Pepe Escobar: “It was Putin’s missile!”

mh17-crash-site_2

It was Putin’s missile!
By Pepe Escobar 

And here’s the spin war verdict: the current Malaysia Airlines tragedy – the second in four months – is “terrorism” perpetrated by “pro-Russian separatists”, armed by Russia, and Vladimir Putin is the main culprit. End of story. Anyone who believes otherwise, shut up. 

Why? Because the CIA said so. Because Hillary “We came, we saw, he died” Clinton said so. Because batshit crazy Samantha “R2P” Power said so – thundering at the UN, everything duly printed by the neo-con infested Washington Post. [1] 

Because Anglo-American corporate media – from CNN to Fox (who tried to buy Time Warner, which owns CNN) – said so. Because the President of the United States (POTUS) said so. And mostly because Kiev had vociferously said so in the first place. 

Right off the bat they were all lined up – the invariably hysterical reams of “experts” of the “US intelligence community” literally foaming at their palatial mouths at “evil” Russia and “evil” Putin; intel “experts” who could not identify a convoy of gleaming white Toyotas crossing the Iraqi desert to take Mosul. And yet they have already sentenced they don’t need to look any further, instantly solving the MH17 riddle. 

It doesn’t matter that President Putin has stressed the MH17 tragedy must be investigated objectively. And “objectively” certainly does not mean that fictional “international community” notion construed by Washington – the usual congregation of pliable vassals/patsies. 

And what about Carlos? 
simple search at reveals that MH17 was in fact diverted 200 kilometers north from the usual flight path taken by Malaysia Airlines in the previous days – and plunged right in the middle of a war zone. Why? What sort of communication MH17 received from Kiev air control tower? 

Kiev has been mute about it. Yet the answer would be simple, had Kiev released the Air Traffic Control recording of the tower talking to flight MH17; Malaysia did it after flight MH370 disappeared forever. 

It won’t happen; SBU security confiscated it. So much for getting an undoctored explanation on why MH17 was off its path, and what the pilots saw and said before the explosion. 

The Russian Defense Ministry, for its part, has confirmed that a Kiev-controlled Buk anti-aircraft missile battery was operational near the MH17′s crash. Kiev has deployed several batteries of Buk surface-to-air missile systems with at least 27 launchers; these are all perfectly capable of bringing down jets flying at 33,000 ft. 

Radiation from a battery’s Kupol radar, deployed as part of a Buk-M1 battery near Styla (a village some 30km south of Donetsk) was detected by the Russian military. According to the ministry, the radar could be providing tracking information to another battery which was at a firing distance from MH17′s flight path. The tracking radar range on the Buk system is a maximum of 50 miles. MH17 was flying at 500 mph. So assuming the “rebels” had an operational Buk and did it, they would have had not more than five minutes to scan all the skies above, all possible altitudes, and then lock on. By then they would have known that a cargo plane could not possibly be flying that high. For evidence supporting the possibility of a false flag, check here

And then there’s the curiouser and curiouser story of Carlos, the Spanish air traffic controller working at Kiev’s tower, who was following MH17 in real time. For some Carlos is legit – not a cipher; for others, he’s never even worked in Ukraine. Anyway he tweeted like mad. His account – not accidentally – has been shut down, and he has disappeared; his friends are now desperately looking for him. I managed to read all his tweets in Spanish when the account was still online – and now copies and an English translation are available. 

These are some of his crucial tweets: 

  • The B777 was escorted by 2 Ukrainian fighter jets minutes before disappearing from radar (5.48 pm)”
  • “If the Kiev authorities want to admit the truth 2 fighter jets were flying very close a few minutes before the incident but did not shoot down the airliner (5.54)”
  • “As soon as the Malaysia Airlines B777 disappeared the Kiev military authority informed us of the shooting down. How did they know? (6.00)”
  • “Everything has been recorded on radar. For those that don’t believe it, it was taken down by Kiev; we know that here (in traffic control) and the military air traffic control know it too (7.14)”
  • “The Ministry of the Interior did know that there were fighter aircraft in the area, but the Ministry of Defense didn’t. (7.15)”
  • “The military confirm that it was Ukraine, but it is not known where the order came from. (7.31)” 

    Carlos’s assessment (a partial compilation of his tweets is collected here http://slavyangrad.wordpress.com/2014/07/18/spanish-air-controller-kiev-borispol-airport-ukraine-military-shot-down-boeing-mh17/ ): the missile was fired by the Ukraine military under orders of the Ministry of Interior – NOT the Ministry of Defense. Security matters at the Ministry of the Interior happen to be under Andriy Parubiy, who was closely working alongside US neo-cons and Banderastan neo-nazis on Maidan. 

    Assuming Carlos is legit, the assessment makes sense. The Ukrainian military are divided between Chocolate king President Petro Poroshenko – who would like a d?tente with Russia essentially to advance his shady business interests – and Saint Yulia Timoshenko, who’s on the record advocating genocide of ethnic Russians in Eastern Ukraine. US neo-cons and US “military advisers” on the ground are proverbially hedging their bets, supporting both the Poroshenko and Timoshenko factions. 

    So who profits? 
    The key question remains, of course, cui bono? Only the terminally brain dead believe shooting a passenger jet benefits the federalists in Eastern Ukraine, not to mention the Kremlin. 

    As for Kiev, they’d have the means, the motive and the window of opportunity to pull it off – especially after Kiev’s militias have been effectively routed, and were in retreat, in the Donbass; and this after Kiev remained dead set on attacking and bombing the population of Eastern Ukraine even from above. No wonder the federalists had to defend themselves. 

    And then there’s the suspicious timing. The MH17 tragedy happened two days after the BRICS announced an antidote to the IMF and the World Bank, bypassing the US dollar. And just as Israel “cautiously” advances its new invasion/slow motion ethnic cleansing of Gaza. Malaysia, by the way, is the seat of the Kuala Lumpur War Crimes Commission, which has found Israel guilty of crimes against humanity. 

    Washington, of course, does profit. What the Empire of Chaos gets in this case is a ceasefire (so the disorganized, battered Kiev militias may be resupplied); the branding of Eastern Ukrainians as de facto “terrorists” (as Kiev, Dick Cheney-style, always wanted); and unlimited mud thrown over Russia and Putin in particular until Kingdom Come. Not bad for a few minutes’ work. As for NATO, that’s Christmas in July. 

    From now on, it all depends on Russian intelligence. They have been surveying/tracking everything that happens in Ukraine 24/7. In the next 72 hours, after poring over a lot of tracking data, using telemetry, radar and satellite tracking, they will know which type of missile was launched, where from, and even produce communications from the battery that launched it. And they will have access to forensic evidence. 

    Unlike Washington – who already knows everything, with no evidence whatsoever (remember 9/11?) – Moscow will take its time to know the basic journalistic facts of what, where, and who, and engage on proving the truth and/or disproving Washington’s spin. 

    The historical record shows Washington simply won’t release data if it points to a missile coming from its Kiev vassals. The data may even point to a bomb planted on MH17, or mechanical failure – although that’s unlikely. If this was a terrible mistake by the Novorossiya rebels, Moscow will have to reluctantly admit it. If Kiev did it, the revelation will be instantaneous. Anyway we already know the hysterical Western response, no matter what; Russia is to blame. 

    Putin is more than correct when he stressed this tragedy would not have happened if Poroshenko had agreed to extend a cease-fire, as Merkel, Hollande and Putin tried to convince him in late June. At a minimum, Kiev is already guilty because they are responsible for safe passage of flights in the airspace they – theoretically – control. 

    But all that is already forgotten in the fog of war, tragedy and hype. As for Washington’s hysterical claims of credibility, I leave you with just one number: Iran Air 655. 

    Notes:
    1. Missile Downs Malaysia Airlines Plane Over Ukraine Killing 298, Kiew Blames Rebels, Washington Post, July 18, 2014. 

    Pepe Escobar is the author of Globalistan: How the Globalized World is Dissolving into Liquid War (Nimble Books, 2007), Red Zone Blues: a snapshot of Baghdad during the surge (Nimble Books, 2007), and Obama does Globalistan (Nimble Books, 2009). 

    He may be reached at pepeasia@yahoo.com. 

    (Copyright 2014 Asia Times Online (Holdings) Ltd. All rights reserved. Please contact us about sales, syndication and republishing.) 

  • Fonte: Asia Times

 

Uncut Chronicles: D-Day 1944. Archive footage of invasion forces & defences

Vídeo

Publicado em 05/06/2014
The Normandy landings were the landing operations on 6 June 1944 (D-Day) of the Allied invasion of Normandy in Operation Overlord during WWII.

Archive footage consists of the following fragments:

General Eisenhower and his aides look at wall map as they plan the invasion of Normandy France, Operation Overlord in 1944.

Slave labors building the German “West Wall” defense system of fortifications along the coast of Europe. Various scenes of large gun emplacements.

The hugh stockpile of tanks, trucks, artillery guns, bombs, aircraft, and other supplies amassed in England to support the Allied invasion of European Continent.

The naval armada assembled to transport the troops, war equipment, and supplies across the English Channel.

Unloading of landing barges from decks of ships. Troops practice loading operations. The armada of ships underway across the English Channel for the invasion of Normandy France.

On June 6, 1944 planes loaded with paratroopers of the 101st and 82nd Airborne Divisions spearheaded the Normandy invasion by jumping behind the German lines and coastal defenses.

Paratroopers jumping from C-47 aircraft. Landing craft underway to beachhead firing artillery guns.

Rocket ship firing barrage of rockets. Allied troops landing on beachheads on D-Day. Soldiers using flame throwers and charges to destroy gun fortifications. Troops wade ashore from landing craft under cover of barrage balloons.

RÚSSIA E CHINA PRESTES A ANUNCIAR O FIM DA ERA DO DÓLAR AMERICANO?

 19 DE MAIO DE 2014

 Semana que vem, o mundo talvez já seja TOTALMENTE OUTRO!

18/5/2014, [*] Jeffrey BerwickThe Daily Bell

Are Russia and China About to Announce the End of the US Dollar Era?

Tradução mberublue

Imagem

A queda do poder de compra (inflação) do US$ (dólar americano) ao longo do tempo

Por todo o mundo estão acontecendo reuniões de países, com uma meta comum que tem muito a ver com você, seja você ou não cidadão dos EUA: abandonar o dólar americano. Desde o início da crise da Ucrânia, o fim do dólar americano está cada vez mais perto. Movimento após movimento, Rússia e China estreitaram relações e tornaram-se aliadas mais próximas. Exemplos abundam. Para encurtar, aí vão dois exemplos recentes que chamam a atenção.

 

A Gazprom (maior empresa russa, décima maior do mundo e a maior exportadora mundial de gás natural – controlada pelo Estado, embora tenha ações no mercado [NT]) acaba de lançar títulos na moeda chinesa, o Yuan. Rússia e China assinaram um acordo para a venda de gás. 40 bancos centrais começam a apostar que no futuro, a moeda de reserva será o Yuan.

Imagem

Yuan chinês deverá ser a próxima moeda de reserva

Até o início de 2014, as histórias sobre o colapso do dólar soavam ainda como maluquices conspiratórias, e pouco efeito tinham sobre a geopolítica. Este ano, tudo mudou. Parece que as nações-estados pelo mundo afora estão se movendo na direção de um mundo pós-dólar americano. Já não é uma questão de “se”, mas de “quando”. E se você não é capaz de entender o passo-a-passo do que virá, há alto risco de acabar chocado e… assombrado.

Já não cabe dúvida de que, tão logo a Rússia, juntamente com seus numerosos aliados, faça o movimento fatal, será seguida por muitas outras nações (várias delas já estão, mesmo, tentando). Por quê?

Porque os EUA são a força mais destrutiva do planeta; e seu calcanhar de Aquiles é o “privilégio exorbitante”, que a maioria conhece como “dólar americano”; e que o Federal Reserve Note [1] chama de só contaram p’rá mim”.

O significado será hiperinflação, caos social, guerra civil, dentre outras desarticulações. Parece-lhes que exagero? Pois, não, não há exagero algum. Para que se tenha ideia de o quanto tudo isso pode ser ruim, péssimo, pense no que já se vê acontecendo em qualquer república socialista “de bananas”; em seguida imagine que piore muito, muito! Por que pioraria “muito-muito”? Porque essas repúblicas “de bananas” não emitem a moeda usada como moeda planetária de reserva.

Os Estados Unidos nada produzem, a não ser o dólar americano – coisa facílima, aliás, de produzir, como se comprovou no Canadá, com o suor de um único canadense. Operação muito, muito simples: o tal canadense emitiu milhões de dólares americanos e os colocou em circulação. Mais: o Canadá preferiu não extraditá-lo; o sujeito vive lá, como homem livre.

Agora, grandes nações-estados pretendem sair juntas do sistema do dólar americano. Um mundo “desdolarizado” – como a Rússia já diz com frequência – pode vir a afetar a vida de milhões de norte americanos.

 

A Ascensão da Rússia & China

De acordo com A Voz da Rússia, o Ministro russo das Finanças pretende um aumento significativo do papel do rublo russo nas operações de exportação, reduzindo dessa forma as transações fechadas em dólar, no comércio exterior da Rússia. Acredita-se na Rússia que o setor bancário do país está “pronto para lidar com um maior número de transações assinadas em rublo”.

A agência Prime News relata que em abril de 2014 o governo realizou uma reunião que foi integralmente dedicada a encontrar soluções para tirar o dólar das operações russas de exportação. Especialistas de ponta de bancos, governo e setor energético elaboraram nestas reuniões uma série de propostas, perfeitamente efetivas, para responder às tais sanções aplicadas pelos Estados Unidos contra a Rússia.

reunião de “desdolarização” foi presidida pelo Vice-Primeiro-Ministro da Federação Russa, Igor Shuvalov: é sinal de que o movimento russo para descartar o dólar é, sim senhor, coisa séria. Depois houve outra reunião, quando se discutiram procedimentos para elevar o número de operações recebíveis em rublo, dessa vez presidida pelo Vice-Ministro das Finanças, Alexey Moiseev. Segundo Moiseev, nenhum dos especialistas e representantes de bancos viu qualquer problema nos planos governamentais para incrementar o comércio com pagamento em rublos. Afinal… o dólar já vem em queda livre desde a invocação do Federal Reserve e a lei relativa ao imposto sobre a renda, em 1913.

Agora, parece que até o pouco que ainda sobra já está por um fio.

 

A Rússia não está só.

Se não tivesse apoio, a Rússia não estaria tão audaciosa. Outras nações pelo mundo também têm interesse em aderir a um movimento de desdolarização. China e Irã, por exemplo, têm manifestado crescente interesse em levar avante esse plano. Líderes de outros países também já se manifestaram nesse sentido; em todos os casos, bateram de cara contra as conhecidas sanções-“mísseis” dos EUA.

Hoje, a especulação que corre o planeta fala da próxima visita de Putin à China, amanhã, dia 20/5: serão assinados contratos gigantes de petróleo e gás… e talvez sejam assinados com pagamentos previstos em Rublos e Yuans, não mais em dólares americanos. Implica dizer que dentro de uma semana, talvez já estejamos vivendo em mundo muito, muito, muito diferente do que temos hoje [mesmo que o “jornalismo”, os “jornais” e os “jornalistas” OCIDENTAIS absolutamente naaaaaaaaada noticiem dessas notícias radicalmente importantes (NTs)].

Com russófobos controlando a políticaexterna dos Estados Unidos, o ocidente está sem qualquer controle, andando a passos largos em direção ao buraco. Consequência disso é que os EUA prosseguirão, hostilizando cada vez mais a Rússia e outras nações. Com mais hostilidade, mais se fortalecerá a tendência de Rússia, China e inúmeros outros países, pelo mundo, a se separarem do dólar.

O mundo já trabalha hoje para criar uma nova infraestrutura econômica e financeira a qual, simplesmente, ignorará os Estados Unidos.

Imagem

Cesta de moedas poderá substituir o US$ (dólar americano) nas transações internacionais

E, em reação e resposta, o que fazem os EUA? Bombardeiam mais civis. Matam mais gente. Provocam mais guerras.

Verdade é que já não tenho muita certeza de que os EUA consigam manter esse “padrão” hoje, com o mesmo “sucesso” com que o mantiveram há, apenas, uma década.

Bem ou mal, a humanidade começa a despertar para esse estado de coisas. Já aconteceu até de a opinião pública no mundo conseguir impedir que os EUA fizessem mais uma guerra – e a Síria foi salva. A oposição popular certamente impedirá que os EUA façam mais guerras.

Há evidência que todos já veem com clareza e que comprometem hoje terrivelmente as posições que os EUA têm adotado: Rússia e a China jogam xadrez e pensam no bem do mundo. Obama joga damas, bolinha de gude, sabe-se lá o que joga; e não pensa no bem do mundo.

A China já queria nova moeda de reserva, desde 2013

Japão e Índia já têm um acordo para moeda de reserva própria, desde 2011.

No Golfo Pérsico os árabes, junto com China, Japão, Rússia e França, já planejam pôr fim aos negócios de petróleo feitos pelo dólar americano; e trabalham para pôr no lugar desse dólar uma cesta de moedas que pode incluir o Iene japonês, o Yuan chinês, ouro, Euros e uma nova moeda unificada especialmente pensada para uso das nações do Conselho de Cooperação do Golfo (o que incluiria nessa negociação/nova cesta de moedas, também Arábia Saudita, Abu Dhabi, Kuwait e Qatar).

 

O fim do sistema monetário como o conhecemos

Estamos na iminência de uma mudança massiva nos parâmetros do sistema monetário mundial… todos os especialistas sabem disso (é absolutamente claro que sabem!), mas o “noticiário” prossegue como se nada estivesse já acontecendo. Empresários norte-americanos ou gastam ou mentem que gastam como se os EUA estivéssemos em plena recuperação econômica. Cidadãos dos Estados Unidos continuam gastando dinheiro ou mentindo que gastam e em todos os casos continuam poupando pouco, talvez com a mesma expectativa que os empresários. Os investidores continuam a investir ou a mentir que continuam a investir como se tudo estivesse às mil maravilhas.

Imagem

Os EUA devem tanto, mas tanto que já não há mais meios de salvar o US $ (dólar americano)

Parece que todos esses atores têm dificuldade para contextualizar e apreender a verdade sobre a economia dos EUA. E essa verdade é a seguinte: os EUA devem tanto, tanto, tanto, que a mente humana não tem meios para compreender a sua real extensão desse endividamento. E a imprensa-empresa comercial, que existe para desinformar, desinforma o mais que pode e completa o serviço de ensinar a des-compreender (seja o que for).

O capital exposto ao risco de ser queimado, virar fumaça, é da ordem de trilhões de dólares. O mundo ocidental corre o risco de entrar numa era sombria, que o futuro conhecerá, durante séculos, como o “Grande Colapso”. Bem contados, não chega a 1% dos cidadãos o número dos norte-americanos e norte-americanas que se pode acreditar que saibam disso e compreendam com clareza o movimento.

Essa minoria, sim, entende o que está acontecendo; mas tem ativos em bens tangíveis e internacionalizados [metais preciosos fora do sistema financeiro] e terão boa chance de sobreviver bem às mudanças que certamente virão.

Nunca foi mais importante, necessário, prioritário, vitalmente decisivo, desligar a televisão e não tomar conhecimento do que a imprensa-empresa comercial “informe” ou “noticie”. Cada um terá de fazer as próprias contas e assumir o controle da própria situação financeira.

[*] Jeffrey Berwick define-se como anarcocapitalista libertarista. Lutador [de luta-livre] contr

Fonte traduzida: RedeCastorphoto

Review: Chinese Engagement in Africa Drivers, Reactions, and Implications for U.S. Policy

map-chinese-investments-in-africa

Barbara Lopes, Potências Médias,

OBJECTIVE ANALYSIS. EFFECTIVE SOLUTIONS.

Chinese Engagement in Africa Drivers, Reactions, and Implications for U.S. Policy by Larry Hanauer, Lyle J. Morris

Resenha de Bárbara Lopes (*)

O relatório Chinese Engagement in Africa: drivers, reactions, and implications for U.S policy corresponde a uma série de pesquisas da RAND Corporation, divulgada no início de 2014. No intuito de caracterizar a natureza dinâmica das relações entre a República Popular da China (RPC) e a África, os pesquisadores Larry Hanauer e Lyle Morris analisam os objetivos chineses e africanos no âmbito político-econômico e os meios que ambas as partes utilizam para que tais objetivos sejam alcançados.

Neste sentido, é examinado de que maneira o governo chinês têm ajustado as suas políticas de ação diante de reações hostis de alguns governos e populações na África. Em conjunto, parte da pesquisa volta-se ao questionamento se os Estados Unidos da América (EUA) estão competindo por influência, acesso e recursos naturais no continente africano e, ainda, se pode existir oportunidades de cooperação que promovam os interesses mútuos EUA-RPC, bem como os interesses dos seus parceiros africanos. O relatório encontra-se dividido em sete capítulos.

No primeiro capítulo, apresentado como Introdução, os autores enaltecem que a pesquisa considera a relação da RPC com todos os 54 países do continente africano – incluindo os três que reconhecem Taiwan e não mantêm relações diplomáticas com Pequim. Ao longo do segundo capítulo evidenciam-se as diversas áreas de interação que fomentam o interesse mútuo sino-africano. De modo geral, a RPC possui quatro interesses estratégicos globais na África: i) acesso aos recursos naturais, particularmente petróleo e gás natural; ii) mercado para os produtos/exportações chineses; iii) legitimidade política nos fóruns internacionais e apoio aos princípios de igualdade, não interferência em assuntos domésticos e “solidariedade Sul-Sul” entre os países em desenvolvimento; iv) garantir a segurança, prosperidade e estabilidade do continente, tanto para o bem-estar da população africana, quanto para a proteção aos investimentos chineses e à manutenção das atividades comerciais com a África.

Os governos africanos, por sua vez, buscam por meio da parceria com a RPC: i) reconhecimento e legitimidade política; ii) atrair e diversificar os setores de investimentos, principalmente para infraestrutura; iii) expandir o comércio bilateral com os chineses; iv) assistência à segurança, por meio de envio de equipamentos militares, armas e treinamento; v) extração de recursos naturais, já que grande parte dos países africanas são dependentes dos recursos naturais para gerar as receitas necessárias para a manutenção dos seus governos.

O terceiro capítulo volta-se a apresentação de um breve histórico das relações sino-africanas. O relatório evidencia, assim, que o engajamento da RPC no continente africano pauta-se pelos princípios de respeito mútuo e igualdade, incluindo a não intervenção em assuntos domésticos e reconhecimento pelos países africanos da política “uma só China”. Grande ênfase é dada à análise dos aspectos econômicos sino-africanos. A demanda chinesa por recursos energéticos, aliada à necessidade por investimentos e infraestrutura dos países africanos permitiu a crescente elevação comercial China-África ao longo da última década. No entanto, quanto aos valores dos Investimentos Externos Diretos (IED’s) chineses para a África, os autores argumentam a dificuldade em analisá-los, devido à inconsistência dos dados e as diferentes definições divulgadas sobre IED em estatísticas da RPC. Outra problemática levantada diz respeito às práticas de ajuda ao oficial ao desenvolvimento no continente africano, principalmente porque a China não define “ajuda” do mesmo modo que a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Além disso, o governo da RPC coloca-se primeiramente como parceiro econômico, já que o termo doador invoca conotações elitistas que a China procura se distanciar.

A análise quanto aos impactos da inserção chinesa na África é relatada ao longo do capítulo quatro. Por um lado, os investimentos da RPC foram responsáveis pela criação de postos de trabalho, obras de infraestrutura e pelo crescimento econômico, particularmente em setores e áreas geográficas em que as Instituições Financeiras, os governos e as empresas ocidentais foram relutantes em se envolver. Os gastos com educação e a participação de Pequim nas missões de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) igualmente trouxeram resultados positivos ao continente africano. Por outro lado, estes investimentos contribuíram para a manutenção de regimes não-democráticos em certos países da África, sendo que a natureza dos acordos firmados elevaram os níveis de dívida e a adoção de decisões sem viabilidade econômica. Critica-se que a preocupação da RPC com os recursos naturais reforçou a dependência dos países africanos em matérias-primas. Ressalta-se ainda a perda de empregos nas indústrias locais, uma vez que não conseguem competir com as importações chinesas mais baratas.

Neste contexto, o capítulo cinco apresenta as principais reações tanto dos governos quanto das populações locais africanas acerca das relações estabelecidas com a RPC. A maior parte dos líderes africanos retratam o envolvimento chinês como positiva, principalmente pela política no strings attached, apesar dos comentários sobre a criação de uma nova dinâmica colonial na África. De acordo com o relatório, os africanos também assumem opiniões geralmente positivas, determinada e influenciada pela exposição dos dados sobre atividades econômicas-comerciais entre China e África. No entanto, esta mesma opinião pública reage negativamente, sobretudo, pela percepção de que poucos são os investimentos chineses voltados à infraestrutura social (habitação, escolas e clínicas) e pelos relatos das más condições de trabalho em minas e fábricas, em que os trabalhadores africanos são explorados, mal pagos e impedidos de assumir cargos gerenciais.

Frente às reações de oposição ao envolvimento com a RPC, o penúltimo capítulo retrata as mudanças nas ações do governo chinês para a África. Tais mudanças partem do pressuposto de que somente a estratégia econômica de complementaridade no comércio e nas negociações é insuficiente para a promoção de uma relação sustentável de longo-prazo que ambas as partes desejam. Assim, grande atenção passou a ser dada às questões de soft power, no qual a RPC dissemina uma narrativa positiva aos africanos por meio da mídia, programas de intercâmbio cultural, iniciativas educacionais e treinamentos. Foco nos assuntos de segurança, ajuda à saúde e sustentabilidade igualmente ocuparão espaço na nova agenda política chinesa para o continente africano.

Por fim, no último capítulo são analisadas as implicações da influência chinesa na África para os interesses dos EUA. Com exceção da política de “uma só China”, o governo estadunidense compartilha os mesmos objetivos que a RPC no continente africano. Há, de fato, uma preocupação maior com as questões de segurança, em que os EUA estendem as suas iniciativas para a redução de combate ao terrorismo, tráfico de drogas e crime internacional. Porém, os países têm buscado diferentes políticas e prioridades na África. Os EUA enfatizam a boa governança, a ajuda externa voltada ao desenvolvimento humano e investimentos liderados pelo setor privado, enquanto a China sublinha a independência política, os investimentos em infraestruturas apoiados pelo Estado e a extração dos recursos naturais. Para os autores, devido as abordagens diferentes colocada por cada país, Washington e Pequim não estão competindo diretamente um contra o outro por acesso estratégico ou influência na África. Deste modo, poucas são as oportunidades existentes para a parceria EUA-RPC na busca por interesses regionais africanos comuns.

O relatório desenvolvido pela RAND Corporation buscou minimizar a dificuldade que analistas e policymakers ocidentais enfrentam para compreender a crescente e forte presença da RPC no continente africano. Além de recomendações à estudos futuros, ao final, os autores apresentam algumas sugestões ao governo estadunidense, no intuito de encorajar a população africana a exigir uma melhor conduta política chinesa para a África.

(*) Bárbara Lopes é mestranda em Relações Internacionais do Programa de Pós-Graduação em RI da PUC Minas

Fonte: Grupo de Pesquisa sobre Potências Médias

US ‘pivots’, China reaps dividends

america_and_china_890555

THE ROVING EYE
US ‘pivots’, China reaps dividends
By Pepe Escobar 

Let’s start with a flashback to February 1992 – only two months after the dissolution of the Soviet Union. First draft of the US government’s Defense Planning Guidance. It was later toned down, but it still formed the basis for the exceptionalist dementia incarnated by the Project for the New American Century; and also reappeared in full glory in Dr Zbig “Let’s Rule Eurasia” Brzezinski’s 1997 magnum opus The Grand Chessboard

It’s all there, raw, rough and ready:

Our first objective is to prevent the reemergence of a new rival, either on the territory of the former Soviet Union or elsewhere, that poses a threat on the order of that posed by the Soviet Union. This … requires that we endeavor to prevent any hostile power from dominating a region whose resources would, under consolidated control, be sufficient to generate global power. These regions include Western Europe, East Asia, the territory of the former Soviet Union, and Southwest Asia.

That’s all one needs to know about the Obama administration’s “pivoting to Asia”, as well as the pivoting to Iran (“if we’re not going to war”, as US Secretary of State John Kerry let it slip) and the pivoting to Cold War 2.0, as in using Ukraine as a “new Vietnam” remix next door to Russia. And that’s also the crucial context for Obama’s Pax Americana Spring collection currently unrolling in selected Asian catwalks (Japan, South Korea, Malaysia and Philippines). 

Obama’s Asia tour started this week in full regalia at the famed Jiro restaurant in Ginza, Tokyo, ingesting hopefully non-Fukushima radiated nigiri sushi (disclosure: I was there way back in 1998, when sushi master Jiro Ono was far from a celebrity and the sushi was far from atomic). Obama’s host, hardcore nationalist/militarist Prime Minister Shinzo Abe, obviously picked up the bill. But the real bill comes later, as in Japan bowing to strict US demands – on trade, investment, corporate law and intellectual property rights – embedded in the 12-nation Trans-Pacific Partnership (TPP), which is code for American Big Business finally cracking open the heavily protected Japanese market. 

Abe is a tough customer. His rhetoric is heavy on “escaping the post-war regime”, as in re-weaponizing Japan and not playing second fiddle militarily to Washington in Asia anymore. The Pentagon obviously has other ideas. Post-sushi at Jiro, what matters for Obama is to force Tokyo to bend over not only on TPP but also on keeping the weaponizing subordinated to the larger US agenda. 

Beijing, predictably, sees all that for what it really is, as expressed in this Xinhua op-ed; the actions of an “anachronistic”, “sclerotic” and “myopic” superpower that needs to “shake off its historical and philosophical shackles”. 

The Southeast Asia leg of the Spring collection tour is all about making sure to Malaysia and Philippines, not as strong militarily as Vietnam, that the US Navy will never be replaced as the hegemon in the South China Sea – or even allow China to reach parity with it. It’s at the heart of the “pivoting to Asia” as containment of China, whose aim is preventing China from becoming a naval power simultaneously in the Indian Ocean and the Western Pacific. 

The Pentagon is predictably paranoid, accusing China of waging not only one but “three warfares” against the US. The fact is Beijing is developing a state-of-the-art underground base for 20 nuclear submarines in Hainan island just as Malaysia boosts its own submarine base in Borneo and the Philippines keeps imploring Washington for more planes, ships, airstrips and cyber capabilities as protection for what it regards as its absolute priority: explore for oil and gas in the West Philippine Sea to boost the economy. 

Radiate me with trade deals, baby
The Spring collection is far from derailing other pivoting – whose latest offering is the current “anti-terrorist” campaign in eastern Ukraine by the Kiev regime changers, which follows a most curious calendar. CIA’s John Brennan hits Kiev, and the regime changers launch their first war on terra. Dismal failure ensues. Vice President Joe Biden visits Kiev and the regime changers, right on cue, relaunch their war on terra. 

Thus the pivoting to Cold War 2.0 proceeds unabated, as in Washington working hard to build an iron curtain between Berlin and Moscow – preventing further trade integration across Eurasia – via instigation of a civil war in Ukraine. German Chancellor Angela Merkel remains on the spot: it’s either Atlantic high-fidelity or her Ostpolitik – and that’s exactly where Washington wants her. 

As for the batshit crazy factions fully deployed across the Beltway revolving door, everything goes, from “warning” China not to pull a Crimea to advocating war in Syria and even the North Atlantic Treaty Organization entering a nuclear war, as shown here by the appropriately denominated Anne Marie Slaughter. This is what she’s teaching her exceptionalist students at Princeton. 

How’s Beijing reacting to all this hysteria? Simple: by reaping dividends. Beijing wins with the US offensive trying to alienate Moscow from Western markets by getting a better pricing deal on the supply of Eastern Siberian gas. Beijing wins from the European Union’s fear of losing trade with Russia by negotiating a free-trade agreement with its largest trading partner, which happens to the be the EU. 

And then, the sterling example. Just compare Obama’s Spring collection tour, as a pivoting appendix, to the current tour of Cuba, Venezuela, Brazil and Argentina by Chinese Foreign Minister Wang Yi. It’s a business bonanza, focused on bilateral financing and, what else, trade deals. 

It’s all in the mix: Peruvian and Chilean copper; Brazilian iron and soybeans; support for Venezuelan social programs and energy development; support for Cuba in its interest for greater Chinese involvement in Venezuela, which supplies Cuba with subsidized energy. 

And all this against the background of a Beltway so excited that the Chinese economy is in deep trouble. It’s not – it grew at 7.4% year-on-year for the first quarter of 2014. Demand for iron and copper won’t significantly slow down – as the Beijing-driven urbanization drive has not even reached full speed. Same for soybeans – as millions of Chinese increasingly start eating meat on a regular basis (soybean products are a crucial feedstock). And, of course, Chinese companies will not losee their appetite for diversifying all across South America. 

For the large, upcoming Chinese middle class – on their way to becoming full-fledged members of the number one economic power in the world by 2018 – this Spring collection is a non-starter. He or she would rather hit Hong Kong and queue up in Canton Road to buy loads of Hermes and Prada – and then strategically celebrate with Jiro quality, non-Fukushima-radiated, sushi. 

Pepe Escobar is the author of Globalistan: How the Globalized World is Dissolving into Liquid War (Nimble Books, 2007), Red Zone Blues: A snapshot of Baghdad during the surge (Nimble Books, 2007), and Obama does Globalistan (Nimble Books, 2009). He may be reached at pepeasia@yahoo.com. 

Front-page picture credit: AFP PHOTO/JAPAN POOL/Cabinet Public Relations Office 

(Copyright 2014 Asia Times Online (Holdings) Ltd. All rights reserved. Please contact us about sales, syndication and republishing.)  Fonte: Asia Times

Keiser Report: China Kicks US Buck (E596)

Vídeo

Publicado em 03/05/2014
In this episode of the Keiser Report, Max Keiser and Stacy Herbert discuss the $1 trillion humanitarian budget in America and the Roman precedent for it. They also discuss the new World Bank purchasing power parity estimates which see China’s economy surpassing America’s later this year, knocking the US economy off the top where it has been since 1872. In the second half, Max interviews Nafeez Ahmed about Tony ‘Blood for Oil’ Blair and the real reason for the American ‘humanitarian’ military missions to Europe, Asia and beyond

Europe will now think twice before following Washington’s orders – Ex-CIA Officer

Vídeo

Publicado em 14/04/2014
The Ukrainian crisis may have seen a flickering light at the end of the tunnel, as politicians from the great powers collided over the former Soviet state are now bringing up the idea of having four-sided talks between the US, EU, Russia and Ukraine itself. But with the east of the Ukraine boiling with new wave of protests, and Kiev’s government being fed with unreasonable promises from Washington — whatwill tomorrow hold for the Ukrainians themselves? Are talks a real possibility? Will there be any use of them? To find this out, Sophie talks to Ray McGovern, retired CIA analyst turned whistleblower.

Lavrov: Americans are not ready to admit they cannot run the show (FULL INTERVIEW)

Vídeo

Publicado em 23/04/2014
As the standoff in the eastern Ukraine deteriorates into violence it’s up to world powers to step in and calm things down. Despite tough talk from Washington, the US, EU, Russia and Ukraine have managed to reach a framework to peace in Geneva. But will it be enough to avert a civil war? Sophie asks the Russian Foreign minister himself — Sergey Lavrov is on Sophie&Co today.