China, Iran and Russia: Restructuring the global order

Nota

Powerful countries are alarmed by the threats against Russia as they see themselves as potential future targets.

 
Last updated: 20 May 2014 10:56
Seyed Mohammad Marandi
 
Seyed Mohammad Marandi is professor of North American Studies and dean of the Faculty of World Studies at the University of Tehran.
 
 

Countries with major oil and gas reserves such as Russia, Iran and Iraq are already turning eastward, writes Marandi [Getty Image]
At the Fourth Summit of the Conference on Interaction and Confidence-Building Measures in Asia (CICA) that opens May 20 in Shanghai, Iranian President Hassan Rouhani will meet with both Chinese President Xi Jinping and Russian President Vladimir Putin. Among other things, the summit will underscore how rising non-Western powers are playing ever more prominent roles on the global stage. However, Western elites remain stuck in a time warp, wherein the United States and its European partners are the imperial masters of all they survey.In this regard, it is an interesting coincidence how mainstream Western media outlets consistently produce narratives that are almost indistinguishable from official government statements regarding countries and leaders with dissimilar worldviews from their Western counterparts. For instance, we repeatedly hear about the democratically elected “dictators” in Venezuela, yet we are assured that friendly dictators are “moderate reformers”.Another fascinating coincidence is that Western human rights organisations pursue initiatives and policies closely aligned with those of their own governments. When the US accused the Syrian government of using chemical weapons against its own people – notwithstanding noteworthy evidence to the contrary and despite the fact that it was fine as far as Washington was concerned when former Iraqi president Saddam Hossein attacked Iran with chemical weapons – some human rights advocates stood shoulder to shoulder with President Barack Obama in advocating “shock and awe” in Damascus for humanitarian purposes.

Contrary to what Saudi Princess Basmah Bint Saud states, Amnesty International’s soft spot for Saudi Arabia may be linked to more than just oil - for this renowned organisation is a true believer in promoting human rights through liberal imperialism. Until recently, Amnesty USA was led by a former senior US government official who is a leading “humanitarian interventionist“.

On the side-lines of the 2012 NATO summit in Chicago, Amnesty International campaigned for NATO’s continued occupation of Afghanistan under the rubric, “keep the progress going”; Amnesty’s shadow summit for Afghan women was graced with the presence of none other than former US Secretary of State Madeleine Albright known for commenting that over half million dead Iraqi children as a result of sanctions “was worth it”.

Generous doses of hypocrisy

It is refreshing to see such consensus at all levels of public discourse in the “Free World”. It seems that there is general agreement among European and North American elites that Western objectives are well-intentioned, even if highly generous doses of hypocrisy are administered on the way. Hence, the British foreign secretary, speaking on behalf of the so called Friends of Syria, just days ago welcomed “the fact that preparations for the presidential elections on May 25 are proceeding well” in violence-stricken Ukraine where roughly half the country rejects the Kiev-based coup regime.

Then, literally a minute later (and with a straight face), he condemned the “Assad regime’s unilateral plan to hold illegitimate presidential elections on June 3. We say in our communique that this mocks the innocent lives lost in the conflict”. Apparently there has been no significant loss of innocent life as a result of illegal cross border support for extremists and al-Qaeda affiliates in Syria over the last three years.

It is also remarkable that any perceived rival to Western power can almost immediately be compared to Adolf Hitler without raising many eyebrows. Benjamin Netanyahu and other Zionist advocates can repeatedly threaten the Iranian people with military strikes, yet simultaneously promote the false logic that the Islamic Republic wishes to create a holocaust by allegedly denying the Holocaust (whatever that means).

In recent weeks, we have once again returned to 1939 as the bizarre Hitler analogy is now being used to describe Putin. The irony here is that the right wing neo-Nazi groups within the pro-Western Kiev regime consider themselves as the Russian president’s greatest foes. Indeed, for some, al-Nusra Front, Islamic Front in Syria or Islamic State of Iraq and the Levant analogy would be somewhat more appropriate to describe the Ukrainian political party, Right Sector.

Former Egyptian President Gamal Abdel Nasser was another one of many Hitlers in Western political discourse. When in 1956, he nationalised the Suez Canal, then British Prime Minister Anthony Eden viewed his actions as an insult to the British Empire. However, the “Suez moment” was a classic case of overreach for a rapidly declining empire that politicians in the US today should ponder.

Winner-take-all worldview

Their winner-take-all worldview, which has already resulted in widespread inequality and relative economic decline in the US, has also, since 2001, conditioned a series of “moments” whereby Washington’s arrogant zero-sum mentality has produced one strategic failure after another.

Obama’s pivot to Asia is viewed with scepticism, as the US already has more than it can handle in Ukraine, west Asia and North Africa. The real Asia pivot is driven by rapidly rising economies, especially China, as countries with major oil and gas reserves such as Russia, Iran and Iraq are already turning eastward.

 

The US government is caught in a web of self-deception if it believes that its declining global influence has gone unnoticed among the world’s rising powers. Obama’s pivot to Asia is viewed with scepticism, as the US already has more than it can handle in Ukraine, west Asia and North Africa. The real Asia pivot is driven by rapidly rising economies, especially China, as countries with major oil and gas reserves such as Russia, Iran and Iraq are already turning eastward.

In a 2012 report that some consider to be too conservative in its prognostications, the US multinational investment banking firm Goldman Sachs projects that by 2050 the US will be the only Western power among the top five global economies, with an economy much smaller than China’s. In addition, the World Bank predicts that the US dollar will lose its current global dominance in roughly a decade.

Ironically, instead of attempting to build new bridges and forging new partnerships to stall their declining global status as the balance of power shifts away from Europe and North America, Western governments unwisely antagonise key powers. Spying on the Brazilian president does not help, denying a visa to the next Indian prime minister can spell trouble ahead, giving strong warnings to China can raise tensions - but threatening Russia with economic warfare may prove to be a game changer.

Of course, the US and its allies have already engaged in inhuman economic warfare against ordinary citizens of the Islamic Republic of Iran. The US has targeted the Iranian banking sector as well as the central bank and has threatened Iran’s trading partners with punitive sanctions if they do not abide by US laws.

Many countries have protested against these US imperial dictates, but have so far largely abided by US demands in order to avoid its aggressive behaviour. However, with threats now being made against the Russian Federation, alarm bells have begun ringing, as powerful countries see themselves as potential future targets. Economic warfare against another major power will force emerging economic powerhouses to seriously think about the future of global financial and communications systems as well as the immediate need to enhance cooperation and to restructure the global political and economic order.

During the CICA Summit in Shanghai, Presidents Xi Jinping, Rouhani and Putin definitely have a lot to talk about.

Seyed Mohammad Marandi is professor of North American Studies and dean of the Faculty of World Studies at the University of Tehran.

The views expressed in this article are the author’s own and do not necessarily reflect Al Jazeera’s editorial policy.

Fonte: http://www.aljazeera.com/indepth/opinion/2014/05/china-iran-russia-restructuring-201451964119463320.html?fb_action_ids=10152431601726678&fb_action_types=og.likes&fb_ref=s%3DshowShareBarUI%3Ap%3Dfacebook-like&fb_source=aggregation&fb_aggregation_id=288381481237582

Foreign Policy: “Forget China: Iran hackers are America’s newest cyber threats

Imagem

In March 2012, Ayatollah Ali Khameini, the Supreme Leader of Iran, publicly announced the creation a new Supreme Council of Cyberspace to oversee the defense of the Islamic republic’s computer networks and develop news ways of infiltrating or attacking the computer networks of its enemies. Less than two years later, security experts and U.S. intelligence officials are alarmed by how quickly Iran has managed to develop its cyber warfare capabilities — and by how much it’s willing to use them.

For several years, Iran was believed to possess the ambition to launch disruptive attacks on Western, Israeli or Arab computer networks, but not necessarily the technological capability of actually doing so. Those doubts have largely evaporated. In late 2012, U.S. intelligence officials believe hackers in Iran launched a series of debilitating assaults on the Web sites of major U.S. banks. The hackers used a well-honed technique called a denial of service attack, in which massive amounts of traffic are directed at a site’s servers until they crash. But the traffic flow in the bank attack was orders of magnitude greater than anything U.S. security officials had seen up to that point, indicating a remarkable degree of technical sophistication.

Last year, U.S. officials say that Iranian hackers infiltrated a large unclassified computer network used by the Navy and Marine Corps. Officials now say it took the Navy four months to fully clear its systems and recover from the breach, which was first reported by the Wall Street Journal.

“Iran should be considered a first-tier cyber power,” Gabi Siboni, a cyber security expert with Israel’s Institute for National Security Studies, said during a speech in Washington last December.

Western analysts see Iran’s embrace of cyber attacks as a strategic attempt to counter the conventional military forces of the United States and Iran’s regional rivals, particularly Saudi Arabia. Some analysts have blamed Iran for an attack on the computers of Saudi Aramco, the national energy company that supplies about 10 percent of the world’s oil. The attack erased data from 30,000 computers, but it didn’t affect oil and gas production and distribution facilities.

Analysts debate whether Iran should yet be included in the same league as the United States, Israel, or China, which each possess extensive capabilities to launch attacks on computer networks and the critical infrastructure connected to them, including electrical power facilities. But U.S. intelligence agencies now judge that Iran is well on the path to becoming a formidable cyber force. James Clapper, the U.S. director of national intelligence, recently warned that Iran’s “development of cyber espionage or attack capabilities might be used in an attempt to either provoke or destabilize the United States or its partners.

The heart of Iran’s national cyber efforts is the cyberspace council set up in 2012. It’s chaired by the Iranian president, Hasan Rouhani and its members include senior government officials, including the head of Iran’s elite Revolutionary Guard, which controls military units believed to conduct offensive cyber operations and electronic warfare, such as jamming communications systems. Iran was motivated to ramp up its cyber security efforts, particularly the defense of its internal networks and vital infrastructure facilities, after a cyber attack on an Iraniannuclear facility by the United States and Israel that disabled 1,000 centrifuges used to enrich uranium, a key component of a nuclear weapon. Iran’s defensive capabilities today are devoted to preventing another such attack, as well as monitoring and suppressing domestic political opponents who threaten the regime, Siboni wrote in a recentanalysis of Iran’s capabilities.

The Revolutionary Guard now owns and controls the biggest communications company in Iran, Siboni said. The government restricts access to the public Internet and monitors computers in Internet cafes. A domestic police force, known as FETA is charged with monitoring online activity and speech, as well as combating fraud and theft.

But it’s the offensive side of the ledger that worries U.S. officials the most. In the past week, Iranian leaders have threatened to use cyber warfare against Tehran’s enemies. “One of the options on the table of the U.S. and its allies is a cyber war against Iran. But we are fully prepared to fightcyber warfare,” said Gen. Mohammad Aqakishi, the commander of the information technology and communication department of the armed forces’ general staff, according to Iran’s Tasnim news agency.

“[Aqakishi] said the U.S. has been making ‘empty threats’ against Iran for several years, noting that Washington itself is mindful of the Islamic Republic’s military might in the arena of information technology and communication,” Tasnim reported.

Last week, Khameini, Iran’s supreme leader, reportedly exhorted Iranian students, whom he called “cyber war agents,” to prepare to fight Iran’s enemies in cyberspace. “Get yourselves ready for such war wholeheartedly,” Khameini said.

“If any war is launched against Iran, we won’t give any ground to the enemy and they themselves know this very well,” Iran’s military chief of staff, Gen. Hassan Firouzabadi, said last week, declaring that Iran was prepared for a “decisive battle” with the United States and Israel.

Such provocations haven’t gone unnoticed. And U.S. military officials have acknowledged that if the United States uses cyber weapons against Iran, Americans should expect some retaliation. “That’s a valid assumption,” Gen. Martin Dempsey, the chairman of the Joint Chiefs of Staff, said in an interview in January 2013. “There are reports that destructive cyber tools have been used against Iran. I’m not-I’m neither confirming nor denying any-any part in that. What that should tell you is that that capability exists. And if it exists…whoever’s using those can’t assume that they’re the only smart people in the world.”

A few days before Dempsey’s remarks, Gen. William Shelton, the commander of Air Force Space Command, warned that Iran was a growing offensive threat in cyberspace. “They’re going to be a force to be reckoned with, with the potential capabilities that they’ll develop over the years and the potential threat that they’ll represent to the United States,” Shelton said. In other words, Chinese hackers aren’t the only ones Washington needs to worry about.

Fonte: Foreign Policy

2013: o que mudou de fato no mundo?

O mais importante foi a mudança de clima no cenário mundial. Desde o triunfo na guerra fria, os EUA militarizavam os conflitos. Não foi assim com Síria e Irã.

Por Emir Sader

Como sempre, se acumulam uma quantidade de fatos – entre mortes, eleições, sublevações, etc. – que se destacam jornalisticamente no mundo, mas dificultam a compreensão das alterações nas relações de poder, as que efetivamente contam na evolução da situação internacional.

No emaranhado de acontecimentos, o mais importante foi a mudança de clima no cenário internacional. Desde que triunfou na guerra fria, os EUA tem tido como postura diante dos conflitos internacionais, sua militarização. Transferir para o campo em que sua superioridade é manifesta, tem sido a característica principal da ação imperial dos EUA. Foi assim no Afeganistão, no Iraque, por forças intermedias na Líbia. E se encaminhava para ser assim nos casos da Síria e do Irã.

De repente, pegando ao Secretario de Estado norteamericano, John Kerry, pela palavra, o governo russo propôs ao da Síria um acordo, que desconcertou o governo norteamericano, até que não pôde deixar de aceitar. Isto foi possível porque Obama não conseguiu criar as condições políticas para mais uma ofensiva militar dos EUA. Primeiro o Parlamento britânico negou o apoio a Washington.
Depois, foi ficando claro que nem a opinião publica, nem o Congresso norteamericano, nem os militares dos EUA, estavam a favor da ofensiva anunciada ou do tipo de ofensiva proposta.

O certo é que os EUA foram levados a aceitar a proposta russa, o que abriu as portas para outros desdobramentos, entre eles, combinado com as eleições no Irã, para a abertura de negociações políticas também com esse país por parte dos EUA. No seu conjunto, se desativava o foco mais perigoso de novos conflitos armados.

Como consequência, Israel, a Arábia Saudita, o Kuwait, ficaram isolados nas suas posições favoráveis a ações militares contra a Síria e até contra o Irã. Foi se instalando um clima de negociações, convocando-se de novo uma Conferência na segunda quinzena de janeiro, em Genebra, para discutir um acordo de paz. Uma conferência que não coloca como condição a questão da saída do governo de Assad, como se fazia anteriormente.

A oposição teve que aceitar participar, mesmo nessas condições. E ainda teve a surpresa que os EUA e a Grã Bretanha suspenderam o fornecimento de apoio militar aos setores opositores considerados moderados, que foram totalmente superados pelos fundamentalistas, apoiados pela Arabia Saudita e pelo Kuwait.

Como dois pontos determinam um plano, as negociações sobre a Síria abriram campo para as negociações dos EUA com o Irã, aproveitando-se da eleição do novo presidente iraniano. Desenhou-se, em poucas semanas, um quadro totalmente diverso daquele que tinha imperado ao longo de quase todo o ano. Os EUA passaram da ofensiva à defensiva, a Rússia, de ator marginal, a agente central nas negociações de paz, a ponto que a Forbes, pela primeira vez, elegeu Vladimir Puttin como o homem mais forte do mundo, na frente de Obama. Isso se deve não ao poderio militar ou econômico da Russia, mas ao poder de iniciativa política e de negociação que o país passou a ter.

Fonte: CartaMaior

Robert Fisk: O verdadeiro alvo do Ocidente é o Irã, e não a Síria

O Irã está profundamente envolvido na proteção ao governo sírio. Além disso, uma vitória de Bashar representa uma vitória do Irã. E vitórias do Irã não podem ser toleradas pelo Ocidente. 

Antes que comece a guerra ocidental mais idiota na história do mundo moderno – eu me refiro, é claro, ao ataque à Síria que todos nós vamos ter que engolir – podemos dizer que os mísseis que esperamos ver cruzando os céus de uma das cidades mais antigas das humanidade não têm nada a ver com a Síria.

Eles têm como objetivo atacar o Irã. Eles pretendem atacar a república islâmica agora que ela tem um presidente novo e vibrante – diferente do bizarro Mahmoud Ahmadinejad – e bem quando ele pode estar um pouco mais estável.

O Irã é inimigo de Israel. Então o Irã é, naturalmente, inimigo dos EUA. Então dispare os mísseis no único aliado árabe do Irã.

Não há nada de agradável no regime de Damasco. Nem esses comentários livram a cara do regime quando se trata de uso de armas químicas em massa. Mas eu tenho idade suficiente para me lembrar de que quando o Iraque – então aliado dos EUA – usou armas químicas contra os curdos em Hallabjah em 1988, nós não invadimos Bagdá. De fato, esse ataque esperou até 2003, quando Saddam não tinha mais armas químicas ou qualquer outra arma com as quais tínhamos pesadelos.

E eu também me lembro de que, em 1988, a CIA disse que o Irã foi o responsável pelo uso de armas químicas em Hallabjah, uma mentira deslavada, que mirava no nosso inimigo, contra quem Saddam estava lutando em nosso nome. E milhares – não centenas – morreram em Hallabjah. Mas aí está. Jeitos diferentes, padrões diferentes.

E eu acho que vale a pena notar que quando Israel matou 17 mil homens, mulheres e crianças no Líbano em 1982, numa invasão supostamente provocada pela tentativa de homicídio pela OLP do embaixador israelense em Londres – foi o amigo de Saddam, Abu Nidal, quem organizou o atentado, não a OLP, mas isso não importa agora – os EUA pediram aos dois lados que tentassem “se conter”. E quando, poucos meses antes dessa invasão, Hafez Al-Assad – pai de Bashar – mandou seu irmão para Hama para exterminar milhares de rebeldes da Irmandade Muçulmana, ninguém soltou um murmúrio que fosse condenatório. “Regras de Hama” foi como meu velho amigo Tom Friedman cinicamente classificou esse banho de sangue.

De qualquer forma, há uma Irmandade diferente por aí esses dias – e Obama nem se dignou a dar uma vaiadinha quando seu presidente eleito foi deposto.

Mas espere um pouco. O Iraque – quando era aliado “nosso” contra o Irã – também usou armas químicas contra o exército iraniano? Usou. Eu vi os resultados desse ataque horroroso feito por Saddam – oficiais dos EUA, devo dizer, fizeram um tour pelo campo de batalha depois, e se reportaram de volta para Washington – e nós não demos a mínima bola para isso. Milhares de soldados iranianos foram envenenados até a morte por essa arma terrível na guerra entre 1980 e 1988.

Eu viajei de volta para Teerã em um trem noturno com soldados feridos e cheguei a sentir o cheiro da coisa, abrindo as janelas dos corredores para diminuir o cheiro. Esses jovens tinham feridas dentro de feridas, literalmente. Eles tinham dores que surgiam dentro das dores, algo próximo do indescritível. Ainda assim, quando os soldados foram enviados para hospitais ocidentais para serem tratados, nós, jornalistas, chamamos esses feridos – depois de evidências das Nações Unidas muito mais convincentes do que as que podemos encontrar hoje em Damasco – de “supostas” vítimas de armas químicas.

Então o que diabos estamos fazendo? Depois de incontáveis milhares de mortes na terrível tragédia síria, de repente – agora, depois de meses e anos de prevaricação – estamos indignados com algumas centenas de mortes. Terrível. Inconcebível. Sim, é verdade. Mas nós deveríamos ter ficado traumatizados por essa guerra em 2011. E em 2012. Mas por que agora?

Suspeito que eu saiba o motivo. Suspeito que Bashar Al-Assad esteja ganhando a guerra contra os rebeldes que temos armado secretamente. Com a ajuda do Hezbollah libanês – aliado do Irã no Líbano – o regime de Damasco quebrou os rebeldes em Qusayr e podem estar no processo de quebra-los ao norte de Homs. O Irã está cada vez mais envolvido na proteção ao governo sírio. Portanto, uma vitória de Bashar é uma vitória do Irã. E vitórias iranianas não podem ser toleradas pelo Ocidente.

E enquanto estamos falando de guerra, o que aconteceu com aquelas ótimas negociações entre palestinos e israelenses de que John Kerry andava se gabando? Enquanto expressamos nossa tremenda angústia com o terrível uso de armar químicas na Síria, a terra palestina continua sendo destruída. A política do Likud de Israel – de negociar a paz até não haver mais Palestina – continua a toda, e é por isso que o pesadelo do Rei Abdullah, da Jordânia, (muito mais potente que as “armas de destruição em massa” que imaginávamos em 2003) só aumenta: que a “Palestina” fique na Jordânia, não na Palestina.

*Robert Fisk é correspondente no Oriente Médio do ‘The Independent’. É autor de vários livros sobre a região.

Fonte: CartaMaior

Irã aumenta capacidade atômica e contém crescimento de estoque, dizem diplomatas

Por Fredrik Dahl

VIENA, 26 Ago (Reuters) – Um relatório da agência nuclear da ONU deve mostrar que o Irã está avançando com seu programa nuclear, aumentando ainda mais sua capacidade de enriquecer urânio, disseram diplomatas nesta segunda-feira.

Eles afirmaram que também parece que o Irã começou a produzir combustível para um reator de água pesada que poderia produzir plutônio, um incremento que preocupa o Ocidente por seu potencial de ser usado em uma arma nuclear.

Por outro lado, os diplomatas disseram que o relatório dessa semana da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) também deve incluir dados mostrando que o Irã está limitando o crescimento de seu estoque nuclear mais sensível, uma medida que poderia ganhar tempo para negociações com as grandes potências.

Se confirmadas, tais revelações formariam um retrato misto das atividades atômicas do Irã em uma época em que o mundo exterior está esperando para ver se o seu novo presidente, Hassan Rouhani, fará algo para aliviar a tensão com os críticos ocidentais da República Islâmica.

O Irã diz que seu programa nuclear é para a geração de energia e para fins médicos apenas, rejeitando as alegações ocidentais de que busca a capacidade de fazer armas atômicas.

Israel ameaçou atacar o Irã se a diplomacia não conseguir conter seu programa e o país reunir suficiente urânio médio enriquecido para fazer uma arma nuclear, se processado. Mas a eleição em junho do moderado Rouhani aumentou a esperança do Ocidente de romper o impasse nas negociações sobre a disputa nuclear, que já duram dez anos.

Os enviados creditados junto à AIEA advertiram que o relatório trimestral da ONU, que deve ser divulgado aos Estados-membros na quarta-feira, irá cobrir principalmente acontecimentos antes de Rouhani assumir o governo iraniano, no início de agosto.

O documento deve dizer que o Irã continuou a instalar centrífugas IR-1 de primeira geração e máquinas IR-2m avançadas, disseram os diplomatas.

As centrífugas giram a velocidade supersônica para produzir urânio enriquecido, que o Irã diz que precisa para abastecer uma planejada rede de usinas de energia nuclear. Mas se for processado ainda mais, o urânio também pode abastecer a ogiva explosiva de uma bomba nuclear.

O chefe de energia nuclear do Irã Fereydoun Abbasi-Davani, um linha-dura que Rouhani substituiu por um pragmático, disse neste mês que o Irã agora tem cerca de 1.000 centrífugas IR-2m – uma declaração que os diplomatas disseram ser credível.

Embora se acredite que as máquinas avançadas ainda não estejam operando, o relatório será examinado por qualquer sinal de aumento de disponibilidade de entrar em serviço, disseram.

Os comentários de Abbasi-Davani sugeriram, no entanto, que o ritmo da instalação IR-1 pode ter diminuído desde o início deste ano.

Um instituto de segurança norte-americano informou no mês passado acreditar que até meados de 2014 o Irã terá a capacidade de produzir, sem ser detectado, urânio para armas suficientes de seu declarado estoque pouco enriquecido para um explosivo nuclear.

Fonte: Reuters

Escobar: Cyberwar threat looms from EU & Iran not just China

Vídeo

Publicado em 07/06/2013
The US and Chinese leaders are about to hold their summit, which is already being labelled an historic meeting. But there’s a chill behind the warm smiles in California, with the two countries clashing over a range of divisive issues including accusations that China’s launched a cyberwar against the United States. RT speaks with Asia Times Online correspondent Pepe Escobar.

Fonte: Russia Today http://www.youtube.com/watch?v=DGoREQMiI20

“The War on Democracy” (em português)

“A Guerra contra a Democracia”
Dirigido por: Christopher Martiin, John Pilger, Sean Crotty

O prestigiado jornalista John Pilger examina o papel dos Estados Unidos da América, a manipulação da política dos países Latino Americanos, a luta dos cidadãos para que acabe a fome e a pobreza. O filme revela entre outras coisas, as políticas da CIA para a continuidade no Iraque, Iro e Líbano. Chavez, apesar das pressões de Washington para o destituir, tem o apoio popular, sabendo-se que o seu povo o adora e que vive num regime democrático já algum tempo esquecido ou nunca vivenciado no mundo Ocidental. O presidente da Venezuela venceu 7 eleições com cerca de 80% dos votos.

Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=dmYo8xrHI9M

Brics manifesta preocupação com situação na Síria e risco de ação militar no Irã

Imagem

27/03/2013 – 18h36

Da Agência Lusa

Brasília – O bloco do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) manifestou hoje (27) preocupação com a deterioração da situação militar e humanitária na Síria e com os riscos de uma escalada militar no Irã.

“Manifestamos profunda inquietação face à deterioração da situação de segurança e humanitária na Síria e condenamos o aumento das violações dos direitos humanos e das leis humanitárias internacionais, na altura em que a violência continua”, disseram os líderes dos cinco países no comunicado final da cúpula de Durban, na África do Sul.

“Apelamos a todas as partes para garantirem a segurança dos que trabalham para agências humanitárias”, diz o texto, que reafirma a oposição à crescente militarização do conflito.

Os países emergentes expressaram também preocupação com o risco de uma escalada militar no Irã, acusado por países ocidentais e por Israel de estar desenvolvendo armas nucleares.

“Cremos que não há alternativa a uma solução negociada para o problema do nuclear no Irã. [...] Estamos preocupados com os riscos de uma ação militar e com sanções unilaterais”, escreveram os líderes no comunicado.

“Reconhecemos o direito do Irã a utilizar energia nuclear com fins pacíficos, no quadro das suas obrigações internacionais, e apoiamos a resolução dos problemas por vias políticas e diplomáticas, pelo diálogo”, disseram o Brics.

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/agenciabrasil/agenciabrasil/noticia/2013-03-27/brics-manifesta-preocupacao-com-situacao-na-siria-e-risco-de-acao-militar-no-ira

As aporias do sistema geopolítico mundial na era nuclear

Desde os tratados de Westfália no século XVII que o sistema internacional esteve governado segundo uma peculiar aporia: primeiro, em tese, nada se sobrepõe à soberania dos Estados na relação com os outros Estados; segundo, na prática do direito internacional, a soberania de um Estado está sujeita à violação pela força superior de seus eventuais oponentes na promoção do que definem como seus interesses soberanos. Esse segundo princípio foi formalizado por Clausewitz (“Da Guerra”) pelo enunciado de que a guerra é um instrumento racional dos Estados para a promoção de seus interesses.

O sistema vigorou por 300 anos até a Segunda Guerra Mundial quando, ao fim dela, um novo sistema internacional começou a ser configurado pela explosão da bomba atômica pelos Estados Unidos e, quatro anos depois, pela União Soviética. Já a Guerra Fria indicava que a guerra “quente” não podia ser considerada um instrumento “racional” para uma solução de força dos conflitos de interesse entre potências nucleares. O fim da Guerra Fria, não tendo sido o fim da era nuclear, mas sua dispersão, apenas acentuou esse pressuposto.

O mundo tem hoje cinco potências nucleares plenas e declaradas (com capacidade de lançar mísseis intercontinentais e por submarinos), duas potências nucleares de segunda ordem (Índia e Paquistão), uma potência nuclear encoberta (Israel) e dois candidatos a potência nuclear (Irã e Coreia do Norte). Os demais países não nuclearizados aparentemente se conformam com essa situação, quando menos por temor explícito ou implícito de retaliações econômicas por parte do clube nuclear no âmbito do Tratado de Não Proliferação.

Tal sistema, por mais assimétrico, injusto e instável que pareça, no âmbito das  potências nucleares leva à paz, não à guerra. Na vigência do virtual duopólio de poder da Guerra Fria, Estados Unidos e União Soviética teriam ido à guerra (no mínimo naval, mas ninguém sabe como acabaria) em face da crise dos mísseis em Cuba, ou mesmo por motivos ideológicos, não fossem elas potências nucleares. Pelo mesmo motivo a União Soviética não se meteu diretamente na Guerra do Vietnã e os Estados Unidos não se imiscuíram diretamente quando da invasão do Afeganistão pela União Soviética.

Se uma paradoxal estabilidade instável prevaleceu, conforme esses exemplos, no período de extremo conflito ideológico da Guerra Fria, muito maior é a razão para que prevaleçam a partir dela. Enquanto sistemas de Estados soberanos, e não de sistemas sociais conduzidos por ideologias  radicalizantes, não temos mais um bloco ocidental nem um bloco oriental rígidos no campo ideológico: são Estados governados cada um por seus interesses particulares, e em grau maior ou menor controlados por processos democráticos internos, onde dificilmente surgiria um demagogo propagandeando a guerra externa com objetivos políticos internos.

Contudo, nada impede guerras na periferia do clube nuclear conduzidas ou não por potências nucleares, como é o caso das guerras do Afeganistão, do Iraque, da Chechênia, de Óstia do Sul, ou a miríade de guerras civis desde a Síria aos deserdados países africanos. O que não se concebe são guerras diretas entre potências nucleares. A Índia e o Paquistão, que haviam travado três guerras depois da descolonização, só não travaram a quarta, justificada pelo atentado terrorista de Bombai, porque são potências atômicas, mesmo que de segunda linha.

O poder nuclear, portanto, revelou-se que não é para ser usado, mas para ser manobrado como instrumento de pressão e de dissuasão. Esta última se aplica sobretudo às próprias potências nucleares entre si. Nesse caso a guerra já não é mais a continuação da política por outros meios, como em outro enunciado de Clausewitz, mas a política passa a ser o instrumento absolutamente exaustivo das relações internacionais no âmbito de potências nucleares. É uma novidade histórica que requer, certamente, uma também nova filosofia da guerra.

Voltemos a Clausewitz e à parte mais relevante de seu primeiro enunciado:  “a guerra é um instrumento racional dos Estados”. Onde estaria a racionalidade de uma guerra nuclear que se arrisca a generalizar-se? Fora os conceitos dos filósofos que consideram a história um ente em si, movido por forças abstratas impessoais, a guerra, na prática, é uma decisão de governo. Em essência, de elites governamentais que, em algum grau, e sobretudo nas democracias, têm de prestar contas de seus atos ao povo.

Claro, uma guerra nuclear não começa necessariamente como guerra nuclear: pode ser o fim de uma escalada de guerra convencional. Isso, porém, não elimina a dissuasão interna em relação aos atos daqueles que conduzem as decisões políticas: nenhum governante com algum grau de responsabilidade perante o povo iniciaria uma escalada bélica convencional contra outra potência nuclear sabendo que ela não se renderia  ao ponto de entregar-lhe seus arsenais atômicos na hipótese de uma derrota “convencional”.

Isso pode parecer kantiano, e de alguma forma o é. Kant, idealisticamente,  argumentava que a paz perpétua só poderia ser atingida quando todos os países fossem repúblicas, no suposto de que o poder republicano responderia ao povo, não à vontade das elites aristocráticas ou de outra natureza. A questão em tempos de democracia de cidadania ampliada, no que se refere à guerra nuclear, é, pois, essencialmente de informação. Bem informado das consequências catastróficas de uma guerra nuclear, o “povo” há de dissuadir a aventura das elites.

Creio que, no contexto da sociedade de informação, mesmo que elites aventureiras ou demagógicas tenham a sua mão instrumentos clássicos de manipulação da opinião pública, estes são virtualmente inócuos no que diz respeito à guerra nuclear: ninguém a deseja ou justifica emocional ou racionalmente, e o líder que tentasse justificá-la por motivos de honra, de prestígio ou mesmo de interesses econômicos  correria o risco de uma rebelião interna. É que o uso do poder nuclear infunde terror público, independentemente de quem o proponha.

Por certo que podem acontecer guerras convencionais aéreas diretas entre potências nucleares, seguindo algum código de prevenção de uso de poder nuclear. Houve exercícios de guerra nesse sentido durante a Guerra Fria, inclusive por Herman Kahn. Isso, entretanto, é tão racionalmente implausível quanto a própria guerra nuclear. Possibilidades existem, porém, de guerras convencionais indiretas entre potências nucleares em territórios de outros países, como aconteceu de fato no Vietnã e no Afeganistão, mas neste caso envolvendo sobretudo motivos ideológicos. De qualquer modo, isso será discutido adiante.

Uma vez feitas essas ponderações quanto à inviabilidade da guerra nuclear entre potências nucleares, voltemos ao tema realmente crucial das relações internacionais contemporâneas: o uso do poder nuclear como instrumento de pressão contra nações não nucleares. Note-se que não é necessário poder nuclear para subjugar outras nações: basta superioridade em força militar convencional. A novidade é que o poder nuclear constitui um sistema de proteção para aliados militarmente fracos de potências nucleares concorrentes.

O sistema internacional, depois do fim da União Soviética, está assumindo rapidamente uma configuração similar á do século XIX no que diz respeito ao estabelecimento de alianças multipolares e áreas de influência, em diferentes graus de prioridade, em torno dos países nucleares. É uma espécie de contrapartida dialética do processo de globalização das últimas três décadas. Uma diferença é que, ao contrário do sistema de alianças do século XIX que levou a várias guerras, o sistema atual, por causa do poder nuclear, parece tender à paz.

O primeiro indicador desse processo é o cuidadoso respeito a áreas de influência que os países nucleares consideram vitais. Na guerra imposta pela Rússia a Óstia do Sul, considerada vital para Moscou por causa da presença de uma grande população russa no país, alguns dirigentes da direita europeia ensaiaram uma intervenção da OTAN, o que foi fulminantemente abortado pelos Estados Unidos pela óbvia razão de que aquilo representava o risco de um confronto direto com a Rússia, ainda uma potência nuclear de primeira linha.

Os russos, por sua vez, toleraram de má vontade as intervenções da OTAN nas revoluções da Primavera Árabe, já que eram países que de maneira alguma representavam áreas de interesse vital para ela; mas nenhuma potência ocidental se meteu com a guerra civil em curso na Síria, aliada estratégica de russos e chineses, pelo menos por enquanto. Da mesma maneira a França pode jogar sua economia em crise na guerra civil do Mali pois isso não confronta nenhum interesse relevante de outras potências nucleares.

A guerra externa, portanto, está se tornando um instrumento obsoleto da política internacional. Trata-se de efeito direto do poder nuclear. Os Estados Unidos começaram a aprender isso na Coreia e no Vietnã, tiveram um breve gosto de vitória no Iraque, e se enterraram virtualmente no Afeganistão – de onde Obama, com dificuldade, ensaia uma maneira honrosa de dar o fora. Isso não significa que se deve  descartar, de antemão, um surto de guerras externas neocolonialistas sob o escudo nuclear. É apenas improvável.

É nesse contexto que se deve considerar as tentativas da Coreia do Sul e, supostamente, do Irã de ter acesso a tecnologia nuclear bélica. Em termos dos tratados de Westfalia, eles têm todo o direito de construir a bomba. É uma prerrogativa de sua soberania. Contudo, no âmbito desses mesmos tratados, sua vontade pode ser confrontada por um poder militar mais forte. Mas esse poder, ao menos formalmente, está institucionalizado numa instância superior à soberania dos Estados, o Conselho de Segurança da ONU.

Essa instância foi, em termos conceituais, a grande novidade do pós-guerra. Contudo, no ambiente da Guerra Fria, ela se revelou inteiramente ineficaz quando os Estados Unidos empreenderam à margem de decisões do Conselho a Guerra da Coreia, a Guerra do Vietnã e outros guerras de menor dimensão (inclusive a extraordinária “conquista” de Granada, uma minúscula ilha-nação do Caribe, pelo Governo Reagan). Também a União Soviética ignorou o Conselho ao se meter, via Cuba, em guerras civis em desenvolvimento na África e no Afeganistão.

No ambiente internacional contemporâneo, a força do Conselho de Segurança reside justamente no seu poder de “congelar” alianças no sentido definido acima. Isso ocorre, porém, de forma contraditória, não por sua capacidade de tomar decisões, mas pelo inverso, ou seja, pela capacidade de veto do seu núcleo permanente. Assim, uma guerra “legitimada” contra a Coreia do Norte ou contra o Irã sob a justificativa de impedir que tenham acesso pleno ao poder nuclear só seria tecnicamente possível com a concordância da Rússia e da China.

Isso não impede, porém, que os Estados Unidos e as demais potências ocidentais, assegurando por via política a neutralidade da Rússia e da China, se decidam a promover  uma outra guerra da Coreia e uma primeira contra o Irã. Os Estados Unidos, apelando ao conceito da segurança mundial, poderiam fazê-lo unilateralmente mesmo sem essa neutralidade sob o estímulo de Israel. Nos dois casos, a questão passa ao nível técnico: qual a viabilidade de guerras contra esses dois países e qual seria seu custo em termos humanos e materiais?

Nos dois casos, entraria em jogo, como justificação subjetiva da guerra, o conceito de ameaça à segurança mundial. E nisso há substanciais diferenças entre Coreia do Norte e Irã. A Coreia do Norte é o país mais fechado do mundo, submetido a uma ditadura familiar,  de cujas relações com a sociedade interna pouco se sabe no ocidente, inclusive quanto ao grau de responsabilidade da elite dirigente em relação aos próprios cidadãos (se, realmente, existe cidadania no país). Diante disso, é controverso falar em responsabilidade internacional.

Evidentemente que, nessas circunstâncias, fazer a guerra à Coreia para desarmá-la preventivamente do poder atômico depende sobretudo de julgamentos subjetivos sobre o comportamento internacional de suas elites. Aqui não se trata de uma questão ideológica, mas de evidências concretas: o que se pode deduzir subjetivamente das ações efetivas da elite dirigente da Coreia do Norte em relação à comunidade internacional, a começar pela Coreia do Sul e o Japão?  E, sobretudo: poderia a Coreia do Norte, dados os precedentes de sua retórica, comportar-se como uma nação suicida?

O terrorismo suicida foi o segundo elemento, junto com o poder nuclear, que introduziu um novo paradigma nas relações internacionais no pós-guerra. A combinação de poder nuclear e terrorismo suicida materializaria uma ameaça real à segurança do mundo. Antes, o poder nuclear apenas podia efetivar-se se houvesse vetores capazes de transportá-lo a longas distâncias por submarinos ou mísseis. Agora, como se viu nos atentados de 11 de setembro, o terrorista vai junto com a bomba. E mesmo uma bomba nuclear “suja” poderia causar estragos catastróficos.

Isso acentua a questão da responsabilidade das elites dirigentes e, também, o efetivo controle delas quanto ao (não) uso de armas nucleares que venham a possuir. A  simples possibilidade de que um Estado ditatorial, como a Coreia do Norte, com sua retórica belicista, venha a disponibilizar tecnologia nuclear “caseira” para grupos terroristas representa óbvios riscos de segurança sobretudo para os Estados Unidos. Assim, é pouco provável que os Estados Unidos deixem de usar seu poder militar para dissuadir a Coreia do Norte de ter a bomba exceto se a Coreia do Norte evoluir para um sistema mais aberto e democrático.

Note-se que em circunstâncias muito mais complexas da Guerra Fria, no confronto com o único poder militar que poderia equiparar-se ao seu, os Estados Unidos praticamente impuseram a “glasnost” à União Soviética como preliminar de tratados mais abrangentes de redução de arsenais nucleares. Agora, confrontando um poder muito menor como a Coreia do Norte, os Estados Unidos certamente empreenderão todos os esforços políticos para se assegurar da neutralidade russa e chinesa em seus esforços para impedir a bomba coreana e, caso não consiga essa neutralidade, tomarão provavelmente uma decisão unilateral.

A questão iraniana é mais complexa. Trata-se de uma república regida por códigos democráticos formais sob autoridade última religiosa. O braço executivo do Governo nega que esteja construindo a bomba. Os aiatolás, o grande conselho moral e político do país, asseguram que a interpretação do Islã veda a busca do poder nuclear. Em termos históricos, algo que o ocidente se nega a reconhecer, o Islã, em suas guerras santas, tinha um protocolo de guerra que vedava o assassinato de mulheres, crianças e camponeses desarmados, assim como a destruição de colheitas – tudo isso incompatível com a arma nuclear.

Nessa mesma época histórica de ascensão do Islã, a Guerra Santa dos cruzados levava ao massacre indiscriminado de crianças, idosos e mulheres na Palestina, ao incêndio de cidades inteiras, à prática de torturas e a toda sorte de crueldades contra presos. No ocidente, sob o patrocínio da Igreja, instituiu-se a Inquisição como forma de controle de consciências pela fogueira, a caça às bruxas, ao terror contra seitas alternativas (cátaros), à conversão forçada de judeus. É claro que, com esses currículos, os islâmicos pareceriam bem mais civilizados e humanos que os ocidentais. Em outras palavras, fariam melhor (não) uso da bomba atômica.

Entretanto, por trás da questão nuclear iraniana está Israel. E Israel, única potência nuclear do Oriente Médio, coloca-se numa posição radical contra o acesso do Irã à bomba, por óbvias razões geopolíticas, e, entre outros motivos, porque a elite dirigente iraniana expressa publicamente a retórica irrealista de que Israel deve ser destruído. A esse respeito, trata-se de uma banalidade demagógica para efeito interno, de péssima repercussão internacional: como disse a então secretária de Estado Hillary Clinton, se o Irã atacar Israel para destruí-lo os Estados Unidos “deletam” o Irã!

Por sua parte, é possível que o Irã não vise mesmo a construir a bomba num primeiro momento, mas, sim, afirmar sua soberania no sentido de poder fazê-la quando quiser, haja vista a capacidade nuclear existente de seu principal inimigo, Israel. O exercício efetivo desse direito implica três situações: primeiro, da inserção efetiva do Irã no sistema de alianças russo-chinês; segundo, como consequência disso, da capacidade norte-americana de convencer politicamente a Rússia e a China a ajudá-los a dissuadir o Irã de fazer a bomba e submeter-se  ao sistema de fiscalização da AIEA; terceiro, em vista do fracasso dessa iniciativa, da vontade norte-americana de submeter-se a pressão de Israel e de fazerem, ambos, uma guerra aérea de destruição das instalações nucleares iranianas.

Essa terceira situação, que remete ao foco principal deste ensaio, coloca complexidades ainda maiores que a questão coreana. As instalações nucleares coreanas são muito mais vulneráveis a um ataque aéreo, inclusive por mísseis, do que as iranianas. Um relatório de um ex-agente de informação vazado na imprensa norte-americana deu conta de que as principais instalações nucleares iranianas estão enterradas a 10 a 12 metros de profundidade e são invulneráveis a ataques aéreos convencionais – ao gosto daqueles feitos por Israel em suas guerras, e inclusive no ataque nos anos 80 a instalações nucleares do Iraque.

Além disso, o poderio antiaéreo iraniano, já considerável tendo em vista anos de preparação para uma eventual guerra, seria, no caso de uma guerra decidida fora do âmbito do Conselho de Segurança, certamente reforçado, em termos materiais e humanos, por russos e chineses, seus supridores de equipamentos bélicos.  Nesse caso, teríamos um confronto convencional de potências nucleares numa guerra aérea em terceiro país. (A invasão por terra, claro, seria fora de propósito em função de perdas humanas dos agressores: Irã não é Iraque.) Até que ponto isso poderia desencadear uma escalada de forma a estabelecer um confronto direto entre as próprias potências nucleares? Não sabemos, mas podemos inferir.

O risco é suficientemente alto para o destino da humanidade para que nos recusemos a especular sobre ele. Portanto, tentemos estabelecer um curso ideal para reduzir o risco. O primeiro passo seria estabelecer, com o concurso de Rússia e China, um processo que leve ao reconhecimento da boa fé dos iranianos quando afirmam que não têm intenção de construir a bomba. Isso chegou a ser iniciado com o concurso de Brasil e Turquia no Governo Lula (irresponsavelmente criticado por parte da grande mídia brasileira, por certo inspirada pela inteligência norte-americana), mas foi recusado, depois de previamente combinado com ele, pelo Governo Obama. Como poderia ser retomada iniciativa similar?

Há uma preliminar concreta: a questão iraniana não pode ser dissociada da questão palestina. Portanto, o primeiro passo caberia aos Estados Unidos no sentido de pressionar Israel a voltar à mesa de negociações. Nesse contexto, seria proposto à elite dirigente iraniana que retirasse de sua retórica a destruição do Estado de Israel. Considerando, por outro lado, que a política interna iraniana em nível de governo é extremamente instável, com diferentes correntes disputando o poder (e a busca da construção da bomba, mais do que seus riscos, acaba sendo objeto de pregação demagógica), seria exigido do Conselho Supremo de aiatolás, o poder supremo efetivo do país, um posicionamento formal dirigido à comunidade internacional de que o país renuncia ao propósito de construção da bomba atômica, preservando seu direito de desenvolvimento da energia nuclear para fins pacíficos sujeito à fiscalização da AIEA.

É claro que essa pauta é um exercício idealista. Contudo, é racional. Se se pensou a guerra convencional como instrumento racional de promoção de interesses dos Estados é porque se tratava de racionalização de processos reais. O processo real, como acontece no momento, tem a dimensão contraditória do racional e do irracional: um nos leva à relativa estabilidade nas relações internacionais; outro, ao possível desastre para toda a humanidade. Um segue a um paradigma em construção, instrumentalizado pela negociação e a cooperação entre os povos; outro, ao paradigma clausewitziano do século XIX anterior à existência do poder nuclear. O mundo, por suas elites dirigentes, não terá como deixar de fazer a escolha.

J. Carlos de Assis é eEconomista, professor de Economia e Política Internacional da UEPB, autor, entre outros livros, de “A Razão de Deus”, ed. Civilização Brasileira.

 

Fonte: RUMOSDOBRASIL

“Irã vai defender a Síria, EUA e Israel têm que levar isso a sério”

Vídeo

‘Iran will defend Syria, US & Israel should take that seriously’.
ublicado em 31/01/2013
Syria has filed an official complaint to the United Nations over an Israeli airstrike on a military research center near Damascus. The move followed a threat from Iran that Israel would face “serious consequences” for the attack. RT spoke to Prof. Seyed Mohammad Marandi – Iranian academic and political analyst. He says that Israel should be concerned about Iran’s possible answer to the airstrike in Syria.
Fonte: Russia Times