PETRÓLEO NAS MALVINAS: UM PROBLEMA PARA O BRASIL?

PETRÓLEO NAS MALVINAS: UM PROBLEMA PARA O BRASIL?

 Grandes depósitos de petróleo recém-descobertos na plataforma continental das Ilhas Malvinas pode aumentar significativamente as tensões entre Argentina e Reino Unido, e isso poderia prejudicar a estratégia brasileira de manter a estabilidade regional em seu entorno estratégico.

Imagem: MD.

Imagem: MD.

 

Oil in the Malvinas/Falklands: Brazil’s next regional headache?

Post-Western World – 08/03/2014 – por Oliver Stuenkel

Brazil, foreign policy observers often point out, is blessed. Contrary to many other emerging powers such as China or India, it is located in a neighborhood that rarely experiences interstate tension or war. Not only can Brazil live on a relatively small defense budget, while India is the world’s largest arms importer. Brazil can also dedicate considerable time and energy towards extending its global diplomatic reach without constantly being forced to deal with trouble in its neighborhood.

There are few signs that this will change in the near future. Brazil usually engages when political stability in a nearby country is at risk — such as in Paraguay in 1996 and 2012, in Venezuela in 2002 and in Honduras in 2009. Aside from protecting its economic interests, policy makers in Brasília also seek to keep the region free of tension and crises (usually acting through regional institutions such as Mercosur and Unasur) to avoid interference by the United States or any other outside actor. Over the past decade, defending political stability in the region has turned into one of Brazil’s key foreign policy goals.

While recent troubles are usually domestic in nature, involving a sudden impeachment by a president in Paraguay and social unrest in Venezuela, another crisis may be lurking around that corner that, due to its international nature, is likely to give headaches to Brazilian foreign policy makers. While the territorial dispute between Argentina and the United Kingdom is nothing new, significant oil findings around the Malvinas/ Falkland Islands (an Overseas Territory of the United Kingdom claimed by Argentina) could significantly sharpen the existing antagonism between the two countries involved.

The head of Argentina’s new Malvinas Secretariat recently announced that firms drilling off the islands’ coasts would be ineligible to exploit shale-oil and gas in Patagonia. Late last year, Argentina’s congress passed a law that imposes prison sentences of up to 15 years and fines of up to $1.5 billion on anyone involved in exploring the islands’ continental shelf without its permission.

Meanwhile, the appointment of a new governor of the islands by the British government led Argentina’s Ambassador to the UK, Alicia Castro, to write an op-ed in The Guardian this week, accusing London to violate international law in this “pending case of decolonization”. She writes that the UK, refusing to resolve the dispute, aims to justify the continued occupation of the islands by invoking the right to self-determination for the current British inhabitants. Yet,

The right of self-determination of peoples is not applicable to any or every human community, but only to “peoples”. In the case of the inhabitants of the Malvinas, we do not have a separate “people”, still less one subjected to colonialism. The British residents of the islands do not have the right to resolve the sovereignty dispute between Argentina and the UK: nobody doubts they are British, and can continue to be so, but the territory in which they live is not. It belongs to Argentina. 

In response, the island’s Chair of the Legislative Assembly, Mike Summers, argued that the inhabitants’ approach was “fully in accord with the universal right to self determination set down in the UN Charter.”

The topic continues to appear regularly not only in Argentina, but also in the United Kingdom. In late February, the British media sounded alarm at increases in Argentina’s defense budget and quoted Admiral Lord West, who was at the helm ofHMS Ardent when it was sunk in the 1982 War, saying: “Any major increase in defence expenditure by Argentina must be viewed with concern. I am concerned that, without any ­aircraft carriers, we are incapable of ­recapturing them.” He continued pointing out that Britain’s new carriers will not be operational until 2020 and until then Argentina had a “window of opportunity”.

In August 2013, Argentina’s President took advantage of her country’s term as temporary President of the UN Security Council to address the issue. The region stands firmly behind Argentina – as do most other developing countries. As The Economist reported on the meeting,

…several ministries echoed Ms Fernández’s concerns. On behalf of CELAC Cuba’s foreign minister recognised “Argentina’s legitimate claim on the sovereignty” over the Falklands (and raised the issue of nuclear disarmament, a dig at Britain’s alleged missile-carrying vessels in the South Atlantic). Venezuela’s bemoaned the islands’ “colonial situation”. And their Uruguayan opposite number promoted “a South Atlantic zone of peace”, denouncing what he termed the “illegitimate activities of oil exploitation” in waters near the Falklands.

Britain, on the other hand, frequently points to the last referendum in March 2013, during which more than 99% of the islands’ inhabitants expressed their desire to maintain their current political status:

When the result was announced in Stanley, the capital—which was plastered with union flags crossed with the words “British to the core”—crowds toasted “Her Majesty and the Falklands” and sang “Rule Britannia”.

For Argentina’s foreign policy makers, the disputed islands has long been a key issue. For neighboring Brazil, all these does not seem to matter much at first glance. When Great Britain’s foreign secretary recently visited Brazil, the issue was not on the agenda. However, massive oil findings in the area would dramatically increase both the islands’ economic importance and make finding a solution to the dispute far more difficult. In the face of tougher Argentine rhetoric, the United Kingdom could  increase its military presence (which currently stands at 1,300 troops backed by four Typhoon jets), complicating Brazil’s maritime strategy in the South Atlantic. If Argentina imposed a full-scale economic blockade of the islands, tension would almost certainly increase further. It surely is in Brazil’s interest to avoid such a scenario.

Fonte: ISAPE

http://isape.wordpress.com/2014/03/09/petroleo-nas-malvinas-um-problema-para-o-brasil/

The Energy Crisis — [RAP NEWS 22]

Vídeo

Publicado em 27/02/2014
RAP NEWS 22 [S02:E02]. Like many others who preceded us, our “civilisation” faces an Energy Crisis of megawattic proportions, which threatens to bring an end to our brief joyride. But our dirty little secret is seldom mentioned in the news, let alone connected to economic instability or to environmental effects on our planet. It falls to Robert Foster to bring this topic back into the fore of our consciousness, where he conducts an incisive analysis of the situation to see what solutions are out there to deal with peak energy. Join your ever-curious anchor as he invites a panoply of guests – the great, the good, the bizarre, and the downright trollsome – along to share their solutions to this crisis. In the end, the shift required might have to be psychological as well as technological. Enjoy the ride, fellow children of the industrial revolution.

Written & created by Giordano Nanni & Hugo Farrant in a suburban backyard home studio in Melbourne, Australia, ­on Wurundjeri Land

ONU alerta sobre situação no Sudão do Sul; Conselho de Segurança deve reforçar missão

Chefe da ONU para os direitos humanos informou que execuções extrajudiciais em massa, ataques com base na etnia e detenções arbitrárias foram documentadas nos últimos dias. Conselho de Segurança se reúne emergencialmente.

A missão da ONU apoia o Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA) em um dos pontos de distribuição de assistência humanitária, em Bentiu, no Estado de Unity. Foto: UNMISS/Anna Adhikari

A missão da ONU apoia o Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA) em um dos pontos de distribuição de assistência humanitária, em Bentiu, no Estado de Unity. Foto: UNMISS/Anna Adhikari

A ONU alertou nesta terça-feira (24) alertando sobre a situação de insegurança e de violações graves e crescentes dos direitos humanos no Sudão do Sul. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, tem dialogado com diversos líderes locais e regionais, além de reforçar a capacidade da missão de paz da ONU no país (UNMISS) para permitir que ela faça o possível para proteger os civis e intensificar os esforços para encontrar uma solução política para a crise.

Segundo as Nações Unidas, Ban Ki-moon já falou com líderes da União Africana, Etiópia, Ruanda, Malauí, Tanzânia, Paquistão, Bangladesh e Nepal.

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, expressou grande preocupação também nesta terça-feira (24) diante das graves e crescentes violações de direitos humanos que ocorreram nos últimos 10 dias, chamando a liderança de ambos os lados para proteger os civis e abster-se da incitação da violência étnica.

Pillay disse que execuções extrajudiciais em massa, ataques com base na etnia e detenções arbitrárias foram documentadas nos últimos dias, acrescentando que uma vala comum foi descoberta em Bentiu, no Estado de Unity, com pelo menos dois outros relatos similares em Juba.

Dois assessores especiais da ONU – sobre a Prevenção do Genocídio e sobre a Responsabilidade de Proteger – também expressaram preocupação com o grave risco de uma escalada de violência entre comunidades, observando que os ataques direcionados a civis e funcionários da ONU poderiam constituir crimes de guerra ou crimes contra a humanidade.

Eles exortaram todas as partes a agir com moderação e em conformidade com o direito internacional humanitário e os direitos humanos, lembrando a responsabilidade do governo de proteger todos os sul-sudaneses, independente de sua etnia ou filiação política.

O Escritório da ONU Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) informou que cerca de 81 mil pessoas foram deslocadas pela crise no país, mas que o número real é provavelmente maior.

O OCHA afirma que 45 mil pessoas buscaram refúgio em campos administrados pela missão da ONU no país, enquanto o acesso para aqueles que estão fora tem sido limitado devido à insegurança contínua.

O coordenador do OCHA, Toby Lanzer, visitou Bor e disse que 17 mil sul-sudaneses buscaram abrigo na base da ONU. Ele afirmou que os trabalhadores de ajuda humanitária estão sob intensa pressão e que as instalações humanitárias estão sendo saqueadas em várias regiões.

Neste domingo (22), a UNMISS começou a retirar todo o pessoal considerado não essencial de Juba. Eles estão sendo levados para Entebbe, em Uganda. A decisão foi tomada como medida de precaução. A missão, no entanto, está sendo reforçada, inclusive com membros das forças de paz de países da região.

O Ministério do Interior disse que a resposta humanitária para ajudar cerca de 20 mil pessoas deslocadas em duas bases da UNMISS em Juba está ganhando força, com o registro dos civis e a distribuição de alimentos em andamento.

Mais de 2.200 famílias receberam alimentos no domingo (22) e segunda-feira (23), em Juba, enquanto a ajuda alimentar foi distribuído para 7 mil civis abrigados na base da UNMISS em Bentiu no domingo (22).

Líderes religiosos confirmaram que as orações da meia-noite este ano não ocorrerão apenas na véspera de Natal, e sim a todo o momento durante os conflitos. Foto: UNMISS/Irene Scott

Líderes religiosos confirmaram que as orações da meia-noite este ano não ocorrerão apenas na véspera de Natal, e sim a todo o momento durante os conflitos. Foto: UNMISS/Irene Scott

A clínica móvel está operacional e realizou 200 consultas médicas na segunda-feira (23) em uma base da UNMISS em Juba.

As famílias deslocadas em Juba receberam mosquiteiros, cobertores, colchões, sabão e conjuntos de cozinha. Itens adicionais estão sendo pré-posicionados para distribuição nos próximos dias.

Risco para as crianças aumenta com falta de saneamento

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) também presta assistência aos civis. A agência está especialmente preocupada com a população do Estado de Jonglei, onde os conflitos se intensificaram.

O Fundo afirmou que a falta de saneamento gera um alto risco para a saúde. As crianças passam o dia sob sol forte e calor intenso e dormem ao relento nas noites frias. Com a ajuda de parceiros, o UNICEF está construindo latrinas e pelo menos 400 ficam prontas nos próximos dias. Equipes de voluntários limpam as áreas a céu aberto, onde as pessoas são obrigadas a fazer suas necessidades.

agência da ONU também ajuda no cadastro das famílias de deslocados, um passo bastante importante para reunir crianças que foram separadas de seus pais durante os confrontos.

Conselho de Segurança deve enviar 5,5 mil soldados ao país
(Da Rádio ONU em português, direto de Nova York)

Em reunião de emergência no fim da tarde desta segunda-feira (23), hora local em Nova York, o Conselho de Segurança avaliou um pedido do secretário-geral da ONU sobre o envio de mais tropas para o Sudão do Sul.

Mais cedo, Ban Ki-moon encaminhou uma carta ao órgão, pedindo reforço para a missão da ONU. Com a piora do conflito inter-comunitário no país mais novo do mundo, 45 mil civis já buscaram abrigo nas bases das Nações Unidas.

Após a reunião de emergência, o embaixador da França, Gérard Araud, que preside o Conselho de Segurança este mês, explicou que o órgão vota na tarde de terça-feira (24) – também horário de Nova York – a resolução que autoriza o envio de mais tropas ao Sudão do Sul.

Se o texto for aprovado, a Missão da ONU vai ganhar o reforço de 5,5 mil soldados de paz. Segundo Araud, os 15 Estados-membros do Conselho receberam de forma positiva a proposta de resolução. Araud destaca que a violência se espalha no país e a situação humanitária está piorando.

Para a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Samantha Power, os relatos da ONU sobre a situação no Sudão do Sul são “perturbadores”, com pelo menos 100 mil pessoas desalojadas. Ela destaca que o Conselho de Segurança pede a todos os lados em conflito na nação africana que protejam os civis, independente de sua condição política ou étnica.

Ouça a matéria da Rádio ONU clicando aqui.

ONU investigará relatos de violações dos direitos humanos
(Da Rádio ONU em português, direto de Nova York)

Ban Ki-moon afirmou na segunda-feira (23) que as Nações Unidas vão investigar os relatos de graves violações dos direitos humanos e de crimes contra a humanidade no Sudão do Sul. Ele fez a afirmação em entrevista a jornalistas na sede da ONU em Nova York. Ban disse estar “muito preocupado” com os assassinatos étnicos no país.

O secretário-geral disse que os responsáveis pelos crimes “vão ser acusados e terão de enfrentar as consequências, mesmo que digam que não tinham conhecimento dos ataques”. Ele reuniu, pela manhã, seus principais assessores para discutir a situação. Participaram da reunião por videoconferência a representante especial da ONU para o Sudão do Sul, Hilde Johnson, e o representante especial da União Africana, Haile Menkerios.

O chefe da ONU declarou que tem pedido de forma consistente ao presidente Salva Kiir e aos líderes da oposição que negociem uma solução política para a crise. Ban disse que qualquer que seja a diferença entre eles, não se justifica a violência que tomou conta do país.

Ele também enviou uma mensagem direta para os sul-sudaneses dizendo que a ONU apoiou o caminho para a independência e continuará ao lado deles nesse momento.

A representante especial do secretário-geral da ONU, Hilde F. Johnson, aproveitou para lembrar o Natal e a mensagem de paz que a data traz. “No meu país, este é o dia de Natal, 24 de dezembro. Em outros países, amanhã é dia de Natal, mas para nós é hoje o dia de Natal. E como sabemos, a mensagem de Natal é a mensagem da paz, e para mim é importante lembrar a todos que, neste momento particular, gostaríamos de exortar os dois líderes, qualquer um que tenha influência na situação atual, bem como todos os cidadãos do Sudão do Sul a contribuir para que este Natal seja um Natal de paz e não de violência.”

Fonte: http://www.onu.org.br/onu-alerta-sobre-situacao-no-sudao-do-sul-conselho-de-seguranca-deve-reforcar-missao/

Geopolítica do petróleo: Brasil se afasta dos EUA

O que está em jogo, entre outras coisas, no leilão de Libra é uma reacomodação de forças na geopolítica internacional do petróleo.

.

As edições eletrônicas do Wall Street Journal e Financial Times dedicam uma cobertura agitada, recolhendo repercussões minuto a minuto sobre o leilão do campo petrolífero de Libra, que ocupa 1.500 km2, está dotado de cerca de 12 bilhões de barris alojados em águas ultra profundas situadas a 183 quilômetros do estado do Rio de Janeiro e será capaz de produzir, dentro de alguns anos, 1,4 milhões de barris por dia, volume equivalente a 70% de todo o petróleo gerado hoje no país.

A Petrobras e 3 petroleiras chinesas (não se descarta a formação de um consórcio sino-brasileiro na última hora), estão entre as onze companhias que participam na licitação por Libra na qual estarão ausentes as “grandes irmãs” norte-americanas devido ao estresse diplomático surgido entre Brasília e Washington depois da descoberta da espionagem praticada pela Agência de Segurança Nacional (NSA) contra a presidenta Dilma Rousseff, entre outros alvos sensíveis.

Por trás das notícias em tempo real nesta segunda-feira, com índices da bolsa e brokers com suas opiniões de curto prazo, subjaz uma história transcorrida nos últimos anos, cuja lembrança permitirá compreender o que está em jogo: uma reacomodação de forças na geopolítica do petróleo.

Celso Amorim era chanceler em julho de 2008, quando recebeu uma chamada de sua colega norte-americana Condoleezza, sugerindo-lhe receber sem alarme a reativação da IV Frota sob jurisdição do Comando Sul, anunciada poucos meses depois do descobrimento, em 2007, de grandiosas reservas de hidrocarbonetos nas bacias de Campos e Santos, localizadas no litoral do Rio de Janeiro e São Paulo.

Nem o chanceler Amorim e nem seu chefe, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, levaram a sério a retórica tranquilizadora da funcionaria de George W. Bush. Muito pelo o contrário, houve alarme no Palácio do Planalto.

Lula, Amorim e a então ministra Dilma Rousseff, que começava a perfilar-se como candidata presidencial, compreenderam que a passagem da US Army pelas costas cariocas, seria uma ostentação de poderio militar sobre os 50 bilhões de barris de cru de boa qualidade, alojados a mais de 5.000 metros de profundidade, em uma zona geológica conhecida como “pré-sal”.

Além dos questionamentos em foros internacionais, especialmente latino-americanos, foi pouco o que o Palácio do Planalto pode fazer de imediato contra a supremacia militar dos Estados Unidos e sua decisão de que a IV Frota, braço armado das petroleiras de bandeira norte-americana Exxon e Chevron no Hemisfério, ponha proa para o sul.

Lula e sua conselheira sobre energia Dilma, se viram diante de um dilema: ou adotar uma saída à mexicana, como a do atual presidente Enrique Peña Nieto, que mostrou sua disposição em privatizar Pemex, ainda que o termo empregado seja “modernização”, ou injetar dinheiro e mística nacionalista para robustecer a Petrobras como vetor de uma estratégia destinada a proteger a soberania energética.

Finalmente o governo do Partido dos Trabalhadores (PT) optou pela segunda via, instrumentalizada em uma bateria de medidas de amplo espectro.

Capitalizou a Petrobras para reverter o esvaziamento herdado da gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) e conseguiu aprovar, no final de 2010, uma lei petrolífera ” estatizante e intervencionista”, de acordo com a interpretação dada por políticos de extração neoliberal e o lobby britânico-estadunidense, parecer amplificado pelas empresas de notícias locais.

Ressuscitou o projeto de construir um submarino atômico com a França, junto a quem firmou, em 2009, um acordo militar (que avançou menos do que foi prometido); demandou diante de organismos internacionais a extensão da plataforma marinha, com o propósito de que ninguém dispute a titularidade das bacias petrolíferas, e promoveu o Conselho de Defesa da Unasul, com o apoio da Argentina e da Venezuela e a indiferença da Colômbia.

Como braço auxiliar dessa linha de ação governamental o PT operou, através de sua perseverante aproximação com o Partido Comunista Chinês, antessala para estabelecer laços de confiança política com a nomenclatura do Estado asiático, cujo Banco de Desenvolvimento finalmente assinaria, em 2010, uma série de pré-acordos para a concessão de empréstimos por dezenas de milhares de milhões de dólares para a Petrobras.

Paralelamente aos movimentos brasileiros em defesa de seu interesse nacional e para ocupar um lugar entre as potências petrolíferas, a agência de segurança estadunidense NSA roubava informações estratégicas do Ministério de Minas e Energia e os diplomatas destacados em Brasília enviavam telegramas secretos a Washington tipificando o chanceler Amorim como um diplomata “anti-norte-americano”.

Há três meses atrás, quando Dilma Rousseff tomou conhecimento das primeiras notícias sobre as manobras da NSA, uma fonte do Planalto disse a Página 12 que a Presidenta evitaria “radicalizar” a situação, pois confiava em uma conciliação com os Estados Unidos, onde planejava viajar para uma visita oficial no dia 23 de outubro.

Mas a posição de Dilma se fez irredutível em setembro, ao saber que os espiões haviam violado até as comunicações da Petrobras.

A decisão de suspender a visita de Estado a Washington, embora Barack Obama tenha renovado seu convite pessoalmente, não deve ser confundida como algo gestual, porque suas consequências afetaram decisões vitais.

Que não haja nenhuma petroleira norte-americana no leilão pela reserva de Libra e sim três poderosas empresas chinesas, das quais duas são estatais, indica que a colisão diplomática teve uma repercussão prática.

Que fontes próximas ao governo tenham deixado transcender a possível formação de um consórcio entre a Petrobras e alguma empresa chinesa, revela que a geopolítica petrolífera de Brasília se inclina à Pequim, que também é seu primeiro sócio comercial.

E, se o anterior não bastasse para descrever o distanciamento estratégico entre o Planalto e a Casa Branca, na semana passada o indigesto (para Washington) ministro Celso Amorim, agora a cargo da Defesa, iniciou conversações com a Rússia para analisar a compra de caças bombardeiros Sukoi. Foi apenas uma sondagem, mas se esta compra se formaliza será um revés considerável para a corporação industrial-militar norte-americana, que imaginava vender seus caças Super Hornet ao Brasil, durante a visita que Dilma não fará.

Fonte: CartaMaior

Pepe Escobar explica: “A guerra do oleogasodutostão na Síria: Uma guerra de negócios, não de balas.”

6/8/2012, Pepe EscobarAl-Jazeera, Qatar

Syria’s Pipelineistan war

Traduzido pelo pessoal da Vila Vudu

Negócio entre Síria e Irã pode ameaçar gravemente a posição da Turquia na estrada leste-oeste de energia  [REUTERS]

Muito abaixo do “vulcão de Damasco” e da “batalha de Aleppo”, as placas tectônicas do tabuleiro de xadrez da energia global continuam a mover-se. Além da tragédia e do luto da guerra civil, a Síria é também disputa pelo poder no oleogasodutostão.

Há mais de um ano, foi fechado um negócio de US$10 bilhões no Oleogasodutostão, [1] entre o Irã, o Iraque e a Síria, para construir, até 2016, um gasoduto que unirá os campos de petróleo gigantes de South Pars no Irã – atravessando o Iraque e a Síria, com uma possível extensão até o Líbano – e os mercados alvos de exportação (a Europa).

Ao longo dos últimos 12 meses, com a Síria naufragada em guerra civil, não se falou do oleogasoduto. Até que a conversa recomeçou. A paranóia suprema da União Europeia é não se deixar prender, como refém, pela Gazprom russa. O oleogasoduto Irã-Iraque-Síria é item essencial para diversificar os suprimentos de energia e pôr fim ao “monopólio” russo.

Mas é mais complicado que isso. Acontece que a Turquia é o segundo maior cliente da Gazprom. Toda a arquitetura da segurança energética turca depende do gás que vem da Rússia – e do Irã. A Turquia sonha com tornar-se a nova China, configurando a Anatólia como o entroncamento-encruzilhada estratégico para a exportação do óleo e gás da Rússia e dos campos de gás e petróleo russos, Cáspio-Central-asiático, iraquiano e iraniano, para a Europa.

Tente passar a perna em Ancara nesse jogo, e você terá problemas. Até praticamente ontem, Ancara aconselhava Damasco a fazer reformas – e depressa. A Turquia não queria o caos na Síria. Hoje, a Turquia está alimentando o caos na Síria. Examinemos uma das possíveis razões

Estive lá, nas encruzilhadas [2]

A Síria não é grande produtor de petróleo; suas reservas estão sumindo. Mesmo assim, até o início da guerra civil, Damasco vendia nada desprezíveis $4 bilhões anuais em petróleo – um terço do orçamento do governo.

A Síria é muitíssimo mais importante como uma encruzilhada de energia [3], mais ou menos como a Turquia, mas em menor escala. O ponto chave é que a Turquia precisa da Síria para atender sua estratégia de energia. [4]

A parte síria no Oleogasodutostão inclui o gasoduto AGP (Arab Gas Pipeline), do Egito a Trípoli e o IPC, de Kirkuk, no Iraque, a Banyas – ocioso desde a invasão, pelos EUA, em 2003.

A peça central da estratégia de energia da Síria é a “Política dos Quatro Mares” [orig. Four Seas Policy [5]] – conceito introduzido por Bashar al-Assad no início de 2011, dois meses antes do início do levante. É mais ou menos como uma mini usina turca – uma rede de energia que liga o Mediterrâneo, o Cáspio, o Mar Negro e o Golfo.

Damasco e Ancara imediatamente puseram mãos à obra – integrando as grades, unindo-as ao gasoduto AGP e, o que é crucial, planejando a extensão do gasoduto AGP de Aleppo a Kilis na Turquia; o que permitiria uni-lo adiante à ópera perene do Oleogasodutostão [6] Nabucco, supondo que essa dama gorda consiga algum dia cantar (o que absolutamente ainda não é garantido).

Damasco também já se preparava para aproximar-se do IPC; no final de 2010, assinou um memorando de entendimento com Bagdá para construir um gasoduto e dois oleodutos. Mercado-alvo, mais uma vez: a Europa.

Foi quando começou o inferno. Mas mesmo quando os levantes já estavam em andamento, o negócio de $10 bilhões do Oleogasodutostão Irã-Iraque-Síria foi clinchado. Se concluído, transportaria 30% a mais, de gás, que o quase definitivamente condenado projeto Nabucco.

Hei! Aí está o xis da questão: o que alguns chamam de Gasoduto Islâmico contorna (e deixa para trás) a Turquia.

O veredito permanece aberto sobre se esse complexo gambito no Oleogasodutostão pode ser considerado, ou não, um casus belli que explique que Turquia e OTAN ponham-se enlouquecidamente à caça de Assad. Mas não se deve esquecer que a estratégia de Washington no sul da Ásia, desde o governo de Clinton (o marido) sempre foi contornar, deixar para trás, isolar e ferir o Irã por todos os meios necessários.

Ligações perigosas

Damasco com certeza perseguia uma muito complexa estratégia de dois braços – ligando-se simultaneamente com a Turquia (e o Curdistão iraquiano), mas também contornando e deixando para trás a Turquia e incorporando o Irã.

Cobertura em profundidade da violência em escalada na Síria

Com a Síria presa numa guerra civil, nenhum investidor global sequer sonhariaem brincar de Oleogasodutostão. Mas, num cenário pós-Assad, todas as opções estão abertas. Tudo dependerá do futuro relacionamento entre Damasco e Ancara, e Damasco e Bagdá.

O petróleo e o gás terão de vir do Iraque, de qualquer modo (além de mais gás, do Irã); mas o destino final do Oleogasodutostão sírio pode ser a Turquia, o Líbano ou a própria Síria – exportando diretamente a partir do leste do Mediterrâneo.

Ancara está definitivamente apostando num governo pós-Assad liderado pelos sunitas, não muito diferente do partido AKP. A Turquia já suspendeu a exploração de petróleo que fazia em parceria com a Síria e está às vésperas de suspender todas as relações comerciais.

As relações entre Síria e Iraque dão-se por dois eixos entre os quais parece haver um mundo a separá-los: com Bagdá e com o Curdistão iraquiano.

Imaginem um governo formado pelo Conselho Nacional Sírio e pelo Exército Sírio Livre: seria definitivamente oposto a Bagdá, sobretudo em termos sectários; sobretudo, o governo de maioria xiita de al-Maliki vive em bons termos estratégicos com Teerã; nos últimos tempos, também com Assad.

As montanhas alawitas [7] comandam as estradas do Oleogasodutostão sírio na direção dos portos de Banyas, Latakia e Tartus no Mediterrâneo leste. Há também muito gás ainda por ser descoberto – notícia surgida de recentes explorações em Chipre e Israel [8]. Assumindo que o regime de Assad seja derrubado e empreenda alguma retirada estratégica para as montanhas, multiplicam-se as possibilidades de alguma espécie de guerrilha que sabote os dutos.

No pé em que as coisas estão hoje, ninguém sabe como uma Damasco pós-Assad reconfigurará suas relações com Ancara, Bagdá e o Curdistão iraquiano – para nem falar de Teerã. Mas não há dúvidas de que a Síria continuará a jogar o jogo do Oleogasodutostão.

O enigma curdo

Quase todas as reservas de petróleo sírias estão no nordeste curdo – geograficamente, entre Iraque e Turquia; o resto está ao longo do Eufrates, rumo ao sul.

Os curdos sírios são 9% da população – cerca de 1,6 milhão de pessoas. Embora não sejam sequer minoria considerável, os sírios curdos já perceberam que, aconteça o que acontecer num ambiente pós-Assad, eles estão muito bem posicionados no Oleogasodutostão, oferecendo via direta para exportações de petróleo do Curdistão iraquiano, em teoria contornando e deixando para trás ambas, Bagdá e Ancara.

É como se toda a região estivesse jogando um Bingo de Quem Contorna (e deixa para trás) Quem [9]. Na medida em que se possa dizer que o Gasoduto Islâmico contorna (e deixa para trás) a Turquia, um negócio direto [10] e ntre Ancara e o Curdistão iraquiano para construir dois oleogasodutos estratégicos de Kirkuk a Ceyhan pode também ser interpretado como contornar (e deixar para trás) Bagdá.

Bagdá, é claro, resistirá – destacando que os dutos são nada, vazios e inoperantes, a menos que o governo receba a parte que lhe cabe: afinal, pagam 95% do orçamento do Curdistão iraquiano.

Os curdos, tanto na Síria como no Iraque, têm jogado com grande esperteza. Na Síria, não confiam nem em Assad nem no Conselho Nacional Sírio. O Partido PYD – ligado ao PKK – diz, do CNS, para desqualificá-lo, que não passa de fantoche da Turquia. E o Conselho Nacional Curdo [ing. Kurdish National Council (KNC)] teme a Fraternidade Muçulmana Síria.

Assim, a maioria absoluta dos cursos sírios têm-se mantido neutros: não apoiam os fantoches turcos (ou sauditas); todo o poder à causa pan-curda. Salih Muslim Muhammad, líder do PYD, resumiu tudo: “O que interessa aos curdos é afirmar nossa existência”.

Isso significa, essencialmente, mais autonomia. Exatamente o que obtiveram do acordo assinado dia 11 de julho em Irbil, sob os auspícios do presidente do Curdistão iraquiano Masoud Barzani: o Curdistão sírio coadministrado pelo PYD e pelo Conselho Nacional Curdo. Foi consequência direta de o regime Assad ter optado por uma esperta retirada estratégica.

Não surpreende que Ancara esteja em surto de pânico. [11] – Ancara vê não só o PKK encontrando paraíso seguro na Síria, hospedado pelos primos do PYD, mas vê, também dois semiestados curdos, de facto, que emitem poderosos sinais na direção dos curdos na Anatólia.

Para minimizar esse pesadelo, Ancara poderia ajudar economicamente os cursos sírios, muito discretamente – de ajuda humanitária a investimentos em infraestrutura – usando para isso suas boas relações com o Curdistão iraquiano.

Na visão de mundo de Ancara, nada se pode interpor no caminho de seu sonho de tornar-se a ponte essencial de energia entre Ocidente e Oriente. Implica relações extremamente complexas com nada menos que nove países: Rússia, Azerbaijão, Geórgia, Armênia, Irã, Iraque, Síria, Líbano e Egito.

Quanto ao mundo árabe em geral, já desde antes da Primavera Árabe discutia-se seriamente um Oleogasodutostão árabe para unir ligasse Cairo, Amã, Damasco, Beirute e Bagdá. Pode fazer mais para unificar e desenvolver um novo Oriente Médio que qualquer “processo de paz”, “mudança de regime” ou levante pacífico ou super militarizado.

Nessa delicada equação, o sonho de um Grande Curdistão volta à cena. E os curdos podem ter boas razões para otimismo: muito em silêncio, Washingtonparece apoiá-los, numa aliança estratégica absolutamente sem alarde.

Claro que os motivos de Washington não são exatamente altruístas. O Curdistão iraquiano comandado por Barzani é ferramenta valiosa para que os EUA mantenham um pé militar no Iraque. O Pentágono jamais admitirá, mas já há planos avançados para a instalação de uma nova base militar dos EUA no Curdistão iraquiano – ou para transferir para o Curdistão iraquiano a base da OTAN atualmente em Incirlik.

Essa é um dos mais fascinantes subtramas da Primavera Árabe: os curdos encaixam-se perfeitamente no jogo de Washington em todo o arco do Cáucaso ao Golfo.

Mais de um executivo da Chevron e da British Petroleum já devem estar babando, ante as possibilidades que se abrem, das triangulações entre Iraque, Síria e Turquia, com vistas a um Oleogasodutostão. E, claro, muitos curdos também salivam abundantemente, só de pensar quantas portas o mesmo Oleogasodutostão abre, para um Curdistão Expandido.

Notas de rodapé

[1] 28/3/2012, OpenOil, em: Syria’s transit future: all pipelines lead to Damascus?

[2] Orig. I went down to the crossroads. É verso de “Cross Road Blues”, Robert Johnson [1911-1938], pode ser lido em tradução ruim e ouvido cantado pelos The Doors

[3] 8/3/2012, OilPrice, em: Don’t Factor Syrian Oil into Market Jitters

[4] 6/8/2012, EKEM – European Energy Policy Observatory, em: “Syria’s Energy Future After the Upheaval

[5] 6/1/2011, UPI, em: Syria’s Assad pushes ‘Four Seas Strategy

[6] 1/10/2009, Pepe EscobarTruthout, em: Jumpin’Jack Verdi, Its a Gas, Gas, Gas

[7] 12/10/2011, Al JazeeraNir Rosen, em: “Assad’s Alawites: An entrenched community

[8] 11/6/2010, HaaretzGal Luft em: A geopolitical game changer

[9] 2/8/2012, OilPriceDaniel j. Graeber, em: Kurds Hold the Aces in Iraqi Oil Sector
[10] 11/7/2012, Iraq Oil ReportBen Lando & Staff, em: Kurdistan begins independent crude exports

[11] 2/8/2012, Today’s ZamanServet Yanatma, em: Drills aimed at PYD under way, US cautions against intervention

Fonte:

Versão em português: Redecastorphoto

Versão original: Al Jazeera

http://redecastorphoto.blogspot.com.br/2012/08/a-guerra-do-oleogasodutostao-na-siria.html

Bresser Pereira: A Argentina tem razão [em retomar o controle sobre a YPF]

A Argentina se colocou novamente sob a mira do Norte, do “bom senso” que emana de Washington e Nova York, e decidiu retomar o controle do Estado sobre a YPF, a grande empresa petroleira do país que estava sob o controle de uma empresa espanhola. O governo espanhol está indignado, a empresa protesta, ambos juram que tomarão medidas jurídicas para defender seus interesses. O “Wall Street Journal” afirma que “a decisão vai prejudicar ainda mais a reputação da Argentina junto aos investidores internacionais”. Mas, pergunto, o desenvolvimento da Argentina depende dos capitais internacionais, ou são os donos desses capitais que não se conformam quando um país defende seus interesses? E, no caso da indústria petroleira, é razoável que o Estado tenha o controle da principal empresa, ou deve deixar tudo sob o controle de multinacionais?

Em relação à segunda pergunta parece que hoje os países em desenvolvimento têm pouca dúvida.

Quase todos trataram de assumir esse controle; na América Latina, todos, exceto a Argentina.

Não faz sentido deixar sob controle de empresa estrangeira um setor estratégico para o desenvolvimento do país como é o petróleo, especialmente quando essa empresa, em vez de reinvestir seus lucros e aumentar a produção, os remetia para a matriz espanhola.

Além disso, já foi o tempo no qual, quando um país decidia nacionalizar a indústria do petróleo, acontecia o que aconteceu no Irã em 1957. O Reino Unido e a França imediatamente derrubaram o governo democrático que então havia no país e puseram no governo um xá que se pôs imediatamente a serviço das potências imperiais.

Mas o que vai acontecer com a Argentina devido à diminuição dos investimentos das empresas multinacionais? Não é isso um “mal maior”? É isso o que nos dizem todos os dias essas empresas, seus governos, seus economistas e seus jornalistas. Mas um país como a Argentina, que tem doença holandesa moderada (como a brasileira) não precisa, por definição, de capitais estrangeiros, ou seja, não precisa nem deve ter deficit em conta corrente; se tiver deficit é sinal que não neutralizou adequadamente a sobreapreciação crônica da moeda nacional que tem como uma das causas a doença holandesa.

A melhor prova do que estou afirmando é a China, que cresce com enormes superavits em conta corrente. Mas a Argentina é também um bom exemplo. Desde que, em 2002, depreciou o câmbio e reestruturou a dívida externa, teve superavits em conta corrente. E, graças a esses superavits, ou seja, a esse câmbio competitivo, cresceu muito mais que o Brasil. Enquanto, entre 2003 e 2011 o PIB brasileiro cresceu 41%, o PIB argentino cresceu 96%.

Os grandes interessados nos investimentos diretos em países em desenvolvimento são as próprias empresas multinacionais. São elas que capturam os mercados internos desses países sem oferecer em contrapartida seus próprios mercados internos. Para nós, investimentos de empresas multinacionais só interessam quando trazem tecnologia, e a repartem conosco. Não precisamos de seus capitais que, em vez de aumentarem os investimentos totais, apreciam a moeda local e aumentam o consumo. Interessariam se estivessem destinados à exportação, mas, como isso é raro, eles geralmente constituem apenas uma senhoriagem permanente sobre o mercado interno nacional.

Fonte: Tijolaço

Vejam outras matérias sobre a Argentina

Espanha apela para Argentina por solução amigável sobre petrolífera e ameaça ir a tribunal internacional

Brasília – O ministro dos Negócios Estrangeiros da Espanha, José Manuel Garcia-Margallo, apelou hoje (23) às autoridades da Argentina que tentem resolver “amigavelmente” a disputa sobre a expropriação da YPF, administrada pela Repsol. Margallo foi claro: se não houver acordo, os espanhóis recorrerão a um tribunal internacional para impedir a expropriação da petrolífera,     anunciada no último dia 16.

“[Queremos que a ] Argentina retorne à comunidade internacional, ao diálogo e organize esse litígio de forma amigável em conformidade com os tribunais internacionais”, observou o chanceler. “Nós não vamos disputar o direito da Argentina sobre a soberania energética. Mas, na minha opinião, é um [grande] erro no século 21”, disse Magallo, que participa de uma reunião de chanceleres da União Europeia, em que o tema da expropriação será discutido.

O ministro espanhol acrescentou: “[O governo da] Espanha está considerando todas as medidas que podem trazer a Argentina de volta à mesa de negociações. Vamos procurar uma solução negociada”.

Na semana passada, o Parlamento Europeu aprovou a suspensão das preferências tarifárias em relação à Argentina. O detalhamento das medidas deve ocorrer ao longo desta semana. Foi aprovado um texto de repúdio à decisão da Argentina.

“A Argentina deve retornar à legalidade internacional e restaurar a confiança nos investimentos e os direitos fundamentais nas relações internacionais, como a liberdade de propriedade e livre iniciativa”, disse o chanceler.

Fonte: Agência Brasil

Vídeo: Presidenta argentina submete renacionalização da YPF ao Congresso. Veja direto da fonte.

Visión Siete: El Gobierno envía al Congreso el proyecto de expropiación del 51 por ciento de YPF

La presidenta Cristina Fernández anunció el envío al Congreso de un proyecto de ley que establece la expropiación del 51 por ciento de las acciones de YPF, estableciendo que de ese número, el 51% le corresponderá a la Nación y el 49% restante quedará bajo la administración de la Organización Federal de Estados Productores de Hidrocarburos (OFHEPI), que integran las provincias con producción petrolera. La empresa continuará operando como una sociedad anónima abierta. Además, decretó la intervención de la compañía petrolera y designó al ministro de Planificación, Julio De Vido, como interventor. “Somos casi el único país que no maneja los recursos naturales”, subrayó la Jefa de Estado y consignó que desde 1999 hasta el 2011 “la utilidad neta de YPF fue de 16.450 millones de dolares” y que la empresa distribuyó dividendos por 13.246 millones de dólares. “El problema fue la desnacionalización”, agregó. Emitido por Visión Siete, noticiero de la TV Pública argentina, lunes 16 de abril de 2012.

http://www.tvpublica.com.ar

Fonte: Tijolaço

Entenda a questão da renacionalização da Repsol-YPF na Argentina pelas diferentes perspectivas

Argentina diz basta à espoliação da Repsol

16/04/2012

A Argentina renacionalizou as ações YPF pertencentes à espanhola Repsol. A decisão soberana, anunciada nesta 2ª feira pela presidenta Cristina Kirchner, em rede nacional de rádio e televisão, é uma resposta ao vampirismo que tem pautado a atuação do capital espanhol no setor. A Repsol detinha 57% da petroleira argentina privatizada em 1993 no processo de desmonte neoliberal do Estado argentino promovido pelo governo Carlos Menen. Em 2010 os investidores espanhóis extraíram um lucro de 1,4 bilhão de euros do subsolo argentino. A produção nacional de petróleo, porém, recuou quase 5,5%.
A Argentina foi a economia ocidental que mais cresceu na última década. Entre 2003 e 2010 o consumo argentino de petróleo e gás aumentaria respectivamente 38% e 25%. A oferta cairia 12% e 2,3%. A assimétrica evolução evidenciou o descompromisso do capital estrangeiro com o desenvolvimento do país. Os atritos entre o Estado e a Repsol se intensificaram. Em 2010, as importações de petróleo resultaram num déficit de US$ 3 bi na balança comercial argentina. Em 2011 a Argentina gastou US 11 bi com a conta petróleo.

O país tem reservas para atender as suas necessidades. Encontra-se em solo argentino a 3ª maior reserva de gás de xisto do mundo: a Repsol, em que pesem os apelos da Casa Rosada, sempre ignorou essa fronteira de soberania energética. Agia em relação à energia como a Vale do Rio Doce agiu, durante a gestão do tucano Roger Agnelli, aos apelos de Lula para que a empresa investisse mais na siderurgia nacional. Ou, para ficar numa queda de braço atual, com a mesma desfaçatez exibida pela banca brasileira, que se recusa a abdicar de um pedaço do spread –de 37%, em média, o mais alto do mundo– para viabilizar a queda dos juros.

Nos últimos três anos o governo Cristina fixou um imposto sobre exportações de petróleo, a exemplo do que fez com as commodities agrícolas. O objetivo era justamente reter no metabolismo econômico os ganhos extras gerados pela especulação internacional com matérias-primas. No Brasil, esses ganhos extras foram sistematicamente repassados pela Vale aos acionionistas –e assim festejados pela mídia demotucana como prova de superioridade da gestão privada na exploração das riquezas nacionais. Um contrafogo neoliberal aos avanços da Petrobrás.

A Repsol não furou um único poço de petróleo na Argentina desde 2009. Na Espanha, o governo do direitista PP adianta que reagirá à ‘expropriação‘. Faria melhor se concentrasse o súbito ardor soberano na resistência a ação predatória do capital financeiro sobre a sociedade espanhola: nesta 2ª feira, o cartel rentista global exigia da Espanha um ganho extra entre quatro e cinco pontos acima da rentabilidade dos títulos alemães para continuar financiando a austeridade suicida de Mariano Rajoy.

Postado por Saul Leblon às 14:25

Fonte : Carta Maior

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-

Espanha promete resposta dura após nacionalização de YPF pela Argentina

Atualizado em  17 de abril, 2012 – 08:25 (Brasília) 11:25 GMT

Espanhola Repsol disse que pode recorrer a arbitragem internacional após nacionalização da YPF

O governo espanhol alertou, nesta terça-feira, que vai defender seus interesses e responder com medidas “claras e contundentes” ao anúncio de que a Argentina pretende “expropriar” 51% da petrolífera de capital argentino e espanhol Repsol-YPF.

O ministro espanhol da Indústria, José Manuel Soria, disse que as medidas serão divulgadas nos próximos dias. Segundo ele, o anúncio feito na segunda-feira pela presidente Cristina Kirchner é um gesto de hostilidade contra a Espanha e o governo espanhol.

A empresa espanhola Repsol tem 57% de participação na YPF.

Esses atos não saírão impunes“, disse o presidente da Repsol, Antonio Brufau.

Segundo ele, a presidente Kirchner recorreu à nacionalização “como forma de esconder a crise econômica e social que a Argentina está enfrentando”. Brufau acusou a Argentina de fazer uma campanha, nas últimas semanas, para derrubar o valor das ações da empresa e conseguir um preço baixo pela expropriação.

A Repsol disse que vai recorrer à arbitragem internacional, se necessário. Segundo a agência de notícias AFP, a empresa quer receber uma indenização de pelo menos US$ 10 bilhões.

Crise diplomática

O embaixador argentino em Madri foi convocado a comparecer, nesta terça-feira, ao Ministério das Relações Exteriores da Espanha para discutir o assunto.

Mais cedo, o chanceler espanhol, José Manuel Garcia-Margallo, disse que o “clima de amizade” entre os dois países havia sido rompido.

O premiê da Espanha, Mariano Rajoy, tem viagens marcadas ao México e Colômbia, onde deve tentar conseguir apoio contra a decisão argentina.

A nacionalização foi anunciada sob aplausos, na segunda-feira, pela presidente da Argentina, Cristina Kirchner, que disse ter se inspirado na Petrobras.

Um projeto de lei, já enviado ao Congresso Nacional, estabelece que o Estado passa a controlar a empresa – que havia sido privatizada nos anos 1990.

Manifestantes comemoraram a nacionalização da YPF na Argentina

A presidente justificou a decisão diante da queda na produtividade da petroleira, do aumento inédito das importações de combustíveis, e do fato da a Argentina ser um dos poucos países no mundo que não têm o “controle” deste setor.

Depois de 17 anos, pela primeira vez em 2010, tivemos que importar gás e petróleo. Também tivemos redução no saldo comercial [devido à queda nas exportações do setor], que entre 2006 e 2011 foi de 150%”, afirmou.

“Não se trata de estatização, mas de recuperação da empresa, que passará a ser controlada pelo Estado argentino”, disse, em rede nacional de rádio e de televisão.

Ela também anunciou a assinatura de um decreto intervindo na companhia, que passará a ser administrada por autoridades locais, antes mesmo da aprovação do texto pelos parlamentares argentinos.

Petrobras

Cristina afirmou que a decisão argentina não é um “fato inédito”, já que outros governos, como México e Bolívia, possuem 100% das empresas petrolíferas estatais. Ela citou o Brasil como um modelo.

“No Brasil, o Estado tem 51% [das ações] por meio da Petrobras. Nós escolhemos o mesmo caminho [com a Repsol-YPF]. Queremos ter uma relação igualitária com nosso sócio [Brasil], para ajudar a América Latina a se transformar também em região de auto-abastecimento. E, por isso, queremos incluir Venezuela no Mercosul para fechar o anel energético”, disse.

A presidente disse que a medida não afeta “outros sócios ou acionistas” da Repsol-YPF. No entanto, após o anúncio, as ações da empresa registraram forte queda na Argentina e no mercado internacional.

A presidente afirmou também que seu governo quer trabalhar junto com o empresariado, mas que “não vai tolerar” a falta de cooperação com seu país. O anúncio da presidente foi interpretado por analistas argentinos como sinal de “maior ingerência do Estado” na economia local.

Fonte: BBC Brasil

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-

YPF da Argentina e histeria privatista

Por Altamiro Borges

A decisão da presidenta Cristina Kirchner de reestatizar a empresa petrolífera da Argentina, a YPF, fez ressurgir com força o debate sobre as privatizações das estatais na América Latina. Os ideólogos privatistas e também os “privatas” – aqueles que desviaram a grana da venda do patrimônio público para as suas contas, como revela o livro “A privataria tucana” – estão irritados, histéricos.

Arrogância imperial da Espanha

A Espanha, que tem saqueado as riquezas de várias nações para tentar se salvar do colapso econômico – seja com a remessa de lucros da Repsol na Argentina ou da Telefônica no Brasil –, já declarou guerra ao governo soberano do país vizinho. Arrogante e imperial, o primeiro-ministro Mariano Rajoy criticou a “quebra de contrato” com a multinacional espanhola e prometeu “duras” retaliações.

O direitista não tem moral para falar em “quebra de contratos” – que o digam os trabalhadores espanhóis que tiveram seus direitos aniquilados por seu recente pacote de austeridade fiscal, que rasgou todos os “contratos” trabalhistas em vigor na Espanha. Rajoy esperneia para defender a ganância da Repsol, uma multinacional que não investia no setor e apenas roubava o povo argentino.

O ganância da Repsol

A YPF foi privatizada em 1999 pelo governo neoliberal de Carlos Menem. A Repsol passou a deter 57% das ações da ex-poderosa estatal de petróleo. Com o tempo, porém, ficou visível a falsidade do discurso sobre a tal eficiência da iniciativa privada. Em 2010, a Repsol obteve um lucro de 1,4 bilhão de euros do subsolo argentino. Já a produção nacional de petróleo recuou quase 5,5%.

Em decorrência do pujante crescimento econômico da Argentina, o consumo de petróleo aumentou 38% e o de gás cresceu 25%, entre 2003 e 2010. Já oferta da multinacional caiu 12% e 2,3%, respectivamente. Com isso, o país, que já foi autossuficiente em petróleo, foi forçado elevar a importação do produto. No ano passado, o governo gastou US$ 11 bilhões com a conta petróleo.

A falta de compromisso da Repsol com o desenvolvimento do país atiçou os atritos com o governo argentino, que nesta segunda-feira (16) anunciou a reestatização da empresa. Antes, a presidenta já havia fixado um imposto sobre a exportação de petróleo e adotado outras medidas para coagir a multinacional. Mas a Repsol não recuou no saque. Desde 2009, ela não furou um único poço de petróleo no país.

A gritaria da mídia colonizada

Diante da decisão soberana do governo argentino, os privatistas e “privatas” fazem o maior escarcéu – sem analisar os méritos da medida. Para isso, como sempre, eles contam com as manipulações da mídia entreguista e colonizada. O Clarín, veículo-palanque das correntes neoliberais da Argentina, aliou-se à Espanha para condenar o governo de Cristina Kirchner.

No Brasil, a mídia também partiu para o ataque. Em seu editorial de hoje (17), a Folha condena a “expropriação” da multinacional Repsol. Para o jornal, que venera o deus-mercado, “trata-se de uma medida intempestiva, que gera insegurança jurídica e erode ainda mais a já desgastada credibilidade daquele país aos olhos do mercado internacional”.

No Jornal da Globo de ontem à noite, Willian Waack, frequentador do Instituto Millenium – o antro dos barões da mídia nativa – só faltou pregar a derrubada da presidenta Cristina Kirchner. Talvez ele até receba algum título honorifico do rei da Espanha ou algum agradecimento especial da Repsol!

Fonte; Blog do Miro

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-

Martes 17 de Abril de 2012, 05:54 am

Repsol recurrirá a arbitraje internacional por nacionalización de YPF

El acto de expropiación es “ilegítimo e injustificable”, afirmó presidente de Repsol, Antonio Brufau. (Foto: Efe)

La expropiación “sólo es una forma de tapar la crisis social y económica que está enfrentando Argentina” debido principalmente a una “política energética equivocada”, dijo el Presidente de la petrolera.

La petrolera Repsol pedirá por arbitraje internacional una compensación de más de 10 mil millones de dólares tras la decisión del gobierno de Cristina Kirchner de expropiar su filial YPF, que el presidente del grupo atribuyó a un deseo de “tapar la crisis” en Argentina.

“Estos actos no quedarán impunes”, aseguró el presidente de Repsol Antonio Brufau en rueda de prensa en Madrid.

La compañía española pedirá “una compensación a través del arbitraje internacional”, afirmó, que deberá “ser al menos igual” al valor de su participación de 57,4 por ciento en YPF, que Repsol valoró en 10 mil 500 millones de dólares.

Sobre la “campaña de hostigamiento” realizada en las últimas semanas por las autoridades de Argentina, Brufau consideró que estuvo “calculadamente planificada para provocar el derrumbe de la acción de YPF y facilitar la expropriación a precio de saldo”.

Acusando a la petrolera de no cumplir sus compromisos de inversión en el país en un momento en que no deja de crecer el déficit energético de Argentina, Kirchner envió el lunes al Congreso un proyecto de ley para declarar de utilidad pública un 51 por ciento de YPF.

“A través de levantar la bandera de la expropiación y buscar un responsable en YPF se oculta la realidad”, consideró Brufau.

Afirmó que las autoridades argentinas entraron en las instalaciones de Repsol YPF “al amparo de una ley de Videla”, el presidente de Repsol aseguró que esta actuación “no es propia de un país moderno”. “La gente de este país se merece otra cosa”, añadió.

“Repsol iniciará todos las acciones legales que están a su alcance”, afirmó. “El abanico es amplio”, subrayó, citando “demanda constitucional, civil, comercial”.

A las críticas de falta de inversión, Brufau respondió asegurando que desde la adquisición de la filial argentina en 1999, “YPF ha hecho 20 mil millones dólares de inversión” en Argentina a los que “hay que añadir los 15 mil millones de la compra”.

Desde entonces, “las inversiones siempre han sido muy superiores a los resultados”, aseguró.

teleSUR – Efe/KMM

Vejam outras postagens sobre a Argentina