Maduro anuncia aumento de 15% do salário mínimo a partir de dezembro


nicolas_maduro_carlos_garcia-reuters_4

Caracas O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta segunda-feira um aumento de 15% no salário mínimo a partir de dezembro, o que o eleva a 4.889,11 bolívares, ou US$ 776 (R$ 1.927) na taxa de câmbio preferencial de 6,30 bolívares por dólar, o diferencial mais baixo dos três que funcionam no país.

“Decidi assumir esta proposta que vem dos trabalhadores de aumentar a base de cálculo do ticket alimentação de 0,5% a 0,75% e, além disso, decretar o aumento de 15% do salário mínimo a partir de 1º de dezembro”, disse Maduro em um discurso que foi transmitido em rede obrigatória de rádio e televisão.

O presidente declarou que, levando em conta que em janeiro passado houve um aumento de 10% do salário mínimo e em maio se decretou outro aumento de 30%, com este novo incentivo já se eleva a 68,2% a melhora total em 2014 se forem incluídos outros benefícios como o ticket alimentação.

“Decretei 68,28% de aumento em todo o ano de 2014, muito acima da inflação induzida pela criminosa guerra econômica deste ano”, comentou.

Segundo a última taxa anualizada oficial correspondente ao período entre agosto 2013 e agosto 2014, a inflação na Venezuela é de 63,4%.

Neste momento, na Venezuela funcionam três taxas de câmbio oficiais de modo que um mesmo dólar pode custar 6,3, 11 ou 50 bolívares em função do destino para o qual seja solicitado.

Maduro fez o anúncio do aumento do salário mínimo uma semana depois de decretar um aumento de salário de 45% aos membros da Força Armada Nacional Bolivariana, uma decisão que foi criticada por diferentes setores da oposição.

 

Fonte: América Economia Brasil

5 respostas em “Maduro anuncia aumento de 15% do salário mínimo a partir de dezembro

  1. Uma aparente boa notícia para os venezuelanos, no entanto, tenta mitigar o impacto da exorbitante taxa inflacionária do país (que atualmente já ultrapassa os 60% ao ano). Medidas similares foram tomadas no brasil durante o período da ditadura militar no brasil (como congelamento de preços dos produtos da cesta básica, controle cambial etc…) todas se provaram ineficazes em combater a crise econômica (aliás, fizeram justamente o contrário, geraram desabastecimento e criaram um comércio negro, agravando a já nefasta crise). O tempo nos dirá se a medida foi eficaz no ambiente venezuelano. Meu palpite, não o será. Não existe fórmula mágica para resolver a crise inflacionária, existe sim, um remédio (amargo), e este é a austeridade, diminuição dos gastos estatais e diminuição do endividamento público. Para agravar ainda mais a situação econômica do país, a cotação do petróleo sofreu nos últimos meses uma profunda retração, a commodity é o principal produto de exportação do país (correspondendo à cerca de 80%). Aparentemente não é apenas o empresariado que está contra Maduro, são os números, as estatísticas, e sua própria política econômica.

  2. Essa notícia, inicialmente, soa como uma vitória dos trabalhadores venezuelanos, em meio a grande crise econômica enfrentada no país, com índices de inflação altíssimos. No entanto, como informado na notícia, o aumento expressivo e vertiginoso do salário mínimo já se provou nocivo para a economia em outras épocas e em outros países. É senso comum que, se o aumento do salário mínimo não acompanha o crescimento econômico, só fará aumentar a inflação e, em cenários piores, gerar desabastecimento. Afinal, mesmo que seja a primeira vista o maior salário mínimo da América Latina, o câmbio defasado da Venezuela denuncia a realidade. Calculado com o índice do dólar paralelo, o valor do salário mínimo venezuelano não chegaria a R$ 200,00. Nesse panorama, o aumento progressivo do salário mínimo na Venezuela(não é a primeira vez que acontece em 2014), parece uma medida muito simplista e pouco efetiva para controlar a inflação que é, atualmente, uma das maiores do planeta.
    No entanto, verdade seja dita, só o tempo dirá se a política econômica de Maduro irá surtir o efeito esperado. Por enquanto, só fez agravar a crise. Mas é inegável que a perspectiva de um poder de compra maior enche de esperança milhões de trabalhadores venezuelanos.

  3. Maduro mostra mais uma vez que seu governo busca atender as demandas da classe trabalhadora, mesmo em cenário de crise econômica como ocorre na Venezuela. O presidente venezuelano assumiu o poder como sucessor de Hugo Chávez e vem seguindo o mesmo caminho de seu antecessor, o de priorizar as demandas populares às do capital. No entanto, o modo como Maduro busca alcançar seus objetivos desagrada a muitos, principalmente empresários e grandes empregadores, que veem nas medidas do presidente um radicalismo ineficaz para resolver o atual problema econômico enfrentado pelo país. A medida adotada por Maduro vem sendo repetida para aumentar o poder de compra da população, frente às dificuldades da economia venezuelana, como a alta inflação, agravada pelos embates de países que se sentiram contrariados com a política do governante venezuelano. Por isso não é possível afirmar ainda que Maduro errou ou acertou nos aumentos do salário mínimo realizados em 2014, já que a medida pode de fato potencializar o poder de compra e as condições dos trabalhadores, mas pode também fazer com que a crise econômica se agrave, afastando o desenvolvimento do país e espantando os investimentos.

  4. Essa notícia, a um desavisado, pode soar como mais uma grande vitória do povo venezuelano conquistada pelo governo de Maduro. em meio a grande crise econômica enfrentada no país, com índices de inflação altíssimos. Contudo, um aumento tão exorbitante dos valores do salario minimo já se mostro muito prejudicial quando experimentado por outros paises em outras ocasiões. É conclusão óbvia que, se o aumento do salário mínimo não acompanha o crescimento econômico,e vice versa, só fará aumentar a inflação e, em cenários piores, gerar desabastecimento. Claro, apesar de se mostrar a primeira vista o mais alto salario minimo da américa latina, o cambio defasado venezuelano pode demontrar, como um raio-x, a dura realidade que pende para um lado totalmente contrario ao primeiro. Calculado com o índice do dólar paralelo, o valor do salário mínimo venezuelano não chegaria a R$ 200,00. Nesse panorama, o aumento progressivo do salário mínimo na Venezuela(não é a primeira vez que acontece em 2014), não parece uma medida muito eficaz e tão complexa quanto seria necessário para frear esta que é uma das mais altas taxas inflacionárias do mundo.
    Mesmo assim, só o tempo irá dizer se a política, até agora absolutamente ineficaz de Maduro, ira surtir algum efeito positivo nesta economia até agora assolada.

  5. Esse tipo de estratégia faz com q as pessoas da clase trabalhadora acreditem que as coisas estão melhorando para eles, mas na verdade o governo esta tentando ocultar o aumento excessivo da inflação do país pois o governo esta enfrentando uma grande crise econômica.
    Esta situação parece muito com a do Brasil, que esta com a inflação lá nas alturas, ai o governo vai e almenta o salário achando que vai calar a população mas junto com isto todas as outras coisas aumentam com ele.
    Mas contudo agora é esperar e ver se a estratégia do presidente vai dar certo e com isto melhorar a economia do país que esta em crise.

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s