MPF processa Chevron e pede indenização de R$20 bi


Chevron - vazamento na bacia de Campos

O Ministério Público Federal (MPF) em Campos (RJ) abriu uma ação civil pública contra a petroleira norte-americana Chevron em que pede uma indenização de 20 bilhões de reais por danos ambientais e sociais causados pelo vazamento de petróleo na bacia de Campos, no dia 7 de novembro.

O MPF também pediu liminar suspendendo as operações da companhia e da operadora de plataformas Transocean no Brasil, sob pena diária de 500 milhões de reais.

O procurador da República Eduardo Santos de Oliveira argumenta que as empresas demoraram para fechar o poço e cimentar as fontes de vazamento, insistindo na alegação de que o acidente era ínfimo.

Ele argumenta também que a técnica utilizada pela Chevron para conter o derramamento não surtiu efeito, pois o cimento usado seria instável. Para ele, isso revela despreparo e descaso da empresa.

Na ação, o procurador argumenta ainda que a Chevron omitiu informações à ANP (Agência Nacional de Petróleo) e cometeu falhas no plano de contingência.

O MPF pede a paralisação definitiva das atividades da Chevron e da Transocean no Brasil após o julgamento definitivo da ação.

A Chevron disse que ainda não recebeu nenhuma notificação formal sobre a ação civil pública, e que o vazamento remanescente corresponde a menos de um barril.

Um porta-voz da Transocean afirmou que a empresa está trabalhando junto às autoridades brasileiras e que também ainda não recebeu nenhum comunicado por escrito.

O vazamento de petróleo no campo de Frade ocorreu no mês passado, quando a empresa perfurava um novo poço cerca de 200 metros distante do local onde já produz cerca de 75 mil barris de petróleo por dia.

Segundo a companhia, uma pressão inesperada de petróleo no poço em perfuração fez com que o óleo vazasse e se infiltrasse em rachaduras na rocha marinha. Esse petróleo, posteriormente, conseguiu chegar à água por meio de outras fraturas na rocha.

A Chevron calcula o vazamento em cerca de 2,5 mil barris de petróleo para o mar, mas entidades governamentais como a Secretaria de Meio Ambiente do Rio de Janeiro, estimam que o vazamento foi maior, de aproximadamente 15 mil barris.

Autoridades do governo brasileiro questionaram o modo como a empresa tratou o incidente, com demora para descobrir o que aconteceu e para comunicar as autoridades.

A ANP suspendeu todas as atividades de exploração da empresa no Brasil e rejeitou pedido da Chevron para buscar reservatórios no pré-sal de Frade.

Depois do atrito com governo federal e o órgão regulador, a companhia recuou, assumiu a responsabilidade e pediu desculpas oficialmente.

Em seguida a empresa anunciou planos de investimentos de 3 bilhões de dólares nos próximos três anos para tentar melhorar as relações com o país.

A Chevron é operadora do bloco na bacia de Campos com 51,7 por cento de participação, em consórcio formado com a Petrobras (30 por cento) e o grupo Frade Japão, que possui 18,2 por cento.

Fonte: Reuters

About these ads

2 comentários sobre “MPF processa Chevron e pede indenização de R$20 bi

  1. Aos acidentes estão sujeitos os países que exploram recursos naturais como o petróleo, a questão é: houve a devida cautela? após o acidente, as medidas adotadas foram suficientes?
    Se a resposta for não para ambas as perguntas, fica registrado o descaso da Chevron com o Brasil e com o meio ambiente de forma geral. No mínimo, esclarecimentos devem ser dados ao poder judiciário, e se necessário a execução da indenização e a suspensão dos direitos de exploração da companhia. Esse tipo de comportamento não pode passar despercebido e impune, pelo contrário, deve servir de exemplo para outras empresas que assumem o mesmo risco de acidentes em suas atividades, para que invistam no preparo e na tecnologia para prevenção de acidentes.

  2. À medida que se acompanha mais notícias sobre esse vazamento de petróleo, torna-se mais claro não somente o despreparo da Chevron, mas também seu modo de agir por demais insidioso ( morosidade para conter o vazamento e uso de técnica inadequada para tal, apresentação de números relativos aos prejuízos ambientais causados não correspondentes à realidade, etc.). Resumindo, o total descaso por parte da Chevron – como já foi dito no artigo .
    O sentimento gerado nos brasileiros – e no mundo todo, em especial nas pessoas mais engajadas com as causas ambientalistas – é de indignação, até porque vem acompanhado da sensação de impotência, de não haver como a população interferir de pronto.
    Que – deixando as ações de caráter urgente à parte – após a apuração do incidente, as medidas do Ministério Público Federal realmente sejam aplicadas para que a Chevron tenha uma mudança de postura e um maior respeito ambiental, ainda mais explorando a atividade petrolífera em outros países. E que também sirva como exemplo para que outras petroleiras ajam com maior prudência com o meio ambiente – não o vendo apenas como um modo de obtenção de lucro -o que não é mais do que pedir respeito à humanidade e ao mundo em que vivemos como um todo.

Comente esta notícia!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s