informação e a promoção do debate acadêmico via internet.

15 respostas em “Unasul pede que Obama revogue decreto que declara Venezuela ameaça à segurança dos EUA

  1. Os 12 países que integram a Unasul (União das Nações Sul-Americanas), Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname, Uruguai, Venezuela, Paraguai e Chile, foram unânimes ao aprovar uma resolução pedindo que os Estados Unidos revoguem o decreto que declara uma “emergência nacional diante da ameaça extraordinária” que a Venezuela representaria para a segurança do país. Obama declarou a existência de uma “emergência nacional” e manifestou preocupação com relação à suposta violação de direitos humanos na Venezuela após os protestos violentos realizados no ano passado e que mataram 43 pessoas, além de deixar milhares de detidos. Como resposta às sanções dos EUA, mais de 100 mil pessoas realizam exercícios militares na Venezuela. Os Estados Unidos até hoje tomam medidas imperialistas e intervencionistas, visando proteger bens jurídicos que muitas vezes não estão na sua esfera de soberania. Acreditam que por ser o país com maior influência no continente americano, podem intervir no cenário internacional tomando medidas que podem ruir a economia de um país. Tudo isso há de ter um propósito maior: a segurança e o direito a liberdade dos cidadãos venezuelanos. Desde a época Chavez, o governo venezuelano adota medidas radicais e agora o seu sucessor Nicolás Maduro tenta amenizar os danos causados. O primeiro passo deverá ser a realização de eleições parlamentares que deve ocorrer em setembro do ano corrente. Terá como objetivo a renovação da totalidade das cadeiras da Assembleia Nacional, que atualmente contam com maioria governista. Este será um grande avanço para o país que está andando de “marcha ré” com toda essa política bolivariana ultrapassada e, dessa forma, poderá o país melhorar sua aparência no contexto internacional, evitando sanções como a dos EUA.

  2. Chanceleres dos 12 países que integram o bloco do Unasul ressaltaram que os EUA devem adotar “alternativas de diálogo”.
    Durante a reunião extraordinária do bloco, em Quito, no Equador, os chanceleres presentes pediram que os EUA coloquem em prática “alternativas de diálogo com o governo venezuelano” Os Estados-membros da Unasul expressam que a situação interna na Venezuela deve ser resolvida pelos mecanismos democráticos previstos na Constituição venezuelana. Para Nicolás Maduro, o posicionamento unânime da Unasul mudará o mundo visto que isso seria considerado como uma doutrina de paz na América do Sul.
    Os chanceleres ressaltaram que continuarão seguindo o diálogo político com todas as “forças democráticas venezuelanas” e voltaram a prestar apoio às eleições parlamentares que ocorrerão em setembro.
    Além disso, os ministros das Relações Exteriores lembraram o “compromisso com a plena vigência do direito internacional, a solução pacífica de controvérsias e o princípio de não-intervenção”, e reiteram seu pedido para que “os governos se abstenham da aplicação de medidas coercitivas unilaterais que transgridam o direito internacional”.
    O secretário-geral do bloco da Unasul, Ernesto Samper, ao iniciar os trabalhos com o bloco ressaltou que este tem como objetivo manter princípios como a paz, democracia e defesa dos direitos humanos.

  3. O pedido da Unasul á Barack Obama é um ato político de Direito Internacional, para que presidente americano revogue o decreto que declara a Venezuela uma ameaça aos Estados
    Unidos, que foi um ato unilateral externo com reflexos internacionais. Todos esses atos que integram uma negociação e a atitude dos Estados fazem parte de uma grande rede de interações que reflete a forma que os países relacionam entre si para tentar suprir suas necessidades. Essas relações, formam a sociedade Internacional, em que os estados encontram-se em pé de igualdade em uma perspectiva hierárquica horizontal. O Direito Internacional aparece para regular as relações mantidas entre os Estados na Sociedade Internacional. A Unasul, não é um Estado, mas também é um sujeito de Direito Internacional, como uma organização intergovernamenteal, que lida com outros sujeitos de Direito Internacional.
    A Unasul foi fundada em 23 de maio de 2008, e integra todos os países do continente sul-americano. Foi constituída através de um tratado (fonte de Direito Internacional) em Brasília. Tem a finalidade de promover integração sul-americana multisetorial, integrando o Mercado Comum do Sul e a Comunidade Andina das nações.

  4. Os países membros da organização internacional que une todos os países latino americano, expediram uma resolução objetivando que o governo dos Estados Unidos retirasse o decreto que considera a Venezuela como ameaça a sua segurança.
    É muito importante que os países, independente de sua grandeza, valorizem um diálogo sobre possíveis soluções pacíficas de conflitos, respeitando o direito internacional, ao invés de atitudes de baixa tolerância como a citada. Esse argumento é o que foi utilizado pelos países membros, através de seus chanceleres, que também solicitaram o respeito a Constituição Venezuelana na resolução de seus problemas internos. Tudo isso para manter a soberania do país e evitar que medidas coercitivas sejam adotadas no plano das relações internacionais e assim alcançar o maior objetivo das organizações internacionais: Manter a paz e em conjunto, procurar solucionar questões da melhor e mais harmônica forma.

  5. A Unasul (União das Nações Sul-Americanas), composta por 12 países, dentre eles Argentina, Brasil, Uruguai e Venezuela aprovarem, com unanimidade, uma resolução pedindo que os Estados Unidos revoguem o decreto que declara uma “emergência nacional diante da ameaça extraordinária” que a Venezuela representaria para a segurança do país.
    O ato pretende amenizar a situação entre os países. É interessante a fala da chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, de que “um possível bloqueio econômico, comercial contra a Venezuela castigaria a solidariedade internacional, nosso organismo de cooperação e de intercâmbio complementar”.
    Tal pedido deixa claro a importância de fomentar o diálogo entre países em conflito para que possam resolvê-los de maneira pacífica. É uma maneira de manter a paz na comunidade internacional, importante para todos aqueles que dela participam.

  6. O conflito em questão teve início no dia 09 de março, quando o presidente Barack Obama determinou a aplicação de novas sanções a funcionários venezuelanos, que acusa de violação de direitos humanos, entre eles o diretor-geral dos Serviços Secretos e o diretor da Polícia Nacional da Venezuela. Entre as restrições estão a proibição de entrada nos Estados Unidos e o congelamento de bens.
    Em um comunicado divulgado pela casa branca, o governo americano se diz preocupado com o aumento das iniciativas do governo venezuelano para intimidar os seus opositores políticos. O governo está tratando o assunto como sendo de “emergência nacional”.
    Segundo a Ministra de Relações exteriores da Venezuela, Delcy Rodriguez afirmou que o bloqueio econômico planeado pelos EUA não irá afetar pouca gente no país. Todos os empresários que produzem hoje na Venezuela serão afetados. Ela também chamou a decisão do presidente Barack Obama de “ameaça a segurança nacional”. As acusações dela chamam atenção para os possíveis efeitos provindos de uma aprovação de lei como esta.
    O vice-presidente do país, Jorge Arreaza, por sua vez, fez nos últimos dias um chamado à união nacional e disse que o fato de a Venezuela ter uma das maiores reservas de petróleo do mundo são motivações para os ataques norte-americanos.
    A Unasul que possui como finalidade a promoção de integração sul-americana multisetorial, obviamente vem tentando encontrar uma solução pacífica e por consequência menos danosa.

  7. A questão apresentada demonstra os doze integrantes da Unasul, por unamidade, tentando uma comunicação racional com Obama para que revogue o decreto que cita a Venezuela como uma ameaça aos Estados Unidos. Essa “rixa” econômica influencia em toda América do sul. A Venezuela provou que tem a força suficiente parar reunir os países vizinhos em uma reunião extraordinária. O objetivo foi desclassificar a Venezuela como “um problema de segurança nacional” – termo usado pelo governo norte americano- O comunicado menciona que a atitude americana constitui uma “ameaça à soberania do país e ao princípio de não intervenção nos assuntos internos dos Estados. Então que deveria ser solucionado tal impasse, uma vez que reflete em toda América ja que as relaçoes comerciais são estritamente ligadas umas nas outras.

  8. O conflito político em que se encontram os Estados Unidos e a Venezuela prejudicam, em muito, a economia da região. As instabilidades internas do país sul-americano preocupam o continente como um todo, ou pelo menos, deveriam preocupar. Por outro lado, a atitude norte-americana é considerada, pelos países da Unasul, como uma atitude hostil, que deve ser revista, para possibilitar o diálogo entre os países, de modo a evitar uma crise ainda maior na região. A direção a ser tomada para promover o desenvolvimento e cooperação entre os países americanos deve ser a oposta. O diálogo deve ser, portanto, priorizado a qualquer tipo de rótulo ou bloqueio entre os países. Com a economia interligada do modo como está hoje, qualquer crise política entre dois países do mesmo continente, pode gerar efeitos nefastos aos demais países vizinhos, seja no aspecto econômico, seja no político.

  9. A UNASUL (União de Nações Sul-Americanas) é uma organização intergovernamental composta pelos doze estados da América do Sul (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela), tal organização expediu uma resolução objetivando que o governo dos Estados Unidos retirasse o decreto que considera a Venezuela como ameaça a sua segurança. O governo dos Estados Unidos declarou a existência de uma “emergência nacional” e manifestou preocupação com relação à suposta violação de direitos humanos na Venezuela, governada por Nicolás Maduro, percebemos que o governo estado-unidense acredita que podem intervir no cenário internacional como bem entender, sem se preocupar com os outros países.
    Por este motivos os países da UNASUL expediram a resolução, pois acreditam que o dialogo é a melhor opção nessas situação e não medidas de baixa tolerância como as adotadas pelo Estados Unidos.
    Concluímos então que o objetivo do bloco com essa medida é de manter princípios como a paz, a democracia e a defesa dos direitos humanos.

    Helber Carvalho Ribeiro
    Milton Campos
    Manhã – 19374

  10. Os 12 países que integram a Unasul (União das Nações Sul-Americanas), Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname, Uruguai, Venezuela, Paraguai e Chile, foram unânimes ao aprovar uma resolução pedindo que os Estados Unidos revoguem o decreto que declara uma “emergência nacional diante da ameaça extraordinária” que a Venezuela representaria para a segurança do país. Assim que Barack aceitar as exigências feitas pela Unasul o comercio entre os países da américa do sul vai melhorar pois dá início à doutrina de paz na América do Sul. Trazendo melhorias para toda a região.

  11. O Presidente dos Estados Unidos Barack Obama emitiu um decreto presidencial declarando a Venezuela uma “ameaça à segurança nacional”, impondo sanções a sete pessoas e expressando preocupação sobre o tratamento do governo venezuelano com opositores políticos. “Autoridades venezuelanas do passado e do presente que violam os direitos humanos de cidadãos venezuelanos e se envolvem em atos de corrupção não são bem-vindos aqui, e agora nós temos as ferramentas para bloquear seus bens e seu uso dos sistemas financeiros dos EUA”, disse o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest.
    As sanções não são de punir o povo da Venezuela e a sua economia, mas apenas sete funcionários do governo venezuelano envolvidos em violência contra os manifestantes.
    A União de Nações Sul-americanas (UNASUL), organização intergovernamental composta de doze Estados da América do Sul, sediado em Quito, Equador, pede a revogação do referido decreto e a adoção de alternativas de diálogo com o governo venezuelano.
    Esta é uma medida bem plausível, pois a melhor forma de resolução de qualquer desentendimento é através de um diálogo onde são expostas todas as dificuldades e objetivos, propiciando uma maior clareza do contexto podendo chegar a uma solução de uma forma pacífica, que é o mais importante.
    A utilização de ameaças e sanções, mesmo o alvo não sendo a população, causa um grande desconforto e gera uma tensão política que pode acarretar um distanciamento diplomático entre os países e trazer consequências danosas para a Venezuela, podendo atingir outros Estados.

    Bruno Antônio Rocha Borges
    Milton Campos
    Noite – 20074

  12. Os ministros das Relações Exteriores lembraram o compromisso com a plena vigência do direito internacional, a solução pacífica de controvérsias e o princípio de não intervenção, e reiteram seu pedido para que os governos se abstenham da aplicação de medidas coercitivas unilaterais que transgridam o direito internacional, desta forma, pediram aos EUA, para que reconsidere sua atitude, pois a mesma, prejudica em muito a economia da região, foi considera uma atitude tanto que hostil dos EUA, que deve ser reexaminada para manter a paz na comunidade internacional, importante para todos aqueles que dela participam.

  13. O Brasil um dos países dos 12 países pertencentes à Unasul (União das Nações Sul-Americanas) decidiu juntamente com os demais Estados, com unanimidade de votos, que os EUA, deveria retirar o decreto que considera a Venezuela como ameaça a sua segurança. Este pedido revela-se como um ato político Internacional.

    Os Membros da Unasul postulam que como a Venezuela está vivendo uma situação de grande crise interna está deverá ser resolvida nas formas previstas na Constituição venezuelana. Está união provocada, revela-se como uma proteção dos direitos internos dos seus membros da América do Sul.

    Observa-se que eles que continuarão apoiando as decisões venezuelanas, tendo em vista que a Venezuela terá apoio nas suas próximas eleições.

    Posto isto, devemos ressaltar que o Direito Internacional visa se comprometer com a solução pacífica de controvérsias e o princípio de não-intervenção, devendo ainda os governos se absterem de aplicações coercitivas unilaterais que transgridam o direito internacional, assim como os fez EUA, ao emitir uma medida coercitiva em desfavor da Venezuela. Diante disto, Ernesto Samper, secretário-geral do bloco da Unasul, ressaltou que esta união tem como objetivo fazer valer os princípios basilares das relações como a paz, democracia e defesa dos direitos humanos.

  14. A União de Nações Sul-Americanas (UNASUL) é uma organização intergovernamental composta pelos doze estados da América do Sul (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela), tal organização expediu uma resolução objetivando que o governo dos Estados Unidos retirasse o decreto que considera a Venezuela como ameaça a sua segurança. O governo dos Estados Unidos declarou a existência de uma “emergência nacional” e manifestou preocupação com relação à suposta violação de direitos humanos na Venezuela, governada por Nicolás Maduro, percebemos que o governo estado-unidense acredita que podem intervir no cenário internacional como bem entender, sem se preocupar com os outros países.
    Por este motivos os países da UNASUL expediram a resolução, pois acreditam que o dialogo é a melhor opção nessas situação e não medidas de baixa tolerância como as adotadas pelo Estados Unidos.
    Concluímos então que o objetivo do bloco com essa medida é de manter princípios como a paz, a democracia e a defesa dos direitos humanos.

  15. A UNASUL (União de Nações Sul-Americanas) é uma organização intergovernamental composta pelos doze estados da América do Sul (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela), tal organização expediu uma resolução objetivando que o governo dos Estados Unidos retirasse o decreto que considera a Venezuela como ameaça a sua segurança. O governo dos Estados Unidos declarou a existência de uma “emergência nacional” e manifestou preocupação com relação à suposta violação de direitos humanos na Venezuela, governada por Nicolás Maduro, percebemos que o governo estado-unidense acredita que podem intervir no cenário internacional como bem entender, sem se preocupar com os outros países.
    Por este motivos os países da UNASUL expediram a resolução, pois acreditam que o dialogo é a melhor opção nessas situação e não medidas de baixa tolerância como as adotadas pelo Estados Unidos.
    Concluímos então que o objetivo do bloco com essa medida é de manter princípios como a paz, a democracia e a defesa dos direitos humanos.

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s