PETRÓLEO NAS MALVINAS: UM PROBLEMA PARA O BRASIL?

PETRÓLEO NAS MALVINAS: UM PROBLEMA PARA O BRASIL?

 Grandes depósitos de petróleo recém-descobertos na plataforma continental das Ilhas Malvinas pode aumentar significativamente as tensões entre Argentina e Reino Unido, e isso poderia prejudicar a estratégia brasileira de manter a estabilidade regional em seu entorno estratégico.

Imagem: MD.

Imagem: MD.

 

Oil in the Malvinas/Falklands: Brazil’s next regional headache?

Post-Western World – 08/03/2014 – por Oliver Stuenkel

Brazil, foreign policy observers often point out, is blessed. Contrary to many other emerging powers such as China or India, it is located in a neighborhood that rarely experiences interstate tension or war. Not only can Brazil live on a relatively small defense budget, while India is the world’s largest arms importer. Brazil can also dedicate considerable time and energy towards extending its global diplomatic reach without constantly being forced to deal with trouble in its neighborhood.

There are few signs that this will change in the near future. Brazil usually engages when political stability in a nearby country is at risk — such as in Paraguay in 1996 and 2012, in Venezuela in 2002 and in Honduras in 2009. Aside from protecting its economic interests, policy makers in Brasília also seek to keep the region free of tension and crises (usually acting through regional institutions such as Mercosur and Unasur) to avoid interference by the United States or any other outside actor. Over the past decade, defending political stability in the region has turned into one of Brazil’s key foreign policy goals.

While recent troubles are usually domestic in nature, involving a sudden impeachment by a president in Paraguay and social unrest in Venezuela, another crisis may be lurking around that corner that, due to its international nature, is likely to give headaches to Brazilian foreign policy makers. While the territorial dispute between Argentina and the United Kingdom is nothing new, significant oil findings around the Malvinas/ Falkland Islands (an Overseas Territory of the United Kingdom claimed by Argentina) could significantly sharpen the existing antagonism between the two countries involved.

The head of Argentina’s new Malvinas Secretariat recently announced that firms drilling off the islands’ coasts would be ineligible to exploit shale-oil and gas in Patagonia. Late last year, Argentina’s congress passed a law that imposes prison sentences of up to 15 years and fines of up to $1.5 billion on anyone involved in exploring the islands’ continental shelf without its permission.

Meanwhile, the appointment of a new governor of the islands by the British government led Argentina’s Ambassador to the UK, Alicia Castro, to write an op-ed in The Guardian this week, accusing London to violate international law in this “pending case of decolonization”. She writes that the UK, refusing to resolve the dispute, aims to justify the continued occupation of the islands by invoking the right to self-determination for the current British inhabitants. Yet,

The right of self-determination of peoples is not applicable to any or every human community, but only to “peoples”. In the case of the inhabitants of the Malvinas, we do not have a separate “people”, still less one subjected to colonialism. The British residents of the islands do not have the right to resolve the sovereignty dispute between Argentina and the UK: nobody doubts they are British, and can continue to be so, but the territory in which they live is not. It belongs to Argentina. 

In response, the island’s Chair of the Legislative Assembly, Mike Summers, argued that the inhabitants’ approach was “fully in accord with the universal right to self determination set down in the UN Charter.”

The topic continues to appear regularly not only in Argentina, but also in the United Kingdom. In late February, the British media sounded alarm at increases in Argentina’s defense budget and quoted Admiral Lord West, who was at the helm ofHMS Ardent when it was sunk in the 1982 War, saying: “Any major increase in defence expenditure by Argentina must be viewed with concern. I am concerned that, without any ­aircraft carriers, we are incapable of ­recapturing them.” He continued pointing out that Britain’s new carriers will not be operational until 2020 and until then Argentina had a “window of opportunity”.

In August 2013, Argentina’s President took advantage of her country’s term as temporary President of the UN Security Council to address the issue. The region stands firmly behind Argentina – as do most other developing countries. As The Economist reported on the meeting,

…several ministries echoed Ms Fernández’s concerns. On behalf of CELAC Cuba’s foreign minister recognised “Argentina’s legitimate claim on the sovereignty” over the Falklands (and raised the issue of nuclear disarmament, a dig at Britain’s alleged missile-carrying vessels in the South Atlantic). Venezuela’s bemoaned the islands’ “colonial situation”. And their Uruguayan opposite number promoted “a South Atlantic zone of peace”, denouncing what he termed the “illegitimate activities of oil exploitation” in waters near the Falklands.

Britain, on the other hand, frequently points to the last referendum in March 2013, during which more than 99% of the islands’ inhabitants expressed their desire to maintain their current political status:

When the result was announced in Stanley, the capital—which was plastered with union flags crossed with the words “British to the core”—crowds toasted “Her Majesty and the Falklands” and sang “Rule Britannia”.

For Argentina’s foreign policy makers, the disputed islands has long been a key issue. For neighboring Brazil, all these does not seem to matter much at first glance. When Great Britain’s foreign secretary recently visited Brazil, the issue was not on the agenda. However, massive oil findings in the area would dramatically increase both the islands’ economic importance and make finding a solution to the dispute far more difficult. In the face of tougher Argentine rhetoric, the United Kingdom could  increase its military presence (which currently stands at 1,300 troops backed by four Typhoon jets), complicating Brazil’s maritime strategy in the South Atlantic. If Argentina imposed a full-scale economic blockade of the islands, tension would almost certainly increase further. It surely is in Brazil’s interest to avoid such a scenario.

Fonte: ISAPE

http://isape.wordpress.com/2014/03/09/petroleo-nas-malvinas-um-problema-para-o-brasil/

Argentina files dispute against the European Union over biodiesel

20 December 2013

DISPUTE SETTLEMENT

Argentina files dispute against the European Union over biodiesel

Argentina notified the WTO Secretariat on 19 December of a request for consultations with the European Union regarding anti-dumping measures imposed by the European Union on biodiesel from Argentina, as well as regarding the legislation under which the EU estimated the costs associated with the production and sale of products that were the object of an Anti-Dumping investigation.

In Argentina’s view, the measures are inconsistent with several provisions of the WTO Agreements regarding Anti-dumping.

This is the third case filed by Argentina against measures adopted by the European Union affecting imports of Argentine biodiesel. The others were in August 2012 and May 2013.

Fonte: http://www.wto.org/english/news_e/news13_e/ds473rfc_20dec13_e.htm

Argentina y Brasil acuerdan acciones contra espionaje de EEUU

Imagemsil, Argentin

 

Actualizado:

20/09/2013 00:15 GMT

 

Argentina y Brasil han decidido este jueves llevar a cabo acciones conjuntas a fin de encarar el espionaje de Estados Unidos en América Latina, según informa un comunicado de la Cancillería argentina. 

El espionaje de la Agencia Nacional de Seguridad de EE.UU. ha sido uno de los temas abordados en un encuentro entre los ministros de Exteriores de Argentina, Hector Timerman, y de Brasil, Luiz Alberto Figueiredo Machado, en Buenos Aires, la capital argentina. 

“Los cancilleres plantearon la necesidad de coordinar posiciones y realizar acciones conjuntas frente a las actividades de espionaje de los Estados Unidos en la región”, reza el documento. 

Los dos jefes de la Diplomacia, asimismo, han resaltado la importancia de “avanzar en el desarrollo de herramientas de ciberdefensa, que protejan las comunicaciones y el almacenamiento de información estratégica”. 

Durante la jornada de este jueves, decenas de miembros de los movimientos sociales se han congregado fuera del consulado de Estados Unidos en Río de Janeiro, sureste de Brasil, para protestar contra los programas de vigilancia que aplica EE.UU. al gigante suramericano. 

Después de que la prensa brasileña, basándose en las filtraciones de Edward Snowden, extécnico de la NSA, revelara que tanto la Presidencia como la petrolera estatal de Brasil habían sido víctimas del espionaje de EE.UU., la mandataria del país suramericano, Dilma Rousseff, decidió aplazar la visita de Estado que tenía prevista para el 23 de setiembre a Washington.

- See more at: http://www.hispantv.ir/detail/2013/09/20/241377/argentina-brasil-acuerdan-acciones-espionaje-eeuu#sthash.cD2BWmQX.dpuf

Fonte: http://www.hispantv.ir/detail/2013/09/20/241377/argentina-brasil-acuerdan-acciones-espionaje-eeuu

 Vejam mais matérias sobre América Latina

Sem data para avançar, Mercosul convive com insatisfação e dúvidas

O adiamento da próxima reunião de cúpula do Mercosul, anunciada nesta semana, ocorre em um momento em que o bloco ─ formado por Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela ─ vive um momento de insatisfação de seus membros e de dúvidas sobre seu futuro.

A cúpula estava prevista para junho e agora permanece sem data definida, com previsão para agosto ou setembro, de acordo com assessores do Ministério das Relações Exteriores do Uruguai.

A presidente da Argentina,. Cristina Kirchner, e a presidente Dilma Rousseff (Roberto Stuckert Filho/ABr)

Tensão entre Brasil e Argentina seria um dos motivos da paralisação do Mercosul

Oficialmente, o adiamento foi anunciado para dar tempo para que o presidente eleito do Paraguai, Horacio Cartes, participe do encontro após tomar posse, em agosto. O país foi suspenso do bloco em junho passado.

Por questões internas, a Venezuela (cujo status oficial como membro pleno ainda depende de aprovação pelos paraguaios) também teria pedido mais tempo antes de assumir a presidência temporária do Mercosul.

No entanto, analistas e fontes ligadas aos países-membros destacaram a existência de vários motivos de insatisfação, que se somam a sinais de que o Uruguai está buscando ampliar sua participação em outro bloco, a Aliança do Pacífico (formada por Chile, Colômbia, Peru e México).

‘Nova etapa’

“O grupo tem dado sinais de estar paralisado e de não ter condições de fechar acordos com outros blocos”, disse o professor de relações internacionais da Universidade da Republica, de Montevidéu, Marcel Villant.

“Mas acho que este adiamento responde a uma questão institucional, para dar tempo ao Paraguai para que tenha novo presidente empossado.”

Para o professor de Relações Comerciais e Internacionais da Universidade Tres de Febrero, de Buenos Aires, Felix Peña, o Mercosul está terminando a “etapa de fundação” para entrar em uma nova etapa “que não sabemos qual será”.

Esta etapa inclui, como chamou, “ruídos” entre o Brasil e a Argentina e a atenção que o Uruguai tem dado à Aliança do Pacífico.

Brasil e Argentina

Segundo observadores brasileiros, nos últimos dias, o mal-estar do Brasil com a Argentina está ligado à decisão do governo da presidente Cristina Kirchner de estatizar as ferrovias do país que estavam desde os anos 1990 sob a concessão de uma empresa brasileira, a ALL (América Latina Logística).

Nos bastidores do governo brasileiro, em Brasília, afirmaram que a medida era “esperada”, mas o que surpreendeu foi a forma como foi anunciada, sem aviso às autoridades brasileiras, o que teria aumentado a “desconfiança” entre os dois países.

Brasil e Argentina costumam ser apontados por assessores dos governos e por especialistas como “âncoras” do bloco.

Devido a estas e outras diferenças com a Argentina, o Brasil apoiou o adiamento da reunião, como contaram assessores governamentais.

Além da ALL, a lista de insatisfações do Brasil com seu sócio inclui medidas do governo argentino que levaram à suspensão de investimentos da companhia de mineração Vale no país vizinho e à manutenção da exigência da Declaração Juramentada Antecipada de Importações (DJAI), que atrasa as vendas do Brasil para o mercado vzinho.

Aliança do Pacífico

Alguns setores do governo e do empresariado brasileiro reforçam a visão de uma paralisação no bloco.

Segundo eles, outros grupos estão avançando nos entendimentos enquanto o Mercosul está “preso” a questões como as disputas entre Brasil e Argentina e as dificuldades (atribuidas no Brasil à Argentina e na Argentina ao Brasil) a acordos como entre o bloco e a União Europeia.

“Definitivamente não é um momento glorioso do Mercosul”, disseram negociadores brasileiros do bloco sul-americano.

Por sua vez, o vice-presidente do Uruguai, Danilo Astori, disse que seu país está interessado em “passar de observador para membro pleno” da Aliança do Pacífico, informou nesta semana a imprensa uruguaia. O bloco comercial foi lançado no ano passado.

“O problema é que enquanto dois sócios do bloco (Argentina e Venezuela) estão voltados para questões internas como controle de câmbio, outros querem avançar, mas veem o Mercosul limitado, como é o caso do Uruguai”, disse Marcel Villant.

Fonte: BBCBrasil

Crise cambial na Argentina se intensifica

Crise cambial na Argentina se intensifica

22/03/2013 – 12h08

Da BBC Brasil

Brasília – Medidas anunciadas no início da semana pelo governo da presidenta Cristina Kirchner sacodem o mercado cambial argentino. As medidas aumentam as taxas para gastos com cartão de crédito no exterior e outros itens do setor de turismo, como pacotes de viagens.

Desde o anúncio das medidas, na segunda-feira (18), a cotação do dólar voltou a registrar volatilidade no mercado paralelo. A moeda norte-americana superou a barreira dos 8 pesos na última quarta-feira e ontem (21), apesar da leve queda, fechou cotada a 8,45 pesos – diferença acima de 60% para a cotação oficial, de 5,1 pesos.

Analistas econômicos atribuíram ainda à nova onda de nervosismo fatos como a reunião de emergência, convocada pela presidenta com seus assessores econômicos na quarta-feira, na residência presidencial de Olivos.

A iniciativa foi considerada pouco comum na agenda presidencial e gerou uma série de boatos na imprensa sobre mudanças na política cambial e substituição da presidenta do Banco Central, Mercedes Marcó del Pont.

Desde que o governo implementou o controle cambial, há 17 meses, no fim de 2011, o dólar ganhou diferentes denominações e cotações na Argentina.

A espiral na cotação da moeda norte-americana no paralelo voltou a ser tema de debates nas principais emissoras de rádio e de televisão do país. O dólar é usado com frequência, por exemplo, na compra e venda de imóveis – setor que registrou forte queda desde o controle cambiário, de acordo com dados das câmaras imobiliárias.

Assim como ocorre com o dólar, o real também tem câmbio paralelo no país. A cotação oficial está em torno dos 2 pesos, já a paralela pode superar, dependendo do dia, a barreira dos 4 pesos.

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-03-22/crise-cambial-na-argentina-se-intensifica

Imagem

Justiça da Argentina julga Videla e outros repressores por Plano Condor

Plano articulou regime totalitários numa máquina de inteligência, sequestro e assassinato de militantes de esquerda

Os ditadores argentinos Jorge Rafael Videla e Reynaldo Benito Bignone voltam ao banco dos réus nesta terça-feira (05/03) em Buenos Aires com outros 23 repressores para responder pelo desaparecimento de 106 pessoas perseguidas pela Operação Condor dentro e fora do país. De acordo com o diário Página 12, a maioria das vítimas desse caso é uruguaia, mas também há argentinos, paraguaios, chilenos e um peruano. Três deles desapareceram no Brasil.

Videla (à esquerda) e Bignone (centro), durante julgamento por crimes cometidos durante a ditadura militar argentina

Os 25 acusados serão julgados por sua participação local na Operação Condor. Iniciada extraoficialmente em 1975, em Santiago, no Chile, a iniciativa articulou os regime totalitários do Cone Sul numa máquina de inteligência, sequestro e assassinato de militantes de esquerda que se opunham às ditaduras na região. Cerca de 450 testemunhas serão ouvidas pela Justiça argentina e o julgamento deve durar dois anos.

“A denúncia avançou devido ao conceito de ‘crime continuado’”, explicou ao jornal argentino o promotor Miguel Angel Osorio, que conduz as acusações. “Quando uma pessoa foi sequestrada e não é possível saber o que aconteceu com ela, se morreu ou continua viva, é como se o crime continuasse ocorrendo. Daí não é possível indultar nem anistiar os responsáveis. O Estado tem obrigação de interromper o delito. Depois, pode até anistiar. Mas, antes, tem de julgá-lo.”

Dos 25 repressores acusados, 23 estão sendo processados por associação ilícita e privação ilegal de liberdade. Não responderão por tortura ou assassinato, embora em muitos casos, diz o Página 12, esteja comprovado que as vítimas foram transladadas para outros países e mortas. “A Operação Condor eliminou as formalidades que costumam permear as relações internacionais para sequestrar pessoas”, explica Pablo Ouviña, promotor que elaborou as acusações.


“Há argentinos e chilenos sequestrando e torturando juntos.” Para Miguel Ángel Osorio, a nacionalidade de vítimas e repressores não importa tanto. “Importa se realmente atuaram executando esse plano de coordenação repressiva em nível continental ou mundial, porque também atuaram na Europa e nos Estados Unidos.”

Videla, de 87 anos, já foi condenado a duas penas de prisão perpétua e a uma de 50 anos, enquanto Bignone, de 85 anos, último ditador antes da transição democrática, tem uma condenação perpétua, outra de 25 anos e uma terceira de 15 anos, por graves violações aos direitos humanos. No banco dos réus se sentará também o ex-general Luciano Benjamín Menéndez, de 85 anos, que acumula sete sentenças de prisão perpétua por torturas, homicídios e desaparecimentos.

Bomba

Nesta segunda-feira (04/03), a Secretaria de Direitos Humanos da Argentina recebeu ameaças de bomba feitas, de acordo com comunicado emitido pelo órgão, pelo “Comando Patriótico”, cujo objetivo era exigir o fim dos julgamentos de repressores da ditadura no país.

“Não é uma coincidência que essas ameaças coincidam com o início do julgamento de delitos de lesa humanidade vinculados ao Plano Condor, que implicou na participação conjunta das ditaduras da Bolívia, Chile, Uruguai, Peru, Paraguai, Brasil e Argentina em uma coordenação repressiva nos anos 70 e 80″, afirma o documento.

Fonte: OperaMundi

RT: “Reino Unido exige apoyo francés en una posible guerra por las Malvinas”

Publicado em 23/01/2013

Francia debe apoyar al Reino Unido en caso de un eventual conflicto bélico por las islas Malvinas, según la exigencia al país galo realizada por un grupo de parlamentarios británicos.

Para ellos, la guerra con Argentina es una posibilidad muy real y quieren asegurarse el apoyo de París a cambio de la ayuda logística para el conflicto de Mali que Londres le proporciona en la actualidad.

Fonte; RT em espanhol

Bolívia aceita fazer parte do Mercosul

São Paulo – O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse na última quinta-feira (22) que o país aceita fazer parte do Mercosul, bloco econômico formado por Brasil, Argentina, Uruguai, Venezuela e Paraguai – que está atualmente suspenso devido à “quebra da institucionalidade democrática” provocada pelo impeachment relâmpago do ex-presidente Fernando Lugo, no último 22 junho.

“As razões para pertencer ao Mercosul é que nenhum de seus membros têm tratados de livre comércio (TLC) com os Estados Unidos”, afirmou Morales em um discurso transmitido pela tevê durante a comemoração de dois anos de uma força militar chamada Grupo Aéreo Presidencial. O presidente lembrou que, por outro lado, dois países da Comunidade Andina de Nações (CAN), bloco regional de que faz parte, mantêm acordos do gênero com Washington: Colômbia e Peru.

A Bolívia atualmente é membro associado do Mercosul. O país recebeu há apenas três dias um convite formal para integrar o bloco como membro pleno. De acordo com o chanceler boliviano, David Choquehuanca, a oferta lhe foi dirigida pelo alto representante do Mercosul, o brasileiro Ivan Ramalho, durante uma visita a La Paz. “Uma vez o país tome a decisão, já iniciaremos um processo de diálogo na próxima Cúpula do Mercosul, em Brasília, nos dias 6 e 7 de dezembro”, disse Choquehuanca na ocasião.

Além de coordenar aspectos técnicos, como a fixação de tarifas comuns, o futuro ingresso da Bolívia como membro pleno do Mercosul dependerá da aprovação dos congressos de todos os países que formam o bloco. O último país a entrar no Mercosul foi a Venezuela, cuja adesão oficializou-se no dia 31 de julho, depois de seis anos de negociação política e econômica. Ainda assim, a entrada dos venezuelanos se deu sem o consentimento do parlamento paraguaio, já que o país estava suspenso.

A Cúpula Social do Mercosul, que acontece em Brasília entre os dias 4 e 7 de dezembro, deverá abordar o tema do ingresso da Bolívia. A presença dos presidentes do bloco já está conformada, menos do Paraguai, suspenso do bloco.

Fonte: RedeBrasilAtual

Leia outras notícias sobre o Mercosul.

Greve geral paralisa Argentina

As principais centrais sindicais argentinas lideraram, na terça-feira, 20 de Novembro, a primeira greve geral em cinco anos de governo da presidente Cristina Kirchner, reeleita em 2011.

A paralisação incluiu o funcionalismo público, professores, bancários, lixeiros, técnicos aeronáuticos, além de algumas linhas de trens e de metrô.

Cristina Kirchner / AFP

Presidente da Argentina, Cristina Kirchner criticou greve geral

Segundo a Central Geral dos Trabalhadores (CGT) e a Central de Trabalhadores Argentinos (CTA), chamada “CTA dissidente”, o protesto incluiu o bloqueio de 160 pontos de estradas e avenidas do país e teria sido de “90% alguns locais e de até 100% em outros”.

A paralisação levou ao cancelamento de voos das companhias aéreas Aerolíneas Argentinas, Austral e Lan para o interior do país e para cidades brasileiras, como São Paulo e Rio de Janeiro.

De acordo com informações disponíveis nos sites dos aeroportos Jorge Newbery (Aeroparque) e o internacional de Ezeiza, em Buenos Aires, os voos da TAM e da Gol operaram sem alterações.

Em Buenos Aires, táxis circularam normalmente, mas ônibus vazios e pouco trânsito deixaram a cidade como nos feriados.

Críticas do governo

A greve foi criticada por autoridades do governo da presidente Cristina Kirchner.

“Esse ‘piquetazo’ só tenta frear o avanço do nosso país”, disse o chefe da Casa Civil da Presidência argentina, Abal Medina.

Já a presidente pediu “uma grande responsabilidade para manter o modelo econômico”, que gerou, segundo ela, “mais de 5,5 milhões de empregos”.

Em sua conta no Twitter, a presidente escreveu: “Acho que o que estamos fazendo é o mais adequado para os interesses da Argentina. Se estou equivocada, o povo com seu voto vai decidir que outro modelo ou que outro projeto quer seguir”.

Em um discurso transmitido pelas emissoras de televisão, a presidente falou sobre a história e a trajetória do país, além do legado que recebeu do marido, o ex-presidente Nestor Kirchner (2003-2007), morto em 2010.

Sobre a paralisação, ela lembrou, como de praxe, do ex-presidente argentino Juan Domingo Perón (1946-1955/1973-1974) e de sua primeira mulher, Eva (Evita).

“Hoje não falemos em protestos, mas em pressões e em ameaças. E ninguém me fará desistir. Estes não são os lideres (sindicais) que queriam Perón (criador do peronismo) e Eva (Evita Péron). As pessoas querem trabalhar”.

Cristina também pediu “desculpas” aos que não puderam viajar, nesta terça-feira, na companhia estatal Aerolíneas.

“Nós recuperamos a Aerolíneas para todos os argentinos”, afirmou.

A presidente lembrou ainda que uma vez, quando era parlamentar, foi atingida por ovos e fez um paralelo com a greve desta terça-feira.

“Estes (de hoje) são os mesmos que me jogaram ovos”, afirmou.

Opinião dos sindicatos

Momentos antes, o presidente da CGT, Hugo Moyano, disse que era “um dia de festa” devido à “alta participação dos trabalhadores” na greve.

“A cidade está vazia e com seu silêncio os trabalhadores expressaram a insatisfação (com o governo)”, afirmou.

Outro sindicalista, Pablo Micheli, da chamada “CTA dissidente”, disse esperar que a paralisação “sirva para o governo dialogar” com os manifestantes.

O presidente da Federação Agrária, Eduardo Buzzi, afirmou que “os trabalhadores estão cansados da soberba governo e da inflação”.

“Nós hoje demonstramos que é possível parar um país para que as demandas sejam atendidas”, disse.

Os sindicalistas deram entrevista coletiva diante das câmeras de televisão. Eles argumentaram que o protesto era contra a inflação e pelo aumento do salário mínimo, entre outras demandas.

Durante o dia foram registrados incidentes isolados como o rompimento de vidros do tradicional Café Tortoni, no centro da cidade, e protestos que impediram a distribuição do jornal Clarín, o mais vendido do país e apontado pelo governo como “opositor”.

Segundo levantamento do Centro de Estudos Nova Maioria, de Buenos Aires, esta foi a primeira greve geral em quase cinco anos de gestão de Cristina Kirchner e a 30ª quinta greve geral desde a restauração da democracia, em 1983.

“Cristina Kirchner é a primeira presidente que governou um mandato completo (2007-2011) sem ter uma greve geral”, diz um trecho do estudo.

Fonte: BBCBrasil

Leia outras notícias sobre a Argentina.

Especial polícias: como Chile, Argentina e Brasil pensam a segurança pública

Repórteres nos três países revelam diferentes modelos de policiamento e elucidam o processo de desmilitarização

Enquanto os candidatos à Prefeitura de São Paulo discutem a viabilidade de aumentar o contingente e o poder da Guarda Civil Metropolitana, outros problemas relacionados às forças de segurança pública afligem a sociedade paulista. Os guardas civis metropolitanos dividem o patrulhamento das ruas com a Polícia Militar, responsável pelo trabalho ostensivo no Estado de São Paulo.

Essa instituição, que foi criada por decreto da Ditadura Militar em 1970, acumula desde aquela época denúncias de abusos contra a população. De 2005 até este mês, pelo menos 3206 pessoas foram mortas pela Polícia Militar, segundo dados da Secretaria de Segurança Publica do Estado de SP. Neste mesmo período, a ROTA, batalhão criado durante o regime militar, matou cerca de 500 pessoas.

Movimentos sociais e organizações de direitos humanos atribuem a alta letalidade e a violência das ações da polícia militar ao seu vínculo com o período ditatorial e propõem que a estrutura do órgão seja desmilitarizada. O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas aderiu ao pedido no último mês de maio, quando recomendou ao governo brasileiro o combate dos grupos de extermínios presentes em suas forças de segurança pública (os chamados “esquadrões da morte”) e a extinção da Polícia Militar.

O caso brasileiro não é único entre os países latino-americanos, marcados por regimes militares altamente repressivos na história recente e que ainda lutam pela consolidação dos direitos democráticos.

Opera Mundi traz três matérias sobre diferentes modelos de policiamento e de segurança pública vigentes na América do Sul. De um lado, Aline Boueri e Luciana Taddeo revelam as experiências da população argentina ao lado de uma polícia totalmente desmilitarizada. De outro, Victor Farinelli revela a lógica de funcionamento dos Carabineros de Chile, instituição de cunho fortemente repressivo, que foi reativada durante a ditadura do general Augusto Pinochet. Por fim, Fillipe Mauro e Marina Mattar refletem acerca do caso brasileiro, dando voz a especialistas sobre a necessidade ou não de desmilitarizar a PM.

No Chile, a corporação militar do país, os Carabineiros, foi criada em 1927 pela ditadura do general Carlos Ibáñezdel Campo (1927-1931) e reativada durante o regime de Augusto Pinochet (1973-1990), adquirindo caráter ainda mais repressivo. Neste período, foi criado o batalhão de Forças Especiais, com a determinação de atuar no “controle de multidões e manifestações, visando à manutenção da ordem pública”, segundo um instrutivo interno da instituição.

Este grupo da polícia militar é responsável até hoje pela repressão de protestos e recebe a maior parte das denúncias contra violência policial no Chile. Somente nas marchas estudantis ocorridas entre junho de 2011 e o mesmo mês de 2012, foram registradas 3147 denuncias de abusos, torturas, nudez forçada e detenções injustificadas no INDH (Instituto Nacional de Direitos Humanos).

Segundo o historiador Sergio Grez Toso, da Universidade do Chile, nos governos da Concertação (aliança de centro-esquerda que governou o país após a ditadura, entre 1990 e 2010) não houve mudanças estruturais na polícia militar. Somente em 2007, durante o governo da socialista Michelle Bachelet, foi estabelecido um curso de direitos humanos para oficiais de alta patente, o que foi mantido pelo atual presidente, Sebastián Piñera.

Grande parte dos estudiosos e ativistas envolvidos com a questão da violência policial aponta que a desmilitarização pode ser a chave para solucionar este problema, entendido como uma herança maldita das ditaduras. Foi essa percepção que motivou os argentinos a desmilitarizarem suas polícias durante a redemocratização em 1992.

Desde 1992, a Gendarmería e a Prefectura Naval – oriundas do Exército e da Marinha respectivamente – passaram a ser controladas por civis. Para Marcela Perelman, coordenadora da equipe de Políticas de Segurança e Violência Institucional do Centro de Estudos Legais e Sociais, este foi um importante marco para a democracia argentina.

“Vale a pena recapitular que, na transição democrática da Argentina, quando se começou a discutir que lugar teriam as Forças Armadas e Policiais, um dos consensos foi a demarcação entre Segurança Interior e Defesa. A lei de Segurança Interior, de 1992, mostra que deve haver atividade militar no interior do país, nem a identificação de inimigos internos”, explica Marcela.

A ruptura com o período da Ditadura Militar é questionada por Marcelo Saín, doutor em Ciências Sociais, deputado pela província de Buenos Aires e especialista em segurança pública. Ele afirma que, apesar do aparente caráter civil da Polícia Federal Argentina, que atua principalmente na Capital Federal, e da Polícia da Província de Buenos Aires (La Bonaerense, como é conhecida), ambas as forças são fortemente militarizadas em sua estrutura e atuação.

Para Georgina Arturi, da Coordenadoria Contra a Repressão Policial e Institucional (Correpi), o cotidiano dos moradores não foi alterado. “Todas são forças de segurança de um Estado que tem como política a repressão preventiva, voltada para os jovens de setores populares, e seletiva, voltada para militantes de organizações sociais”, afirma. “Desde 1983 até hoje, 66 pessoas foram assassinadas pelas forças de segurança durante protestos sociais. São mais de 3500 mortos pelo aparelho repressivo do Estado desde 1983. De que democracia estamos falando?”

Muitos brasileiros têm a certeza de que as práticas da polícia militar devem mudar para o órgão se adequar ao regime democrático e aos direitos do cidadão. Milhares de pessoas assinaram um abaixo-assinado nas redes sociais pelo fim da Polícia Militar de São Paulo e movimentos como as Mães de Maio e a Rede 2 de Outubro, que lutam pela desmilitarização e pela justiça popular, se fortalecem cada vez mais.

Consultado pela reportagem de Opera Mundi, André Vianna, especialista em segurança pública do CICV (Comitê Internacional da Cruz Vermelha) e coronel da reserva da Polícia Militar de São Paulo, acredita que a desmilitarização não vai resolver o problema.

É o que pensa Luciana Guimarães, diretora da ONG Sou da Paz. Para ela, não há sentido algum na desmilitarização das corporações já que esse processo não significa abolir seu trabalho ostensivo. “Mesmo com essa mudança, a formação e a agenda da polícia seria muito semelhante, pois não é mudando o nome que toda a corporação vai mudar” disse ela ao Opera Mundi.

Para Luciana, é necessário que as instituições de controle e o treinamento da polícia militar sejam aperfeiçoados.  “Há necessidade de um processo de ajuste da doutrina (documentos que orientam a atuação), da educação (formação), do treinamento continuado (aos que estão já em atividade) e, sobretudo, no sistema de controle interno”, acrescenta André.

No entanto, alguns estudiosos não concordam com essa posição e afirmam que a polícia, militar ou civil, continuará agindo com truculência e de forma abusiva nas periferias das grandes cidades. “A polícia é um instrumento de governo da conflictividade da política democrática e isso explica porque a política democrática na Argentina não é simpática a uma reforma policial. Porque a polícia serve para disciplinar os setores populares, para controlar politicamente a oposição, para regular mercados ilegais e o crime organizado”, argumenta Saín.

Enquanto que o problema da violência policial e da alta letalidade das forças de segurança pública é claro e explícito em nossa sociedade, sua solução parece levantar muitas interrogações.

Fonte: OperaMundi