OIT: 20,9 milhões de pessoas no mundo são vítimas de trabalho forçado

Daniella Jinkings
Repórter da Agência Brasil

Escravidão moderna

Brasília – Cerca de três em cada mil pessoas em todo o mundo são vítimas de trabalho forçado, segundo estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado hoje (1º). O número total de pessoas presas em empregos que lhes foram impostos por meio de coação ou de engano chega a 20,9 milhões. Nessas situações também podem ser incluídos o tráfico de seres humanos ou práticas análogas à escravidão. O último relatório da organização sobre o assunto foi divulgado em 2005.

“O tráfico de seres humanos também pode ser considerado trabalho forçado e, assim, essa estimativa capta o tráfico de seres humanos para exploração laboral e sexual ou o que alguns chamam de escravidão moderna”, diz o estudo.

De acordo com o levantamento, mulheres e meninas representam 55% (11,4 milhões) do total de trabalhadores forçados, enquanto homens e meninos representam 9,5 milhões (45%). Além disso, os adultos são mais afetados do que as crianças, pois 74% (15,4 milhões) das vítimas são maiores de 18 anos e 26% (5,5 milhões) estão abaixo dessa faixa etária.

A região da Ásia e do Pacífico apresenta o número mais alto de trabalhadores forçados no mundo, 11,7 milhões (56%). A África vem em seguida, com 3,7 milhões (18%), e a América Latina, com 1,8 milhão de vítimas (9%). Nos países da Europa Central e do Leste Europeu são registrados 1,6 milhão (7%) de pessoas trabalhando de forma forçada. Nas economias desenvolvidas e na União Europeia há 1,5 milhão (7%) de trabalhadores forçados, enquanto no Oriente Médio, o número de vítimas é estimado em 600 mil (3%).

O estudo mostra ainda que 90% dos trabalhadores (18,7 milhões) são explorados na economia privada, por indivíduos ou empresas. Desses, 4,5 milhões (22%) são vítimas de exploração sexual forçada e 14,2 milhões (68%) são forçados em atividades econômicas como agricultura, construção civil, trabalho doméstico ou industrial.

Além disso, 2,2 milhões (10%) são vítimas de trabalho forçado imposto pelo Estado, como por exemplo, nas prisões, o que viola as normas da OIT, ou imposto por forças armadas rebeldes ou exércitos nacionais.

O documento também apresenta a relação entre migração e trabalho forçado. Há 9,1 milhões de vítimas (44%) que estão presas no trabalho forçado após um processo migratório, ou seja, o deslocamento dentro de seus países ou para o exterior. A maioria dessas pessoas, 11,8 milhões (56%), está submetida a trabalho forçado em seus países de origem ou residência.

Os deslocamentos entre fronteiras estão estreitamente vinculados à exploração para fins sexuais. Em contrapartida, a maioria dos trabalhadores forçados em atividades econômicas e quase todos os que são vítimas de trabalho forçado imposto pelo Estado não se afastaram de suas áreas de origem”, mostra o estudo.

Fonte: AgenciaBrasil

Veja outras matérias sobre trabalho forçado.

Argentinos fazem panelaço contra o controle da venda de dólares

Por Monica Yanakiew

Buenos Aires – Os argentinos voltaram a protestar com panelas pela primeira vez desde 2008. Os moradores dos bairros mais nobres da cidade de Buenos Aires convocaram um panelaço nesta quinta-feira à noite (31), contra a corrupção, a insegurança e as restrições à compra de dólares. Foi o primeiro protesto contra o governo, desde que a presidenta Cristina Kirchner foi reeleita, em outubro passado, com 54% dos votos.

Também na quinta-feira (31), os ruralistas da província de Buenos Aires (que concentra um terço do Produto Interno Bruto e da população do pais) decretaram uma greve entre os dias 2 e 8 de junho. O protesto é contra o aumento de impostos à propriedade rural, aprovado num ano em que os agricultores estão sofrendo os efeitos da seca, que afetou a produção de soja.

“Eu compro dólares para me proteger da inflação, que o governo diz que é de 10% ao ano, mas que todos nós sabemos que está mais próxima dos 30%”, disse a contadora Soledad Nanclares, enquanto batia panelas no balcão de seu apartamento, no bairro de Palermo. “Acho que numa democracia todos temos o direito de fazer o que queremos com o dinheiro que ganhamos trabalhando de forma legal. Se o governo quer acabar com a cultura de poupar em dólar, os funcionários [públicos] deveriam ser os primeiros a dar o exemplo”.

O governo argentino começou a controlar as operações de câmbio para evitar a fuga de divisas do pais, que, em 2011, foi US$ 11 bilhões. Uma medida, de novembro passado, obriga os argentinos que querem comprar dólares, euros, reais ou qualquer moeda estrangeira a pedir autorização prévia à Afip (Receita Federal argentina). Os argentinos tem que provar que tem suficientes pesos declarados para realizar a operação de câmbio.

Duas outras medidas restringiram ainda mais a compra de moeda estrangeira. O governo proibiu o uso de cartões de débito de contas em pesos argentinos para retirar divisas no exterior e, em maio, impôs restrições à compra de divisas para quem viajar ao exterior. Pelas novas normas, quem quiser comprar moeda estrangeira ao câmbio oficial tem que informar à Afip para onde vai, por quanto tempo e por qual motivo.

O senador Aníbal Fernandez, que foi chefe de gabinete da presidenta Cristina Kirchner, defendeu as restrições, dizendo os argentinos deveriam começar a pensar em pesos argentinos. Há pelo menos quatro décadas, os argentinos pensam em dólares: vendem e alugam imóveis e poupam em moeda norte-americana. Mas em entrevista, o senador admitiu que ele também poupa em dólares: tem US$ 24 mil guardados porque, segundo ele, não quer perder tempo investindo em prazos fixos, que precisam ser renovados.

Esta semana, os jornais argentinos publicaram as declarações de imposto de renda de membros do governo, provando que tanto a presidenta quanto muitos de seus ministros tinham poupança em dólares. “Faz sentido querer pesificar a economia argentina. Afinal, nossa moeda é o peso. Mas para convencer os argentinos a mudar seus hábitos, o governo deveria oferecer incentivos. Discursos não bastam”, disse o ex-presidente do Banco Central, Martin Redrado.

Fonte: Agência Brasil

Leia mais sobre economia argentina

Bandeira branca

Em meio a cenas de protesto e de dura repressão por parte da polícia de Chicago, as nações da Otan e suas aliadas tiveram sua primeira reunião desde a cúpula de Lisboa em 2010. Naquela ocasião, tratou-se de redefinir e ampliar seu “Conceito Estratégico” para além do Atlântico Norte como forma de garantir o fornecimento de energia, atuando na Ásia Central e outras regiões vitais.?

Desta vez, ao contrário, o ponto principal da pauta é um recuo. Barack Obama quer mostrar a eleitores e aliados uma “luz no fim do túnel” no Afeganistão, uma conclusão honrosa para uma guerra que já consumiu 12 anos e 1 trilhão de dólares.

É urgente salvar as aparências, antes que a retirada comece a parecer uma debandada. O Canadá abandonou os combates em 2011, François Hollande avisou que a antecipação da retirada da França para o fim deste ano é “inegociável”, a Austrália marcou sua retirada para 2013, a Polônia para 2014 e o Reino Unido para 2015. Washington manobra para que o quadro às vésperas das eleições de novembro pareça o melhor possível.

Segundo o acordado, a Otan transferirá a responsabilidade pela segurança ao governo de Cabul em meados de 2013, o que supostamente significará o fim das repetidas cenas de barbárie protagonizadas por soldados dos EUA contra inimigos derrotados e até civis indefesos, que horrorizam o Ocidente e predispõem os afegãos a apoiar o Taleban contra os estrangeiros. São cada vez mais frequentes os casos de soldados e funcionários ocidentais mortos a tiros por policiais ou soldados com os uniformes do governo de Hamid Karzai.

A retirada das forças aliadas se completaria até o fim de 2014. Obama, ao mesmo tempo, pressiona Karzai a retomar com urgência os entendimentos com o Taleban e chegar a uma “solução política”. Com a queixa de “falta de clareza” de Washington, os fundamentalistas suspenderam em 15 de março a negociação no Catar iniciada em fevereiro, mas as retomaram no fim de abril, visando a troca de cinco líderes talebans presos em Guantánamo por um soldado estadunidense capturado em 2009.

Isso sugere que os EUA estão dispostos a ceder mais em troca de um pacto até novembro, mesmo se as circunstâncias sugerem que esse arranjo seria tão precário quanto os Acordos de Paris de 1973, que serviram de desculpa para encerrar a participação dos EUA na Guerra do Vietnã e abriram caminho à vitória definitiva do vietcongue em 1975. O desenlace pode ser ainda mais constrangedor, já que a base de poder independente de Karzai é mínima, mais frágil que aquela do governo de Saigon, em 1974. Suas tropas resultam de uma aliança, forçada por Bush júnior, de caudilhos tribais que podem trair uns aos outros e a Karzai assim que virem os marines pelas costas.

A aposta inicial de Obama era que o reforço que duplicou as forças dos EUA no Afeganistão em 2009 seria suficiente para enfraquecer o Taleban e obrigá-lo a negociar. Obviamente, não foi assim: os fundamentalistas não recuaram e se tornaram mais ousados, a ponto de realizar ataques inéditos na própria capital.

Além disso, a intensificação dos ataques com drones (aviões sem piloto) contra supostos fundamentalistas na fronteira e no próprio território do vizinho Paquistão, bem como a execução de Bin Laden perto da academia militar desse país, esgotaram a escassa disposição desse governo a colaborar. Condenou a 33 anos de prisão, por traição, o médico paquistanês que ajudou os EUA a localizá-lo e fechou há seis meses as vias de abastecimento da Otan desde que um ataque aéreo dos EUA matou 24 soldados paquistaneses, obrigando-a a recorrer à Rússia e Ásia Central.

Obama disse ingenuamente que a morte de Bin Laden “foi o dia mais importante do mandato”, mas também a pretensão de ter enfraquecido seriamente a Al-Qaeda merece dúvidas. Suas ações no Iraque e Iêmen nunca cessaram. Nesse último país, a organização controla uma província inteira desde março de 2011 e em 21 de maio um de seus homens-bomba, recrutado no exército iemenita, explodiu no meio de uma parada militar: matou 100 soldados e feriu 300. Nos últimos meses, a Primavera Árabe abriu espaços à Al-Qaeda na Líbia, onde sua bandeira tremula sobre edifícios públicos, na Síria, onde cometeu vários atentados com carros-bomba contra o regime de Bashar al-Assad e talvez em outros países do Oriente Médio e África.

Os EUA também parecem apostar em um acordo com o Irã, mesmo se sanções continuem a ser aplicadas. O Congresso de Washington está prestes a votar um projeto de lei para autorizar uma guerra com o país e o Pentágono se diz pronto para essa eventualidade, mas, para o aparente desgosto de Tel-Aviv, o chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukiya Amano, visitou Teerã na segunda-feira 21, dois dias antes da retomada das negociações do Conselho de Segurança com o Irã em Bagdá, e disse estar muito próximo de um acordo para retomar as inspeções nas instalações nucleares iranianas.

Ao que parece, tanto as potências quanto Teerã podem aceitar um arranjo que permita ao Irã continuar a enriquecer urânio a 3,5% para seus reatores nucleares (o que o Brasil e o Japão, por exemplo, também fazem), desde que suspenda o enriquecimento a 20% e abra suas instalações o suficiente para dar garantias convincentes de não estar construindo armas nucleares. Os diplomatas consideraram substanciais o avanços em Bagdá e marcaram outra reunião para meados de junho em Genebra. Israel continua a exigir oficialmente o desmantelamento total do programa nuclear iraniano, mas Netanyahu deve saber muito bem que, sem o respaldo de Washington, suas ameaças serão vazias.

Segundo o jornal israelense Haaretz, o ministro da Defesa Ehud Barak informou a Obama a disposição de flexibilizar sua posição. A adesão à base governista do partido Kadima facilita ao governo, se quiser, enquadrar a ultradireita. Ao mesmo tempo, a derrota do Mahmoud Ahmadinejad para os partidários do aiatolá Ali Khamenei nas eleições parlamentares permite alguma flexibilização do Irã. Embora mais aferrados que o presidente ao fundamentalismo e, talvez mais autoritários, os ultraconservadores parecem mais pragmáticos quando se trata de política externa.

Fonte: Carta Capital
Veja mais sobre a guerra no Afeganistão