Bahraini prince loses diplomatic immunity and could face arrest if he returns to Britain over claim he tortured protesters during Arab Spring uprising

A Bahraini Prince could face prosecution over claims he tortured protesters during an Arab Spring-inspired uprising after the High Court overturned a decision granting him diplomatic immunity.

The Crown Prosecution Service had previously said Prince Nasser bin Hamad al-Khalifa could not be investigated over claims he was involved in the torture of prisoners during a pro-democracy uprising in Bahrain in 2011.

However, two judges today quashed Director of Public Prosecutions’s decision, raising the possibility, albeit unlikely, that Prince Nasser could be arrested if he travels to the UK.1412687457725_wps_71_08_Dec_2013_Manama_Bahrai

The government of Bahrain ‘categorically denies’ the claims made against Prince Nasser, and says that any decision on immunity was ‘academic’ due to a lack of evidence against the royal.

The case arose after a Bahraini citizen, referred to only as FF, sought the arrest of Prince Nasser, alleging that he was involved in the torture of detained prisoners.

However, he was told that the prince would be immune from prosecution because of his royal status.

FF, who has been granted asylum in the UK, claims he was badly beaten and given a prison sentence after taking part in protests in the Gulf state in February 2011 which have since left dozens dead, mainly demonstrators.

Tom Hickman, appearing for FF, told the High Court the CPS was claiming the prince had immunity under Section 20 of the State Immunity Act 1978 as a member of the Bahraini royal household and also in relation to his role as Commander of the Royal Guard.

Mr Hickman said the prince was ‘a regular visitor to these shores’, and for that reason FF was seeking to take action against him under the UK’s extra-territorial criminal jurisdiction over acts of torture.

In a statement, FF said: ‘Now the prince has lost his immunity he will need to consider the risk of investigation, arrest and prosecution when he is travelling outside Bahrain.

‘Whilst he is visiting other royal families and horse-riding, there are 13 prisoners of conscience.

‘Two of them have said in open court in Bahrain that the prince tortured them, yet they were still convicted.

‘It is time for the British Government to review its policy of co-operation and support for this regime.’

His solicitor, Sue Willman, of Deighton Pierce Glynn, said in a statement: ‘The UK has a duty under the convention against torture and under its own laws to investigate, arrest and prosecute those who are alleged to have committed acts of torture abroad.

‘They should be applied to all, regardless of the UK’s economic interests.’

The quashing order was made by Lord Justice Laws and Mr Justice Cranston, with the consent of the DPP.

Mr Hickman told the court that the DPP was suggesting that its concession on immunity was ‘academic’ because of a lack of evidence against the prince.

Mr Hickman said: ‘We don’t agree with that. We say that this concession clears the way for an investigation of the prince and for consent for an arrest warrant to be sought – and there is further evidence that will be submitted.’

A spokeswoman for the Government of Bahrain said: ‘As the British DPP has today affirmed, an arrest would have been improper given the absence of evidence of the conduct alleged.

‘As Bahrain has never sought anonymity or sovereign immunity from the English Courts for anyone in respect of this case, it expresses no view on the DPP’s statement that immunity was inappropriate.

‘This has been an ill-targeted, politically-motivated and opportunistic attempt to misuse the British legal system.

‘The Government of Bahrain again categorically denies the allegations against Sheikh Nasser.

‘The Government reiterates its firm condemnation of torture and recognises its responsibility to investigate any reasonable allegation.

‘The Government remains committed to implementing the wider reforms as recommended by the Independent Commission of Inquiry and welcomes constructive engagement with responsible campaigners in pursuit of that aim.’

The government of Bahrain went on to reject claims that the quashing order could now lead to a prosecution of the prince.

The government’s spokeswoman said: ‘Contrary to assertions being made in the wake of today’s hearing, the court order does not open the door to a prosecution.

‘Rather, the Crown Prosecution Service (CPS) said the decision on immunity was academic as it had solid fact-related grounds for the basis on which it determined it could not prosecute Sheikh Nasser.

‘All this was made plain in court today. In short, the situation has not, and will not, change as there is no evidence for the allegations.’

Deborah Walsh, Deputy Head of Special Crime and Counter Terrorism at the CPS, said there would need to be a police investigation before any potential prosecution could be considered.

‘In line with recent case law on this issue, we can no longer maintain our position that the Prince could have immunity,’ she said.

‘We have always maintained that the issues raised by this Judicial Review are academic as before the DPP can consent to any application for a private arrest warrant, there needs to be an investigation by police. The likelihood of immunity is not considered a bar to prosecution and is a matter that should be considered on a case’s individual facts and merits, after some investigation. The Metropolitan Police Counter Terrorism Command is responsible for the investigation of all allegations of war crimes, crimes against humanity, genocide and torture, and has previously said that it would not undertake an investigation in relation to this matter for a number of reasons; the possibility of immunity was not one.

‘The CPS is committed to the prosecution of war crimes and we take our responsibilities under international law very seriously. Whenever the evidence and law allows us to do so, we will vigorously pursue prosecutions through the UK courts. We have a well-established War Crimes Community Involvement Panel that consists of law enforcement, NGOs and others which has been cited internationally as an example of good practice. This meets regularly to discuss issues of concern and relevance and helps to improve our collective knowledge and understanding in this field.’

MailOnline

CtIDH – “Sentencia Sobre el Alcance del Principio de Legalidad y de Retroactividad y el derecho a Recurrir el Fallo para Altas Autoridades en Suriname”

San José, Costa Rica, 24 de marzo de 2014.- La Corte Interamericana de derechos Humanos notificó el viernes 21 de marzo de 2014, la Sentencia de Excepciones Preliminares, Fondo, Reparaciones y Costas en el caso Liakat Ali Alibux Vs. Suriname, sometido a la jurisdicción de la Corte por la Comisión Interamericana de Derechos Humanos el 20 de enero de 2012. El texto íntegro de la Sentencia y el resumen oficial de la misma pueden consultarse en el siguiente enlace: http://www.corteidh.or.cr/index.php/es/casos-contenciosos.

corte-inter-1

El señor Liakat Ali Alibux ejerció los cargos de Ministro de Finanzas y Ministro de Recursos Naturales entre septiembre de 1996 y agosto de 2000. El 18 de octubre de 2001 se adoptó la Ley sobre Acusación de Funcionarios con Cargos Políticos (en adelante “LAFCP”), con el propósito de regular el procedimiento para el juzgamiento de quienes ejerzan o hayan ejercido cargos en la administración pública por presuntos actos delictivos cometidos en el ejercicio de sus funciones, establecido en el artículo 140 de la Constitución de Suriname. El señor Alibux fue investigado con motivo de la compra de un inmueble realizada entre junio y julio de 2000 en su calidad de Ministro de Finanzas, y sometido a un procedimiento ante la Asamblea Nacional y juzgado ante la Alta Corte de Justicia de Suriname en instancia única. Adicionalmente, el 3 de enero de 2003 al señor Alibux se le impidió salir de su país para un viaje personal. El 5 de noviembre de 2003 el señor Alibux fue sentenciado por la comisión del delito de falsificación y condenado a la pena de un año de detención y tres años de inhabilitación para ejercer el cargo de Ministro. El 27 de agosto de 2007 fue establecido en Suriname un recurso de apelación, para los procedimientos realizados con base en el artículo 140 de la Constitución, no obstante, el señor Alibux no utilizó dicho recurso.

En su Sentencia, la Corte concluyó que Suriname no era responsable por las alegadas violaciones de los principios de legalidad y de retroactividad, y a la protección judicial. No obstante, declaró la violación respecto del derecho a recurrir el fallo ante juez o tribunal superior y el derecho de circulación y residencia. En particular, la Corte consideró que al ser el proceso una secuencia jurídica en constante movimiento, la aplicación de una norma que regula el procedimiento con posterioridad a la comisión de un supuesto hecho delictivo no contraviene per se el principio de legalidad. Partiendo de lo anterior, la Corte constató que al momento de cometidos los hechos imputados al señor Alibux, estaba previsto el delito y el artículo 140 de la Constitución establecía las bases del procedimento para su juzgamiento, por lo que la aplicación inmediata de la LAFCP no afectó el tipo penal ni la severidad de la pena. La Corte concluyó que el Estado de Suriname no violó, en perjuicio del señor Liakat Ali Alibux, el principio de legalidad y de retroactividad, establecido en el artículo 9 de la Convención Americana.

Adicionalmente, la Corte determinó que la designación del máximo órgano de justicia a efectos del juzgamiento penal de altos funcionarios públicos, no es por sí misma contraria al derecho de recurrir un fallo ante juez o tribunal superior. No obstante, en el presente caso se constató la inexistencia de un recurso judicial que garantizara al señor Alibux su derecho a recurrir el fallo condenatorio al momento de su emisión, y para cuando dicho recurso fue creado en el 2007, la totalidad de la condena ya había sido cumplida, por lo que careció de efectividad. En virtud de lo anterior, la Corte concluyó que el Estado de Suriname incurrió en violación del artículo 8.2(h) de la Convención Americana. Respecto de la alegada violación del derecho a la protección judicial, la Corte constató que mediante la Resolución Interlocutoria de 12 de junio de 2003, la Alta Corte de Justicia resolvió las objeciones preliminares interpuestas por el representante legal. Adicionalmente, si bien la Corte reconoció la importancia de los Tribunales Constitucionales como protectores de los mandatos constitucionales y los derechos fundamentales, la Convención Americana no impone un modelo específico para realizar un control de constitucionalidad y convencionalidad, el cual está a cargo de todos los órganos del Estado.

Por tanto, el Estado no violó de manera autónoma el derecho a la protección judicial.

Respecto a la prohibición de salida del país impuesta al señor Alibux el 3 de enero de 2003, el Estado no demostró la existencia de una regulación clara y precisa que determine la legalidad de la restricción al derecho de circulación para el presente caso, por lo que incumplió con lo dispuesto em el artículo 22, incisos 2 y 3 de la Convención Americana.

En virtud de dichas violaciones, la Corte ordenó al Estado la adopción de determinadas medidas de reparación.

La Corte Interamericana supervisará el cumplimiento íntegro de la Sentencia y dará por concluido el caso una vez que el Estado haya dado cabal cumplimiento a lo dispuesto en la misma. La composición de la Corte para la emisión de esta Sentencia fue la siguiente: Humberto Antonio Sierra Porto, Presidente; Roberto F. Caldas, Vicepresidente; Manuel E. Ventura Robles, Juez; Diego García-Sayán, Juez; Alberto Pérez Pérez, Juez; Eduardo Vio Grossi, Juez, y Eduardo Ferrer Mac- Gregor Poisot, Juez.

Fonte: Central de Imprensa – Corte Interamericana de Direitos Humanos

Tribunal Penal Internacional

“O Tribunal Penal Internacional (TPI) é um tribunal permanente, criado pelo Estatuto de Roma, em 1998. Por seu caráter permanente, distingue-se dos dois tribunais ad hoc instalados por Resolução do Conselho de Segurança da ONU, exclusivamente para julgar crimes cometidos durante um determinado período nos territórios da extinta Yugoslávia e em Ruanda. Distingue-se também desses tribunais por ser um Tribunal independente do sistema das Nações Unidas.”

ANTECEDENTES HISTÓRICOS

Tribunal de Nuremberg
Textos & Reflexões

Tribunal de Ruanda
Textos & Reflexões

Tribunal da Ex-Iugoslávia
Textos & Reflexões

TPI

O que é o TPI, Cartilha
Texto integral da Cartilha

Texto I
Tribunal Penal Internacional

Texto II
Tribunal Penal Internacional

Texto III
Tribunal Penal Internacional

DOCUMENTOS

Estatuto de Roma
Do Tribunal Penal Internacional

Estatuto de Roma, Manual de Ratificação e Implementação do
Tribunal Penal Internacional TPI
PDF 0,90 MB 

Declaração de Haia
Posição das ONGs do Hemisfério Sul sobre o TPI

CASOS EXEMPLARES

O Caso Milosevic
Textos & Reflexões

O Caso Drazen Erdemovic
Ex-Iugoslávia

O Caso Dusan Tadic
Ex-Iugoslávia

O Caso Radovan Karadzic
Ex-Iugoslávia

O Caso Jean Kanbanda
Ruanda

O Caso Jean-Pierre Bemba
República Democrática do Congo RDC

O Caso Omar Al Bashir
Quênia

O Caso Pinochet
Textos & Reflexões

O Caso Haider
Textos & Reflexões

O Caso Stroessner
Textos & Reflexões

TEXTOS E SUBSÍDIOS

Textos e Reflexões
Tribunal Penal Internacional

Tribunal Penal Internacional: 
Afirmação contemporânea de uma idéia clássica e sua recepção na Constituição Brasileira 

Salomão Barbosa
PDF 1,59 MB 

O Tribunal Penal Internacional
André Almeida
PDF 0,03 MB 

Tribunal Penal Internacional: 
uma nova realidade do Direito Penal Internacional para a garantia da segurança dos Direitos Humanos 

Dissertação de Mestrado de Renata Costa Silva Brandão
PDF 0,73 MB 

O Tribunal Penal Internacional e a Nova Ordem Internacional 
Susana Costa
PDF 0,50 MB 

O Tribunal Penal Internacional:
De uma cultura de impunidade para uma cultura de responsabilidade

Enrique Ricardo Lewandowski
PDF 0,31 MB 

A importância do Tribunal Penal Internacional para a Proteção Internacional dos Direitos Humanos 
Valério de Oliveira Mazzuoli
PDF 0,10 MB 

Tribunal Penal Internacional:
Apontamentos acerca da moralidade e legalidade 

Monografia de Juliane da Silva Pessoa
PDF 0,05 MB 

O papel das vítimas nos procedimentos perante o Tribunal Penal Internacional:
Seus direitos e as primeiras decisões do Tribunal 

Paulina Vega González
PDF 0,13 MB 

Com TPI, países preferem o Direito à força 
Entrevista com Sylvia Steiner 
PDF 0,07 MB 

Folha de Informação: África e o Tribunal Penal Internacional 
PDF 0,08 MB 

Dinamismo do Direito Internacional Penal após o Estatuto de Roma: 
Da Sudan Room a situação em Darfur, Sudão
Tarciso Dal Maso Jardim
PDF 0,21 MB 

O Tribunal penal Internacional e sua compatibilidade com a Constituição Brasileira quanto a aplicação da pena de Prisão Perpétua pela Corte 
Monografia de Karina Gomes e Silva
PDF 0,07 MB 

Tribunal Penal Internacional para Ruanda, Mini-Guia 
O julgamento de Jean Kambanda e o genocídio em Ruanda
PDF 0,52 MB 

Timor-Leste: Justiça na Sombra – Tribunal Penal Internacional 
Anistia Internacional
PDF 0,67 MB 

Golpe na Venezuela
A Carta Interamericana de Direitos humanos

Textos & Reflexões

Ataque aos Estados Unidos e Afeganistão
Textos & Reflexões

Torturas norte-americanas em Abu Gharib
Fernando Botero retrata as infames torturas ianques no Iraque

Fonte: DireitosHumanosnet.org

ONU pede que Espanha modifique lei de anistia e crie comissão da verdade

Lei dá imunidade a agentes estatais que cometeram crimes contra a humanidade durante o franquismo

15 de novembro de 2014. Esta é data máxima dada pela ONU (Organização das Nações Unidas) para que a Espanha modifique a Lei de Anistia de 1977, que dá imunidade aos agentes do Estado que cometeram crimes durante a guerra civil (1936 – 1939) e a ditadura de Francisco Franco (1939-1975). A modificação é uma das várias recomendações que o CED (Comitê contra os Desaparecimentos Forçados, em sua sigla em inglês) incluiu em seu relatório final, em 15 de novembro deste ano. Nele, o CED admite que no país ibérico existem 114.226 pessoas desaparecidas e que 30.960 bebês foram roubados no período entre 1936 e 1975.

O relatório é o documento final que exprime a visão da organização em relação às obrigações internacionais não cumpridas pela Espanha e observadas por um grupo de trabalho que percorreu o país entre os dias 23 e 30 de setembro. “Nós, o que dizemos é que para cumprir com as obrigações dos tratados internacionais, o país deve seguir certas coisas. Nossas recomendações, neste sentido, têm a mesma obrigatoriedade que os tratados assinados voluntariamente pela Espanha”, explica Ariel Dulitzky, professor de direito da Universidade do Texas, nos Estados Unidos e um dos enviados da ONU à Espanha.

Segundo Dulitzky, o desaparecimento forçado se define como qualquer tipo de privação da liberdade de uma pessoa por agentes estatais ou por particulares que atuam com a tolerância ou cooperação do Estado. Além disso, o conceito também abrange o fato de o Estado se negar a reconhecer a detenção ou o lugar onde a pessoa se encontra detida e, por isso, esta pessoa fica fora da proteção da lei.

Entre os principais tratados internacionais que regulam este tipo de crime estão a Declaração sobre a Proteção de Todas as Pessoas contra os Desaparecimentos Forçados, de 1992, e a convenção internacional de mesmo nome adotada em 2006. Como país signatário, a Espanha é obrigada a cumprir as normas dos tratados.

Para o CED, os principais problemas encontrados na Espanha são o tempo transcorrido desde que os desaparecimentos ocorreram, a falta de um procedimento claro, detalhado e específico em relação às exumações e identificações e a inexistência de uma base de dados genéticos de familiares das pessoas desaparecidas. Além destes fatores, Dulitzky destaca a eliminação completa dos fundos estatais para exumações.

No último governo socialista, o Estado destinou 6,5 milhões de euros em subvenções para o trabalho de identificação dos restos mortais encontrados nas mais de 2,3 mil valas comuns identificadas em território espanhol. Deste total, segundo as associações de vítimas, menos de 400 foram abertas. O governo de Mariano Rajoy (PP) cortou os subsídios que estavam amparados pela Lei da Memória Histórica.

Revogação da lei de anistia

“O que aprendemos é que as anistias não servem para garantir a justiça, não servem para garantir a verdade e muitas vezes também não são sinônimos de garantia da paz e da estabilidade democrática”, diz Dulitsky. No relatório final, os integrantes do comitê admitiram certa surpresa com a sentença final do Tribunal Supremo espanhol sobre a possibilidade de julgar os crimes do franquismo.

Nesta sentença o tribunal afirmava: “[...] a argumentação sobre a permanência do delito não deixa de ser uma ficção contrária à lógica jurídica. Não é razoável argumentar que um detido ilegalmente em 1936, cujos restos não foram achados em 2006, possa racionalmente pensar-se que seguiu detido além do prazo de prescrição de 20 anos [...]”.

Os tratados assinados pela Espanha consideram que, para iniciar a conta para a prescrição dos delitos de desaparecimento forçado, é preciso que a pessoa ou os restos mortais dela apareçam. Ou seja, enquanto a pessoa segue desaparecida, o crime não prescreve. “Esta decisão do Tribunal Supremo pode ser discutível. Muitos setores jurídicos aqui na Espanha não estão de acordo”, conta o juiz Joaquim Bosch.

“De acordo com a evolução do direito internacional, as anistias completas que impedem a investigação, o julgamento e a sanção dos crimes internacionais, como os que ocorreram na Espanha, são consideradas ilegais”, explica Dulitzky.

Comissão da verdade

Além da modificação da lei de anistia, o comitê também convida a Espanha a criar uma Comissão da Verdade, com “especialistas independentes encarregados de determinar a verdade sobre as violações aos direitos humanos ocorridas no passado”.

Sobre as comissões da verdade, Dulitzky explica que “uma de suas características é que não estudam casos isolados, mas sim padrões gerais. E, segundo, são comissões de oficiais do Estado, é o reconhecimento estatal da verdade. Esta é a verdade de acordo ao Estado. Como este tipo de crimes são necessariamente cometidos pelo Estado, é o Estado que diz: tudo isso é o que fizemos”.

Apesar de apontar as falhas do Estado, o comitê da ONU não tem poder de aplicar nenhuma sanção em caso de não-cumprimento das recomendações. Dulitzky assume que o mais importante para eles é “o que vai suceder na sociedade espanhola, o debate que será gerado na Espanha e a responsabilidade que as autoridades espanholas irão assumir”.

Já o juiz Joaquim Bosch acredita que algumas recomendações serão cumpridas. “Algumas [questões do relatório] eu acredito que têm muita viabilidade porque não tem sentido que a Espanha tenha assinado o convênio internacional sobre desaparecimentos forçados e que siga tendo mais de 100 mil desaparecidos em seu território”. Entretanto, Bosch não é tão otimista em relação às mudanças de maior importância: “as outras questões propostas, que se derrogue a lei de anistia, por exemplo, dependerá das forças políticas e do poder legislativo”.

Fonte: OperaMundi

Política de austeridade: espanhola é demitida por faltar ao trabalho no dia do próprio despejo

Amaya Muñoz representa o drama da população espanhola frente às políticas de austeridade: sem emprego e sem casa

Amaya Muñoz chora nos braços de amigos ao ser despejada de sua casa; operação foi conduzida por 100 policiais

“Você já tem idade suficiente para saber quais são as suas responsabilidades. Atente-se às consequências”. Foi assim que Amaya Muñoz, uma espanhola de 31 anos, soube de sua chefe que estava sendo demitida. A razão foi explicada pela seção de Recursos Humanos da empresa de marketing na qual trabalhava: havia faltado 20% das jornadas em dois meses consecutivos.

Ausências para acompanhar o próprio despejo do apartamento por não ter conseguido pagar a parcela mensal de 600 euros. Depois de acompanhar mais de 100 policiais espanhóis tirarem suas coisas à força, a jovem obteve licença médica do trabalho por questões psicológicas.

Amaya voltou ao emprego ainda em setembro e tudo seguiu normalmente até esta sexta-feira (25/10), quando obteve a inesperada notícia. Meia hora antes do final de seu turno, ela recebeu um telefonema do departamento de Recursos Humanos. “Pensei que iríamos falar sobre as horas extras que eu tinha me oferecido a fazer”, conta ela.

“Não tem sentido que me despeçam por faltas justificadas”, acrescenta. Mas a nova legislação trabalhista espanhola, aprovada no ano passado como parte do programa de austeridade contra a crise econômica, embasa a decisão da empresa. Foi a mesma reforma que amedrontou tanto a marroquina Latifa que com medo de perder seu emprego por faltas, deixou de ir ao médico e morreu, em março de 2012, de pneumonia.

Tanto Latifa quanto Amaya eram empregadas da Konecta, uma teleoperadora com cerca de 700 funcionários, em sua grande maioria mulheres, com salário médio de 900 euros mensais e extensos turnos. O grupo faturou 307 milhões de euros em 2012, segundo dados oficiais.

Drama de muitos

Vítima da crise, da precarização do trabalho, do despejo e das políticas do governo, sua história se tornou um símbolo do drama de milhares de espanhóis. A jovem sofreu os dois golpes mais duros que assolam a população: perder a casa e o emprego; não importa em que ordem. Amaya é apenas mais uma dos 6 milhões de desempregados no país e dos 420 mil que não conseguiram pagar as prestações de seus imóveis.

Em um ano de atraso da mensalidade de sua casa, Amaya acumulou uma divida de 8 mil euros.

Em sua solidariedade e para sua readmissão na empresa, foi convocado um protesto nesta terça e dezenas de internautas enviam mensagens rechaçando a Konecta nas redes sociais. O ato foi chamado também pelo Twitter da PAH (Plataforma dos Afetados pela Hipoteca, na sigla em espanhol), considerado o principal movimento social contra os despejos no país.

Na Espanha, o preço das casas aumentou de 326 euros o metro quadrado, em dezembro de 1985, para 2,9 mil em dezembro de 2007. Além do aumento vertiginoso, o desemprego no país cresceu, levando milhares de pessoas a se tornarem devedoras de bancos.

Calcula-se que cerca de 350 mil execuções hipotecárias foram concluídas desde o início da crise imobiliária no país. Atualmente, estarão em curso outras 200 mil ações que poderão levar ao despejo de famílias inteiras. Estima-se, em média, que as autoridades espanholas executam 500 despejos a cada dia.

Enquanto o número de pessoas sem moradia aumenta, cresce também o número de residências vazias pelo país. Segundo dados oficiais, existem 3,4 milhões de casas inabitadas, entre as quais cerca de 25% são edifícios construídos nos últimos dez anos em pleno boom da construção imobiliária da Espanha.

Resistências

Depois de ajudar a jovem, a PAH encaminhou seu caso para a CGT (Confederação Geral do Trabalho da Espanha). A partir do contato com o sindicato, Amaya disse que irá entrar na justiça contra sua demissão. “Quero denunciar para encorajar outras pessoas que trabalham na empresa ou em outras em situação semelhante a minha”, disse ela. “Não é justo ser despedida por este motivo, independentemente o que diga a reforma trabalhista”.

Fonte: OperaMundi

Vlado somos todos nós

38 anos após o assassinato de Vladimir Herzog, grande parte dos crimes da quase cinquentenária ditadura permanecem na escuridão.

.

No dia 25 a Câmara Municipal de São Paulo inaugurou a Praça e Memorial Vladimir Herzog, localizada na Rua Santo Antônio, atrás do Palácio Anchieta, centro de São Paulo.  A data foi escolhida pois no dia 25 de outubro completam-se 38 anos do assassinato do jornalista Vladimir Herzog pelo aparato repressor do regime militar. Vlado tornou-se um símbolo da luta por memória, verdade, justiça.

O jornalista iniciou sua carreira como repórter no Estado de São Paulo em 1959. Entrou para a televisão em 1963, no “Show de Notícias” da TV Excelsior e após dois anos no programa foi contratado pela BBC de Londres, onde permaneceu até 68. Herzog volta para o Brasil como editor cultural da revista Visão.

Herzog se tornou diretor do Departamento de Jornalismo da TV Cultura em 1972. A vontade de veicular uma programação que revelasse a potencialidade da cultura brasileira e a realidade de seu povo, contrariando a censura instituída pela ditadura militar e os programas de cunho nacionalista impostos pelo regime, aumentou a pressão sobre o jornal e o próprio jornalista. “Uma campanha articulada pelos órgãos de repressão, montada pelos militares da chamada linha dura, acusava-o de colocar o noticiário da emissora a serviço da subversão comunista”, relatou Audálio Dantas, no livro “As duas guerras de Vlado Herzog” (Editora Civilização Brasileira, 2012).

O recrudescimento da chamada “linha dura” da ditadura militar teve seu auge em meados dos anos 70. Com a instituição do Ato Institucional número 5, em dezembro de 1968, uma onda de repressão sem precedentes passou a atingir milhares de pessoas. O governo militar detinha o poder e o utilizava de todas as formas para barrar o “avanço comunista”. Por meio da censura, a cúpula militar escondia nos porões as atrocidades cometidas de forma arbitrária a qualquer um que se opusesse ao regime.

Sob suspeita de manter ligações com o Partido Comunista, Herzog foi convocado para prestar depoimento e se apresentou ao DOI-CODI, o Destacamento de Operações Internas – Comando Operacional de Informações do II Exército, por volta das 9h da manhã do dia 25 de outubro de 1975. Foi torturado e assassinado. Os agentes da ditadura fraudaram o atestado de óbito. O laudo necroscópico, assinado pelo médico legista Harry Shibata, confirmou o suposto suicídio, “asfixia mecânica por enforcamento”, diz o documento.

No dia seguinte já se exigia esclarecimentos sobre as reais circunstancias em que ocorrera a morte de Herzog. O Sindicato dos Jornalistas teve papel fundamental, juntamente com a família do jornalista, para trazer à tona os fatos do assassinato. Somente em setembro de 2012, mais de trinta anos depois e após um pedido da Comissão Nacional da Verdade (CNV), foi determinada a retificação do atestado de óbito de Vladimir Herzog, que agora consta que sua “morte decorreu de lesões e maus tratos sofridos em dependência do II Exército – SP (DOI- CODI)”.

A decisão representa uma vitória na luta pelo resgate da memória do país. No entanto, 38 anos após o seu assassinato, grande parte dos crimes da quase cinquentenária ditadura permanecem na escuridão, e a impunidade dos torturadores é uma realidade mesmo frente à instituição da Comissão Nacional da Verdade. No livro de Audálio Dantas, Fernando Birri, cineasta argentino e amigo de Herzog elucida: “Vlado somos nós, Vlado somos todos nós”.

Fonte: CartaMaior

Novo procurador-geral defende punição de agentes da ditadura

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, manifestou haver possibilidade jurídica de punir agentes do Estado que cometeram crimes durante a ditadura (1964-85). Em parecer encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF), Janot muda o entendimento do antecessor, Roberto Gurgel, para quem a questão estava enterrada desde que em 2010 a Corte se manifestou pela plena constitucionalidade da Lei de Anistia, aprovada pelo Congresso em 1979, ainda durante o regime.

“A imprescritibilidade dos crimes contra a humanidade constitui norma jurídica imperativa, tanto de caráter consuetudinário quanto de caráter principiológico, do direito internacional dos direitos humanos”, defende Janot, que tomou posse no último dia 17 em Brasília e já marca uma diferença grande em relação ao antecessor. Em 2010, Gurgel encampou a visão do STF de que a anistia “resultou de um longo debate nacional para viabilizar a transição entre o regime militar e o regime democrático atual”. O Ministério Público Federal vem movendo nos últimos anos ações visando à punição penal dos torturadores, mas até agora o ocupante do cargo mais alto da instituição não havia se manifestado de forma tão categórica a favor da existência de um caminho jurídico para garantir condenações.

Janot externou sua posição em parecer sobre a extradição de um policial argentino que atuou durante o último regime autoritário daquele país (1976-83). O documento, datado de 24 de setembro, foi divulgado hoje pelo MPF, e acolhe a perspectiva de que o Direito Internacional Público resguarda os direitos básicos da população. Esta é, também, a primeira vez que o procurador-geral se posiciona em favor do acolhimento da sentença proferida em dezembro de 2010 pela Corte Interamericana de Direitos Humanos. Na ocasião, a entidade integrante da Organização dos Estados Americanos (OEA) condenou o Brasil por não investigar os fatos do passado e não punir agentes do Estado, e determinou que a Lei de Anistia não fosse utilizada como pretexto para deixar de apurar e sancionar violações.

“Na persecução de crimes contra a humanidade, em especial no contexto da passagem de um regime autoritário para a democracia constitucional, carece de sentido invocar o fundamento jurídico geral da prescrição”, avalia Janot. “Nos regimes autoritários, os que querem o socorro do direito contra os crimes praticados pelos agentes respectivos não deixam de obtê-lo porque estão dormindo, e sim porque estão de olhos fechados, muitas vezes vendados; não deixam de obtê-lo porque estão em repouso, e sim porque estão paralisados, muitas vezes manietados.”

Na avaliação da Corte Interamericana, em uma leitura reiterada por várias convenções firmadas no âmbito das Nações Unidas, não há que se falar em prescrição de crimes que violam os direitos humanos básicos. A visão parte do “ius cogens”, termo em latim que designa o direito de gentes, figura jurídica acolhida pela Constituição argentina desde o século 19. Janot adverte que, ainda que a legislação brasileira tenha diferenças em relação à do país vizinho, os direitos básicos garantidos pela Carta Magna garantem a imprescritibilidade deste tipo de infração e, na falta dela, o Direito internacional.

O entendimento de Janot contraria não apenas o de Gurgel, mas o de alguns ministros do STF, que após a condenação pela Corte Interamericana se manifestaram no sentido de que as decisões tomadas internamente se sobrepunham às adotadas internacionalmente, o que contraria convenções adotadas pelo Brasil, entre elas a Convenção de Viena, conhecida como “tratado dos tratados”, editada em 1969 e promulgada no país 40 anos depois.

Agora, o procurador-geral acolhe a visão mais comum no plano externo, de que o Direito Internacional se baseia em regras comuns, do ponto de vista moral, à maioria das nações – como, por exemplo, a visão de que a tortura deva ser repudiada e punida, independentemente de quando tenha ocorrido – e que, na falta de ação dos Estados nacionais, a comunidade global tem o dever e o direito de garantir punições a agentes que incorram neste tipo de violação. Para Janot, é “hipocrisia hermenêutica” a posição de que os crimes cometidos pela ditadura devam ser deixados no passado. “Não há segurança jurídica a preservar quando a iniciativa se volta contra o que constituiu pilar de sustentação justamente de um dos aspectos autoritários de regime que, para se instaurar, pôs por terra, antes de tudo, a mesma segurança jurídica.”

Desde a decisão da Corte Interamericana, o MPF testou algumas vezes o Judiciário federal em ações contra algumas figuras do regime – entre elas, Carlos Alberto Brilhante Ustra, comandante do DOI-Codi em São Paulo entre 1970 e 1974. Alguns casos foram arquivados, mas outros têm seguido adiante. Na última semana a Justiça Federal em São Paulo recusou o arquivamento de um dos processos e determinou a tomada de depoimentos de testemunhas relacionadas ao caso do corretor de valores e ex-fuzileiro naval Edgar de Aquino Duarte, preso em junho de 1971 e visto pela última vez em 1973.

Até agora, porém, nenhuma dessas ações chegou ao STF, que tampouco julgou os recursos apresentados pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) à decisão tomada em 2010, ao rejeitar a possibilidade de punir torturadores até então resguardados pela Lei de Anistia. Não se sabe se a nova composição da Corte, que de lá para cá assistiu à substituição de alguns ministros, poderá levar a uma nova interpretação, que alinhe o Direito interno brasileiro à visão defendida pela OEA.

Curiosamente, ao julgar outros pedidos de extradição da Argentina, alguns dos magistrados que rejeitaram a possibilidade de condenação penal no Brasil aceitaram a leitura de que crimes contra a humanidade são imprescritíveis. Relator do caso do agente Cláudio Vallejos, Gilmar Mendes defendeu no ano passado que “nos delitos de sequestro, quando os corpos não forem encontrados, em que pese o fato de o crime ter sido cometido há décadas, na verdade está-se diante de um delito de caráter permanente, com relação ao qual não há como assentar-se a prescrição”.

É esse um dos argumentos que têm sido testados pelo MPF, e que agora é defendido também por Janot. Ele pediu que o STF autorize a extradição do argentino Manuel Alfredo Montenegro, acusado de crimes de privação ilegítima de liberdade e tortura durante a ditadura no país vizinho. Segundo a Interpol, o então inspetor da Polícia Federal prendeu e torturou três militantes – ele tem prisão decretada pela Justiça da província de Misiones desde 2010.

Fonte: Vermelho.ORG