Mujica confirma asilo en Uruguay para grupo de prisioneros de Guantánamo

Viernes 21 de Marzo de 2014, 09:01 pm

Mujica confirma asilo en Uruguay para grupo de prisioneros de Guantánamo

El presidente de Uruguay José “Pepe” Mujica, confirmó este viernes que dará asilo a un grupo de prisioneros de la cárcel estadounidense de Guantánamo, ubicada en territorio cubano de manera ilegal.

Mujica aseguró que la medida busca contribuir al cierre de esta prisión utilizada durante muchos años por el gobierno norteamericano como celda para quienes fueran considerados terroristas.

“No hay que hacer una novela por esto, no hay ningún acuerdo con nadie, es un pedido (de Estados Unidos) y es una cuestión de Derechos Humanos”, resaltó el mandatario Uruguayo, quien además comentó que actualmente hay unas 120 personas privadas de libertad desde hace apróximadamente 13 años sin que les fuera emitida una sentencia, pues nunca fueron visitados por un juez o fiscal.

“El presidente de Estados Unidos (Barack Obama) quiere sacarse ese problema de encima, pero el Senado le exige 60 cosas, entonces le pidió a un montón de países si podían darle refugio a algunos, y yo le dije sí, porque yo estuve un montón de años preso”, explicó el dignatario.

Mujica manifestó estar cansado de que en el mundo se hable de Derechos Humanos y no se actúe de manera correcta para hacer cumplirlos, tras considerar que lo que está haciendo es un acto de conformidad de estos derechos.

“Derechos Humanos es esto, si quieren hacer nido y trabajar en el país (Uruguay) que se instalen en el país”.

El presidente, Barack Obama, reiteró en marzo su intención de cerrar el penal de Guantánamo cuanto antes y pidió al Congreso que actúe para facilitar la transferencia de los detenidos que aún quedan en la prisión desde que se abriera
en 2002.

“Con la guerra de Afganistán tocando a su fin, éste tiene que ser el año en que el Congreso levante las restricciones restantes para las transferencias de prisioneros y para que cerremos la prisión de la Bahía de Guantánamo”, dijo Obama

Obama argumentó en ese momento que Estados Unidos “tiene que dejar atrás esta situación de estar permanentemente en pie de guerra” a pesar de seguir comprometido con perseguir “de forma agresiva a las redes terroristas, mediante esfuerzos mejor enfocados y desarrollando la capacidad de nuestros aliados extranjeros”.

teleSUR-martinoticias.com/ba-GP
Fonte: Telesur

ICC Convicts Congo Warlord, What Are the Right Steps For Peace?

Vídeo

Leonce Ndikumana: The peace process in the Great Lakes region of Africa must be driven by Africans with the international community playing a supporting role – March 17, 2014

JESSICA DESVARIEUX, TRNN PRODUCER: Welcome to The Real News Network. I’m Jessica Desvarieux in Baltimore.
The International Criminal Court has just made its second conviction in its twelve-year history. Congolese warlord Germain Katanga was found guilty of being an accessory to war crimes, including murder. The case stemmed from violence in the diamond-rich northeast Democratic Republic of Congo in the early 2000s. Katanga was convicted for his role in an attack on a village in 2003 that left some 200 people dead.
Now joining us to discuss the peace process in the Great Lakes region, which includes countries like the DRC, Burundi, Kenya, and many more, is Léonce Ndikumana. He is a professor of economics at the University of Massachusetts, Amherst.
Thanks for joining us, Léonce.
LÉONCE NDIKUMANA, POLITICAL ECONOMY RESEARCH INSTITUTE: Thank you very much for the opportunity.
DESVARIEUX: So, Léonce, my first question is I know that the UNDP actually released a report about the peace process happening there in the Great Lakes region. Can you just summarize what was in that report?
NDIKUMANA: Yes. It’s a report released in January, a very interesting report that actually takes a very interesting stand on the conflict in the DRC, in the sense that it looks at it from a regional perspective, which is very reasonable in the sense that that conflict involves or affects many other countries beyond the country of the Congo, which is what the origin of the conflict is. But also it pushes for looking at solutions from a development perspective, in addition, of course, to humanitarian aid, making the point that consolidating peace and achieving stability in the region requires taking a strong stand on promoting economic development—you buy peace by promoting development.
DESVARIEUX: Okay. And what kind of development are they talking about?
NDIKUMANA: Here they’re talking about different aspects of development. They are emphasizing shortage in infrastructure, such as energy, transportation.
And, in fact, when you look at the Congo, it’s a huge country. It’s one of the largest countries on the continent, a large population, I think the fourth-largest population, 19th in the world. But it’s also an economic giant which host a huge amount of reserves of natural resources. If you look at the amount of natural resources in the Congo, it’s basically 12 times the size of the whole economy of Africa.
But at the same time, that continent has very weak infrastructure, to the point that, in fact, the east is almost cut from the west, where the capital city is. And to be able to build lasting peace and economic stability, you actually need to connect the regions, so that economically they can exchange, but also so that the local population can feel connected to the central government, which has not happened before. But also, if you build enough infrastructure, transport energy, that country can become an engine of growth in the whole region. It can supply energy to its nine neighbors, which—because of its huge reserves in hydro power.
DESVARIEUX: So, Léonce, you’ve been on this program many times before, and you often make the argument that whatever solution comes out of this peace process, it must come from Africans themselves. Can you just speak to what a solution driven by Africans looks like?
NDIKUMANA: Yes. Here I want to really underscore the point you just made that a solution to the crisis in the Congo and the Great Lakes must be primarily an African solution. First of all, the conflict in the DRC is a regional conflict, so it affects many countries in the region. So it makes sense that the countries which are affected directly or indirectly should be at the table when the solutions to the conflict are being discussed. So that’s one point.
The second point is that it’s a very intricate conflict. The Congo has been experiencing conflict since back in the ’60s. So you need Africans to actually understand—who have a deep understanding of the root causes of the conflict and the many ramifications that the conflicts have, the sensitivies of the various players involved, their interest, to be able to come up with a solution that’s satisfactory to all the stakeholders in the regions. It will not work if you come with an imported solution from abroad which will damage the stability not only of the country, but also of the whole region.
So that—also I want to insist that Africans actually have the means to resolve conflict. We have seen many conflicts that have been resolved with a strong hand of regional groups in West Africa. In Somalia, the AU’s doing an amazing job in very difficult conditions. South Sudan was [incompr.] independent, because—thanks to heavy and consistent, diligent management by an African-led group that really sought to understand the root causes of the conflict and then come up with strategies. That’s why I think that Africa needs to own the solutions to the DRC conflict.
DESVARIEUX: With that being said, Léonce, what role should the international community play, then?
NDIKUMANA: I think the international community should play a supporting role (but the leadership role should be African), supporting in many ways.
One is from a policy perspective. The international [incompr.] can provide a forum for debate and negotiation, lending the hand to the African Union, the united economic commission for Africa, the African Development Bank, all these continental institutions which are involved in facilitating the debate.
But also, from a technical perspective, many of the development programs, development initiatives that needs to implemented needs technical assistance from the international community for the know-how, the technical expertise.
But third, financial assistance. I talked about infrastructure, energy. These are programs that require a large amount of resources that exceed the capacity of the local government. So in this case, the world community can help by channeling resources in the country. In this report, in fact, they talk about a grant from the World Bank to finance infrastructure, which is a very good step in the right direction in supporting the region to come up with a solution to the crisis.
DESVARIEUX: Alright. Léonce Ndikumana, professor of economics at the University of Massachusetts, Amherst, thank you so much for joining us.

Fonte: http://therealnews.com/t2/index.php?option=com_content&task=view&id=31&Itemid=74&jumival=11569

Snowden Says NSA ‘Setting Fire’ to the Web

Imagem

South by Southwest festival in Austin, Texas, the former NSA contractor said that the spy agency undermines the trust and security upon which a well-functioning Internet depend

Former NSA contractor Edward Snowden said Monday that the United States government is “setting fire to the future of the Internet” with its massive domestic surveillance programs.

“When we think about what’s happened with the NSA in the last decade, the result has been an adversarial Internet, a global free fire zone,” Snowden, whose leaks last year sparked debate about surveillance, told the South by Southwest Interactive tech conference via video link from Russia, where he’s living under temporary asylum. “Nothing we ever asked for. Something we don’t want. Something we need to protect against.”

Snowden was joined by his American Civil Liberties Union attorney Ben Wizner and the ACLU’s chief technologist Christopher Soghoian for a conversation on digital privacy issues, a major theme of this year’s conference. WikiLeaks founder Julian Assange drew substantial crowds for his own address via video link on Saturday.

For much of Monday’s talk, Snowden hammered home an argument he and his supporters have been making since his leaks first pulled the curtain back on the NSA a year ago: that mass surveillance makes the Internet a more dangerous place. By systematically working to crack and weaken online security systems in order to harvest user data for surveillance, Snowden said NSA in effect undermines the trust and security upon which a well-functioning Internet depend.

“They’re setting fire to the future of the Internet,” Snowden said, addressing the tech savvy audience. “And the people that are in this room now—you guys are the firefighters.”

During an audience Q&A segment, the first question asked of Snowden came from Tim Berners-Lee, the computer scientist credited as the creator of the World Wide Web. Berners-Lee, who has been a vocal supporter of Snowden’s, asked what changes the leaker thought should be made to prevent abuse of government surveillance capacities.

“We’ve got a good starting point and that’s what we have to remember. We have an oversight model that could work,” Snowden said, stressing that the people ultimately tasked with overseeing the intelligence community—Congress—must be held to account. “We need a watchdog that watches Congress,” he said.

The decision to invite Snowden to speak at SXSW drew criticism from some quarters. Kansas Republican Rep. Mike Pompeo wrote to festival organizers asking them to cancel the event. Pompeo derided Snowden as a man “whose only apparent qualification is his willingness to steal from his own government and then flee to that beacon of First Amendment freedoms, the Russia of Vladimir Putin.”

Fonte: Time

ONU acusa al Vaticano de violar derechos del niño

Miércoles 5 de Febrero de 2014, 10:00 am

La ONU manifesta preocupación porque el Vaticano “no ha hecho todo lo que debería” para atajar el problema de pedofilia. (Foto: prensalibre.com)

ONU pide al Vaticano apartar de inmediato de sus funciones a religiosos que sean sospechosos de abusos sexuales a niños, además de denunciarlos a las autoridades competentes para que investiguen y procedan.
 
La Organización de Naciones Unidas (ONU) acusó al Vaticano de violar la Convención de Derechos del Niño, y exigió a la Santa Sede que denuncie a la Policía todos los casos de sacerdotes pederastas. 

En las conclusiones de un informe publicado este miércoles, el Comité de Derechos Humanos de la ONU urgió a la Santa Sede a “apartar de inmediato de sus funciones a todos los autores conocidos y sospechosos de abusos sexuales a niños y denunciarlos a las autoridades competentes para que los investiguen y procesen”. 

Este informe surge tras una audiencia celebrada en enero pasado en Ginebra (Suiza) en la que miembros del comité, compuesto por 18 expertos en derechos humanos de todo el mundo, interrogaron a una delegación del Vaticano sobre su política de lucha contra la pedofilia. 

Al preguntársele si el informe acusa al Vaticano de violar la Convención de Derechos del Niño de la ONU en lo que respecta a abusos sexuales, la presidenta del comité, Kirsten Sandberg, respondió: “La respuesta es sí,hasta ahora han violado la Convención, porque no han hecho todo lo que deberían” para atajar este problema.

El comité de la ONU manifestó “su profunda inquietud por los abusos sexuales cometidos contra niños por miembros de iglesias católicas que operan bajo la autoridad de la Santa Sede”, y recordó que estos crímenes cometidos por religiosos conciernen a “decenas de miles de niños de todo el mundo“.

El documento critica en particular la política de cambiar de parroquia a los sacerdotes pedófilos, una práctica que considera como un intento de encubrir los crímenes y evitar que sean juzgados por las autoridades civiles.

Entre tanto, el Vaticano informó este miércoles que estudiará las críticas del informe de las Naciones Unidas, pero argumentó que en algunos puntos hay “un intento de interferir en las enseñanzas de la Iglesia”. 

Asimismo, reiteró su “compromiso” para la defensa y protección de los Derechos del Niño mediante los valores morales y religiosos ofrecidos por la doctrina católica. 

Según declaraciones del portavoz de la Santa Sede, Federico Lombardi, el Vaticano “afronta” los casos de pederastia dentro de la Iglesia con una “exigencia de transparencia”. 

Desde el año 1995, las denuncias por abusos sexuales a menores por parte de sacerdotes deben ser notificadas a la Congregación para la Doctrina de la Fe. En el año 2011, el Vaticano ordenó a los obispos que todo cura implicado en casos de pedofilia debe denunciar el acto ante la justicia ordinaria.

Fonte: http://www.telesurtv.net/articulos/2014/02/05/onu-acusa-al-vaticano-de-violar-derechos-del-nino-2355.html 

Tribunal Penal Internacional

“O Tribunal Penal Internacional (TPI) é um tribunal permanente, criado pelo Estatuto de Roma, em 1998. Por seu caráter permanente, distingue-se dos dois tribunais ad hoc instalados por Resolução do Conselho de Segurança da ONU, exclusivamente para julgar crimes cometidos durante um determinado período nos territórios da extinta Yugoslávia e em Ruanda. Distingue-se também desses tribunais por ser um Tribunal independente do sistema das Nações Unidas.”

ANTECEDENTES HISTÓRICOS

Tribunal de Nuremberg
Textos & Reflexões

Tribunal de Ruanda
Textos & Reflexões

Tribunal da Ex-Iugoslávia
Textos & Reflexões

TPI

O que é o TPI, Cartilha
Texto integral da Cartilha

Texto I
Tribunal Penal Internacional

Texto II
Tribunal Penal Internacional

Texto III
Tribunal Penal Internacional

DOCUMENTOS

Estatuto de Roma
Do Tribunal Penal Internacional

Estatuto de Roma, Manual de Ratificação e Implementação do
Tribunal Penal Internacional TPI
PDF 0,90 MB 

Declaração de Haia
Posição das ONGs do Hemisfério Sul sobre o TPI

CASOS EXEMPLARES

O Caso Milosevic
Textos & Reflexões

O Caso Drazen Erdemovic
Ex-Iugoslávia

O Caso Dusan Tadic
Ex-Iugoslávia

O Caso Radovan Karadzic
Ex-Iugoslávia

O Caso Jean Kanbanda
Ruanda

O Caso Jean-Pierre Bemba
República Democrática do Congo RDC

O Caso Omar Al Bashir
Quênia

O Caso Pinochet
Textos & Reflexões

O Caso Haider
Textos & Reflexões

O Caso Stroessner
Textos & Reflexões

TEXTOS E SUBSÍDIOS

Textos e Reflexões
Tribunal Penal Internacional

Tribunal Penal Internacional: 
Afirmação contemporânea de uma idéia clássica e sua recepção na Constituição Brasileira 

Salomão Barbosa
PDF 1,59 MB 

O Tribunal Penal Internacional
André Almeida
PDF 0,03 MB 

Tribunal Penal Internacional: 
uma nova realidade do Direito Penal Internacional para a garantia da segurança dos Direitos Humanos 

Dissertação de Mestrado de Renata Costa Silva Brandão
PDF 0,73 MB 

O Tribunal Penal Internacional e a Nova Ordem Internacional 
Susana Costa
PDF 0,50 MB 

O Tribunal Penal Internacional:
De uma cultura de impunidade para uma cultura de responsabilidade

Enrique Ricardo Lewandowski
PDF 0,31 MB 

A importância do Tribunal Penal Internacional para a Proteção Internacional dos Direitos Humanos 
Valério de Oliveira Mazzuoli
PDF 0,10 MB 

Tribunal Penal Internacional:
Apontamentos acerca da moralidade e legalidade 

Monografia de Juliane da Silva Pessoa
PDF 0,05 MB 

O papel das vítimas nos procedimentos perante o Tribunal Penal Internacional:
Seus direitos e as primeiras decisões do Tribunal 

Paulina Vega González
PDF 0,13 MB 

Com TPI, países preferem o Direito à força 
Entrevista com Sylvia Steiner 
PDF 0,07 MB 

Folha de Informação: África e o Tribunal Penal Internacional 
PDF 0,08 MB 

Dinamismo do Direito Internacional Penal após o Estatuto de Roma: 
Da Sudan Room a situação em Darfur, Sudão
Tarciso Dal Maso Jardim
PDF 0,21 MB 

O Tribunal penal Internacional e sua compatibilidade com a Constituição Brasileira quanto a aplicação da pena de Prisão Perpétua pela Corte 
Monografia de Karina Gomes e Silva
PDF 0,07 MB 

Tribunal Penal Internacional para Ruanda, Mini-Guia 
O julgamento de Jean Kambanda e o genocídio em Ruanda
PDF 0,52 MB 

Timor-Leste: Justiça na Sombra – Tribunal Penal Internacional 
Anistia Internacional
PDF 0,67 MB 

Golpe na Venezuela
A Carta Interamericana de Direitos humanos

Textos & Reflexões

Ataque aos Estados Unidos e Afeganistão
Textos & Reflexões

Torturas norte-americanas em Abu Gharib
Fernando Botero retrata as infames torturas ianques no Iraque

Fonte: DireitosHumanosnet.org

ONU alerta sobre situação no Sudão do Sul; Conselho de Segurança deve reforçar missão

Chefe da ONU para os direitos humanos informou que execuções extrajudiciais em massa, ataques com base na etnia e detenções arbitrárias foram documentadas nos últimos dias. Conselho de Segurança se reúne emergencialmente.

A missão da ONU apoia o Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA) em um dos pontos de distribuição de assistência humanitária, em Bentiu, no Estado de Unity. Foto: UNMISS/Anna Adhikari

A missão da ONU apoia o Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA) em um dos pontos de distribuição de assistência humanitária, em Bentiu, no Estado de Unity. Foto: UNMISS/Anna Adhikari

A ONU alertou nesta terça-feira (24) alertando sobre a situação de insegurança e de violações graves e crescentes dos direitos humanos no Sudão do Sul. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, tem dialogado com diversos líderes locais e regionais, além de reforçar a capacidade da missão de paz da ONU no país (UNMISS) para permitir que ela faça o possível para proteger os civis e intensificar os esforços para encontrar uma solução política para a crise.

Segundo as Nações Unidas, Ban Ki-moon já falou com líderes da União Africana, Etiópia, Ruanda, Malauí, Tanzânia, Paquistão, Bangladesh e Nepal.

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, expressou grande preocupação também nesta terça-feira (24) diante das graves e crescentes violações de direitos humanos que ocorreram nos últimos 10 dias, chamando a liderança de ambos os lados para proteger os civis e abster-se da incitação da violência étnica.

Pillay disse que execuções extrajudiciais em massa, ataques com base na etnia e detenções arbitrárias foram documentadas nos últimos dias, acrescentando que uma vala comum foi descoberta em Bentiu, no Estado de Unity, com pelo menos dois outros relatos similares em Juba.

Dois assessores especiais da ONU – sobre a Prevenção do Genocídio e sobre a Responsabilidade de Proteger – também expressaram preocupação com o grave risco de uma escalada de violência entre comunidades, observando que os ataques direcionados a civis e funcionários da ONU poderiam constituir crimes de guerra ou crimes contra a humanidade.

Eles exortaram todas as partes a agir com moderação e em conformidade com o direito internacional humanitário e os direitos humanos, lembrando a responsabilidade do governo de proteger todos os sul-sudaneses, independente de sua etnia ou filiação política.

O Escritório da ONU Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) informou que cerca de 81 mil pessoas foram deslocadas pela crise no país, mas que o número real é provavelmente maior.

O OCHA afirma que 45 mil pessoas buscaram refúgio em campos administrados pela missão da ONU no país, enquanto o acesso para aqueles que estão fora tem sido limitado devido à insegurança contínua.

O coordenador do OCHA, Toby Lanzer, visitou Bor e disse que 17 mil sul-sudaneses buscaram abrigo na base da ONU. Ele afirmou que os trabalhadores de ajuda humanitária estão sob intensa pressão e que as instalações humanitárias estão sendo saqueadas em várias regiões.

Neste domingo (22), a UNMISS começou a retirar todo o pessoal considerado não essencial de Juba. Eles estão sendo levados para Entebbe, em Uganda. A decisão foi tomada como medida de precaução. A missão, no entanto, está sendo reforçada, inclusive com membros das forças de paz de países da região.

O Ministério do Interior disse que a resposta humanitária para ajudar cerca de 20 mil pessoas deslocadas em duas bases da UNMISS em Juba está ganhando força, com o registro dos civis e a distribuição de alimentos em andamento.

Mais de 2.200 famílias receberam alimentos no domingo (22) e segunda-feira (23), em Juba, enquanto a ajuda alimentar foi distribuído para 7 mil civis abrigados na base da UNMISS em Bentiu no domingo (22).

Líderes religiosos confirmaram que as orações da meia-noite este ano não ocorrerão apenas na véspera de Natal, e sim a todo o momento durante os conflitos. Foto: UNMISS/Irene Scott

Líderes religiosos confirmaram que as orações da meia-noite este ano não ocorrerão apenas na véspera de Natal, e sim a todo o momento durante os conflitos. Foto: UNMISS/Irene Scott

A clínica móvel está operacional e realizou 200 consultas médicas na segunda-feira (23) em uma base da UNMISS em Juba.

As famílias deslocadas em Juba receberam mosquiteiros, cobertores, colchões, sabão e conjuntos de cozinha. Itens adicionais estão sendo pré-posicionados para distribuição nos próximos dias.

Risco para as crianças aumenta com falta de saneamento

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) também presta assistência aos civis. A agência está especialmente preocupada com a população do Estado de Jonglei, onde os conflitos se intensificaram.

O Fundo afirmou que a falta de saneamento gera um alto risco para a saúde. As crianças passam o dia sob sol forte e calor intenso e dormem ao relento nas noites frias. Com a ajuda de parceiros, o UNICEF está construindo latrinas e pelo menos 400 ficam prontas nos próximos dias. Equipes de voluntários limpam as áreas a céu aberto, onde as pessoas são obrigadas a fazer suas necessidades.

agência da ONU também ajuda no cadastro das famílias de deslocados, um passo bastante importante para reunir crianças que foram separadas de seus pais durante os confrontos.

Conselho de Segurança deve enviar 5,5 mil soldados ao país
(Da Rádio ONU em português, direto de Nova York)

Em reunião de emergência no fim da tarde desta segunda-feira (23), hora local em Nova York, o Conselho de Segurança avaliou um pedido do secretário-geral da ONU sobre o envio de mais tropas para o Sudão do Sul.

Mais cedo, Ban Ki-moon encaminhou uma carta ao órgão, pedindo reforço para a missão da ONU. Com a piora do conflito inter-comunitário no país mais novo do mundo, 45 mil civis já buscaram abrigo nas bases das Nações Unidas.

Após a reunião de emergência, o embaixador da França, Gérard Araud, que preside o Conselho de Segurança este mês, explicou que o órgão vota na tarde de terça-feira (24) – também horário de Nova York – a resolução que autoriza o envio de mais tropas ao Sudão do Sul.

Se o texto for aprovado, a Missão da ONU vai ganhar o reforço de 5,5 mil soldados de paz. Segundo Araud, os 15 Estados-membros do Conselho receberam de forma positiva a proposta de resolução. Araud destaca que a violência se espalha no país e a situação humanitária está piorando.

Para a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Samantha Power, os relatos da ONU sobre a situação no Sudão do Sul são “perturbadores”, com pelo menos 100 mil pessoas desalojadas. Ela destaca que o Conselho de Segurança pede a todos os lados em conflito na nação africana que protejam os civis, independente de sua condição política ou étnica.

Ouça a matéria da Rádio ONU clicando aqui.

ONU investigará relatos de violações dos direitos humanos
(Da Rádio ONU em português, direto de Nova York)

Ban Ki-moon afirmou na segunda-feira (23) que as Nações Unidas vão investigar os relatos de graves violações dos direitos humanos e de crimes contra a humanidade no Sudão do Sul. Ele fez a afirmação em entrevista a jornalistas na sede da ONU em Nova York. Ban disse estar “muito preocupado” com os assassinatos étnicos no país.

O secretário-geral disse que os responsáveis pelos crimes “vão ser acusados e terão de enfrentar as consequências, mesmo que digam que não tinham conhecimento dos ataques”. Ele reuniu, pela manhã, seus principais assessores para discutir a situação. Participaram da reunião por videoconferência a representante especial da ONU para o Sudão do Sul, Hilde Johnson, e o representante especial da União Africana, Haile Menkerios.

O chefe da ONU declarou que tem pedido de forma consistente ao presidente Salva Kiir e aos líderes da oposição que negociem uma solução política para a crise. Ban disse que qualquer que seja a diferença entre eles, não se justifica a violência que tomou conta do país.

Ele também enviou uma mensagem direta para os sul-sudaneses dizendo que a ONU apoiou o caminho para a independência e continuará ao lado deles nesse momento.

A representante especial do secretário-geral da ONU, Hilde F. Johnson, aproveitou para lembrar o Natal e a mensagem de paz que a data traz. “No meu país, este é o dia de Natal, 24 de dezembro. Em outros países, amanhã é dia de Natal, mas para nós é hoje o dia de Natal. E como sabemos, a mensagem de Natal é a mensagem da paz, e para mim é importante lembrar a todos que, neste momento particular, gostaríamos de exortar os dois líderes, qualquer um que tenha influência na situação atual, bem como todos os cidadãos do Sudão do Sul a contribuir para que este Natal seja um Natal de paz e não de violência.”

Fonte: http://www.onu.org.br/onu-alerta-sobre-situacao-no-sudao-do-sul-conselho-de-seguranca-deve-reforcar-missao/

ONU pede que Espanha modifique lei de anistia e crie comissão da verdade

Lei dá imunidade a agentes estatais que cometeram crimes contra a humanidade durante o franquismo

15 de novembro de 2014. Esta é data máxima dada pela ONU (Organização das Nações Unidas) para que a Espanha modifique a Lei de Anistia de 1977, que dá imunidade aos agentes do Estado que cometeram crimes durante a guerra civil (1936 – 1939) e a ditadura de Francisco Franco (1939-1975). A modificação é uma das várias recomendações que o CED (Comitê contra os Desaparecimentos Forçados, em sua sigla em inglês) incluiu em seu relatório final, em 15 de novembro deste ano. Nele, o CED admite que no país ibérico existem 114.226 pessoas desaparecidas e que 30.960 bebês foram roubados no período entre 1936 e 1975.

O relatório é o documento final que exprime a visão da organização em relação às obrigações internacionais não cumpridas pela Espanha e observadas por um grupo de trabalho que percorreu o país entre os dias 23 e 30 de setembro. “Nós, o que dizemos é que para cumprir com as obrigações dos tratados internacionais, o país deve seguir certas coisas. Nossas recomendações, neste sentido, têm a mesma obrigatoriedade que os tratados assinados voluntariamente pela Espanha”, explica Ariel Dulitzky, professor de direito da Universidade do Texas, nos Estados Unidos e um dos enviados da ONU à Espanha.

Segundo Dulitzky, o desaparecimento forçado se define como qualquer tipo de privação da liberdade de uma pessoa por agentes estatais ou por particulares que atuam com a tolerância ou cooperação do Estado. Além disso, o conceito também abrange o fato de o Estado se negar a reconhecer a detenção ou o lugar onde a pessoa se encontra detida e, por isso, esta pessoa fica fora da proteção da lei.

Entre os principais tratados internacionais que regulam este tipo de crime estão a Declaração sobre a Proteção de Todas as Pessoas contra os Desaparecimentos Forçados, de 1992, e a convenção internacional de mesmo nome adotada em 2006. Como país signatário, a Espanha é obrigada a cumprir as normas dos tratados.

Para o CED, os principais problemas encontrados na Espanha são o tempo transcorrido desde que os desaparecimentos ocorreram, a falta de um procedimento claro, detalhado e específico em relação às exumações e identificações e a inexistência de uma base de dados genéticos de familiares das pessoas desaparecidas. Além destes fatores, Dulitzky destaca a eliminação completa dos fundos estatais para exumações.

No último governo socialista, o Estado destinou 6,5 milhões de euros em subvenções para o trabalho de identificação dos restos mortais encontrados nas mais de 2,3 mil valas comuns identificadas em território espanhol. Deste total, segundo as associações de vítimas, menos de 400 foram abertas. O governo de Mariano Rajoy (PP) cortou os subsídios que estavam amparados pela Lei da Memória Histórica.

Revogação da lei de anistia

“O que aprendemos é que as anistias não servem para garantir a justiça, não servem para garantir a verdade e muitas vezes também não são sinônimos de garantia da paz e da estabilidade democrática”, diz Dulitsky. No relatório final, os integrantes do comitê admitiram certa surpresa com a sentença final do Tribunal Supremo espanhol sobre a possibilidade de julgar os crimes do franquismo.

Nesta sentença o tribunal afirmava: “[...] a argumentação sobre a permanência do delito não deixa de ser uma ficção contrária à lógica jurídica. Não é razoável argumentar que um detido ilegalmente em 1936, cujos restos não foram achados em 2006, possa racionalmente pensar-se que seguiu detido além do prazo de prescrição de 20 anos [...]”.

Os tratados assinados pela Espanha consideram que, para iniciar a conta para a prescrição dos delitos de desaparecimento forçado, é preciso que a pessoa ou os restos mortais dela apareçam. Ou seja, enquanto a pessoa segue desaparecida, o crime não prescreve. “Esta decisão do Tribunal Supremo pode ser discutível. Muitos setores jurídicos aqui na Espanha não estão de acordo”, conta o juiz Joaquim Bosch.

“De acordo com a evolução do direito internacional, as anistias completas que impedem a investigação, o julgamento e a sanção dos crimes internacionais, como os que ocorreram na Espanha, são consideradas ilegais”, explica Dulitzky.

Comissão da verdade

Além da modificação da lei de anistia, o comitê também convida a Espanha a criar uma Comissão da Verdade, com “especialistas independentes encarregados de determinar a verdade sobre as violações aos direitos humanos ocorridas no passado”.

Sobre as comissões da verdade, Dulitzky explica que “uma de suas características é que não estudam casos isolados, mas sim padrões gerais. E, segundo, são comissões de oficiais do Estado, é o reconhecimento estatal da verdade. Esta é a verdade de acordo ao Estado. Como este tipo de crimes são necessariamente cometidos pelo Estado, é o Estado que diz: tudo isso é o que fizemos”.

Apesar de apontar as falhas do Estado, o comitê da ONU não tem poder de aplicar nenhuma sanção em caso de não-cumprimento das recomendações. Dulitzky assume que o mais importante para eles é “o que vai suceder na sociedade espanhola, o debate que será gerado na Espanha e a responsabilidade que as autoridades espanholas irão assumir”.

Já o juiz Joaquim Bosch acredita que algumas recomendações serão cumpridas. “Algumas [questões do relatório] eu acredito que têm muita viabilidade porque não tem sentido que a Espanha tenha assinado o convênio internacional sobre desaparecimentos forçados e que siga tendo mais de 100 mil desaparecidos em seu território”. Entretanto, Bosch não é tão otimista em relação às mudanças de maior importância: “as outras questões propostas, que se derrogue a lei de anistia, por exemplo, dependerá das forças políticas e do poder legislativo”.

Fonte: OperaMundi

Mandela contra a escravidão

A figura de Mandela permanece como a do maior líder popular africano, porque tocou no tema essencial de todo o período histórico da colonização: a escravidão.

por Emir Sader

Emir Sader

A escravidão foi o maior crime de lesa humanidade cometido ao longo de toda a história humana. Tirar milhões de africanos dos seus países, do seu mundo, da sua família, para trazê-los para a América, para trabalhar como escravos, como  “raça inferior”, produzindo riquezas para os brancos europeus foi um crime incomensurável,  do qual nunca se compensou, sequer minimamente, a África.

O “apartheid” foi uma sobrevivência da escravidão na África do Sul. Como relata o Museu do Apartheid, em Joanesburgo, impressionante testemunho do mundo do racismo, os brancos consideravam essa politica uma “genial arquietetura” para conseguir a convivência entre brancos e negros. Nas mais escandalosas condições de discriminação, de racismo, de opressão.

Por detrás estava a super exploração da mão de obra negra nas minas sul-africanas, fornecedor essencial para os países europeus, sob comando da Holanda. As pessoas eram legalmente declaradas brancas ou negras, com todas as consequencias de direitos para uns e exclusão de direitos para os outros. Uma declaração da qual se poderia apelar todos os anos, mas que, ao mesmo tempo, se corria o risco de alguém questionar a condição de branco de qualquer outra pessoa, que poderia recair na condição de negro.

O cinismo das potências coloniais e dos próprios EUA estava na postura de não aderir ao boicote à Africa do Sul, alegando que isso isolaria ainda mais esse pais e dificultaria negociações politicas. Na verdade, a África do Sul do apartheid era um grande aliado dos EUA – junto com Israel – em todos os conflitos internacionais, alem de fornecedor de matérias primas estratégicas.

Não foi essa via de negociações que o apartheid terminou, mas pela luta, conduzida por Nelson Mandela, mesmo de dentro da cárcere, por 27 anos. Como reconheceu o próprio Mandela, o país que desde o começo apoiou ativamente, sem hesitação, a luta dos sul-africanos foi a Cuba de Fidel, o que forjou entre os dois lideres uma relação de amizade e companheirismo permanente. 

A libertação de Mandela, o fim do apartheid e sua eleição como o primeiro presidente negro da Africa do Sul, foram a conclusão de décadas de lutas, de massacres, de prisões, de sacrifícios. Mandela aceitou ser eleito presidente, para concluir esse longo caminho, com a consciência de que estava longa de ser conseguida a emancipação dos sul-africanos. O país manteve a mesma inserção no sistema econômico mundial, as estruturas capitalistas de dominação não foram atingidas. A desigualdade racial foi profundamente afetada, mas não as desigualdades sociais.

Por esta via, os negros sul-africanos continuaram a ser vítimas, agora da pobreza, que os segue afetando de maneira concentrada. Os governos posteriores foram impotentes para mudar o modelo econômico e promover os direitos sociais  da massa da população. Os ideias de Mandela se realizaram, com o fim do apartheid, da discriminação racial legalmente explicitada, mas não permitiu aos negros saírem da sua condição de massa super explorada, discriminada, agora socialmente.

Mas a figura de Mandela permanece como a do maior líder popular africano, porque tocou no tema essencial de todo o período histórico da colonização – a escravidão. Ele soube combinar a resistência pacifica e violenta, para canalizar a força acumulada dentro e fora do país, para negociações que terminaram com o apartheid.

O historiador marxista britânico Perry Anderson considera Nelson Mandela e Lula como os maiores líderes populares do mundo contemporâneo, não apenas pelo sucesso das lutas a que eles se dedicaram – contra a discriminação racial e contra a fome -, mas também porque tocam em temas fundamentais das formas de exploração e de opressão do capitalismo. O apartheid terminou, fazendo com que Mandela ficasse como um dos maiores lideres do século XX. Lula projeta sua figura no novo século, na medida em que a sobrevivência do capitalismo e do neocolonialismo reproduzem a fome e a miséria no mundo.

Fonte: CartaMaior